Fourteen Words

Fourteen Words ou Quatorze Palavras (abreviado como 14 ou 14/88) é uma referência a dois slogans originários de David Eden Lane,[1][2] um dos nove membros fundadores do extinto grupo separatista supremacista branco The Order.[3] Os slogans têm servido como um grito de guerra para os militantes nacionalistas brancos internacionalmente.[4]

Grafite com uma suástica e 14/88

O slogan principal nas Quatorze Palavras é "Devemos assegurar a existência de nosso povo e um futuro para as crianças brancas" ("We must secure the existence of our people and a future for white children"),[1][5][6][7] seguido pelo slogan secundário "Porque a beleza da mulher ariana branca não deve perecer da Terra" ("Because the beauty of the White Aryan woman must not perish from the Earth").

Os dois slogans foram cunhados antes de Lane cumprir uma sentença de 190 anos em prisão federal por violar os direitos civis do apresentador de talk show judeu Alan Berg, que foi assassinado por outro membro do grupo em junho de 1984. Eles foram popularizados fortemente após a prisão de Lane.[8][9] Os slogans foram divulgados através da gráfica 14 Word Press, fundada em 1995 em St. Maries, Idaho, pela esposa de Lane para divulgar os escritos de seu marido[9][10] junto com Ron McVan que mais tarde mudou sua operação para Butte, Montana, após um desentendimento com a viúva de David, Katja Maddox.[11][12]

Lane usou a codificação numérica 14-88 extensivamente ao longo de seus tratados espirituais, políticos, religiosos, esotéricos e filosóficos e notavelmente em seus 88 Preceitos. De acordo com o Southern Poverty Law Center, a inspiração para as Quatorze Palavras "é derivada de uma passagem do livro autobiográfico de Adolf Hitler, Mein Kampf" (uma afirmação que Lane nunca fez);[13] as Quatorze Palavras são usadas com destaque por neonazistas, skinheads nazistas, pela extrema-direita e por certos nacionalistas brancos.[14][15]

A ideologia de Lane era antiamericana, separatista branca e insurrecional; ele considerava a lealdade aos Estados Unidos da América como "traição racial" e defendia o acrônimo "Our Race Is Our Nation " ("ORION"; Nossa Raça é Nossa Nação, em português),[16] considerando os Estados Unidos como cometendo genocídio contra as pessoas brancas[17][18] e como tendo sido fundado como uma Nova Ordem Mundial para finalizar um governo sionista global.

Opondo-se amargamente à continuação da existência dos Estados Unidos como uma entidade política, e rotulando-o de "assassino da raça branca",[9] Lane defendeu ainda mais o terrorismo doméstico como uma ferramenta para esculpir uma "pátria branca" nos Estados Montanhosos do norte. Para esse fim, Lane emitiu uma declaração chamada "Autoridade Moral" publicada pela agora extinta 14 Word Press e compartilhada pelas publicações da Nação Ariana, Igreja Mundial do Criador e outros grupos separatistas brancos, referindo-se aos Estados Unidos como um "Máquina vermelha, branca e azul de assassinato em massa itinerante", afirmando que "a verdadeira autoridade moral pertence àqueles que resistem ao genocídio".[18]

FraseologiaEditar

Após a publicação das Quatorze Palavras de Lane, elas foram adotadas por supremacistas brancos[19] e neonazistas,[19] nacionalistas brancos, identitários e membros da extrema-direita e direita alternativa. A variação mais usada é "Devemos assegurar a existência de nosso povo e um futuro para as crianças brancas" ("We must secure the existence of our people and a future for white children");[1][5][6][7] uma variação menos usada é "Porque a beleza da mulher ariana branca não deve perecer da terra" ("Because the beauty of the White Aryan woman must not perish from the earth").[20] Às vezes são combinados com o número 88 para formar as abreviações "14/88" ou "1488". Os números 8 representam a oitava letra do alfabeto, H, com "HH" representando Heil Hitler, de acordo com os neonazistas que usam o código.[7] O número 88 foi usado por Lane como uma referência aos seus 88 Preceitos,[21] juntamente com uma referência secundária às suas "88 Linhas e 14 Palavras". "88", quando combinado com "14", refere-se à numerologia na religião neopagã supremacista branca de Lane, Wotanism (o valor absoluto de 14 menos 88 sendo o número -74).[22]

O slogan tem sido usado em atos de terrorismo e violência da supremacia branca.[23] Foi central para o simbolismo do plano de assassinato de Barack Obama no Tennessee [en] em 2008,[24] que pretendia matar 88 afro-americanos, incluindo o futuro presidente Barack Obama (na época o candidato do Partido Democrata), 14 dos quais deveriam ser decapitados.[25][26] O skinhead Curtis Allgier notavelmente tatuou as palavras em seu corpo depois que ele assassinou o agente penitenciário Stephen Anderson,[27] e o massacre da igreja de Charleston inspirado na guerra racial de Dylann Roof foi influenciado pelo slogan.

OrigensEditar

Uma forte semelhança da primeira definição com uma declaração no Mein Kampf de Adolf Hitler foi apontada, embora não por Lane ou pela Fourteen Word Press. Estudiosos como Barry Balleck afirmaram que Lane foi quase certamente influenciado por Hitler, especificamente na seguinte declaração em Mein Kampf.[28]

Devemos lutar é para salvaguardar a existência e reprodução de nossa raça e de nosso povo, o sustento de nossos filhos e a pureza de nosso sangue, a liberdade e independência da pátria, para que nosso povo possa amadurecer para o cumprimento da missão que lhe foi atribuída pelo criador do universo. Todo pensamento e toda ideia, toda doutrina e todo conhecimento devem servir a este propósito. E tudo deve ser examinado a partir deste ponto de vista e utilizado ou rejeitado de acordo com sua utilidade.
Mein Kampf, Vol. I, Capítulo 8[3]

De acordo com o estudioso Mattias Gardell, David Lane ensinou algo que ele chamou de "Profecia da Pirâmide 666",[29] que incluía o conceito de que um código da Bíblia foi inserido por "adeptos arianos " dentro da versão do Rei Jaime da Bíblia cristã. O livro de Gardell, Gods of the Blood, afirma: "O número 1776 aparece no quadrado numérico de Marte no qual se encontra a Estrela de Davi e sua fórmula 741, sendo 741 também o valor das 14 Palavras na gematria simples". Lane afirmou que os dois slogans de 14 palavras chegaram a ele enquanto dormia e que as frases continham 61 letras, 20 sílabas, 74 caracteres e o valor 741. Elaborando, ele se descreveu na "Profecia da Pirâmide" como o "Homem Sol 666" tentando "salvar os brancos" com a América sendo o "sistema da Besta" empenhado em "destruir os brancos" — pontos de vista que foram censurados por Ron McVan e outros que consideraram as afirmações messiânicas contraproducentes por "desligar potenciais convertidos".[30]

Referências relacionadas ao terrorismo e violênciaEditar

 
O assassino skinhead Curtis Allgier tem tatuagens com "14" e "88"[31]

Os slogans e a numerologia de "14" e "88" foram usados por muitos supremacistas brancos, tanto antes como depois de terem cometido atos de violência (como em manifestos), bem como em símbolos que foram deixados nas cenas de atos criminosos. Estes incluem o membro da Ordem David Lane, os assassinos Paul Schlesselman e Daniel Cowart, e os assassinos Dylann Roof[32] e Curtis Allgier.[31] Allgier tem "14" e "88" tatuados na parte de cima da testa e as palavras "skin" e "cabeça" acima dos olhos, como mostra em sua mugshot.[31]

Assassinato de Alan BergEditar

 Ver artigo principal: Alan Berg

O assassinato do apresentador de talk show judeu Alan Berg em junho de 1984 é considerado o ato de terrorismo mais infame da Ordem.[21][33] O membro da Ordem Bruce Pierce atuou como atirador no assassinato e Lane como motorista de fuga.[34][35] Durante a prisão de Lane em condenações separadas (algumas relacionadas à violação dos direitos civis de Alan Berg), ele criou o slogan Fourteen Words. O número 14 continua a simbolizar fidelidade à visão das Nações Arianas de uma pátria branca.[36]

Plano de assassinato de Barack ObamaEditar

A numerologia "14/88" foi simbolicamente incluída no plano de assassinato de Barack Obama em outubro de 2008.[24] Ambos os neonazistas Schlesselman e Cowart foram apresentados um ao outro online por um amigo em comum que compartilhava suas crenças de supremacia branca.[37] Dentro de um mês da reunião, eles planejaram matar o candidato do Partido Democrata dirigindo em direção ao alvo e atirando de seu veículo. Isso seria seguido por uma chacina na qual os homens planejaram matar 88 afro-americanos, 14 dos quais seriam decapitados. Eles tinham como alvo principalmente crianças em uma escola não identificada, predominantemente negra.[25][38] Pouco depois de sua prisão, descobriu-se que seu veículo tinha "14" e "88" escritos nele.[21]

Tiroteio no templo sikh de WisconsinEditar

 Ver artigo principal: Tiroteio em Wisconsin de 2012

O atirador em massa Wade Michael Page, que matou seis e feriu quatro membros da comunidade Sikh em agosto de 2012, era um defensor das Fourteen Words e foi encontrado com "14" em uma cruz celta tatuada em seu braço,[39] após cometer suicídio na cena do crime.[40][41] Cerca de um ano antes do tiroteio, Page escreveu na Internet sobre o slogan: "A submissão passiva é um apoio indireto aos opressores. Defenda-se e viva as 14 palavras".[42]

Tiroteio na igreja de CharlestonEditar

 Ver artigo principal: Massacre da igreja de Charleston

Após o assassinato em massa de Charleston em junho de 2015, a ideologia e o manifesto aparente de Dylann Roof surgiram na mídia com várias referências a "1488";[43] estas incluíam várias fotos de Roof ao lado dos números.[44] Ele simbolicamente trouxe 88 balas para a Igreja Episcopal Metodista Africana Emanuel para realizar o tiroteio, no qual nove afro-americanos foram mortos.[45][46]

Tiroteio na sinagoga de PittsburghEditar

 Ver artigo principal: Tiroteio em Pittsburgh de 2018

Robert Bowers, o atirador suspeito de matar 11 pessoas e ferir 6 na sinagoga Tree of Life em Pittsburgh, Pensilvânia, incluiu o código numérico "1488" na imagem do header de sua conta de mídia social Gab.[47][48] Bowers também expressou a retórica da identidade cristã declarando que "o senhor Jesus Cristo veio em carne" enquanto defendia visões antissemitas de que "os judeus são filhos de satanás".[49]

Tiroteios na mesquita de ChristchurchEditar

 Ver artigo principal: Atentados de Christchurch

Brenton Harrison Tarrant, o atirador responsável pelos ataques, postou imagens no Twitter de armas de fogo e publicou seu manifesto "A Grande Substituição", onde ambos tinham o símbolo neonazista do sol negro e o slogan (como "14" ou "14 Words") escrito nas armas e também no manifesto. As armas foram usadas no tiroteio.[50][51][52]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Hate on Display: 14 words». Anti-Defamation League. Consultado em 1 de junho de 2007 
  2. Michael, George (2009). «David Lane and the Fourteen Words». Totalitarian Movements and Political Religions. 10 (1): 43–61. ISSN 1469-0764. doi:10.1080/14690760903067986 
  3. a b Balleck, Barry (2018). Modern American Extremism and Domestic Terrorism: An Encyclopedia of Extremists and Extremist Groups. United States: ABC-CLIO. ISBN 978-1440852749 
  4. «Supreme Court Requires Prisons Give Special Consideration to Racist Pagans». Southern Poverty Law Center. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  5. a b Dunbar, Edward; Blanco, Amalio; Crèvecoeur-MacPhail, Desirée A. (21 de novembro de 2016). The Psychology of Hate Crimes as Domestic Terrorism: U.S. and Global Issues. [S.l.]: ABC-CLIO. pp. 91–. ISBN 9781440839078. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  6. a b Carmichael, Cathie; Maguire, Richard C. (1 de maio de 2015). The Routledge History of Genocide. [S.l.]: Routledge. pp. 211–. ISBN 9781317514848. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  7. a b c Ruiz, Stephen. «A Complete Dictionary of White Supremacist Slang and Symbols». Complex 
  8. «The murder of Alan Berg in Denver: 25 years later». The Denver Post. 17 de junho de 2009. Consultado em 18 de novembro de 2019. Federal authorities tried four suspects in 1987, and the two found guilty were convicted of violating Berg's civil rights. Lane, then 49, was sentenced to 150 years. 
  9. a b c «David Lane». Southern Poverty Law Center. Consultado em 18 de novembro de 2019. In 1987, Lane was additionally accused of violating Berg's civil rights by helping to assassinate him, a federal charge. While Lane did not pull the trigger, prosecutors said he drove the getaway car and played a large role in the planning of Berg's murder. He was sentenced to 150 years in prison. 
  10. «David Lane». Southern Poverty Law Center. Consultado em 10 de agosto de 2018 
  11. «'Wotanism' ritual in Butte» 
  12. «Standard view: A powerful photo, and powerful reasons to publish it» 
  13. «The American Freedom Party». Southern Poverty Law Center. The American Freedom Party (formerly American Third Position) is a political party initially established by racist Southern California skinheads that aims to deport immigrants and return the United States to white rule. 
  14. «14 Words, Know Your Meme». Know Your Meme. Consultado em 29 de novembro de 2018 
  15. «14 Words». Anti-Defamation League. Consultado em 31 de março de 2019 
  16. «ORION» 
  17. Gardell (2003), p. 67.
  18. a b «David Lane». Anti-Defamation League. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2008 
  19. a b Balleck, Barry (2018). Modern American Extremism and Domestic Terrorism: An Encyclopedia of Extremists and Extremist Groups. United States: ABC-CLIO. ISBN 978-1440852749 
  20. Gardell (2003), p. 69.
  21. a b c James Ridgeway (28 de outubro de 2008). «Fourteen Words that spell racism». The Guardian 
  22. Stephen Ruiz. «A Complete Dictionary of White Supremacist Slang and Symbols». Complex 
  23. Balleck, Barry (2018). Modern American Extremism and Domestic Terrorism: An Encyclopedia of Extremists and Extremist Groups. United States: ABC-CLIO. ISBN 978-1440852749 
  24. a b Lichtblau, Eric (27 de outubro de 2008). «Arrests in Plan to Kill Obama and Black Schoolchildren». The New York Times. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  25. a b Date, Jack (27 de outubro de 2008). «Feds thwart alleged Obama assassination plot». ABC News. Consultado em 28 de outubro de 2008. Arquivado do original em 30 de outubro de 2008 
  26. Haberman, Maggie (27 de outubro de 2008). «ATF stops plot to kill Barack Obama». New York Post. Arquivado do original em 28 de outubro de 2008 
  27. Sanchez, Casey (23 de agosto de 2007). «Face of Hate: Curtis Allgier». Southern Poverty Law Center. Consultado em 30 de maio de 2018 
  28. Balleck, Barry (2018). Modern American Extremism and Domestic Terrorism: An Encyclopedia of Extremists and Extremist Groups. United States: ABC-CLIO. ISBN 978-1440852749 
  29. Gardell (2003), p. 381.
  30. Gardell (2003), p. 382.
  31. a b c Reavy, Pat (28 de junho de 2007). «Tattoos tell a tale of intimidation». Deseret News. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  32. Siemaszko, Corky (9 de dezembro de 2016). «Dylann Roof's Videotaped Confession Stuns Courtroom». NBCNews.com. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  33. Schechter, Asher (6 de janeiro de 2017). «What Are the '14 Words' Everyone's Been Freaking Out About?». Haaretz 
  34. «Hatewatch». Southern Poverty Law Center 
  35. «Terrorist, '14 Words' Author, Dies in Prison». Southern Poverty Law Center. 1 de outubro de 2017 
  36. Day, Meagan (4 de novembro de 2016). «Welcome to Hayden Lake, where white supremacists tried to build their homeland». Timeline 
  37. Baird, Woody; DeMillo, Andrew (30 de outubro de 2008). «Authorities say skinhead plot wasn't fully formed». Associated Press. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  38. Lichtblau, Eric (27 de outubro de 2008). «Arrests in plan to kill Obama and black schoolchildren». The New York Times. Consultado em 28 de outubro de 2008 
  39. Weinstein, Adam. «The Sikh Temple Shooter's Racist Tattoos, Deciphered». Mother Jones 
  40. Goodwin, Matthew (8 de agosto de 2012). «Wade Michael Page and the rise of violent far-right extremism». The Guardian 
  41. Rogers, Abby (10 de agosto de 2012). «Wade Michael Page Became A Radical Racist In The US Army». Business Insider 
  42. Goldman, Russell (7 de agosto de 2012). «Cracking Wisconsin Gunman's Secret Racist Tattoo Code». ABC News 
  43. Jeffery, Clara. «The Deeply Racist References in Dylann Roof's Apparent Manifesto, Decoded.». Mother Jones 
  44. Crilly, Rob (21 de junho de 2015). «Charleston church massacre: Things we learned from shooter Dylann Roof's racist manifesto». The Daily Telegraph. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2022. (pede subscrição (ajuda)) 
  45. AJ Willingham (22 de fevereiro de 2017). «These are the new symbols of hate». CNN 
  46. Maxwell, Tonya; Smith, Tim (11 de janeiro de 2017). «Federal jury sentences Dylann Roof to death». USA Today 
  47. «Robert Bowers: See Squirrel Hill Suspect's Social Media». Heavy.com. 27 de outubro de 2018 
  48. Weill, Kelly (27 de outubro de 2018). «Synagogue Suspect Hated Trump—for Not Hating Jews». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2018 
  49. Zezima, Katie; Lowery, Wesley (27 de outubro de 2018). «Suspected synagogue shooter appears to have railed against Jews, refugees online». The Washington Post 
  50. «Mosque shooting: Christchurch gunman livestreamed shooting». The New Zealand Herald (em inglês). 15 de março de 2019. ISSN 1170-0777. Consultado em 15 de março de 2019 
  51. Gelineau, Kristen (16 de março de 2019). «Mosque shooter a white nationalist seeking revenge». The Associated Press. Consultado em 17 de março de 2019 
  52. Gambrell, Jon (15 de março de 2019). «Mosque shooter brandished white supremacist iconography». The Associated Press. Consultado em 17 de março de 2019