Abrir menu principal

Francisco de Almada e Mendonça

Francisco de Almada e Mendonça
Francisco de Almada e Mendonça, em gravura do século XIX.
Nascimento 28 de fevereiro de 1757
Lisboa
Morte 18 de agosto de 1804 (47 anos)
Cidadania Portugal
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação juiz
Prêmios Comendador da Ordem de Cristo

Francisco de Almada e Mendonça (Lisboa, 28 de fevereiro de 1757Porto, 18 de agosto de 1804) foi juiz desembargador, corregedor e provedor da comarca do Porto, responsável por importantes obras públicas em finais do século XVIII e inícios do XIX na cidade do Porto e na Póvoa de Varzim, em Portugal.

BiografiaEditar

Filho de João de Almada e Melo e de Ana Joaquina de Lencastre e Moscoso, nasceu na freguesia de Santa Maria dos Olivais, em Lisboa. Doutorou-se em Leis na Faculdade de Leis da Universidade de Coimbra, foi comendador da Ordem de Cristo, primeiro senhor donatário de Ponte da Barca e primeiro alcaide-mor de Marialva e fidalgo da Casa Real. Na comarca do Porto foi provedor, corregedor, presidente do cofre, intendente da Marinha, presidente da Junta Administrativa da Fazenda, das saboarias e do tabaco, conservador no juízo das encomendas e do sal, avaliador das obras literárias produzidas, assim como nos processos policiais, contrabando e moeda. Foi igualmente juiz geral das coutadas do reino e inspetor das obras públicas do Norte.[1]

Realizou importantes obras públicas no Porto, entre as quais se destacam:

Foi, ainda, responsável por solicitar a Carlos Amarante a apresentação de um projeto para construção de uma ponte em pedra a ligar a Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia, à Porta do Sol, no Porto, que não foi realizada. Elevou, ainda, Paredes à categoria de vila, mandando construir os seus Paços do Concelho.

 
Placa da Praça do Almada na Póvoa de Varzim com a efígie de Francisco de Almada e Mendonça.

Foi casado com Antónia Madalena de Quadros Sousa e Sá — 12.ª senhora de Tavarede, senhora das Lezírias de Buarcos — de quem teve dois filhos: Ana Felícia de Almada Quadros e Lencastre, que casou com Tomás da Cunha Manuel Henriques de Melo e Castro; e João de Almada Quadros Sousa e Lencastre, 1.º conde de Tavarede, que casou com Maria Emília da Fonseca Pinto Albuquerque Araújo e Meneses.

Morreu pobre em 1804 no Porto, sendo sepultado na Igreja da Misericórdia. Em 1839 foi trasladado para o Cemitério do Prado do Repouso a expensas da Câmara Municipal do Porto, tendo-lhe sido erguido um mausoléu com um busto de Soares dos Reis.

É, muitas vezes, confundido com o seu pai, João de Almada.

Referências