O gabinete paralelo (também chamado de gabinete sombra, governo paralelo, ou, em inglês, shadow cabinet) é um grupo de representantes veteranos da oposição no sistema Westminster de governo, os quais, sob a liderança do líder da oposição (ou o líder de outros partidos de oposição menores) formam um gabinete alternativo ao governo, cujos membros são a "sombra" ou o equivalente de cada integrante do governo. Membros de um gabinete paralelo são frequentemente (mas não obrigatoriamente) indicados para um cargo no gabinete se e quando seu partido chegar ao poder. É responsabilidade do gabinete paralelo criticar (construtivamente, espera-se) o governo atual e sua respectiva legislação, bem como propor políticas alternativas[1].

No Reino Unido e Canadá, o maior partido de oposição é frequentemente chamado de Her Majesty's Loyal Opposition ("A Mais Leal Oposição Oficial de Sua Majestade"). O adjetivo "leal" é usado porque, embora o papel da oposição seja se opor ao governo de Sua Majestade, não disputa o direito de Sua Majestade ao trono e, portanto, a legitimidade do governo[2]. Contudo, em outros países que usam o sistema Westminster (por exemplo, a Austrália e Nova Zelândia), a oposição é conhecida simplesmente como The Parliamentary Opposition ("A Oposição Parlamentar").

Alguns bancadas parlamentares, particularmente o Partido Trabalhista do Reino Unido e o Partido Trabalhista Australiano, elegem todos os membros de seus gabinetes paralelos, com o Líder da Oposição alocando pastas para os Ministros Paralelos. Em outros sistemas parlamentares, os membros e a composição do gabinete paralelo é geralmente determinada unicamente pelo Líder da Oposição.

Na maioria dos países anglófonos, um membro do gabinete paralelo é citado como Shadow Minister ou Shadow Secretary. No Canadá, todavia, a expressão (Official Opposition) Critic é mais comum.

Origem do termo editar

Essa tradição surgiu no Reino Unido durante o século XVIII[3], mas foi somente num debate de 1826 no Parlamento britânico que John Hobhouse cunhou o termo Oposição Leal de Sua Majestade[4][3]. O termo é considerado favorável ao posição do soberano, uma vez que a oposição está então empenhada em escrutinar as políticas e legislação do governo, e não apoiar disputas entre pretendentes ao trono (torna-se a oposição de Sua Majestade, não dela).

O termo tem raízes em vários outros países da Commonwealth devido ao seu status como ex-colónias britânicas, para as quais as instituições parlamentares britânicas foram transferidas.

O termo também tem enriquecido, em sentido amplo, na ciência política, ao referir-se a uma oposição como "uma força política, de um contexto pluralista, que participa da ação do poder, verificando sua regularidade, discutindo suas orientações e influenciando sua decisões através do exercício de diferentes formas de controle, "ao invés de uma relação polémica entre grupos que tendem a se excluir ou anular"[5].

Descrição e funções editar

Os ministros das sombras' As funções podem dar-lhes uma proeminência considerável na hierarquia da bancada partidária, especialmente se se tratar de uma pasta de alto perfil. Embora o salário e os benefícios pagos pelo tesouro público aos ministros paralelos permaneçam os mesmos que para um backbencher—eles não têm responsabilidades executivas, ao contrário dos ministros de gabinete—alguns os partidos da oposição fornecem uma remuneração adicional além do salário que recebem como legisladores, enquanto muitos pelo menos reembolsam os ministros paralelos por quaisquer despesas adicionais incorridas que de outra forma não sejam elegíveis para reembolso a partir de fundos públicos. Além disso, na maioria dos órgãos legislativos do tipo Westminster, todos os partidos parlamentares reconhecidos recebem um bloco de financiamento público para ajudar os seus membros eleitos a cumprir as suas funções, muitas vezes para além dos orçamentos que os legisladores individuais recebem para pagar os cargos eleitorais e outras despesas semelhantes. Normalmente existe uma estipulação de que tais fundos devem ser utilizados para assuntos parlamentares oficiais; no entanto, dentro dessa restrição, os partidos geralmente podem distribuir os fundos entre seus legisladores eleitos conforme acharem adequado e, assim, fornecer o dinheiro necessário para equipar e apoiar os ministérios paralelos. Os membros de um gabinete paralelo podem não ser necessariamente nomeados para o cargo correspondente no Gabinete se e quando o seu partido formar um governo, assumindo que mantêm os seus assentos, o que por convenção é geralmente considerado um pré-requisito para servir no gabinete. No entanto, a consistência com que os partidos que assumem o poder nomeiam ministros paralelos para as funções reais no governo varia muito, dependendo de aspectos como a jurisdição, as tradições e práticas do partido que assume o governo, as circunstâncias exactas que rodeiam a sua assunção do poder e até mesmo a importância da o cargo de gabinete em questão. Além de serem potenciais futuros ministros, alguns ministros paralelos ocuparam cargos ministeriais no passado. Como sinal de disciplina, espera-se que os ministros paralelos falem dentro e não fora das áreas de seu portfólio. [6] [7]

Aplicações culturais editar

No Reino Unido, Canadá, oposição parlamentar ao trono e, portanto, a legitimidade do governo. No entanto, em outros países que utilizam o sistema Westminster, a oposição é conhecida simplesmente como soberano, ele não contesta o direito Sua Majestade' Governo é usado porque, embora o papel da oposição seja opor-se a leal O adjetivo. Oposição Leal de Sua (ou Ela) Majestade, o principal partido da oposição e, especificamente, seu gabinete paralelo é chamada Austrália e Nova Zelândia Alguns partidos parlamentares, notadamente o Partido Trabalhista Australiano, elegem todos os membros de seus gabinetes paralelos em uma votação no salão do partido, com o Líder da Oposição, alocando então pastas aos ministros paralelos. Em outros partidos parlamentares, a composição e a composição do Gabinete Sombrio são geralmente determinadas exclusivamente por o líder da oposição. [8] 

Um termo relacionado é o orçamento paralelo, que geralmente é preparado por gabinetes paralelos (e, quando divulgado, geralmente apresentado pelo departamento financeiro paralelo). ministro ou equivalente) como alternativa ao orçamento real apresentado pelo governo. Quando preparado e divulgado em um ano eleitoral, o orçamento paralelo de um partido da oposição normalmente constituirá uma parte fundamental do manifesto , e será em grande parte, se não totalmente, implementado se o partido da oposição formar posteriormente um governo (especialmente se obtiver uma maioria absoluta). [9]

Terceiros editar

Em muitas jurisdições, terceiros (que não participam no governo nem na oposição oficial) também podem formar as suas próprias bancadas parlamentares de porta-vozes; no entanto, as ordens parlamentares permanentes sobre o direito dos partidos de falar muitas vezes determinam que este só pode ser concedido a um partido ou grupo se um número mínimo de membros puder ser registado pelo partido. Na Irlanda, por exemplo, os grupos técnicos são frequentemente formados por terceiros e Teachta Dála independentes no Dáil Éireann, a fim de aumentar o direito dos membros de falar contra partidos maiores que podem ter o direito de falar como bancadas de frente no governo ou na oposição. Os partidos parlamentares da oposição que são suficientemente pequenos para terem aproximadamente a mesma dimensão que o gabinete do governo nomearão frequentemente todos os seus membros eleitos para o seu gabinete paralelo ou equivalente, sendo mais provável que terceiros, em comparação com os partidos oficiais da oposição, utilizem este tipo de acordo. Se o partido parlamentar for apenas ligeiramente maior do que o gabinete do governo, a sua liderança enfrenta potencialmente a posição incómoda de embaraçar uma pequena minoria de legisladores, destacando-os para exclusão do gabinete paralelo. Por outro lado, os novos governos no sistema Westminster alteram frequentemente o número e/ou a composição dos ministérios ao assumirem o cargo. Portanto, uma solução para esta questão acima mencionada, quando ocorre, é criar "ministérios" sombra nominais que correspondam a cargos ministeriais atualmente inexistentes que o partido realmente pretende criar quando estiver no governo. Um partido da oposição também pode empregar este processo ao contrário, "fundindo" os seus ministérios paralelos para corresponder aos cargos reais do gabinete que o partido da oposição deseja fundir ou de outra forma eliminar. [10]

Use fora dos países de língua inglesa editar

Embora a prática de gabinetes paralelos ou bancadas parlamentares não seja difundida na Alemanha, os líderes partidários frequentemente formaram conselhos de especialistas e conselheiros ("equipes de especialistas").  Na França, embora a formação de um Gabinete Sombra não seja obrigatória e nem comum, vários Gabinetes Sombra foram formados. Na Hungria, um gabinete paralelo sob a liderança de Klára Dobrev foi criado pelo partido da oposição mais forte, a Coligação Democrática, pela primeira vez, em 2022. [11]

Em sistemas parlamentares editar

Reino Unido editar

Em outros sistemas políticos editar

A prática de governos paralelos encontra correspondentes também em outros sistemas políticos que não o Westminster.

No Brasil editar

Com a eleição de Fernando Collor de Mello em 1989, instalou-se em certos círculos políticos suficiente grau de insatisfação para o anúncio em 1990 de uma iniciativa que veio a ser chamada informalmente de "governo paralelo", com a participação do agrônomo José Gomes da Silva e de membros do Partido dos Trabalhadores[12][13][14]. Tal iniciativa eventualmente levou à fundação do Instituto Cidadania, que a partir de 1992 passou a ter entre seus conselheiros Luiz Inácio Lula da Silva, o "Lula", que mais tarde viria a ser eleito presidente do Brasil[14][15].

Em Portugal editar

A primeira experiência a nível nacional de um governo paralelo em Portugal foi entre 2000 e 2002[16][17], pela mão de José Manuel Durão Barroso enquanto líder do PSD, em oposição ao XIV Governo Constitucional de Portugal de António Guterres[18], cuja constituição era a seguinte:

Legenda de cores

Cargo Detentor Período
Líder da Oposição José Manuel Durão Barroso[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz para o Ambiente e Ordenamento do Território José Eduardo Martins[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz da Educação David Justino[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz dos Assuntos Fiscais Vasco Valdez[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz da Administração Interna Isaltino Morais[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz do Orçamento Norberto Rosa[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz da Habitação Jorge Costa[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz da Justiça Luís Pais de Sousa[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz do Desenvolvimento e Coesão Nacional Rui Rio[18]   2000 a dezembro de 2001
Porta-voz da Defesa Nacional Carlos Encarnação[18]   2000 a dezembro de 2001
Porta-voz para as Obras Públicas Luís Miguel Silva[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz dos Transportes Duarte Amândio[18]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz para a Cooperação e Lusofonia Henrique Rocha de Freitas[18][19]   2000 a 6 de abril de 2002
Porta-voz para a Cultura Vasco Graça Moura[17]   2000

Mais recentemente, após as eleições autárquicas portuguesas de 2017, o PSD-Lisboa anunciou que iria criar um gabinete-sombra a Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa[20].

Em 2018, Rui Rio, líder do PSD, criou um Conselho Estratégico Nacional dividido em 16 secções temáticas, cada uma dirigida por um coordenador e com um porta-voz, com a finalidade de escrutinar a ação política do governo e elaborar uma proposta eleitoral de Governo. O primeiro Conselho Estratégico Nacional foi anunciado em 12 de abril de 2018, em oposição ao XXII Governo Constitucional[21], e a sua composição era a seguinte:

Legenda de cores

Pasta Cargo Detentor Período
Líder da Oposição Rui Rio   12 de abril de 2018 – presente
Presidente da Comissão Executiva do CEN Joaquim Sarmento   12 de abril de 2018 – presente
Negócios Estrangeiros Coordenadora Isabel Meirelles   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Mara Ribeiro Duarte   12 de abril de 2018 – presente
Finanças Públicas Coordenador Joaquim Sarmento   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador   12 de abril de 2018 – presente
Reformas do Estado Coordenador Álvaro Amaro   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador João Paulo Barbosa de Melo   12 de abril de 2018 – presente
Defesa Nacional Coordenador Ângelo Correia   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Jorge Neto   12 de abril de 2018 – presente
Justiça Coordenador Licínio Lopes Martins   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Mónica Quintela   12 de abril de 2018 – presente
Segurança e Proteção Civil Coordenador José Matos Correia   12 de abril de 2018 a 22 de junho de 2018
Luís Pais de Sousa 22 de junho de 2018 – presente
Vice-coordenador José Manuel Moura   12 de abril de 2018 – presente
Agricultura Coordenador Arlindo Cunha   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador João Paulo Gouveia   12 de abril de 2018 – presente
Infraestruturas e Obras Públicas Coordenador Falcão e Cunha   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Vladimiro Feliz   12 de abril de 2018 – presente
Ambiente e Energia Coordenadora Ana Isabel Miranda   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Salvador Malheiro   12 de abril de 2018 – presente
Economia e Empresas Coordenador Rui Vinhas da Silva   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Luís Todo Bom   12 de abril de 2018 – presente
Saúde Coordenador Luís Filipe Pereira   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Ricardo Baptista Leite   12 de abril de 2018 – presente
Educação e Desporto Coordenador David Justino   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Cláudia André   12 de abril de 2018 – presente
Ensino Superior, Cultura e Ciência Coordenadora Maria da Graça Carvalho   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Filipa Roseta   12 de abril de 2018 – presente
Assuntos do Mar Coordenadora Regina Salvador   12 de abril de 2018 – presente
Vice-coordenador Cristóvão Norte   12 de abril de 2018 – presente

Referências

  1. Gaspar, João. «A Travessia do Deserto:A Oposição Parlamentar Portuguesa e a Prática do Governo Sombra» (PDF). Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  2. «Shadow Cabinet». www.parliament.uk (em inglês). Consultado em 23 de setembro de 2020 
  3. a b Durkin (2005). [S.l.: s.n.] p. 2  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. «The page has moved». lop.parl.ca. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  5. Villafañe, Emilio Serrano (1971). «Principios de Teoría Política, de Luis Sánchez Agesta». Revista de estudios políticos (178): 253–256. ISSN 0048-7694. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  6. «Shorten to announce Labor frontbench portfolios today». ABC News (em inglês). 17 de outubro de 2013. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  7. «Lib backbencher tells of Cabinet leak by senior MP». Australian Capital Territory. Canberra Times. 9 de novembro de 1994. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  8. Mary Durkin; Oonagh Gay (21 June 2006). "Her Majesty's Opposition, SN/PC/3910" (PDF). Commons Standard Notes; Manhire, Toby; Pinner, Philip (19 December 2011). "NZ election 2011: the aftermath". New Zealand Listener. APN News & Media.
  9. «Budget Tracking & Reconciliation | Planning and Academic Resources | CSUSM». www.csusm.edu. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  10. McGee, Harry (11 January 2012). "Technical group makes voice heard and gives bigger parties run for their money". The Irish Times; "TDs agree to form Dáil technical group". The Irish Times
  11. «Árnyékkormányt alakít Dobrev Klára». telex (em húngaro). 16 de setembro de 2022. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  12. «Fora Collor!». Fundação Perseu Abramo. 15 de fevereiro de 2010. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  13. «Virada anti-Collor: estilo não póe a mesa». Teoria e Debate. Consultado em 22 de setembro de 2010. Arquivado do original em 8 de outubro de 2010 
  14. a b «O Instituto Cidadania e a virada histórica do Brasil». Instituto Lula. 16 de agosto de 2011. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  15. [1]
  16. «Durão Barroso reuniu». article.wn.com (em inglês). Consultado em 23 de setembro de 2020 
  17. a b «Gabinete Sombra do PSD». Consultado em 23 de dezembro de 2021 
  18. a b c d e f g h i j k l m n Sapage, Sónia. «Candidatos querem criar uma espécie de governo-sombra». PÚBLICO. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  19. «Biografia». www.parlamento.pt. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  20. Sapage, Sónia. «Oposição a Fernando Medina vai ter "governo-sombra"». PÚBLICO. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  21. «Conheça a composição do Conselho Estratégico Nacional». Partido Social Democrata. 15 de abril de 2018. Consultado em 24 de junho de 2018