Abrir menu principal

IMI Galil

(Redirecionado de Galil)
Galil
Galil.jpg
Um fuzil Galil ARM
Tipo Fuzil de assalto
Fuzil de batalha
Local de origem  Israel
História operacional
Em serviço 1972–presente[1]
Histórico de produção
Criador Yisrael Galil, Yakov Lior
Fabricante Fabricado por:

Licenciado por:

  • Bernardelli
  • Indumil
  • Ka Pa Sa State Factories
  • Denel Land Systems
  • Punj Lloyd Raksha Systems[2][3]
  • NWM De Kruithoorn N.V.
Especificações
Peso
  • SAR 5.56mm: 3,75 kg (8,27 lb)
  • AR 5.56mm: 3,95 kg (8,71 lb)
  • ARM 5.56mm: 4,35 kg (9,59 lb)
  • SAR 7.62mm: 3,85 kg (8,49 lb)
  • AR 7.62mm: 3,95 kg (8,71 lb)
  • ARM 7.62mm: 4,45 kg (9,81 lb)
  • Precisão: 6,4 kg (14,1 lb)
Comprimento 
do cano
  • SAR 5.56mm: 332 mm (0,732 lb)
  • AR, ARM 5.56mm: 460 mm (1,01 lb)
  • SAR 7.62mm: 400 mm (0,882 lb)
  • AR, ARM 7.62mm: 535 mm (1,18 lb)
  • Precisão: 508 mm (1,12 lb)
Cartucho
  • 5.56mm: 35-, 50-, ou 65-cartuchos carregador caixa descartável
  • 7.62mm: 25-cartuchos carregador caixa
Calibre
Ação Ação por gás
Velocidade de saída
  • SAR 5.56mm: 900 metros por segundo (2 000 lb)
  • AR, ARM 5.56mm: 950 metros por segundo (2 100 lb)
  • SAR 7.62mm: 800 metros por segundo (1 800 lb)
  • AR, ARM 7.62mm: 850 metros por segundo (1 900 lb)
  • Precisão: 815 metros por segundo (1 800 lb)
Alcance efetivo 300 a 500 m

O Galil (em hebraico: גליל) é uma família de fuzis de assalto israelitas. Foi desenvolvido por Yisrael Galil e Yaacov Lior no dos anos 60 e produzido pela Israel Military Industries (IMI) (atualmente, pela Israel Weapon Industries (IWI)). O sistema de armas consiste de uma linha de calibre para o intermediário 5.56×45mm NATO com o cartucho esférico M193 ou SS109 e vários modelos projetados para uso com o cartucho de fuzil 7.62×51mm NATO. Esta arma está em uso em pelo menos, 25 países.

O fuzil é baseado no Valmet Rk.62 finlandês, que é uma versão refinada da Kalashnikov soviética.

Existem quatro configurações básicas do Galil: o fuzil de comprimento padrão (Galil AR), uma variante de carabina (Galil SAR), uma versão compacta (MAR ou Micro Galil) e uma metralhadora leve (Galil ARM).

Uma versão modernizada do Galil está atualmente em produção em múltiplos calibres, chamada Galil ACE.

HistóriaEditar

Nos anos 50, as Forças de Defesa Israelitas (FDI) haviam adotado o FN FAL, em 7.62x51mm OTAN e em duas configurações - "Aleph", a arma padrão, e "Bet", uma metralhadora de apoio, com o cano mais pesado. O FAL foi utilizado em combate na Guerra dos Seis Dias, em 1967. Apesar da vitória israelense, o fuzil belga demonstrou que tinha limitações inferiores a da AK-47 e AKM apreendidas de tropas egipcias, principalmente com relação a versatilidade, simplicidade de manutenção e uso de um calibre menor e maior capacidade do carregador (limitado a 20 disparos no FN FAL).

Em 1968, a FDI deu inicio a um processo de adquirir novos fuzis. Os requisitos eram que as armas tivessem uma simplicidade de manutenção similar as dos rifles Kalashnikov, mas com a precisão da M-16 norte-americana e do FAL belga. Houveram duas equipes israelenses participando do processo: uma liderada por Uziel Gal (o projetista da submetralhadora Uzi) e outra liderada por Yisrael Balashnikov (que depois mudaria seu nome para Yisrael Galil)[4]. Além dessas duas equipes, os norte-americanos ofereceram fuzis M16A1 e Stoner 63, e os alemães ofereceram a HK33.

O projecto da Gal, apesar de elogiado, foi considerado muito complexo para a fabricação[5]. O projeto de Galil baseou-se inicialmente em uma AK-47 em 5.56x45mm OTAN e com certas modificações, porém, o design final acabou sendo baseado no Valmet Rk.62 finlandês (uma versão refinada da AK-47 soviética). Os primeiros fuzis foram testados entre o fim dos anos 60 e inicio dos anos 70, mas só começaram a chegar para as tropas após a Guerra do Yom Kippur.

O Galil foi utilizado fuzil de serviço da FDI entre metade dos anos 70 até início dos anos 90, porém, nunca foi o fuzil principal das forças israelitas, em termo de numeros. Em 1975, 60.000 fuzis M16A1 foram entregues a FDI, via Military Aid Program (MAP) norte-americano, sendo rapidamente integrados a FDI. De fato, construir fuzis Galil para todas as tropas israelitas era mais caro que adquirir fuzis M16 (e anos depois, carabinas M4), o que acabou limitando o serviço da arma em Israel. As próprias tropas israelitas preferiam o M16 ao Galil, devido a melhor precisão e leveza da arma.[6] Em 2000, as variantes AR e ARM da Galil foram retiradas de serviço da FDI, tendo restado a variante SAR (chamada pelos israelenses de G'lilon) sendo utilizada por tropas de retaguarda como a Guarda do Knesset[7] e o Corpo Blindado da FDI até 2005.

A arma também foi exportada para vários países, como Colômbia (sendo fabricada sobre licença pela Indumil), Estônia e Portugal (sendo utilizado como fuzil principal das Tropas Paraquedistas).

Detalhes do projetoEditar

Mecanismo de operaçãoEditar

A série de fuzis Galil são armas de fogo seletivo operadas por um sistema padrão Kalashnikov de pistão movido a gás, sem regulador. A arma é travada com um parafuso rotativo com duas alças de bloqueio que se encaixam em recessos fresados na caixa de culatra.

Ao apertar o gatilho, o cão é liberado batendo no percussor. Este deflagra o cartucho, fazendo com que os gases que impelem o projétil entrem em um orifício. Ao passar por ele, os gases são dirigidos a um êmbolo situado acima do cano. Neste êmbolo tem um longo pistão que é ligado diretamente ao transportador do ferrolho. Os gases no êmbolo pressionam o pistão para trás. Ao fazer isso, pela inércia, o ferrolho é rotacionado para o lado esquerdo, fazendo com que os ressaltos estejam alinhados com as saliências do extensor do cano.

O ferrolho é deslocado para trás, ao mesmo tempo em que ejeta a cápsula que estava na câmara do cano e inicia o movimento de recuo até o final. A mola recuperadora empurra o transportador do ferrolho e pistão para frente, colocando um cartucho na câmara do cano. Neste momento, o ferrolho passa pelas saliências da base do cano, virando para o lado direito, travando o ferrolho na base do cano. Neste momento, o percussor está pronto para ser acionado novamente, reiniciando o ciclo.[8]

A ejeção de casos gastos da Galil é às vezes uma ação violenta. Os casos podem ser amassados pelo ejetor e serem jogados até 40 pés (12,19 m) do fuzil em alguns casos, dependendo da posição.[9]

CaracterísticasEditar

 
Um Soldado da Estônia em patrulha em março de 2005, durante a Guerra do Iraque, com uma Galil SAR compacta em 5,56×45mm.

O Galil tem um mecanismo de gatilho padronizado após o gatilho usado no americano M1 Garand.[10] O selector de fogo do fuzil tem três posições: S-A-R. O seletor de estilo padrão AK-47 é mantido na face direita da caixa de culatra, e um duplo seletor de polegar está presente no rosto esquerdo acima do punho da pistola para facilitar a manipulação. Empurrando o seletor esquerdo para a posição traseira "R" (terminologia britânica para "repetição"), fornece fogo semiautomático. Empurrando para a posição do meio "A" produz disparo totalmente automático. Empurrar a alavanca totalmente para a frente em "S" irá ativar a segurança. Alguns modelos usam um mecanismo R-A-S de ligação reversa que executa a ação oposta; Empurrando para a frente define o fuzil para Repetição ou Automático, e puxar para trás envolve a segurança.

Os primeiros protótipos utilizavam a caixa de culatra da Valmet Rk.62[11]. Mais tarde, receberam uma caixa de culatra estampada e rebitada, construída em Israel, porém, devido a alta pressão exercida pela munição de 5.56x45mm OTAN, os engenheiros israelenses construiram uma caixa de culatra fresada, o que aumentou o peso geral da arma, mas deixou-a mais resistente e livre de quaisquer problemas de rachaduras. Todas as superfícies exteriores são fosfatadas para maior resistência a corrosão e esmaltadas em preto (exceto o cano, embolo de gases e a maça da mira). O embolo de gases, retentores do guarda-mão, mecanismo de rebate da coronha, alça e maça de mira são peças moldadas e finalizadas por fresa. Os únicos componentes fabricados em metal estampado são o retém do ferrolho, o guarda-mato do gatilho, o seletor de segurança/tampa do mecanismo e os carregadores.

A arma recebeu um guarda-mão e punho de plástico de alta resistência (na ARM, o guarda-mão é de madeira[12]) e uma coronha em metal, tubular e rebativel para a direita (similar a do FN FAL). O fuzil pode ser utilizado com um supressor de ruído. A arma, em sua versão ARM, recebeu em seu guarda-mão um abridor de garrafas e um cortador de arames em seu bipé[13]. O abridor de garrafas foi incluído para evitar o uso da trava do retém do carregador e o carregador de si como abridor de garrafas, o que era muito usual entre os reservistas da FDI. O cortador de arames foi incluido para diminuir o tempo necessário para cortar arames de cerca, algo muito útil nas áreas rurais de Israel.

CanoEditar

As primeiras versões em produção eram equipadas com um cano com raiamento de 1:12, otimizado para uso da munição M193, porém, as versões mais recentes de produção tem o raiamento de seus canos em 1:7, para estabilização de projeteis SS109/M855, mais pesados. O cano tem um quebra-chamas gaiola, com seis espaços e pode ser utilizado para lançar granadas de bocal ou montar uma baioneta (no caso, a baioneta M7, norte-americana).

AlimentaçãoEditar

A Galil é alimentada por um carregador de metal, curvado, com capacidade de 35 disparos (nas versões ARM e SAR), com opção para um carregador similar com capacidade 50 disparos (na versão ARM), ou um carregador especial de 12 disparos para munições de festim, utilizado para lançamento de granadas de bocal. Um adaptador pode também carregar a arma com carregadores STANAG, da M16[14].

MirasEditar

A alça da mira, em L, tem duas opções de distância de tiro, 0-300m e 300-500m, respectivamente, podendo ser somente ajustado a elevação. A maça da mira é ajustavel para vento e elevação. Ambas os elementos da mira tem cápsulas de trítio, usadas para iluminação em casos de luz baixa, configuradas para 100m. Algumas variantes contam com um trilho lateral, na caixa de culatra, para a montagem de miras ópticas.

VariantesEditar

AREditar

 
Galil AR em 5.56x45mm OTAN

A versão padrão do fuzil, equipada com um protetor de mão e pistola de plástico de alto impacto, um estoque de esqueleto metálico tubular lateral (dobra para o lado direito), conforme instalado em todas as variantes, exceto o Galil Sniper. A versão em 5.56x45mm OTAN utiliza o carregador padrão da Galil, de 35 disparos e um cano de 460mm. Já a versão em 7.62x51mm OTAN usa um carregador de 25 disparos e um cano de 535mm.

SAREditar

 
Galil SAR, em 5.56x45mm OTAN

A carabina SAR (conhecida como G'ililon no serviço israelense) é configurada com um cano, pistão e tubo de gases menor que o da variante padrão. O embolo de gases também é modificado nessa variante. A versão em 5.56x45mm OTAN utiliza o carregador padrão da Galil, de 35 disparos e um cano de 332mm. Já a versão em 7.62x51mm OTAN usa um carregador de 25 disparos e um cano de 400mm.

ARMEditar

 
Galil ARM em 5.56x45mm OTAN

A metralhadora leve ARM é adicionalmente equipada com uma alça de transporte, bipé dobrável e um guarda-mão maior, em madeira. O protetor de mão de madeira permanece mais frio durante o fogo automático sustentado e tem sulcos para o armazenamento de bipé. Quando dobrados, as pernas do bipé formam uma calha de velocidade para a rápida inserção do carregador; O bipé tem um cortador de arames e a virola do guarda-mão, que retém as pernas do bipé, pode ser usada como abridor de garrafas, evitando que os soldados utilizem a trava do retém do carregador ou o carregador como abridor, os danificando .[10] A versão em 5.56x45mm OTAN utiliza o carregador padrão da Galil, de 35 ou 50 disparos e um cano de 460mm. Já a versão em 7.62x51mm OTAN utiliza um carregador de 25 disparos e um cano de 535mm.

MAREditar

 
Elemento da Brigada de Intervenção da MONUSCO com uma Micro Galil, em 5.56x45mm OTAN

A adição mais recente à família de armas Galil é a carabina compacta MAR, que retém as características internas do Galil original com uma estrutura completamente nova, mecanismo e cano ainda mais curto. Introduzido no público na 2ª Exposição Internacional da Indústria de Defesa na Polônia em 1994, a arma foi desenvolvida para uso de tripualntes de veículos, pessoal de retaguarda, operações especiais e paraquedistas.

O MAR, ou o Micro Galil, é uma versão de tamanho reduzido da Galil SAR (706 mm com coronha estendida/465 mm dobrada), com peso 2,98 kg vazio. Em comparação com a carabina original, o MAR possui cano (210 mm), caixa de culatra, pistão, tubo de gáses e guarda-mão encurtados. A arma de fogo é alimentada a partir do carregador padrão da Galil, de 35 disparos. O MAR tem a mesma taxa de fogo (630-750 disapros/min) como outros modelos Galil de 5,56mm. Um adaptador de carregador opcional inserido dentro do compartimento permite o uso de carregadores padrão STANAG, da M16, com capacidade de 20 e 30 disparos. O seletor de disparo tem quatro configurações: "S" — segurança, "A" —fogo automático, "B"— "burst" de três disparos, "R" - semi-automático. O cano tem quebra-chamas/compensador. O MAR está equipado com uma coronha de alumínio, tubular e dobrável e uma mira com duas configurações: 0-300 m e além de 300 m. O MAR também pode ser equipado com um dispositivo de visão noturna (montado no lado esquerdo da caixa de culatra, por um trilho), uma visão ótica diurna (montada através de um adaptador, na tampa da caixa de culatra), miras de tritio, punho dianteiro com um designador a lase integrado, supressor de ruído e bandoleira de nylon. A pedido, a arma pode ser fornecida com tecla do retém do ferrolho, carreagdores de plástico mais leves e guarda-mato do gatilho largo, para uso com luvas grossas.

GalatzEditar

 
Galil Sniper (ou Galatz), em 7.62x51mm OTAN

O Galil Sniper de 7,62mm (Galil Tzalafim, ou "Galatz") é um derivado do ARM que é usado em conjunto com munições da OTAN de 7,62×51mm de alta qualidade para maior precisão.[15]

A Galatz é um fuzil semiautomático com sistema operacional semelhante a outras variantes da Galil, mas otimizado para precisão. O fuzil é alimentado a partir de um carregador de 25 disparos. Ele usa um cano de perfil pesado, para precisão. Ele é equipado com um quebra-chamas/compensador, podendo ser mongado um supressor de ruído, porém, o mesmo exige o uso de munição subsônica.

A arma foi modificada com um mecanismo de gatilho de dois estágios com uma força de tração ajustável, uma coronha de madeira que se dobra para o lado direito da arma e um bipé pesado, montado na base dianteira da caixa do culatra que se dobra sob o guarda-mão, quando não está em uso. A coronha é totalmente ajustável em comprimento e altura e possui um apoio de queixo de altura variável. O rifle vem com mira abertas e um adaptador usado para montar uma luneta (Nimrod 6×40) ou um dispositivo de visão noturna. O fuzil de precisão é armazenado em um estojo de transporte robusto que vem com luneta, adaptador de mira, filtros, duas bandoleiras e um kit de limpeza. Modelos de produção recentes possuem guarda mão e coronha de plástico sintético, além de uso de trilhos piccatiny.

O Galatz foi introduzido pela primeira vez em 1983.[16] O SR-99 é uma versão modernizada do Galatz com uma coronha ajustável em vez da coronha de madeira, guarda mão e punho de plástico. É um pouco menos robusto, mas mais ergonômico.[17]

Outras variantesEditar

  • Magal: Uma variante policial do Galil MAR foi confeccionada em .30 Carbine. Ele usa as mesmas carregadores de 15 e 30 disparos que a Carabina M1, além de um carregador de 27 disparos, que incorpora um mecanismo de abertura do ferrolho após o disparo. A modelo foi lançado em 1999, mas foi retirado de produção em 2001, após muitas reclamações de problemas.
  • Marksman Assault Rifle Mark 1: Um fuzil de precisão em 5.56x45mm OTAN, lançado em 1996.[18]
  • Golani: Uma versão semi-automática civil com uma caixa de culatra fresada, fabricada nos Estados Unidos. Todos os outros componentes provém de peças originais da IMI Galil
  • Galil ACE: A nova geração do fuzil Galil. Possui três versões (Micro, SAR e AR) em câmara para 5.56x45mm OTAN, 7.62x39mm M43 e 7.62x51mm OTAN. Possui cinco trilhos picatinny para montagem de dispositivos e acessórios ópticos, e é mais leve e mais preciso do que a geração anterior da Galil.

Variantes EstrangeirasEditar

Variantes italianasEditar

A fabricante de armas italiana Vincenzo Bernardelli adquiriu nos anos 80, a licença de fabricação de duas versões da Galil para vendas governamentais[19]. Estas armas, chamadas Bernardelli Mod.377 VB-STD para a versão longa, baseada na Galil AR/ARM e Bernardelli Mod.377 VB-SR para a versão carabina, baseada na Galil SAR. Ambas as armas eram modificadas para utilizar carregadores STANAG (a variante STD por meio de um adaptador similar ao da Galil original, já a variante SR tinha a abertura de carreador modificada) e tinham punhos frontais. Seus seletores de segurança erma marcados em S-E-F (S- Seguro, E- Semi-Automático, F- Automático)[20]. A variante STD era capaz de utilizar o lança-granadas M203 e a variante SR tinha peça intercambiaveis com a Galil SAR e a R5 sul-africana.

Estes rifles disputaram o processo de escolha do rifle de 5.56x45mm OTAN do Exército Italiano, mas acabaram perdendo para a Beretta AR70/90 e SC70/90.

Variantes birmanesasEditar

A série de fuzis MA (acrônimo de Myanmar Army - Exército de Myanmar) são versões da Galil produzidas e modificadas em Myanmar com apoio israelense. Estas também são conhecidas como EMERK-3. A produção em série do fuzil começou em 2002, após um acordo com a IMI[21]. Estes fuzis foram fabricados, em sua maioria, pela fábrica estatal KaPaSa No.1 (ou DI-1)

Inicialmente estas armas receberam guarda-mão de madeira, porém com o tempo, foram equipadas com guarda-mão de plástico marrom e punho redondo[22], ambos ventilados. As últimas versões (Mk.II) vieram com guarda-mão de plástico preto e punho padrão da Galil[23]. A alavanca de manejo desses fuzis são horizontais, ao contrário do padrão da Galil, que é vertical. O bipé não é padronizado na variante MA-1, além do kit de limpeza vir em um espaço dentro da coronha[24]. Estas armas são alimentadas pelos carregadores padrão da Galil, de 35 disparos.

Em 2009, o Exército de Myanmar foi quase totalmente equipado com os fuzis MA[25]. Estes fuzis não são somente utilizados pelo Exército de Myanmar, mas também é encontrado nos arsenais do Exército Nacional de Liberação Karen e do Exército de Liberação Nacional Ta'ang[26], provinda de capturas e deserções do Exército de Myanmar.

As variantes da MA são estas:[22][27]

  • MA-1: Fuzil de assalto padrão, com coronha fixa e montagem para baioneta.
  • MA-2: Metralhadora leve, com cano pesado e bipé.
  • MA-3: Carabina com a coronha rebatível. em metal.
  • MA-4: Versão da MA-1 com provisão de lançador de granadas de 40mm, fabricado localmente[27].
  • MA-S: Conhecido também como MA-Sniper, é um rifle de precisão baseado na versão MA-2, porém com influencia do SVD Dragunov soviético. Usa munição 7.62x51mm OTAN, com um carregador de 10 disparos[28][29].

Variante suecaEditar

Nos anos 70, o Exército Sueco buscava substituir o Heckler & Koch G3 (conhecido no serviço sueco como Ak.4), que estava em serviço no Exército Sueco desde 1965[30]. A Försvarets Fabriksverk (FFV) disputou esse processo de substituição com uma versão sob licença da Galil, nomeada FFV-890C[30]. A versão, baseada na Galil SAR recebeu varias modificações para diminuir o peso, melhorar a resistência ao frio e diminuir o custo de fabricação. Em sua primeira versão, o fuzil recebeu as seguintes modificações:[30]

  • Encurtou-se o tubo de gases e pistão
  • Modificou-se o guarda-mão para um de duas peças, similar ao do FN FAL.
  • Aumentou-se o tamanho do retém do carregador, seletor de tiro do lado direito e guarda-mato do gatilho, para melhor uso com luvas grossas.
  • Foi retirado a chapa protetora do retém do carregador.
  • O cano foi encurtado para 330mm
  • Montagem de um defletor de estojos na tampa de proteção do mecanismo
  • Seletor marcado como S-A-P (S-Säkrad - Seguro/A-Automateld - Automático/P-Patronvis eld - Tiro Intermitente/Semi-Automático)
  • Adição de uma junta de vedação em borracha, atrás da mola recuperadora do ferrolho, tendo função de amortecedor para recuo e prevenção de escape do óleo nos disparos.
  • Fuzil foi pintado em verde-oliva.

Maioria dos componentes desse fuzil eram fabricadas pela IMI, em Israel, com algumas peças como o guarda-mão, fabricados pela FFV na Suécia. Em 1979, o fuzil veio em sua segunda versão, tendo as seguintes modificações, que foram requisitadas após os testes do Exército Sueco[30]:

  • Alavanca de manejo em horizontal, similar a da AKM.
  • O guarda-mato do gatilho e retém do carregador foram substituídos pelos originais da Galil
  • O seletor de tiro do lado direito foi aumentado
  • Um botão de segurança, similar ao da FN MAG, foi instalado na caixa de culatra
  • A alça da mira foi substituída foi uma similar a da FN Minimi.
  • Coronha pintada em verde-oliva.

O fuzil foi testado pelo Exército Sueco até 1980, quando a Suécia decidiu adquirir fuzis FN FNC (que foi nomeado no serviço sueco de Ak.5). A FFV tentou oferecer a arma ao mercado exterior, porém não teve vendas e retirou o fuzil de seus catalogos logo após. A licença de fabricação foi vendida a Valmet, que incorporou varias caracteristicas da FFV-890C em suas armas. Foram fabricadas 4000 unidades[30].

Variantes sul-africanasEditar

O Vektor R4 é uma variante sul-africana do Galil ARM[31][32] com várias modificações; Notavelmente, tanto a guarda-mão como o punho são feitos de um polímero de alta resistência e a coronha foi alongada, adaptando a arma para o soldado sul-africano.[31]

 
O primeiro R4 fabricado na África do Sul

A Marinha da África do Sul, a Força Aérea da África do Sul e o Serviço de Polícia da África do Sul adotaram uma versão curta, baseada na Galil SAR de 5.56x45mm OTAN, que foi fabricada com a licença como o R5. O R5, quando comparado ao R4, tem um cano 130mm mais curto, juntamente com um sistema de gás e um guarda mão mais curtos. Também carece de um bipé e o quebra-chamas/compensador não suporta granadas de bocal.

Na década de 1990, uma variável de arma de defesa pessoal ainda mais compacta do R5 foi desenvolvida para tripulações de veículos blindados, designada como o R6, que possui um cano reduzido e um conjunto de ferrolho e pistões de gás encurtados.

Lyttleton Ingenieurs Werke (LIW)/Denel Land Systems (DLS) também introduziu uma linha de variantes semi-automáticas do R4, R5 e R6 chamado LM4, LM5 e LM6 respectivamente, construído para usuários civis e policiais.

Vektor Rifle Especificações
Modelo No geral
Comprimento
Cano
Comprimento
Peso ROF
R4 Rifle 1,005 mm (39.6 in) estoque estendido
740 mm (29.1 in) estoque dobrado
460 mm (18.1 in) 4.3 kg (9.48 lb) 650-700 rpm
R5 Carabina 877 mm (34.5 in) estoque estendido
615 mm (24.2 in) estoque dobrado
332 mm (13.1 in) 3.7 kg (8.2 lb) 650-700 rpm
R6 PDW 805 mm (31.7 in) estoque estendido
565 mm (22.2 in) estoque dobrado
280 mm (11.0 in) 3.6 kg (7.9 lb) 585 rpm

Aparições em jogosEditar

Nos jogos Counter Strike,Warface,CrossFire, Counter-Strike: Condition Zero, Counter-Strike: Source e Counter-Strike: Global Offensive, a Galil é conhecida no jogo como IDF Defender, figura como rifle primário dos terroristas.

No segundo semestre do ano de 2010, também foi introduzida a arma como fuzil de assalto no jogo Call of Duty: Black Ops. Apareceu também em sua sequela, Call of Duty: Black Ops 2, de 2012.

Também foi incluida como um fuzil de assalto no jogo Battlefield Hardline e no jogo Insurgency.

UsuáriosEditar

 
Os marinheiros peruanos rompem contato após uma emboscada simulada por um atirador inimigo. Visto aqui usando o Galil AR de 7,62mm.
 
Micro Galil Nicaraguense
 
Policiais israelenses armados com um Galil MAR 5,56mm

Veja tambémEditar

  • Rk 62 – A arma finlandesa sobre a qual o Galil está parcialmente baseado.
  • IWI ACE – versão simplificada e atualizada do IMI Galil pela empresa-mãe (renomeado de IMI)
  • INSAS rifle – Fuzil de assalto de calibre indiano de 5,56mm
  • R4 rifle de assalto – Rifle de assalto de calibre indiano de 5,56mm
  • Vektor CR-21 – Um fuzil Bullpup sul-africano baseado no R4/Galil
  • Zastava M21 – Um fuzil sérvio de calibre 5,56 mm baseado na ação do Kalashnikov.

Referências

  1. a b c Bishop, Chris. Guns in Combat. Chartwell Books, Inc (1998). ISBN 0-7858-0844-2.
  2. http://www.thehindu.com/news/national/punj-lloyd-iwi-of-israel-make-small-arms-in-india/article18383248.ece
  3. https://www.strategicfront.org/israeli-assault-rifles-journey-prospects-india/
  4. McCollum, Ian (23 de novembro de 2018). «The Israeli Galil». Forgotten Weapons (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2019 
  5. «IWI Galil ARM / SAR Assault Rifle / Carbine / Submachine Gun (SMG) / Designated Marksman Rifle (DMR) - Israel». www.militaryfactory.com (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2019 
  6. Rappoport, Ellie (28 de dezembro de 2017). «Micro Tavor vs. the M4/M16: Core Of The IDF». Draft IDF. Consultado em 11 de março de 2018 
  7. admin. «Galil Ace 5.56». Small Arms Defense Journal (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2019 
  8. «Galil - Parte 2». Arma Bellica. 7 de agosto de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  9. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome history2
  10. a b Kokalis, Peter (2001). Weapons Tests And Evaluations: The Best Of Soldier Of Fortune. Boulder, CO: Paladin Press. p. 253. ISBN 1-58160-122-0 
  11. «Galil - Parte 1». Arma Bellica. 7 de agosto de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  12. «Galil - Parte 1». Arma Bellica. 7 de agosto de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  13. «Galil - Parte 1». Arma Bellica. 7 de agosto de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  14. «Galil». Modern Firearms (em inglês). 27 de outubro de 2010. Consultado em 27 de maio de 2019 
  15. «Galil 7.62mm semi-automatic sniper rifle». Consultado em 25 de Outobro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  16. IMI Galil Sniper (Galatz) - Militaryfactory.com
  17. Galil - Weaponsystems.net
  18. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome history1
  19. «Bernardelli - History». web.archive.org. 29 de abril de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  20. «Security Arms | Firearm Photo Archive». www.securityarms.com. Consultado em 27 de maio de 2019 
  21. «Burmese Army Equipped with New Arms». www2.irrawaddy.com. Consultado em 27 de maio de 2019 
  22. a b «Burmese Small Arms Development». www.smallarmsreview.com. Consultado em 27 de maio de 2019 
  23. «Burmese Small Arms Development». www.smallarmsreview.com. Consultado em 27 de maio de 2019 
  24. «緬甸輕兵器之MA-1步槍» (em chinês). Consultado em 27 de maio de 2019 
  25. «Burmese Army Equipped with New Arms». www2.irrawaddy.com. Consultado em 27 de maio de 2019 
  26. «Burma Conflict Blog». www.dictatorwatch.org. Consultado em 27 de maio de 2019 
  27. a b «Burmese Rifle Grenades of the Infantry MA Series of Rifles -». The Firearm Blog (em inglês). 17 de agosto de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  28. «The MA-Sniper: Early Burmese Army Designated Marksman Rifle Development -». The Firearm Blog (em inglês). 30 de agosto de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  29. «MA-Sniper Development Continues: Production and Issue -». The Firearm Blog (em inglês). 13 de setembro de 2018. Consultado em 27 de maio de 2019 
  30. a b c d e McCollum, Ian (12 de dezembro de 2014). «FFV-890C: The Swedish Service Rifle That Never Was». Forgotten Weapons (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2019 
  31. a b Woźniak, Ryszard. Encyklopedia najnowszej broni palnej - tom 4 R-Z. Bellona. 2002. pp9–10.
  32. John Walter (2006). Rifles Of The World. [S.l.]: Krause Publications. p. 141. ISBN 0-89689-241-7. Consultado em 27 de agosto de 2008 
  33. a b c d e f g h i j k l m n o Jones, Richard D. Jane's Infantry Weapons 2009/2010. Jane's Information Group; 35 edition (27 de janeiro de 2009). ISBN 978-0-7106-2869-5.
  34. «Tactical Weapons magazine The Magal .30M1: A look back at the Galil's cousin that's still kicking for Brazilian and Israeli police forces, by Ronaldo Olive.». Tactical Life. Consultado em 25 de outubro de 2014 
  35. Israeli arms transfers to sub-Saharan Africa
  36. Tijerina, Catianne (8 de agosto de 2014). «Babacar Gaye, Abdoulaye Bathily, and Boubèye Maïga meet Chief of ex-Seleka in Bambari». UN Mission in the Central African Republic MINUSCA. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  37. Giraf Prod. «Centrafrique, au cœur du chaos». girafprod.com. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  38. Dormino, Marco. «Visite d'une délégation militaire dans le Nord du Mali - Generals to the North». girafprod.com. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  39. «IWI Galil ACE 5.56 mm assault rifle (Israel), Rifles». Jane's Information Group. Consultado em 17 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2010 
  40. «Partes de guerra - FARC-EP Bloque Martín Caballero». Consultado em 25 de outubro de 2014. Arquivado do original em 3 de junho de 2013 
  41. Navy.mil - View Image
  42. Haapiseva-Hunter, Jane (1999). Israeli foreign policy: South Africa and Central America. [S.l.]: South End Press. p. 115. ISBN 978-0-89608-285-4 
  43. «Uudised - Kaitsevägi». mil.ee 
  44. «Uudised - Kaitsevägi». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  45. «Uudised - Kaitsevägi». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  46. «Uudised - Kaitsevägi». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  47. Philip Alpers. «Guns in Fiji». gunpolicy.org 
  48. Capie, David (2004). Under the Gun: The Small Arms Challenge in the Pacific. Wellington: Victoria University Press. pp. 63–65. ISBN 978-0864734532 
  49. «Armament of the Georgian Army». Consultado em 25 de outubro de 2014. Arquivado do original em 9 de março de 2012 
  50. Haapiseva-Hunter, Jane (1999). Israeli foreign policy: South Africa and Central America. [S.l.]: South End Press. p. 114. ISBN 978-0-89608-285-4 
  51. «Kopassus & Kopaska - Specijalne Postrojbe Republike Indonezije» (em Croatian). Hrvatski Vojnik Magazine. Consultado em 12 de junho de 2010. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2007 
  52. Hogg, Ian (2002). Jane's Guns Recognition Guide. Jane's Information Group. ISBN 0-00-712760-X.
  53. Picture of the Knesset Guard on Israel's 52nd Independence Day armed with Galil, Israeli Knesset Official Website.
  54. Ministério do Interior italiano - Decreto n° 559/A/1/ORG/DIP.GP/14 de 6 de março de 2009, sobre armas e equipamentos em uso com a Polícia Nacional Italiana - em italiano Arquivado em 2011-07-16 no Wayback Machine. Recuperado em 25 de agosto de 2010.
  55. World Armies (9 de dezembro de 2012). «Kenyan Army». flicker. Consultado em 6 de abril de 2017 
  56. http://www.defenceweb.co.za/index.php?option=com_content&view=article&id=41646:malawian-soldier-killed-and-another-wounded-in-latest-drc-rebel-attack&catid=56:diplomacy-a-peace&Itemid=111
  57. Grupo SIPSE. «Nuevo armamento para SSP de Cancún». sipse.com. Consultado em 25 de outubro de 2014. Arquivado do original em 8 de outubro de 2011 
  58. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de novembro de 2012. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2013 
  59. «084th division. Mongolian special task battalion». YouTube. Consultado em 25 de outubro de 2014 
  60. «Burmese Small Arms Development». smallarmsreview.com 
  61. Alpers, Philip (2010). Karp, Aaron, ed. The Politics of Destroying Surplus Small Arms: Inconspicuous Disarmament. Abingdon-on-Thames: Routledge Books. pp. 168–169. ISBN 978-0-415-49461-8 
  62. «Galile dla Paragwaju - Altair Agencja Lotnicza». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  63. «Rice Not Guns - German Arms in the Philippines». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  64. Walter, John (2006). Rifles of the World. [S.l.]: Krause. p. 616. ISBN 978-0-89689-241-5 
  65. «home». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  66. «United Nations News Centre». UN News Service Section. 30 de julho de 2013. Consultado em 25 de outubro de 2014 
  67. «IMI GALIL ขนาด 5.56 mm ปืนเล็กกลจากอิสราเอลที่ใช้ในราชการกรมราชทัณฑ์ และ ขนาด 7.62 mm ปืนซุ่มยิงของกองทัพบก». chaoprayanews.com. Consultado em 17 de junho de 2017. Arquivado do original em 25 de julho de 2017 
  68. Musisi, Frederic (10 de maio de 2015). «CMI Officers Arrested Over Shs500 Million Robbery». Daily Monitor (Kampala). Consultado em 10 de maio de 2015 
  69. «Спецпідрозділ "ОМЕГА"». YouTube. Consultado em 25 de outubro de 2014 
  70. «AKs among U.S. Police Departments». 16 de abril de 2016. Consultado em 1 de junho de 2018 
  71. Rajneeshpuram (Televisão) (em inglês). Oregon Public Broadcasting. 19 de novembro de 2012. Consultado em 1 de junho de 2018 
  72. «Rajneeshees establish security forces, large armory (parte 10 de 20)». 12 de julho de 1985. Consultado em 1 de junho de 2018 
  73. «Bộ đội Hải quân Việt Nam luyện cùng vũ khí mới». Consultado em 25 de outubro de 2014 
  74. «Israeli IWI Galil ACE 31 ACE 32 assault rifles to replace Russian AK-47 in Vietnamese Army 0202146 - Army Recognition». Consultado em 25 de outubro de 2014. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2014 

Ligações externasEditar