Gargi Vachaknavi

Gargi Vachaknavi (nascida por volta do século VII a.C.) foi uma antiga filósofa indiana. Na literatura védica, ela é homenageada como uma grande filósofa natural,[1][2] expositora renomada dos Vedas,[3] e conhecida como Brahmavadini, uma pessoa com conhecimento de Brahma Vidya.[4] No sexto e oitavo Brâmana da Brihadaranyaka Upanishad, seu nome é proeminente ao participar do brahmayajna, um debate filosófico organizado pelo rei Janaka de Videha, e ela desafia o sábio Yajnavalkya com perguntas desconcertantes sobre a questão do atman (alma).[1][5] Diz-se também que ela escreveu muitos hinos no Rigveda.[6] Ela permaneceu celibatária a vida toda e era tida em veneração pelos hindus convencionais.[7][8]

Vida inicialEditar

Gargi era filha do sábio Vachaknu na linhagem do sábio Garga (c. 800-500 a.C.) e, portanto, recebeu o nome de seu pai como Gargi Vachaknavi.[2][9] Desde tenra idade, Vachaknavi era muito intelectual. Ela adquiriu conhecimento dos Vedas e das escrituras e tornou-se conhecida por sua proficiência nesses campos da filosofia; ela realizou debates intelectuais com outros filósofos e até superou os homens em seu conhecimento.

Mais tarde na vidaEditar

Gargi, juntamente com Vadava Pratitheyi e Sulabha Maitreyi, estão entre as mulheres de destaque que figuram nos Upanishads.[10] Ela tinha tanto conhecimento em Vedas e Upanishads quanto os homens dos tempos védicos e podia muito bem contestar os filósofos homens em debates.[11] O nome dela aparece nos Grihya Sutras de Asvalayana.[12] Diz-se que ela teria despertado sua Kundalini (energia espiritual interna) de alma realizada.[1][13] Ela foi uma das principais estudiosas que também fez valiosas contribuições para propagar a educação.[9]

Debate com YajnavalkyaEditar

Segundo Brihadaranyaka Upanishad, o rei Janaka, do Reino de Videha, realizou um Rajasuya Yagna e convidou todos os sábios, reis e princesas da Índia a participar. O yagna durou muitos dias. Grandes quantidades de sândalo, ghi (manteiga clarificada) e cevada (cereal) foram oferecidas ao fogo Yagna, criando uma atmosfera de santidade e aroma espirituais. O próprio Janaka, sendo um estudioso, ficou impressionado com a grande reunião de sábios instruídos. Ele pensou em selecionar um estudioso do grupo reunido de estudiosos de elite, o mais realizado de todos, que possuía o máximo conhecimento sobre Brahman. Para esse fim, ele desenvolveu um plano e ofereceu um prêmio de 1.000 vacas, com cada vaca tendo pendurados 10 gramas de ouro em seus chifres. A constelação de estudiosos, além de outros, incluía o renomado sábio Yajnavalkya e Gargi Vachaknavi.[9] Yajnavalkya, que estava ciente de que ele era o mais instruído espiritualmente entre a assembleia reunida, pois havia dominado a arte da Kundalini Yoga, ordenou ao seu discípulo Samsrava que deslocasse o rebanho de vacas para sua casa. Isso enfureceu os estudiosos ao sentirem que ele estava conquistando o prêmio sem contestar em um debate.[14] Alguns pânditas (estudiosos) locais não se voluntariaram para debater com ele, pois não tinham certeza de seus conhecimentos. No entanto, houve oito sábios de renome que o desafiaram para um debate, que incluía Gargi, a única dama no arranjo da reunião dos eruditos.[1]

Sábios como Asvala, o sacerdote da corte de Janaka, Artabhaga, Bhujyu, Ushasta e Uddalaka debateram com ele e fizeram perguntas sobre assuntos filosóficos aos quais Yajnavalkya forneceu respostas convincentes e eles perderam o debate. Foi então a vez de Gargi aceitar o desafio.[1] Gargi, como uma das participantes do debate, questionou Yajnavalkya sobre sua reivindicação de superioridade entre os estudiosos. Ela manteve repetidas discussões com ele.[15][1] O permuta de Gargi e Yajnavalkya centrou-se na "urdidura" final da realidade ("urdidura", como estrutura de filamento básica no tecido, ao fundo de uma trama, significa "o fundamento básico ou material de uma estrutura ou entidade).[16] Seu diálogo inicial com Yajnavalkya tendeu a ser metafísico demais, como sobre o estado indelével sem fim da alma, longe de situações práticas. Ela então mudou sua abordagem e perguntou-lhe questões relacionadas ao meio ambiente existente no mundo, a questão da própria origem de toda a existência. Sua pergunta era específica quando ela perguntou-lhe "uma vez que este mundo inteiro é tecido de um lado para o outro (trançado) na água, sobre o que então é tecido de um lado para o outro", uma questão relacionada à metáfora cosmológica comumente conhecida que expressava a unidade do mundo, sua interconexão essencial. No Brihadaranyaka Upanishad (3.6), a sequência dela fazendo várias perguntas para Yajnavalkya e suas respostas é narrada como:[17]

Ela continuou com uma série de perguntas tais como o que era o universo dos sóis, o que eram a lua, as estrelas, os deuses, Indra e Prajapati. Gargi então continuou com mais duas perguntas. Gargi instou Yajnavalkya para esclarecê-la sobre o tecido da realidade e perguntou:[16]

Gargi não ficou satisfeita e, em seguida, fez a próxima pergunta:[16][18]

Então ela fez uma pergunta final, sobre o que era Brâman (mundo do Imperecível)? Yagnavalakya pôs fim ao debate dizendo a Gargi para não prosseguir, pois, caso contrário, ela perderia o equilíbrio mental. Essa resposta encerrou diálogo além na conferência dos eruditos.[1][17] No entanto, no final do debate, ela concedeu ao conhecimento superior de Yajnavalkya dizendo: "veneráveis brâmanes, podem considerar uma grande coisa se sair curvando-se diante dele. Ninguém, acredito, irá derrotá-lo em qualquer argumento sobre Brahman."[15]

Suas visões filosóficas também encontram menção na Chandogya Upanishad.[1] Gargi, como Brahmavadini, compôs vários hinos no Rigveda (em X 39. V.28) que questionavam a origem de toda a existência.[6][13][19] O Yoga Yajnavalkya, um texto clássico sobre Yoga, é um diálogo entre Gargi e o sábio Yajnavalkya.[20] Gargi foi homenageada como uma das Navaratnas (nove jóias) na corte do rei Janaka de Mitila.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i Ahuja 2011, p. 34.
  2. a b «Gargi». University of Alabama Astronomy 
  3. Mani, Vettam (1975). Puranic Encyclopaedia: A Comprehensive Dictionary With Special Reference to the Epic and Puranic Literature. Motilal Banarsidass. Delhi: [s.n.] pp. 348–9. ISBN 0-8426-0822-2 
  4. Banerji 1989, p. 614.
  5. Swami Sivananda. «The Virgin Philosopher». sivanandaonline.org [ligação inativa]
  6. a b Mody 1999, p. 125.
  7. Kapur-Fic 1998, p. 323.
  8. Kumar 2004, p. 158.
  9. a b c Great Women of India. Prabhat Prakashan. Col: Know India. [S.l.: s.n.] 2005. ISBN 978-81-87100-34-8 
  10. Mookerji 1998, p. 171.
  11. O'Malley 1970, p. 331.
  12. Gadkari 1996, p. 86.
  13. a b «Gargi». Indian Scriptures.com 
  14. Brihadaranyaka Upanishad, III i. 2. In Swami Nikhilananda, The Principal Upanishads.
  15. a b Mookerji 1998, p. 129.
  16. a b c Carmody & Brink 2013, p. 95.
  17. a b Glucklich 2008, pp. 64–65.
  18. Sri Swamisivananda. A Essência do Karma Yoga.
  19. History of People and Their Environs: Essays in Honour of Prof. B.S. Chandrababu. Bharathi Puthakalayam. [S.l.: s.n.] 2011. ISBN 978-93-80325-91-0 
  20. Yogayajnavalkya Samhita – The Yoga Treatise of Yajnavalkya, by T. K. V. Desikachar and T. Krishnamacharya, Krishnamacharya Yoga Mandiram (2004), ISBN 81-87847-08-5.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar