Golpe de Estado no Níger em 2023

golpe militar contra o presidente Mohamed Bazoum

O Golpe de Estado no Níger em 2023 ocorreu em 26 de julho de 2023 quando a guarda presidencial do Níger deteve o presidente Mohamed Bazoum e o comandante da guarda presidencial, general Abdourahamane Tchiani, proclamou-se líder de uma junta militar.[8][9][10] As forças da guarda presidencial fecharam as fronteiras do país, suspenderam as instituições estatais e declararam toque de recolher.

Golpe de Estado em Níger em 2023
Data 2628 de julho de 2023
Local Niamei, Níger
Desfecho Golpe de Estado bem sucedido[1][2]
  • Governo deposto
  • Constituição suspensa
  • Junta militar formada
  • Fronteiras fechadas; toque de recolher declarado
  • O presidente Mohamed Bazoum se recusa a renunciar enquanto está detido no palácio presidencial
  • General Abdourahamane Tchiani é proclamado chefe do governo de transição
  • Agitação significativa na capital, Niamei
Beligerantes
Governo do Níger

Apoiado por:[3]
ECOWAS
 França
União Europeia
 Estados Unidos
União Africana União Africana

Nações Unidas Nações Unidas
Conselho Nacional para a Salvaguarda da Pátria[4]

Movimento M62
Apoiado por:[5]
 Burquina Fasso
Mali
Guiné
 Rússia

Grupo Wagner
Comandantes
Mohamed Bazoum

Ouhoumoudou Mahamadou
Hassoumi Massaoudou

Hamadou Souley
Abdourahamane Tchiani[6]

Amadou Abdramane[4]
Salifou Modi
Abdou Sidikou Issa

Moussa Salaou Barmou
Forças
Desconhecido 2 mil soldados[7]
Baixas
Pelo menos 1 civil ferido Vários civis feridos

Este foi o quinto golpe militar desde que o país conquistou a independência em 1960, e o primeiro desde 2010.[11]

Antecedentes

editar

O Níger já havia sofrido quatro golpes militares desde a independência da França em 1960, sendo que o último golpe aconteceu em 2010. Nesse intervalo, também houve várias tentativas golpistas, como a ocorrida em 2021, quando dissidentes militares tentaram tomar o palácio presidencial dois dias antes da posse do presidente eleito Mohamed Bazoum. Ele foi o primeiro presidente democraticamente eleito do país a assumir o cargo de um antecessor eleito de forma semelhante. O golpe também ocorreu na sequência de golpes recentes em países próximos, como na Guiné, no Mali, no Sudão em 2021 e dois em Burquina Faso em janeiro e em setembro de 2022, o que levou a região a ser chamada de "cinturão golpista".[12]

Analistas disseram que o aumento do custo de vida e as percepções de incompetência e corrupção do governo podem ter impulsionado a revolta.[12] O país frequentemente ocupa o último lugar no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU[13] e também sofre insurgências islamistas lideradas pela al-Qaeda, Estado Islâmico e Boko Haram,[4] apesar de seus militares receberem treinamento e apoio logístico dos Estados Unidos e da França, que possuem bases no país.[14]

Em 2022, o país se tornou o centro das operações antijihadistas da França na região do Sahel após sua expulsão do Mali e de Burquina Faso, com Bazoum sendo descrito como um dos poucos líderes pró-ocidentais remanescentes na região.[13] O Níger tornou-se um aliado fundamental para as forças ocidentais, especialmente francesas e estadunidenses. Com vários golpes e crescentes sentimentos anti-franceses na região, o Níger tornou-se o parceiro de última instância da França.[14] Também foi relatado que oficiais treinados pelos estadunidenses treinaram muitos membros da guarda presidencial.[15]

Eventos

editar

26 de julho

editar

Detenção de Bazoum

editar

Na madrugada de 26 de julho, a conta do Twitter da presidência nigerina anunciou que os guardas presidenciais,[12] comandados pelo general Abdourahamane Tchiani[16] se engajaram em uma "manifestação antirrepublicana" e tentaram "em vão" obter o apoio das demais forças de segurança.[12] Também afirmou que o presidente Mohamed Bazoum e sua família estavam bem depois que surgiram relatos de que ele estava detido no palácio presidencial na capital Niamey.[12] O ministro do Interior, Hamadou Souley, também foi preso e mantido no palácio, enquanto cerca de vinte membros da Guarda Presidencial foram vistos do lado de fora no final do dia.[17] O golpe teria sido liderado por Tchiani, a quem os analistas disseram que Bazoum planejava demitir de seu cargo.[18] Fontes próximas a Bazoum disseram que ele havia decidido pela demissão de Tchiani em uma reunião de gabinete em 24 de julho, já que suas relações haviam se tornado tensas.[19]

A esposa do presidente Bazoum, Hadiza Bazoum, e seu filho, Salem, foram detidos com ele no palácio presidencial,[20] enquanto suas filhas estavam em Paris no momento do golpe.[20]

Mobilização militar

editar

Pela manhã, o palácio e os ministérios adjacentes foram bloqueados por veículos militares e os funcionários do palácio foram impedidos de acessar seus escritórios.[12] Até 400 apoiadores civis[17] de Bazoum tentaram se aproximar do palácio, mas foram dispersados pela Guarda Presidencial com tiros, deixando um ferido. Em outros lugares em Niamey, a situação foi descrita como calma.[12] A Presidência também afirmou que protestos em apoio a Bazoum ocorreram em torno das missões diplomáticas do país no exterior.[17]

Em resposta a esses eventos, as forças armadas do Níger cercaram o palácio presidencial em apoio a Bazoum. O exército também emitiu um comunicado dizendo que garantiu "principais pontos estratégicos" no país. A Presidência afirmou que o exército e a Guarda Nacional estavam prontos para atacar a guarda presidencial.[21] A BBC também informou que forças legalistas cercaram a emissora estatal ORTN.[22] A embaixada dos Estados Unidos alertou contra viagens ao longo do Boulevard de la Republique, em Niamey,[17] onde ficava o Palácio Presidencial.

Anúncio da derrubada de Bazoum

editar

À noite, porém, o coronel-major[23] da Força Aérea[24] Amadou Abdramane foi ao canal de televisão estatal Télé Sahel para afirmar que o presidente Bazoum havia sido destituído do poder e anunciou a formação de um Conselho Nacional para a Salvaguarda da Pátria.[24]

Sentado e flanqueado por outros nove oficiais vestindo uniformes representando todos os diferentes ramos das forças de segurança,[16] Abdramane disse que as forças de defesa e segurança decidiram derrubar o governo "devido à deterioração da situação de segurança e má governança". Também anunciou a dissolução da constituição do país, a suspensão das instituições estatais, o fechamento das fronteiras e um toque de recolher nacional das 22h00 às 05h00, horário local, até novo aviso, alertando contra qualquer intervenção estrangeira.[25][26]

Um dos oficiais vistos durante o anúncio foi posteriormente identificado como o general Moussa Salaou Barmou, chefe das forças especiais do país.[18]

27 de julho

editar

Resposta de Bazoum

editar

Na manhã de 27 de julho, Bazoum twittou que os nigerinos que amam a democracia cuidariam para que "ganhos duramente conquistados sejam salvaguardados", indicando sua recusa em renunciar ao cargo.[26] Seu ministro das Relações Exteriores, Hassoumi Massaoudou, disse ao France 24 que o "poder legal e legítimo" do país permanecia com o presidente e reiterou que Bazoum estava em boas condições e que todo o exército não estava envolvido.[27] Massaoudou também se declarou chefe de Estado interino e convocou todos os democratas a "fazerem esta aventura fracassar".[26]

Apesar de detido, Bazoum não renunciou formalmente até 28 de julho e conseguiu entrar em contato com líderes e autoridades mundiais, como o presidente francês Emmanuel Macron,[28] o Secretário-geral das Nações Unidas António Guterres,[29] o Presidente da Comissão da União Africana Moussa Faki[30] e o Secretário de Estado dos Estados Unidos Antony Blinken.[31]

Reconhecimento militar da junta

editar

Em 27 de julho, a liderança das forças armadas do Níger emitiu uma declaração assinada pelo chefe do estado-maior do exército, general Abdou Sidikou Issa, declarando seu apoio ao golpe, citando a necessidade de "preservar a integridade física" do presidente e sua família e evitar "um confronto mortal que pode criar um banho de sangue e afetar a segurança da população."[32]

Em comunicado na televisão pouco depois, Abdramane anunciou a suspensão de todas as atividades dos partidos políticos no país até novo aviso.[33] Também anunciou que a junta emitiu uma repreensão à França por violar o fechamento do espaço aéreo depois que um avião militar pousou em uma base aérea. Ao longo do dia, a Télé Sahel transmitiu continuamente o anúncio do estabelecimento da junta com algumas pausas na programação.[34]

Distúrbios em Niamey

editar
 
Mohamed Bazoum, presidente nigerino de 2021 até o Golpe, em 2023

Uma manifestação pró-golpe ocorreu em 27 de julho com cerca de mil apoiadores da junta hasteando bandeiras russas,[35] expressando apoio ao Grupo Wagner e atirando pedras no veículo de um político que passava.[18] Os manifestantes também denunciaram a presença francesa e de outras bases estrangeiras. Outros manifestantes se reuniram do lado de fora da sede do partido de Bazoum, PNDS-Tarayya, com imagens mostrando-os apedrejando e incendiando veículos.[34] Em seguida, saquearam e queimaram o local, forçando a polícia a dispersá-los com gás lacrimogêneo.[36] Também ocorreram manifestações em frente à Assembleia Nacional.[37] Isso levou o Ministério do Interior à noite a proibir todas as manifestações com efeito imediato.[38] Os funcionários públicos também foram orientados a ficar em casa.[39]

28 de julho

editar

Assunção de Tchiani ao poder

editar

Em 28 de julho, o general Abdourahamane Tchiani se autoproclamou presidente do Conselho Nacional para a Salvaguarda da Pátria em um discurso na Télé Sahel. Ele afirmou que o golpe foi realizado para evitar "o declínio gradual e inevitável" do país e acusou Bazoum de tentar esconder "a dura realidade" nacional, que ele chamou de "um amontoado de mortos, deslocados, humilhação e frustração". Também criticou a estratégia de segurança do governo por sua suposta ineficácia e falta de colaboração com Mali e Burquina Faso, mas não deu um prazo para o retorno ao governo civil. Sua posição como chefe de Estado de facto foi posteriormente confirmada pelo Coronel Abdramane, que acusou funcionários do governo de Bazoum de conspirar contra o novo regime enquanto se abrigavam em embaixadas estrangeiras e advertiu que haveria derramamento de sangue se eles persistissem.[40][41][42]

29 de julho

editar

Alegações de uma intervenção militar planejada no Níger

editar

O Conselho Nacional para a Salvaguarda da Pátria acusou a ECOWAS em um comunicado lido pelo major-coronel Amadou Abdramane na Télé Sahel de planejar aprovar "um plano de agressão contra o Níger por meio de uma iminente intervenção militar em Niamey apoiada por certos países ocidentais" e alertou sobre a "forte determinação" da junta em defender o país. Eles afirmaram que esse era o objetivo da cúpula da ECOWAS convocada para o dia seguinte.[43][44]

Ultimato da União Africana

editar

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana emitiu um ultimato, afirmando que, se os militares não "retornassem imediata e incondicionalmente aos quartéis e restaurassem a democracia constitucional, dentro de um prazo máximo de quinze dias", o bloco seria obrigado a tomar "medidas necessárias, incluindo medidas punitivas contra os perpetradores".[45]

30 de julho

editar

Ultimato da ECOWAS

editar

Em 30 de julho, a ECOWAS deu à junta militar nigerina um ultimato para que Bazoum fosse reinstalado como presidente em uma semana. Em um comunicado lido pelo presidente da Comissão da ECOWAS, Omar Touray, na Cúpula Extraordinária convocada em Abuja em resposta ao golpe, eles disseram que, se suas exigências não fossem atendidas, eles "tomariam todas as medidas necessárias para restaurar a ordem constitucional na República do Níger" e que "essas medidas podem incluir o uso da força". A resposta do bloco à junta diferiu drasticamente das medidas tomadas com golpes recentes no Mali, Burquina Fasso e Guiné, que não envolveram a ameaça de uso de força para reinstalar o governo deposto.[46]

Manifestações pró-golpe em Niamey

editar

A pedido de Abdourahmane Tchiani e organizado pelo movimento M62 (até o golpe, um movimento conhecido por sua oposição ao governo de Bazoum e à Operação Barkhane e seu apoio à invasão russa da Ucrânia), milhares de nigerinos pró-golpe se reuniram na Place de la Concertation, em frente à Assembleia Nacional, e foram à Embaixada Francesa carregando bandeiras nigerinas e russas, com slogans como "Abaixo a França, fora com a Barkhane, não nos importamos com a ECOWAS, a União Europeia e a União Africana!", "Prendam os ex-dignitários para devolver os milhões roubados" e "Abaixo a França, viva Putin!".[47][48][49] Os manifestantes também pediram uma intervenção imediata do Grupo Wagner.[50] Durante a marcha, as entradas das embaixadas francesa e americana foram fechadas.[51] Os muros e portões da embaixada francesa foram incendiados e danificados, enquanto soldados nigerinos e o general Salifou Modi foram vistos no local pedindo para que a multidão se dispersasse pacificamente.[52][53]

31 de julho

editar

A Presidência do Chade divulgou fotos do presidente Mahamat Déby Itno se reunindo com o presidente Bazoum, sua primeira aparição desde o golpe. Enquanto isso, a junta ordenou a suspensão das exportações de urânio e ouro para a França.[54]

O Coronel Abdremane acusou Hassoumi Massaoudou, que ainda afirmava ser o líder interino substituto de Bazoum, de autorizar um ataque francês ao palácio presidencial para libertar Bazoum.[55]

1 de agosto

editar

A junta militar anunciou que reabriu as fronteiras do Níger com a Argélia, Burquina Fasso, Mali, Líbia e Chade.[56]

2 de agosto

editar

Apagões foram relatados em cidades do Níger, e a empresa estatal de eletricidade Nigelec culpou a Nigéria por cortar o fornecimento. Enquanto a Transmission Company of Nigeria se recusou a comentar, uma fonte anônima disse à BBC que a medida seguiu uma diretiva do presidente Bola Tinubu.[57]

A ECOWAS enviou outra delegação ao Níger para negociar com a junta, desta vez liderada pelo ex-líder militar nigeriano Abdulsalami Abubakar e também incluindo o Sultanato de Socoto, Muhammadu Sa'ad Abubakar, e Omar Touray, presidente da Comissão da ECOWAS.[58] Abdel-Fatau Musah, Comissário da ECOWAS para Assuntos Políticos, Paz e Segurança, afirmou que "a opção militar é a última opção na mesa, o último recurso, mas temos que nos preparar para a eventualidade".[59] Enquanto isso, chefes militares dos estados membros da ECOWAS se reuniram em Abuja, na Nigéria, para discutir a situação no Níger.[60] Ao mesmo tempo, um sinal militar confidencial foi interceptado pelo Inside Nigeria, dando ordens ao exército nigeriano para designar unidades para uma operação militar contra o Níger, mobilizar as forças armadas e estabelecer uma zona de exclusão aérea.[61] Horas depois, a Costa do Marfim emitiu uma declaração na qual apoiava as sanções da ECOWAS e anunciava a participação do país na preparação para uma intervenção militar no Níger.[62]

Uma delegação da junta militar nigerina, liderada pelo general Salifou Mody, viajou para Bamaco, capital do Mali,[63] e depois para Uagadugu, capital de Burquina Fasso.[64] Surgiram especulações sobre se eles foram buscar o apoio do Grupo Wagner, que tem presença no Mali.[65]

Em um discurso televisionado, o general Tchiani chamou as sanções impostas ao país de "cínicas e iníquas" e disse que tinham a intenção de "humilhar" as forças de segurança do Níger e tornar o país "ingovernável". Ele insistiu que seu regime não cederia a tais ameaças[66] e pediu aos cidadãos que defendessem o país.[67]

3 de agosto

editar

Outra manifestação pró-golpe foi realizada na Praça da Independência de Niamei em comemoração ao 63.º Dia da Independência do Níger.[68] Desta vez, as forças de segurança bloquearam estradas que levavam às embaixadas francesa e americana para evitar ataques e vandalismo.[69]

Os ministros das Relações Exteriores do Senegal, Aïssata Tall Sall, e de Benim, Shegun Adjadi Bakari, confirmaram que seus países participariam de uma intervenção militar no Níger se aprovada pela ECOWAS.[70][71]

A junta militar censurou a transmissão dos programas da France24 e da Radio France Internationale (RFI), como já havia acontecido meses antes no Mali e Burquina Fasso. A France24 era seguida por um quarto da população nigerina todas as semanas, e a RFI era a estação internacional mais seguida no país. Ambas as mídias protestaram contra a decisão.[72]

Em um artigo de opinião publicado no The Washington Post, Bazoum, se autodenominando um refém, pediu aos Estados Unidos e à comunidade internacional que restaurassem a ordem constitucional no Níger, alertando que o golpe teria consequências devastadoras tanto internamente quanto internacionalmente.[73]

4 de agosto

editar

A junta anunciou que havia retirado o acordo militar do Níger com a França, notadamente aqueles que permitiam que tropas francesas fossem estacionadas no país e regulamentavam o status do pessoal militar que combatia o jihadismo islâmico em solo nigerino.[74] Em um anúncio separado, ela ordenou a retirada dos embaixadores do Níger na França, Nigéria, Togo e Estados Unidos.[75]

Análise

editar

O golpe é o sétimo a ocorrer na África Ocidental e Central desde o golpe de 2020 no Mali.[76]

Cameron Hudson, um associado sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, disse que o golpe poderia afetar a luta do Níger contra a insurgência islâmica, acrescentando que havia indicações de que o exército nigerino não estava satisfeito com o nível de apoio que receberam para combater os militantes.[77] Ulf Laessing, chefe do programa Sahel da Fundação Konrad Adenauer, disse que o golpe era um "pesadelo" para o Ocidente, que contava com Bazoum e o Níger como seu "novo ponto de apoio de segurança" na região.[78] Flavien Baumgartner, analista de África da consultoria de riscos políticos e de segurança Dragonfly, afirmou que a remoção de Bazoum poderia levar ao aumento da presença do Grupo Wagner no Níger, dado que o país é um importante produtor de urânio.[79]

Ver também

editar

Referências

  1. «Niger general Tchiani named head of transitional government after coup». Al Jazeera. 28 de julho de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  2. Kube, Courtney; Gains, Mohsheh; Williams, Abigail; De Luce, Dan (30 de julho de 2023). «U.S. sees 'narrow opportunity' to reverse coup in Niger as ousted president meets Chad's leader». NBC News. Consultado em 1 de agosto de 2023 
  3. «EU, US Join ECOWAS Call for Niger Military Junta to Halt Coup». voanews.com. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  4. a b c Minjibir, Usman; Macaulay, Cecilia (26 de julho de 2023). «Niger coup attempt: President Mohamed Bazoum held». BBC. Consultado em 26 de julho de 2023. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  5. «Burkina Faso, Mali warn against military intervention in Niger». aljazeera.com. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  6. «Who is Omar Tchiani, the suspected brain behind Niger coup». Al Jazeera. 27 de julho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  7. «Who is Omar Tchiani, the suspected brain behind Niger coup». Al Jazeera. 27 de julho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  8. «Niger: ce que l'on sait de la tentative de coup d'Etat en cours contre le président Mohamed Bazoum». Franceinfo (em francês). 26 de julho de 2023. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  9. «Niger soldiers declare coup on national TV». BBC News (em inglês). 26 de julho de 2023 
  10. «Niger's president 'held by guards' in apparent coup attempt». www.aljazeera.com (em inglês) 
  11. «Timeline: A history of coups in Niger». Al Jazeera (em inglês). 27 de julho de 2023 
  12. a b c d e f g «Niger's Bazoum 'held by guards' in apparent coup attempt». Al Jazeera (em inglês). 26 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  13. a b «Niger soldiers say President Bazoum has been removed, borders closed». France 24 (em inglês). 26 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  14. a b «FRANCE 24». Niger becomes France's partner of last resort after Mali withdrawal. 18 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  15. Turse, Nick (26 de julho de 2023). «Soldiers Mutiny in U.S.-Allied Niger». The Intercept (em inglês) 
  16. a b Aksar, Moussa; Balima, Boureima (27 de julho de 2023). «Niger soldiers say President Bazoum's government has been removed». Reuters. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  17. a b c d Dean, Sarah; Kennedy, Niamh; Madowo, Larry (26 de julho de 2023). «Niger soldiers claim President Mohamed Bazoum has been ousted, deepening coup fears». CNN. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  18. a b c Mednick, Sam (27 de julho de 2023). «Niger's president vows democracy will prevail after mutinous soldiers detain him and declare a coup». AP News. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  19. «Niger army general declares himself country's new leader». Gulf News. 29 de julho de 2023 
  20. a b Olivier, Mathieu (27 de julho de 2023). «Au Niger, l'armée affirme avoir renversé Mohamed Bazoum». Jeune Afrique. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 – via www.msn.com 
  21. Pilling, David (26 de julho de 2023). «Niger president caught in attempted coup but armed forces rally in support». Financial Times. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  22. Minjibir, Usman; Macaulay, Cecilia (26 de julho de 2023). «Niger coup attempt: President Mohamed Bazoum held». BBC. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  23. «Coup d'Etat au Niger: Les militaires putschistes suspendent « toutes les institutions » et ferment les frontières». 20 minutes (em francês). Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  24. a b Mednick, Sam (27 de julho de 2023). «Mutinous soldiers claim to have overthrown Niger's president». AP. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  25. «Soldiers in Niger claim to have overthrown President Mohamed Bazoum». Al-Jazeera. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  26. a b c Peter, Laurence (27 de julho de 2023). «Niger soldiers announce coup on national TV». BBC. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  27. «Detained Niger president defiant after coup bid». France 24. 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  28. «Soldiers Declare Niger General New Leader After Attempted Coup». VOA. 28 de julho de 2023 
  29. «Niger situation remains 'fluid' as army backs coup plotters». Aljazeera. 27 de julho de 2023 
  30. «Niger general appears on state TV as new leader following coup». CNN. 28 de julho de 2023 
  31. «Blinken calls for immediate release of ousted Niger president». Reuters. 29 de julho de 2023 
  32. «Niger's army command declares support for military coup». France 24. 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  33. «Niger army pledges allegiance to coup makers». Aljazeera. 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  34. a b «Niger coup: Captive President Bazoum defiant after takeover». BBC. 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  35. «Niger's General Abdourahamane Tchiani declared new leader following coup». France 24. 28 de julho de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  36. Balima, Boureima; Aksar, Moussa (27 de julho de 2023). «Niger coup supporters set fire to ruling party HQ, police fire teargas». Reuters 
  37. «Niger situation remains 'fluid' as army backs coup plotters». Aljazeera. 27 de julho de 2023 
  38. «Niger bans protests after post-coup chaos». The Sun Daily. 28 de julho de 2023 
  39. «Niger coup: EU suspends security cooperation and budgetary aid». BBC. 29 de julho de 2023 
  40. «Niger's General Abdourahamane Tchiani declared new leader following coup». France 24. 28 de julho de 2023. Consultado em 28 de julho de 2023 
  41. «Niger coup: Abdourahmane Tchiani declares himself leader». BBC. 28 de julho de 2023. Consultado em 28 de julho de 2023 
  42. «Niger general Tchiani named head of transitional government after coup». Aljazeera. 28 de julho de 2023. Consultado em 28 de julho de 2023 
  43. «Sábado, 29 de julio de 2023 (22.00 GMT)». La Vanguardia (em espanhol). 29 de julho de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  44. Descifrando la Guerra [@descifraguerra] (29 de julho de 2023). «🇳🇪 ÚLTIMA HORA 🇳🇪 La CNSP, la junta militar de Níger, acaba de denunciar en la televisión nacional que la ECOWAS aprobará mañana "un plan de agresión contra Níger" mediante "una intervención militar apoyada por ciertos países occidentales" y declara que "defenderán su patria"» (Tweet) (em espanhol). Consultado em 31 de julho de 2023 – via Twitter 
  45. Meilhan, Pierre; Goillandeau, Martin; Berlinger, Joshua (29 de julho de 2023). «France and EU cut off financial support to Niger following military coup». CNN (em inglês). Consultado em 30 de julho de 2023 
  46. «French embassy in Niger is attacked as protesters waving Russian flags march through capital». The Columbian. 30 de julho de 2023 
  47. «Miles de personas participan en Niamey en una marcha en apoyo al golpe de Estado» [Thousands of people participate in a march in Niamey in support of the coup]. infobae (em espanhol). Consultado em 30 de julho de 2023 
  48. «Miles de nigerinos salen a las calles de Niamey para defender a los golpistas entre gritos a favor de Rusia» [Thousands of Nigeriens take to the streets of Niamey to defend the coup plotters amid chants for Russia]. LA NACION (em espanhol). 30 de julho de 2023. Consultado em 30 de julho de 2023 
  49. «French embassy in Niger is attacked as protesters waving Russian flags march through capital». AP News (em inglês). 30 de julho de 2023. Consultado em 30 de julho de 2023 
  50. «Miles de nigerinos salen a las calles de Niamey para defender a los golpistas entre gritos a favor de Rusia» [Thousands of Nigeriens take to the streets of Niamey to defend the coup plotters amid chants for Russia]. LA NACION (em espanhol). 30 de julho de 2023. Consultado em 30 de julho de 2023 
  51. «Miles de personas participan en Niamey en una marcha en apoyo al golpe de Estado» [Thousands of people participate in a march in Niamey in support of the coup]. infobae (em espanhol). Consultado em 30 de julho de 2023 
  52. «French embassy in Niger is attacked as protesters waving Russian flags march through capital». AP News (em inglês). 30 de julho de 2023. Consultado em 30 de julho de 2023 
  53. @Yvan Guichaoua. «Salifou Modi en personne vient calmer les manifestants devant l'ambassade de France. chaud, froid, chaud» [Salifou Modi in person comes to calm the demonstrators in front of the French Embassy. hot, cold, hot] (em inglês). Consultado em 30 de julho de 2023 – via Twitter  (Tweet)
  54. «Niger coup: Ousted President Mohamed Bazoum meets Chad's leader». BBC (em inglês). 31 de julho de 2023. Consultado em 31 de julho de 2023 
  55. «Niger coup makers say ousted govt 'authorised French attack to free Bazoum'». Aljazeera (em inglês). 31 de julho de 2023. Consultado em 31 de julho de 2023 
  56. «Niger reopens borders with several neighbours a week after coup». Reuters (em inglês). 2 de agosto de 2023. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  57. «Niger power blackouts blamed on coup sanctions». BBC (em inglês). 2 de agosto de 2023. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  58. Okafor, Chimaka (2 de agosto de 2023). «Niger Coup: ECOWAS name Abdulsalami, Sultan of Sokoto as envoys to Niger». Premium Times Nigeria (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2023 
  59. Eboh, Camillus (2 de agosto de 2023). «West African bloc sends mission to Niger to negotiate with coup leaders». Reuters (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  60. Sunday, Ochogwu (2 de agosto de 2023). «BREAKING: West African military chiefs meet in Abuja over Niger coup». Daily Post Nigeria (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  61. afolabi (2 de agosto de 2023). «Coup: Tinubu orders Nigerian Army to ready troops for Niger Republic invasion». NEWS PICKS — WITHIN NIGERIA (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  62. Descifrando la Guerra [@descifraguerra] (2 de agosto de 2023). «El portavoz de la presidencia de Costa de Marfil ha emitido un comunicado condenando el golpe en Níger» (Tweet) (em espanhol). Consultado em 3 de agosto de 2023 – via Twitter 
  63. «Niger junta delegation arrives in Mali's Bamako». Al-Arabiya (em inglês). 2 de agosto de 2023. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  64. APA-Niamey (Niger) (2 de agosto de 2023). «Niger : un haut responsable du CNSP à Bamako». APAnews - Agence de Presse Africaine (em francês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  65. «A Niger coup leader meets with Wagner-allied junta in Mali». News8000.com (em inglês). 2 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  66. Cooney, Christy (3 de agosto de 2023). «Niger: US announces partial evacuation of embassy». BBC (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2023 
  67. Mednick, Sam (2 de agosto de 2023). «Niger: Niger's military ruler warns against foreign meddling, urges population to defend the country». ABC (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2023 
  68. «Pro-coup protests continue in Niger as Biden urges Bazoum release». Aljazeera (em inglês). 2 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  69. «Thousands of pro-coup supporters gather in Niamey to demand withdrawal of French troops from Niger». www.aa.com.tr. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  70. Adewole, Segun (3 de agosto de 2023). «Senegal Ready to Deploy Soldiers in Niger, Awaits ECOWAS». BNN Breaking (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2023 
  71. «Descifrando la Guerra». Twitter (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2023 
  72. https://www.facebook.com/FRANCE24 (3 de agosto de 2023). «RFI et France 24 s'indignent de la suspension de leur diffusion au Niger». France 24 (em francês). Consultado em 3 de agosto de 2023 
  73. «Former Niger president calls for international action to restore constitutional order». al-Arabiya (em inglês). 4 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  74. «Coup d'État au Niger: les putschistes dénoncent des accords militaires conclus avec la France». BFMTV (em francês). Consultado em 4 de agosto de 2023 
  75. «Coup d'État: les putschistes retirent les ambassadeurs du Niger en France et dans trois autres pays». BFMTV (em francês). Consultado em 4 de agosto de 2023 
  76. «Niger's Bazoum 'held by guards' in apparent coup attempt». Al Jazeera (em inglês). 26 de julho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  77. Dean, Sarah; Kennedy, Niamh; Madowo, Larry (26 de julho de 2023). «Niger soldiers claim President Mohamed Bazoum has been ousted, deepening coup fears». CNN. Consultado em 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 26 de julho de 2023 
  78. Mednick, Sam (27 de julho de 2023). «Mutinous soldiers claim to have overthrown Niger's president». AP. Consultado em 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023 
  79. Mednick, Sam (27 de julho de 2023). «Niger's president vows democracy will prevail after mutinous soldiers detain him and declare a coup». AP News. Consultado em 27 de julho de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2023