Homo

gênero de espécies

O gênero Homo foi primeiramente cunhado por Lineu como parte do sistema binomial que ele criou, sendo este o grupo que engloba os Homo sapiens, isto é, nós humanos.[1]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaHomo
Ocorrência: 2,0–0 Ma

Pleistoceno–presente

Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Hominini
Género: Homo
Espécies

Há evidências bem fundamentadas do gênero há 2,04 Ma, datação do esqueleto fóssil do garoto de Turkana.[2] Este esqueleto faz parte da espécie H. erectus, cujas características se diferenciam significativamente de seus ancestrais, os Australopithecus.[3]

As características deste importante fóssil de H. erectus, por sua vez, aproximam-se muito das nossas no que diz respeito a proporção de seu corpo, tamanho do cérebro relativamente grande e bipedia obrigatória (ou seja, eles não sobem em árvores),[3] como sugere o nome da espécie.

O H. erectus foi o primeiro grupo de homini a sair da África, migrando para a Ásia, há aproximadamente 1.6 Ma. Ele teria sido originado de outro grupo, o Homo Habilis.[4]

Foi estabelecido na década de 60, que o H. habilis, seria também parte do gênero Homo, apesar dos indivíduos da espécie apresentarem características semelhantes aos Australopithecus. H. habilis é datado como um grupo ainda mais antigo que os H. erectus: estimam que seus restos fósseis (ver Homo habilis) sejam de 2,3 a 2,5 Ma. Mesmo com as controvérsias, muitos cientistas consideram este o primeiro grupo do gênero Homo.[3]

Além desses dois grupos, atualmente 8 grupos são considerados parte do gênero Homo (H. sapiens, H. habilis, H. erectus sensu lato, H. heidelbergensis, H. florensiensis, H. rudolfensis e H. neanderthalensis),[3] além do H. naledi.[5] Essas espécies fazem parte dos Homininis ou Hominineos, o grupo que engloba todos os humanos.[6]

Todas as espécies do gênero Homo, exceto o Homo sapiens (os humanos viventes) estão extintas.[6] Os H. neanderthalensis que são considerados muito próximos de nós,[7] tendo também coexistido com as primeiras populações da nossa espécie na Europa por anos[8] extinguiram-se entre 41 - 39 ka[8] Outro grupo, o H. florensis, tem extinção estimada para 17 - 11/13 ka,[9] ainda mais recente.

Os representantes vivos mais próximos de nós são do grupo Homininae, sendo eles gorilas (do gênero Gorilla), chimpanzés e bonobos.[10]

Os movimentos migratórios começaram com a saída da África, pela região do Levante, e ocupação do Oriente Médio, Ásia, Oceania e Europa.

EtimologiaEditar

Nas ciências biológicas, em particular na antropologia e na paleontologia, o nome comum para todos os membros do gênero Homo é "humano".

O nome binominal Homo sapiens é atribuído a Carl Linnaeus (1758).[1] Nomes de outras espécies começaram a ser cunhados na segunda metade do século XIX, como Homo neanderthalensis, cunhado por William King- 1864 e Homo erectus, renomeado por Mayr - 1944).[3]

Expansão das definições do gêneroEditar

A definição do gênero foi ampliada, inicialmente por William King’s que observou que o fóssil Feldhofer I era muito similar ao H.Sapiens e o incluiu no gênero Homo como H.neanderthalensis.[3] A inclusão desse esqueleto no grupo, expandiu os limites do que era considerado para o gênero, em relação a morfologia cranial e pós-cranial.[11]

O segundo passo para a ampliação dos parâmetros gênero ocorreu com a inclusão da espécie H. Heidelbergensis.[3] Fósseis na Alemanha , Europa e África foram inicialmente vistos como H. Sapiens antigos, porém hoje são frequentemente referidos como H. Heidelbergensis[3] ou H. rhodesiensis que englobaria as espécies africanas.[11]

O terceiro passo rumo à expansão da morfologia geral do gênero Homo, foi iniciado por Mayr, que sugeriu que Pitecanthropus erectus, também se tratava de uma espécie do grupo.[12] Essa espécie foi então denominada Homo erectus, e depois ampliada para Homo erectus senso lato, juntamente com outros antigos “grupos” que, na verdade, faziam parte do mesmo grupo.[3] H.Erectus é uma nomenclatura que teve um histórico bem complexo,[3] já tendo sido, inclusive, considerada como Australopitecus eretus , isto é, parte do gênero Australopitecos.[13]

O quarto passo no processo de alocar espécies para Homo, foi o reconhecimento de uma espécie considerada grácil, encontrada em Olduvai Gorge.[3] Essa espécie foi incluída no gênero Homo como H.habilis, porém isso envolveu o relaxamento de alguns critérios, como tamanho de cérebro, que era relativamente menor nessa espécie (600 - 700 cm3) do que na maioria das outras do mesmo grupo.[14]

Atualmente, alguns dos critérios usados para essa classificação estão sendo reinterpretados o que levaram a novas avaliações funcionais do mesmo material. A associação de H. habilis ao gênero Homo é considerada mal resolvida em relação a(o): estatura, proporção de braços e pernas, tamanho dos dentes, locomoção.[3]

Os limites morfológicos do gênero Homo foram novamente expandidos em 2004, com a inclusão dos fósseis encontrados na Ilha de Flores, na Indonésia, os quais apresentaram o menor tamanho absoluto do gênero Homo em relação à capacidade encefálica, com 417 cm³. Esses fósseis receberam o nome Homo floresiensis, uma nova espécie para o gênero Homo.[3]

A última expansão do gênero Homo aconteceu em 2015, com a publicação de dois trabalhos de Lee Berger e Paul Dirks, com a inclusão de uma nova espécie chamada Homo naledi. Essa nova espécie apresenta algumas curiosidades em relação às suas características morfológicas, apresentando tanto características como o pequeno tamanho cerebral e dedos curvos, remetendo-a a espécies do gênero Australopithecus e ao Homo Habilis, como características derivadas no gênero Homo em relação a morfologia das mãos, pés e pulso, que o remetem mais ao Homo neanderthalensis e ao Homo sapiens.[15]

Atualmente, inclusive, os sistematas debatem a definição de Homo como um gênero, pois ele não é considerado um grupo monofilético,[3] isto é não apresentam um ancestral em comum entre os seus ramos. Eles sugerem, de acordo com estudos cladísticos, que Australopitecos, H. habilis e H.rudolfensis formariam um grupo enquanto H. erectus, H. heidelbergensis e H. neanderthales, outro.[3] Existe um consenso de que H. ergaster, H. heidelbergensis, e H. neanderthalensis são mais aparentadas aos H. sapiens do que eles são dos Australopithecus (gênero).[3]

EspéciesEditar

Homo habilisEditar

 
Crânio de um Homo habilis.

Essa espécie pode ser caracterizada por apresentar uma morfologia parecida com os Au. graceis.[16] Entretanto possui um volume endocranial levemente maior do que os australopithecines,[16] chegando a 610 cm³, apesar de possuir forame magno anterior e pós-crânio bípede, apresenta também proporções de membros mais parecidas com o Australopithecus afarensis, com braços compridos em relação às pernas, o que indica um hábito de vida tanto terrestre (bípede) como arborícola.[3]

Outra característica relacionada ao Homo Habilis, é um elevado prognatismo quando comparado a outros grupos de Homo.[3] Essas controvérsias alimentam o debate da verdadeira posição do grupo em relação à evolução do gênero Homo, podendo ser o grupo inaugural do gênero, ou ainda estar dentro de Australopithecus.[3]

Levando em consideração o material fóssil, o Homo habilis ocorria no Leste e Sul da África e apareceu por volta de 1.9 Ma, e seu último registro foi por volta de 1,6 Ma.[17]

Homo rudolfensisEditar

Essa espécie, assim como o Homo habilis se localiza na linha entre o gênero Australopithecus e o Homo, devido às suas características ambíguas quanto aos dois grupos,[3] esse grupo apresenta uma grande mandíbula e dentes grandes quando comparado ao Homo sapiens, além de um grande prognatismo,[3]possui um tamanho encefálico de 752 cm³, apesar de ser um grupo ligado ao gênero Homo, falta registros fósseis conhecidos de ossos pós-craniais, para maior detalhamento do grupo.[18]

O H. rudolfensis viveu no Leste da África (ref4) entre 2,4 a 1,8 Ma.[17]

Homo erectus sensu latoEditar

O H. erectus sensu lato abriga as espécies H. ergaster e o H. erectus,[16] assim o H. erectus sensu lato é descrito como o primeiro grupo que não apresenta controvérsias de ser do gênero Homo.[18] Esse grupo apresenta um significativo aumento do tamanho encefálico apresentando uma média de 970 cm³,[18] além de ser o primeiro grupo a apresentar, de fato, uma bipedia obrigatória, essa característica pode ser observada pela relação entre os membros, mais parecidas com o Homo sapiens.[3] O H. erectus, quando comparado aos grupos mais ancestrais de Homo, apresenta uma redução na megadontia e no prognatismo,[3] o que pode ser resultado do domínio do fogo por esse grupo, que começa a cozer os alimentos.[18]

As proporções corpóreas do H. erectus, assim como algumas especializações musculares permitiram a capacidade de um aumento na resistência para correr durante longas distâncias, característica que se manterá nas espécies mais derivadas do gênero, essa nova característica permite a inferência de um hábito como a caça a outros animais[18] (ver vídeo).

O H. Erectus sensu lato têm origem no Leste da África por volta de 1.9 Ma,[17] sendo o primeiro grupo de Homo a realizar uma grande migração, saindo da África, chegam na Geórgia e assim vão até a China e Indonésia.[4] Há registros de H. erectus na região da Indonésia datados de 200 mil anos atrás, quando então teria sido extinto.[17]

Homo floresiensisEditar

Essa espécie foi incluída no gênero Homo apenas em 2004, quando registros fósseis foram encontrados na ilha de Flores, na Indonésia.[3] O H. floresiensis possuía uma baixa estatura com 106cm de altura,[9] proporções dos membros de característica primitiva e volume endocranial pequeno de apenas 417 cm³, características semelhantes a um Au. africanus.[3]

Esse grupo ocorreu de 200 000 a 60 000 anos atrás.[9] A hipótese mais aceita é que essa espécie é resultado de um processo de nanismo insular que uma população de H. erectus teria sofrido na ilha de Flores.[9]  

Homo nalediEditar

Essa espécie foi incluída no gênero Homo apenas em 2014, quando foi encontrado seus registros fósseis em uma caverna na África do Sul.[15] O que sabem sobre essa espécie é que possuía um cérebro de tamanho pequeno, dedos curvados e o formato do ombro, tronco e da articulação do quadril que se assemelham aos Australopithecus e ao H. habilis.[15] Entretanto as características do pulso, mãos, pernas e pés se assemelham mais aos H. neanderthalensis e aos H. sapiens.[15]

Como não há datações precisas de seu registro fóssil, não é possível inferir a época em que essa espécie teria ocorrido.[15]  

Homo heidelbergensisEditar

O H. heidelbergensis apresenta algumas semelhanças com o H. erectus como a face projetada, cristas supraorbitais bem demarcadas, além de possuir uma quilha sagital,[3] entretanto o H. heidelbergensis se diferencia do H. erectus em outras características como o aumento do tamanho do cérebro podendo alcançar cerca de 1200cm³, a face é mais verticalizada, além de possuir ossos dos membros mais parecidos com o H. sapiens,[3] é por essas características que esse grupo era chamado de H. sapiens arcaicos, antes de serem nomeados como H. heidelbergensis.[18]

Existem registros de armas, como lanças, que indivíduos dessa espécie utilizavam para a caça de grandes mamíferos como cavalos e rinocerontes, além de haver registros do manejo de fogo realizado por essa espécie.[18]

Essa espécie ocorreu na África, Ásia e Europa entre 600 000 a 200 000 anos atrás,[19] regiões de latitudes altas que nenhum grupo de Homo havia chegado, há uma hipótese de eles terem se originado na África, entretanto o registro fóssil não é capaz de refutar ou validar essa hipótese.[18]

As populações africanas e europeias, do H. heidelbergensis, são cotadas como as possíveis ancestrais de H. sapiens e H. neanderthalensis respectivamente.[18]

Homo neanderthalensisEditar

H. neanderthalensis é a espécie mais próxima de H. sapiens, que deriva da população de H. heidelbergensis europeia.[18] Essa espécie ocorria em toda a Europa e também viveu no oeste e centro da Ásia, por volta de 250 000 a 30 000 anos atrás.[17]

Essa espécie possuía uma estatura um pouco mais baixa e uma face mais projetada quando comparado ao H. sapiens,[18] além disso, possuía demarcadas cristas supraorbitais,  e um grande volume encefálico que pode chegar até 1 512 cm³, mostrando a tendência de aumento encefálico que existe dentro do gênero Homo.[3] O H. neanderthalensis apresenta um tórax em formato de barril, com os segmentos dos membros distais curtos tanto nas pernas quanto nos braços, essas características são melhores para a conservação do calor, sendo consideradas como uma adaptação ao clima frio em que habitavam.[18]

Está relacionado a essa espécie, diversos sítios arqueológicos com registro do uso de ferramentas para a caça e para a utilização para rasgar, cortar e raspar alimentos variados, oriundos de plantas ou animais.[20] A matéria prima utilizada para a ferramenta poderia ser, não somente de pedras, mas também de materiais orgânicos como ossos, além de apresentarem ferramentas complexas, havendo combinações de peças.[20]

Homo sapiensEditar

Homo sapiens é a única espécie do gênero Homo viva atualmente, sendo derivada do H. Heidelbergensis africano que deu origem na África para o humano primitivo[18] por volta de 200 000 anos atrás,[21] mais precisamente no Leste da África.[22]

O humano primitivo é caracterizado por uma face reduzida, grande tamanho encefálico de 1 355 cm³, cristas supraorbitais e dentes menores em relação aos demais Homo, possuindo proporções entre os membros adaptada para a bipedia exclusiva, apresentando características físicas muito próximas do humano moderno.[18]

Desde os primórdios da espécie é associado o uso de ferramentas para a caça e manejo de alimentos, feitos de pedra e materiais orgânicos.[23]

O H. sapiens saiu da África e se dispersou por toda Eurásia, Oceania, até chegar em tempos mais recentes nas Américas.[21]

Uma característica importante de H. sapiens é a presença de uma linguagem extremamente complexa, apresentando um aparelho fonador capaz de emitir sons diferentes com facilidade.[24]

Migração e miscigenaçãoEditar

A migração de espécies do gênero Homo tem início com a saída de populações de H. Erectus da África.[25] Desde seu surgimento (aprox. 2Ma), a primeira localidade aonde se encontra fósseis é na Georgia, em Dmanisi (1,85 Ma).[25] Após isso, há a aparição de fósseis tanto na China, quando na Indonésia (1,6 Ma), se espalhando então para o Velho Mundo.[26][27] Nota-se evidencias de populações de H. Erectus em outras localidades, encontrando-se evidências da sobrevivência  de populações, em Java (Indonésia) datadas de 100 mil anos atrás.[28]  Um fato interessante, é que os H.Erectus não colonizaram regiões localizadas a mais de 45 Graus Norte, possivelmente por causa do frio.[26]

Ainda se tratando de H. Erectus, há a discussão sobre a nomenclatura de algumas dessas populações. Alguns autores acreditam que há evidencias suficientes para considerar as populações de H. Erectus que permaneceram na Gerogia, de H.Gerogicus, enquanto algumas populações que ficaram na África, de H.Ergaster.[27]

Por conta da imprecisão na datação dos materiais, é difícil definir qual população de H. Erectus deu origem a H. Heidelbergensis, e quando isso ocorreu . O que se sabe é que no Início do Pleistoceno Médio (700 mil anos atrás) encontra-se uma variedade de morfologias do gênero homo. Encontra-se populações de H.Erectus persistindo em locais da Ásia, e na Indonésia (Java), ainda na Indonésia, evidencias da existência de H.Florisiensis, na Ilha de Flores, e a aparição do H.Heidelbergensis, com fósseis em locais tanto da Europa, como da Ásia e da África.[29][30][31][26]

Por volta do meio do Pleistoceno Médio (400 mil anos atrás), o que se encontra são tanto H.Erectus, quanto H.Florisiensis persistindo na Indonésia, populações tardias de H.Heidelbergensis, que se extinguem por volta desse período, e a aparição dos neandertais na Europa. No fim do Pleistoceno Médio (200 mil anos atrás), a permanência de neandertais na Europa, assim como a de H.Florensis na Ilha das Flores, a aparição de uma nova espécie, H.Naledi,[32] e há o surgimento dos H.Sapiens, na África.[33][31][30][29][26]

Há duas principais vertentes ao se tratar da evolução de H.Sapiens, a primeira acredita que o surgimento de H.Sapiens tenha sido multirregional, ou seja, surgiu em diversos lugares separadamente.[34] A outra vertente, mais aceita, é a out of África, em que surgimos no leste da África e, de lá nos espalhamos para o mundo.[35][36] Recentemente algumas descobertas evidenciam uma evolução que usaria partes das duas teorias, os humanos haveriam sim surgido na África, porém algumas incoerências entre as datações nos impossibilita de afirmar como e quando essa saída ocorreu.[36][35] Ainda é dito que possivelmente mais de um evento de dispersão tenha ocorrido, em diferentes períodos de tempo.[35]

A principal rota de saída da África envolve a passagem pela região do Levante, por meio da qual se chega ao oriente médio.[29] A

partir da ocupação deste local, os H.Sapiens seguiriam ocupando localidades como o sudoeste da Asia, e então a Oceania, seguindo a região costal.[36] A partir dai eles se dispersariam por toda Eurásia, aonde faltam evidências para sequenciar com mais precisão os acontecimentos.[35]

A chegada de H.Sapiens em, alguns locais, coincide com a extinção de certas espécies de hominínios, como ocorreu com os Neandertais.[37] Acredita-se que a competição dessa espécie com os H.Sapiens da época tenha alta contribuição na extinção da mesma.[37] Esse fato pode ter relação com a diferença encontrada na variedade de hominínios vivos no meio Pleistoceno Médio, com a encontrada no final dele, aonde praticamente só se encontra H.Sapiens.[38][29][30][31][26] Dentre as conhecidas últimas espécies a coexistirem com os H.Sapiens, temporalmente, são os H.Neanderthalis, cujos fosseis mais recentes podem chegar a indicar sua existência há 36 mil anos atrás.[39] Outra espécie que está nessa mesma categoria são os H.Florensis, cuja existência de um indivíduo foi estimada há 17 mil anos atrás.[40] Os H. Denisova, ou Denisovanos, são outra espécie que se enquadra nessa categoria, que seriam Hominínios que teriam surgido há aproximadamente 100 mil anos atrás, e cujo último registro fóssil data 45 mil anos atrás.[41][42][43]

Tanto os Denisovanos, como os Neandertais tem comprovada influencia genética nas populações humanas atuais, indicando que houve troca genética entre H.Sapiens e outras espécies de hominínios.[43][42][41][44]

DietaEditar

A dieta é um dos principais fatores que determinam as diferenças ecológicas e de comportamento entre os primatas vivos e também os antigos hominínios.[45] A relação entre a ingestão de alimento e a morfologia, investigada através de fósseis, é estudada através de diferentes comparativos, que seriam por exemplo, biomecânica, morfologia, dentição.[45]

Em Homo, é visto que o gênero evoluiu para um nicho mais generalista, no que se diz respeito a ingerir diversos alimentos, como carne de ungulados e tubérculos.[45]

Os mais antigos seres do gênero Homo, como H.habilis, H. rudolfensis e H.ergaster mostram características como redução no tamanho do molar, redução do esmalte, maior diferenciação na topografia dental, perda do diastema[45] e redução do canino[46] indicando um maior processo de mastigação do alimento do que de corte.[46]

A utilização controlada do fogoEditar

Em relação ao fogo, é possível dizer que este foi um importante instrumento para os antigos humanos: foi utilizado para fornecer calor e aquecer os grupos; utilizado para proteção; e teve grande importância na atividade de cozer os alimentos.[46]

O ato de cozer o alimento aumenta consideravelmente a energia obtida através da ingestão do alimento, pois também reduz o custo energético para realizar o trabalho metabólico da digestão.[47] O ato de cozer deixa as plantas mais macias, deixa o colágeno mais gelatinoso, e reduz a integridade da carne dos animais.[47]

A transição de seres mais antigos do gênero Homo, como H. habilis e H. rudolfensis, para H. erectus está associada com significativas mudanças relacionadas à dieta, com enfoque nos efeitos de uma dieta baseada em alimentos cozidos. Existem evidências de que a primeira espécie adaptada ao controle do fogo foi o Homo erectus.[47] A área do canino do H. erectus é menor em comparação a qualquer hominínio anterior a tal espécie.[48] Correspondentemente, Homo erectus apresenta uma mandíbula de menor tamanho e outros aspectos de uma face mais reduzida, sugerindo uma menor força na mordida.[49] Esses fatores indicam que H. erectus tinha um hábito de dieta com alimentos mais macios.[50]

Essa mudança de dieta acabou por implicar na redução do tamanho do sistema digestivo, obtendo características como a redução do tamanho da caixa torácica, o que aproxima o H. erectus dos seres humanos dos dias de hoje.[47] Outra característica relevante, é que H. erectus mostra sinais de maior uso de energia, resultante do seu tipo de dieta, como por exemplo maior tamanho corporal em relação a outros hominíneos[47] e adaptações para correr longas distâncias.[51]

Considerando que o H. erectus foi o primeiro animal obrigatoriamente terrestre e bípede, a utilização do fogo foi importante para que se pudesse ter maior proteção contra diversos predadores durante o dia, mas principalmente durante a noite.[47]

Cultura e LinguagemEditar

A cultura é toda "informação capaz de afetar o comportamento dos indivíduos e que eles adquirem de outros membros da sua espécie através do ensino, da imitação, e de outras formas de transmissão social".[52][53] O gênero Homo, em especial Homo sapiens, apresenta uma variação cultural muito extensa, onde sua transmissão pode ocorrer de forma horizontal (de indivíduo para indivíduo) e vertical/oblíqua (de geração para geração).[52]

Além disso, em especial para a espécie Homo sapiens, ocorre o processo de acúmulo de cultura, tornando-a mais adaptável às mudanças dos séculos e possibilitando grande vantagem adaptativa à nossa linhagem, uma vez que a cultura dispensa o indivíduo de ser forçado a aprender tudo por conta própria, testando e aprendendo novas experiências, e a cada geração, seria necessário ocorrer tudo de novo. Da mesma forma, a transmissão de cultura possibilita a adição de novas aprendizagens provenientes das experiências de cada indivíduo.[52][53][24] Outro resultado do acúmulo de informações é a sua retratação em forma de crenças, práticas e rituais.[24]

 
Exemplo de ferramentas produzidas por hominídeos

O uso de instrumento faz parte de um modo de vida sócio-cultural. A sua manufatura requer, muitas vezes, técnicas específicas de lascamento,  coleta e utilização de matéria prima, uso da ferramenta e afins. Isso requer a transmissão de conhecimentos entre os integrantes do bando, seja por observação e cópia de movimentos, ou por outras formas de interação.[24] Seguindo esse pensamento, Homo habilis então seriam, possivelmente, um dos primeiros Homo a desenvolver uma vida sócio-cultural, seguido então do Homo erectus, espécie que desenvolveu uma tecnologia típica e elaborada de lascamento, englobado no que é chamado de indústria olduvaiense.[24]

A cultura altera o padrão de comunicação, interação e organização social dos indivíduos, permitindo também a divisão de tarefas e cooperação grupal. Ela permitiu o crescimento e desenvolvimento do cérebro.  Uma vez que o seu uso permitiu maior adaptação e sobrevivências aos seus indivíduos, estes apresentavam certas partes de seu encéfalo (relacionadas à cultura) mais desenvolvidas, passando tais características para suas gerações. Isso possibilitou um aumento do tamanho cerebral superior ao esperado para a evolução desses hominídios. Consequentemente, a linguagem se tornou um dos principais sinais da presença de cultura.[24]

 
Exemplo de pintura rupestre como forma de linguagem. Caverna Lascaux

Sinais associados ao desenvolvimento de uma linguagem extensiva podem ser vistos mais pronunciadamente nos Homo sapiens, como a presença de um aparelho fonador especializado que permite produzir sons diferentes com facilidade.[54] No entanto, inúmeras outras capacidades  são requeridas: perceptuais, cognitivas, interacionais, tudo isto evoluindo dentro de um modo de vida em que falar seja vantajoso. Com isso, até hoje existe uma grande discussão sobre a origem da linguagem no gênero Homus e por isso ainda não temos uma data e espécie Homus exatas que podemos chamar de originários da linguagem.[24]

O que podemos visualizar evolutivamente é que especializações anatômicas e fisiológicas, como aumento da massa encefálica e desenvolvimento de aparelho fonador complexo, ao decorrer do processo de hominização os indicadores de cultura ficaram cada vez mais complexos. E com isso, podemos dizer que uma coisa puxou a outra, ou seja, um cérebro mais desenvolvido permitiu culturas mais complexas, por outro lado, uma cultura mais complexa pode prover uma seleção de especializações cerebrais.[24]

Pode-se dizer então que a linguagem é responsável pela propagação e acumulação de cultura, e de mesmo modo, que ela é seu fruto direto. Para o desenvolvimento da linguagem, como é melhor explicado no parágrafo acima, é necessário “propriedades biológicas ligadas à estrutura cerebral, à anatomia do sistema fonador e à herança da capacidade linguística", características ampliadas em decorrência do desenvolvimento do cérebro ao longo dos gêneros Homo. Assim, o cérebro mais desenvolvido possibilitou a elaboração da linguagem e de ferramentas, compondo um acervo cultural mais “sofisticado” para a espécie Homo sapiens.[24]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Linné, Carl von (1758). Caroli Linnaei...Systema naturae per regna tria naturae :secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis. Holmiae :: Impensis Direct. Laurentii Salvii, 
  2. E., Walker, Alan, 1938- Leakey, Richard (1993). The Nariokotome Homo erectus skeleton. [S.l.]: Harvard University Press. OCLC 26633945 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab Collard, Mark; Wood, Bernard (2007). «8 Defining the Genus Homo». Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg: 1575–1610. ISBN 978-3-540-32474-4. Consultado em 19 de julho de 2021 
  4. a b Wood, B. (15 de junho de 2011). «Did early Homo migrate "out of" or "in to" Africa?». Proceedings of the National Academy of Sciences (26): 10375–10376. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.1107724108. Consultado em 19 de julho de 2021 
  5. Berger, Lee R; Hawks, John; de Ruiter, Darryl J; Churchill, Steven E; Schmid, Peter; Delezene, Lucas K; Kivell, Tracy L; Garvin, Heather M; Williams, Scott A (10 de setembro de 2015). «Homo naledi, a new species of the genus Homo from the Dinaledi Chamber, South Africa». eLife (em inglês): e09560. ISSN 2050-084X. PMC PMC4559886  Verifique |pmc= (ajuda). PMID 26354291. doi:10.7554/eLife.09560. Consultado em 19 de julho de 2021 
  6. a b News, Opening Hours Temporarily closed Address 1 William StreetSydney NSW 2010 Australia Phone +61 2 9320 6000 www australian museum Copyright © 2021 The Australian Museum ABN 85 407 224 698 View Museum. «Hominid and hominin – what's the difference?». The Australian Museum (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2021 
  7. Callaway, Ewen (agosto de 2014). «Neanderthals: Bone technique redrafts prehistory». Nature (em inglês) (7514): 242–242. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/512242a. Consultado em 19 de julho de 2021 
  8. a b Callaway, Ewen (agosto de 2014). «Neanderthals: Bone technique redrafts prehistory». Nature (em inglês) (7514): 242–242. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/512242a. Consultado em 19 de julho de 2021 
  9. a b c d Morwood, M. J.; Brown, P.; Jatmiko; Sutikna, T.; Wahyu Saptomo, E.; Westaway, K. E.; Awe Due, Rokus; Roberts, R. G.; Maeda, T. (outubro de 2005). «Further evidence for small-bodied hominins from the Late Pleistocene of Flores, Indonesia». Nature (em inglês) (7061): 1012–1017. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/nature04022. Consultado em 19 de julho de 2021 
  10. Rocatti, Guido; Perez, S. Ivan (dezembro de 2019). «The Evolutionary Radiation of Hominids: a Phylogenetic Comparative Study». Scientific Reports (em inglês) (1). 15267 páginas. ISSN 2045-2322. PMC PMC6813319  Verifique |pmc= (ajuda). PMID 31649259. doi:10.1038/s41598-019-51685-w. Consultado em 19 de julho de 2021 
  11. a b Schoetensack, Otto (dezembro de 1908). «Der Unterkiefer des Homo Heidelbergensis aus den Sanden von Mauer bei Heidelberg. Ein Beitrag zur Paläontologie des Menschen». Zeitschrift für Induktive Abstammungs- und Vererbungslehre (1): 408–410. ISSN 1617-4615. doi:10.1007/bf01990624. Consultado em 19 de julho de 2021 
  12. Washburn, S. L. (junho de 1950). «Genetics, paleontology, and evolution. Edited by Glenn L. Jepsen, Ernst Mayr, and George Gaylord Simpson, for the Committee on Common Problems of Geneties, Paleontology, and Systematics, of the National Research Council,. Princeton University Press. Xiv and 479 pp. 1949. $6.00». American Journal of Physical Anthropology (2): 245–247. ISSN 0002-9483. doi:10.1002/ajpa.1330080219. Consultado em 19 de julho de 2021 
  13. Canne, H. D. (1892). «Verarmde Indo-Europeanen op Java». Dordrecht: Springer Netherlands: 29–54. ISBN 978-94-015-2080-5. Consultado em 19 de julho de 2021 
  14. LEAKEY, L. S. B.; TOBIAS, P. V.; NAPIER, J. R. (abril de 1964). «A New Species of The Genus Homo From Olduvai Gorge». Nature (4927): 7–9. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/202007a0. Consultado em 19 de julho de 2021 
  15. a b c d e Stringer, Chris (10 de setembro de 2015). «The many mysteries of Homo naledi». eLife (em inglês). ISSN 2050-084X. PMC 4559885 . PMID 26354290. doi:10.7554/eLife.10627. Consultado em 19 de julho de 2021 
  16. a b c Maslin, Mark A.; Shultz, Susanne; Trauth, Martin H. (5 de março de 2015). «A synthesis of the theories and concepts of early human evolution». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (em inglês) (1663). 20140064 páginas. ISSN 0962-8436. PMC 4305165 . PMID 25602068. doi:10.1098/rstb.2014.0064. Consultado em 19 de julho de 2021 
  17. a b c d e Wood, B. (2 de abril de 1999). «The Human Genus». Science (5411): 65–71. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.284.5411.65. Consultado em 19 de julho de 2021 
  18. a b c d e f g h i j k l m n Spencer., Larsen, Clark (2010). A Companion to Biological Anthropology. [S.l.]: John Wiley & Sons. OCLC 609863005 
  19. «Athreya, S., & Hopkins, A. (2021). Conceptual issues in hominin taxonomy: Homo heidelbergensis and an ethnobiological reframing of species. American Journal of Physical Anthropology, 1–23. . 24330». American Journal of Physical Anthropology 
  20. a b Delpiano, Davide; Zupancich, Andrea; Peresani, Marco (outubro de 2019). «Innovative Neanderthals: Results from an integrated analytical approach applied to backed stone tools». Journal of Archaeological Science (em inglês). 105011 páginas. doi:10.1016/j.jas.2019.105011. Consultado em 19 de julho de 2021 
  21. a b Stringer, Chris (5 de julho de 2016). «The origin and evolution of Homo sapiens». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (1698). 20150237 páginas. ISSN 0962-8436. doi:10.1098/rstb.2015.0237. Consultado em 19 de julho de 2021 
  22. Groucutt, Huw S.; Petraglia, Michael D.; Bailey, Geoff; Scerri, Eleanor M. L.; Parton, Ash; Clark-Balzan, Laine; Jennings, Richard P.; Lewis, Laura; Blinkhorn, James (2015). «Rethinking the dispersal of Homo sapiens out of Africa». Evolutionary Anthropology: Issues, News, and Reviews (em inglês) (4): 149–164. ISSN 1520-6505. PMC 6715448 . PMID 26267436. doi:10.1002/evan.21455. Consultado em 19 de julho de 2021 
  23. Shea, J., Sisk, M., 2010. Complex projectile technology and homo sapiens dispersal into Western Eurasia. Paleoanthropology 100–122.
  24. a b c d e f g h i Bussab, Vera Silvia Raad; Ribeiro, Fernando Leite. Biologicamente cultural. Psicologia: reflexões (im) pertinentes, p. 175-193, 1998.
  25. a b Wood, B. (15 de junho de 2011). «Did early Homo migrate "out of" or "in to" Africa?». Proceedings of the National Academy of Sciences (26): 10375–10376. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.1107724108. Consultado em 19 de julho de 2021 
  26. a b c d e Spencer., Larsen, Clark (2010). A Companion to Biological Anthropology. [S.l.]: John Wiley & Sons. OCLC 609863005 
  27. a b Tattersall, Ian (2007). «10 Homo ergaster and Its Contemporaries». Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg: 1633–1653. ISBN 978-3-540-32474-4. Consultado em 19 de julho de 2021 
  28. Rizal, Yan; Westaway, Kira E.; Zaim, Yahdi; van den Bergh, Gerrit D.; Bettis, E. Arthur; Morwood, Michael J.; Huffman, O. Frank; Grün, Rainer; Joannes-Boyau, Renaud (18 de dezembro de 2019). «Last appearance of Homo erectus at Ngandong, Java, 117,000–108,000 years ago». Nature (7790): 381–385. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/s41586-019-1863-2. Consultado em 19 de julho de 2021 
  29. a b c d Stringer, Chris (5 de julho de 2016). «The origin and evolution of Homo sapiens». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (1698). 20150237 páginas. ISSN 0962-8436. doi:10.1098/rstb.2015.0237. Consultado em 19 de julho de 2021 
  30. a b c van den Bergh, Gerrit D.; Kaifu, Yousuke; Kurniawan, Iwan; Kono, Reiko T.; Brumm, Adam; Setiyabudi, Erick; Aziz, Fachroel; Morwood, Michael J. (8 de junho de 2016). «Homo floresiensis-like fossils from the early Middle Pleistocene of Flores». Nature (7606): 245–248. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/nature17999. Consultado em 19 de julho de 2021 
  31. a b c Bermúdez de Castro, José María; Martinón-Torres, María; Arsuaga, Juan Luis; Carbonell, Eudald (julho de 2017). «Twentieth anniversary of Homo antecessor (1997-2017): a review». Evolutionary Anthropology: Issues, News, and Reviews (4): 157–171. ISSN 1060-1538. doi:10.1002/evan.21540. Consultado em 19 de julho de 2021 
  32. Stringer, Chris (10 de setembro de 2015). «The many mysteries of Homo naledi». eLife (em inglês): e10627. ISSN 2050-084X. PMC 4559885 . PMID 26354290. doi:10.7554/eLife.10627. Consultado em 19 de julho de 2021 
  33. Hublin, Jean-Jacques; Sirakov, Nikolay; Aldeias, Vera; Bailey, Shara; Bard, Edouard; Delvigne, Vincent; Endarova, Elena; Fagault, Yoann; Fewlass, Helen (11 de maio de 2020). «Initial Upper Palaeolithic Homo sapiens from Bacho Kiro Cave, Bulgaria». Nature (7808): 299–302. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/s41586-020-2259-z. Consultado em 19 de julho de 2021 
  34. «EVIDENCE OF MULTIREGIONAL HUMAN EVOLUTION HYPOTHESIS FROM CHINA--《Quaternary Sciences》2006年05期». en.cnki.com.cn. Consultado em 19 de julho de 2021 
  35. a b c d Groucutt, Huw S.; Petraglia, Michael D.; Bailey, Geoff; Scerri, Eleanor M. L.; Parton, Ash; Clark-Balzan, Laine; Jennings, Richard P.; Lewis, Laura; Blinkhorn, James (2015). «Rethinking the dispersal of Homo sapiens out of Africa». Evolutionary Anthropology: Issues, News, and Reviews (em inglês) (4): 149–164. ISSN 1520-6505. PMC 6715448 . PMID 26267436. doi:10.1002/evan.21455. Consultado em 19 de julho de 2021 
  36. a b c Stringer, Chris (maio de 2000). «Coasting out of Africa». Nature (6782): 25–27. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/35011166. Consultado em 19 de julho de 2021 
  37. a b Banks, William E.; d'Errico, Francesco; Peterson, A. Townsend; Kageyama, Masa; Sima, Adriana; Sánchez-Goñi, Maria-Fernanda (24 de dezembro de 2008). «Neanderthal Extinction by Competitive Exclusion». PLoS ONE (12): e3972. ISSN 1932-6203. doi:10.1371/journal.pone.0003972. Consultado em 19 de julho de 2021 
  38. Gunz, P.; Bookstein, F. L.; Mitteroecker, P.; Stadlmayr, A.; Seidler, H.; Weber, G. W. (23 de março de 2009). «Early modern human diversity suggests subdivided population structure and a complex out-of-Africa scenario». Proceedings of the National Academy of Sciences (15): 6094–6098. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.0808160106. Consultado em 19 de julho de 2021 
  39. Semal, Patrick; Rougier, Hélène; Crevecoeur, Isabelle; Jungels, Cécile; Flas, Damien; Hauzeur, Anne; Maureille, Bruno; Germonpré, Mietje; Bocherens, Hervé (abril de 2009). «New data on the late Neandertals: Direct dating of the Belgian Spy fossils». American Journal of Physical Anthropology (4): 421–428. ISSN 0002-9483. doi:10.1002/ajpa.20954. Consultado em 19 de julho de 2021 
  40. Paixão-Côrtes, Vanessa Rodrigues; Viscardi, Lucas Henrique; Salzano, Francisco Mauro; Hünemeier, Tábita; Bortolini, Maria Cátira (2012). «Homo sapiens, Homo neanderthalensis and the Denisova specimen: new insights on their evolutionary histories using whole-genome comparisons». Genetics and Molecular Biology (4 suppl 1): 904–911. ISSN 1415-4757. doi:10.1590/s1415-47572012000600003. Consultado em 19 de julho de 2021 
  41. a b Gibbons, Ann (29 de outubro de 2020). «Denisovan DNA found in cave on Tibetan Plateau». Science (6516): 512–513. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.370.6516.512. Consultado em 19 de julho de 2021 
  42. a b Jacobs, Guy S.; Hudjashov, Georgi; Saag, Lauri; Kusuma, Pradiptajati; Darusallam, Chelzie C.; Lawson, Daniel J.; Mondal, Mayukh; Pagani, Luca; Ricaut, François-Xavier (maio de 2019). «Multiple Deeply Divergent Denisovan Ancestries in Papuans». Cell (4): 1010–1021.e32. ISSN 0092-8674. doi:10.1016/j.cell.2019.02.035. Consultado em 19 de julho de 2021 
  43. a b Rogers, Alan R.; Bohlender, Ryan J.; Huff, Chad D. (7 de agosto de 2017). «Early history of Neanderthals and Denisovans». Proceedings of the National Academy of Sciences (37): 9859–9863. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.1706426114. Consultado em 19 de julho de 2021 
  44. Kuhlwilm, Martin; Gronau, Ilan; Hubisz, Melissa J.; de Filippo, Cesare; Prado-Martinez, Javier; Kircher, Martin; Fu, Qiaomei; Burbano, Hernán A.; Lalueza-Fox, Carles (fevereiro de 2016). «Ancient gene flow from early modern humans into Eastern Neanderthals». Nature (7591): 429–433. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/nature16544. Consultado em 19 de julho de 2021 
  45. a b c d Marcé-Nogué, J., Püschel, T. A., Daasch, A., & Kaiser, T. M. (2020). Broad-scale morpho-functional traits of the mandible suggest no hard food adaptation in the hominin lineage. Scientific reports, 10(1), 1-11.
  46. a b c Gowlett, J. A. J. (2003). What Actually was the Stone Age Diet?*. Journal of Nutritional & Environmental Medicine, 13(3), 143–147. doi:10.1080/13590840310001619338
  47. a b c d e f Wrangham, R., & Carmody, R. (2010). Human adaptation to the control of fire. Evolutionary Anthropology: Issues, News, and Reviews, 19(5), 187–199. doi:10.1002/evan.20275
  48. McHenry, H. M., & Coffing, K. (2000). AustralopithecustoHomo: Transformations in Body and Mind. Annual Review of Anthropology, 29(1), 125–146. doi:10.1146/annurev.anthro.29.1.125
  49. Wood, B., & Aiello, L. C. (1998). Taxonomic and functional implications of mandibular scaling in early hominins. American Journal of Physical Anthropology: The Official Publication of the American Association of Physical Anthropologists, 105(4), 523-538.
  50. Lieberman, D. E., Krovitz, G. E., Yates, F. W., Devlin, M., & Claire, M. S. (2004). Effects of food processing on masticatory strain and craniofacial growth in a retrognathic face. Journal of human evolution, 46(6), 655-677.
  51. Bramble, D. M., & Lieberman, D. E. (2004). Endurance running and the evolution of Homo. nature, 432(7015), 345-352.
  52. a b c Abrantes, Paulo Cesar Coelho; Almeida, Fábio Portela Lopes de. Evolução humana: a teoria da dupla herança. 2018.
  53. a b Dobzhansky, Theodosius. A evolução humana. Revista de antropologia, p. 97-102, 1956.
  54. Laitman. J.T.(1984) The anatomyof humanspeech.Natural History, 93,20:27.

Ligações externasEditar

O Wikispecies tem informações sobre: Homo
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Homo