Abrir menu principal

Wikipédia β

Quioto

(Redirecionado de Kyoto)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Quioto (desambiguação).
Quioto

京都市 (Kyoto-shi)

Do topo, à esquerda: templo Kyo-o-gokoku-ji; festival Gion Matsuri; Fushimi Inari-taisha; Palácio Imperial de Quioto; templo Kiyomizu-dera; templo Kinkaku-ji; Pontochō e uma aprendiz de gueixa; templo Ginkaku-ji; panorama da cidade e a Torre de Quioto.
Do topo, à esquerda: templo Kyo-o-gokoku-ji; festival Gion Matsuri; Fushimi Inari-taisha; Palácio Imperial de Quioto; templo Kiyomizu-dera; templo Kinkaku-ji; Pontochō e uma aprendiz de gueixa; templo Ginkaku-ji; panorama da cidade e a Torre de Quioto.
Bandeira de Quioto
Bandeira
Brasão de armas de Quioto
Brasão de armas
Localização de Quioto
País  Japão
Prefeitura Quioto
Área
 - Total 827 83 km²
População (1 de outubro de 2017)
 - Total 1 472 027
    • Densidade 1 778 hab./km²
Sítio city.kyoto.lg.jp

Quioto (em japonês: 京都市; transl.: Kyōto-shi, Kyoto) é uma cidade do Japão na província homônima no centro sul do país. Fundada no século I, foi a capital do Japão Imperial, sendo substituída por Tóquio em 1868.

Com uma população estimada em quase 1,5 milhão de pessoas (2010), Quioto forma, juntamente com as cidades de Osaka e Kobe, uma região metropolitana conhecida como Keihanshin, que abriga mais de 18,6 milhões de pessoas (dados de 2010), figurando como a segunda mais populosa região metropolitana do país, atrás apenas da Grande Tóquio. Foi em tempos conhecida no Ocidente por Meaco (japonês: 都; miyako), que significa, literalmente, "capital". Quioto é ocasionalmente apelidada de "Velha Capital" e "Cidade dos Samurais".

Índice

NomeEditar

 
Mapa do século XVIII com a capital Japonesa de "Meaco"
 
Mapa Europeu do século XVIII da cidade de "Miaco"

Em Japonês, a cidade tem sido chamada de Kyō (京), Miyako (都), ou Kyō no Miyako (京の都). No século XI, a cidade foi renomeada para Quioto ("cidade capital"), após a palavra Chinesa para cidade capital, jingdu (京都).[1] Após a cidade de Edo ter seu nome mudado para Tokyo (東京, "Capital do Leste") em 1868, e o trono do Imperador ter sido transferido para lá, Quioto foi chamada por um curto espaço de tempo de Saikyō (西京, "Capital do Oeste"). Nos dias atuais, Quioto é ocasionalmente referida como capital de mil anos (千年の都).

Ortografias obsoletas para o nome da cidade incluem Kioto, Miaco e Meaco. Outro termo comumente usado para se referir a cidade no período pré-moderno foi Keishi (京師), significando "metrópole" ou "capital".[2]

HistóriaEditar

OrigemEditar

Apesar de vestígios arqueológicos sugerirem presença humana em Kyoto no Período paleolítico, pouco se sabe sobre a atividade humana na região antes do século VI, época em que acredita-se que o Santuário de Shimogamo tenha sido construído.[3]

Heian-kyōEditar

 
Modelo de Heian-kyō, mostrando o norte em direção a Dai-dairi
 
Sanjō Ōhashi, o fim da Tōkaidō no Período Edo (ukiyo-e por Hiroshige)

Durante o século VIII, quando o poderoso clero Budista se tornou envolvido nos assuntos do governo Imperial, o Imperador Kanmu decidiu realocar a capital para um lugar distante do establishment clerical em Nara. Sua escolha final foi a Vila de Uda, no Distrito de Kadono, Província de Yamashiro.[4]

A nova cidade, Heian-kyō (平安京, "cidade da paz e tranquilidade"), uma réplica menor da capital Tang Changan, se tornou casa da corte imperial do Japão em 794, iniciando o Período Heian da História Japonesa. Apesar de os governantes militares terem estabelecido seus governos tanto em Quioto (Xogunato Muromachi) ou em outras cidades como Kamakura (Xogunato Kamakura) e Edo (Xogunato Tokugawa), Quioto permaneceu sendo a capital do Japão até a transferência da corte imperial para Tóquio em 1869 na época da Restauração Meiji.[5]

A cidade sofreu uma destruição extensiva na Guerra de Ōnin entre 1467–1477, e não se recuperou totalmente até meados do século XVI. Durante a Guerra de Ōnin, o shugo entrou em colapso, e o poder foi dividido entre as famílias militares.[6] Batalhas entre facções samurai encheram as ruas, e a aristocracia (kuge) e as facções religiosas acabaram envolvidas. Mansões de nobres eram transformadas em fortalezas, profundas trincheiras foram cavadas pela cidade para defesa contra pessoas e fogo, já que inúmeros prédios haviam sido incendiados.

No final do século XVI, Toyotomi Hideyoshi reconstruiu a cidade fazendo novas ruas para dobrar o número de ruas norte-sul no centro de Quioto, usando blocos retangulares ao invés dos antigos blocos quadrados. Hideyoshi construiu muralhas de terra chamadas odoi (御土居) ao redor da cidade. A Rua Teramachiin na área central é um quarteirão de templos Budistas onde Hideyoshi juntou os templos da cidade. Durante o Período Edo, a economia de Quioto floresceu como uma das três maiores cidades do Japão, sendo as outras Osaka e Edo.[7]

Moderna QuiotoEditar

 
Rua principal de Kyoto, em 1891
 
A Estação de Kyoto

A Rebelião Hamaguri em 1864 queimou 28.000 casas da cidade mostrando a insatisfação dos rebeldes pelo Xogunato Tokugawa. A subsequente mudança do Imperador para Tóquio em 1869 enfraqueceu a economia. A moderna cidade de Quioto foi formada em 1 de abril de 1889. A construção do Canal do Lago Biwa em 1890 foi uma das medidas de revitalização da cidade. A população de Quioto ultrapassava um milhão em 1932.[8]

Os Estados Unidos considerou lançar a bomba atômica em Quioto no final da Segunda Guerra Mundial por duas razões: era o centro intelectual do Japão e tinha uma população grande o suficiente para persuadir o imperador a se render.[9] No final, a insistência de Henry L. Stimson, Secretário de Guerra nas administrações Roosevelt e Truman, fez com que a cidade fosse removida dos alvos e substituída por Nagasaki. A cidade foi amplamente atingida por bombardeios, embora as invasões aéreas em pequenas escalas tenha resultado em baixas.

Como resultado, a Cidade Imperial de Kyoto é uma das poucas cidades Japonesas que ainda possuem abundância de construções pré-guerra, tais como casas tradicionais antigas conhecidas como machiya. Entretanto, a modernização está constantemente tomando conta da cidade ocultando a arquitetura tradicional em favor da moderna, como o controverso complexo da Estação de Kyoto.[10]

Kyoto se tornou uma cidade designada por decreto governamental em 1 de setembro de 1956. Em 1997, a cidade abrigou a conferência que resultou no protocolo contra a emissão dos gases causadores do efeito estufa.[11]

GeografiaEditar

 
Kyoto vista do Monte Atago no lado nordeste da cidade

Kyoto está localizada em um vale, parte da Bacia de Yamashiro (ou Kyoto), na parte leste da região montanhosa conhecida como Planalto de Tamba. A Bacia de Yamashiro está cercada em três lados por montanhas conhecidas como Higashiyama, Kitayama e Nishiyama, com uma altura de cerca de 1000 metros acima do nível do mar. Este posicionamento interior resulta em verões quentes e invernos frios. Há três rios na bacia, o Ujigawa ao sul, o Katsuragawa ao oeste, e o Kamogawa ao leste. A Cidade de Kyoto ocupa 17.9% do território da prefeitura com uma área de 827.9 km2[12].

A cidade original foi organizada de acordo com o tradicional costume Chinês feng shui seguindo o modelo da antiga capital Chinesa Chang'an[13]. A frente do Palácio Imperial apontava para o sul, resultando no Ukyō (o lado direito da capital) sendo o oeste, e Sakyō (o setor esquerdo) no leste. As ruas nos modernos distritos de Nakagyō, Shimogyō, e Kamigyō-ku ainda seguem a planta ortogonal.

Atualmente, o principal distrito de negócios está localizado ao sul do antigo Palácio Imperial, com a menos populosa área norte tendo uma aspecto mais verde[14]. As áreas ao redor não seguem o mesma planta ortogonal como as do centro da cidade, apesar das ruas de Quioto compartilharem a distinção de possuírem nomes.

Kyoto quase depende do Lago Biwa para o seu abastecimento de água. Ela se abastece através do canal do Lago Biwa e parcialmente através do Rio Uji.[15]

DemografiaEditar

 
Região Metropolitana de Quioto[16]
Crescimento populacional
Ano Pop. ±%
1890 288 867 -
1900 371 600 +28.6%
1910 470 003 +26.5%
1920 591 323 +25.8%
1940 1 089 726 +29.4%
1950 1 101 854 +1.1%
1960 1 284 818 +16.6%
1970 1 419 165 +10.5%
1980 1 473 065 +3.8%
1990 1 461 103 -0.8%
2000 1 467 785 +0.5%
2010 1 474 015 +0.4%
2015 1 475 183 +0.1%[17]

Historicamente,a cidade foi a mais populosa do Japão por mais de 1600 anos, sendo ultrapassada primeiro por Edo, logo depois por Osaka. No período pré-guerras, se revezava com Kobe e Nagoya na posição de terceira maior cidade do país. Em 1947, retornou a terceira posição. Treze anos mais tarde, se posicionou novamente como quinta. No último censo japonês de 2015, Quioto se posicionou apenas como a nona maior cidade do Japão com aproximadamente 1,5 milhão de habitantes.[18][19]

ClimaEditar

Quioto tem um clima subtropical úmido (Köppen Cfa), com uma variação sazonal marcada por temperatura e precipitação. os verões são quentes e úmidos, mas os invernos são relativamente frios com ocasional queda de neve. A temporada de chuvas de Quioto começa em meados de junho e vai até o final de julho, mudando para quente e ensolarado na segunda metade do verão. Quioto, junto com a maior parte das áreas centrais e da costa do Pacífico é propensa a tufões durante setembro e outubro.

Dados climáticos para Quioto, Prefeitura de Quioto
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Recorde alta °C (°F) 19.9
(67.8)
22.9
(73.2)
25.7
(78.3)
30.7
(87.3)
33.8
(92.8)
36.8
(98.2)
38.2
(100.8)
39.8
(103.6)
38.1
(100.6)
32.2
(90)
26.9
(80.4)
22.8
(73)
39.8
(103.6)
Média alta °C (°F) 8.9
(48)
9.7
(49.5)
13.4
(56.1)
19.9
(67.8)
24.6
(76.3)
27.8
(82)
31.5
(88.7)
33.3
(91.9)
28.8
(83.8)
22.9
(73.2)
17.0
(62.6)
11.6
(52.9)
20.8
(69.4)
Média diária °C (°F) 4.6
(40.3)
5.1
(41.2)
8.4
(47.1)
14.2
(57.6)
19.0
(66.2)
23.0
(73.4)
26.8
(80.2)
28.2
(82.8)
24.1
(75.4)
17.8
(64)
12.1
(53.8)
7.0
(44.6)
15.9
(60.6)
Média baixa °C (°F) 1.2
(34.2)
1.4
(34.5)
4.0
(39.2)
9.0
(48.2)
14.0
(57.2)
18.8
(65.8)
23.2
(73.8)
24.3
(75.7)
20.3
(68.5)
13.6
(56.5)
7.8
(46)
3.2
(37.8)
11.7
(53.1)
Recorde baixa °C (°F) −11.9
(10.6)
−11.6
(11.1)
−8.2
(17.2)
−4.4
(24.1)
−0.3
(31.5)
4.9
(40.8)
10.6
(51.1)
12.8
(55)
7.1
(44.8)
0.2
(32.4)
−4.4
(24.1)
−9.4
(15.1)
−11.9
(10.6)
Média precipitação mm (inches) 50.3
(1.98)
68.3
(2.689)
113.3
(4.461)
115.7
(4.555)
160.8
(6.331)
214.0
(8.425)
220.4
(8.677)
132.1
(5.201)
176.2
(6.937)
120.9
(4.76)
71.3
(2.807)
48.0
(1.89)
1 491,3
(58,713)
Queda de neve média cm (inches) 5
(2)
8
(3.1)
2
(0.8)
0
(0)
0
(0)
0
(0)
0
(0)
0
(0)
0
(0)
0
(0)
0
(0)
3
(1.2)
18
(7.1)
Média de dias de precipitação (≥ 0.5 mm) 7.8 9.2 11.9 10.6 11.4 12.9 12.9 8.7 11.0 8.8 7.6 8.1 120.9
Average snowy days 3.1 3.9 1.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 0.0 1.2 9.2
Média umidade relativa (%) 66 66 62 59 62 67 70 66 68 68 68 68 65.8
Média mensal horas de sol 123.2 117.4 146.8 175.4 180.9 138.3 142.3 182.7 136.8 157.4 138.1 135.8 1 775,1
Source #1: 平年値(年・月ごとの値)
Source #2: (temperaturas recordes) 観測史上1~10位の値(年間を通じての値)

Política e governoEditar

O prefeito de Quioto é Daisaku Kadokawa, candidato independente eleito em 2013, apoiado pelo Partido Democrata do Japão, Partido Liberal Democrata, Novo Komeito, Seu Partido e o Partido Social Democrata. A assembleia legislativa da cidade possui 69 membros eleitos.

Partido político Número de assentos[20]
Partido Liberal Democrata 22
Partido Comunista Japonês 14
Partido Democrata do Japão 13
Novo Komeito 12
Partido de Quioto 4
Independente 2
Vagos 2

DistritosEditar

 
Bairros de Quioto

Quioto possui onze bairros (, ku?).

Distritos de Quioto
Romaji Japonês
1 Fushimi-ku 伏見区
2 Higashiyama-ku 東山区
3 Kamigyō-ku 上京区
4 Kita-ku 北区
5 Minami-ku 南区
6 Nakagyō-ku
centro administrativo
中京区
7 Nishikyō-ku 西京区
8 Sakyō-ku 左京区
9 Shimogyō-ku 下京区
10 Ukyō-ku 右京区
11 Yamashina-ku 山科区

Juntos, eles fazem a cidade de Quioto. Como outras cidades do Japão, Quioto possui um único prefeito e uma câmara municipal.

CulturaEditar

 
Uma loja de tsukemono na Rua Nishiki

Apesar de ter sido devastada por guerras, incêndios e terremotos durante seus onze séculos com capital imperial, Kyoto foi poupada da maior parte da destruição da Segunda Guerra Mundial. Foi removida da lista de alvos da bomba atômica por intervenção pessoal do Secretário de Guerra Henry L. Stimson, já que Stimson queria salvar este centro cultural que conheceu em sua lua-de-mel e em visitas diplomáticas.[21][22]

 
Um monge perto do Rio Katsura em Arashiyama
 
Rua Ponto-chō

Com mais de 2000 lugares religiosos – 1600 templos Budistas e 400 templos Xintoístas[23], bem como palácios, jardins e arquitetura intacta – é uma das mais bem preservadas cidades do Japão. Entre os templos mais famosos do país estão o Kiyomizu-dera, um magnífico templo de madeira suportado por pilares na encosta de uma montanha; Kinkaku-ji, o Templo do Pavilhão Dourado; Ginkaku-ji, o Templo do Pavilhão Prateado; e o Ryōan-ji, famoso por seu jardim de pedra. O Heian Jingū é um templo Xintoísta, construído em 1895, celebrando a Família Imperial e comemorando o primeiro e o último imperadores a residirem em Kyoto. Três locais especiais possuem conexões com a família imperial: a área Gyoen inclui o Palácio Imperial de Quioto e o Palácio Imperial Sentō, residências dos Imperadores do Japão por vários séculos; a Vila Imperial de Katsura, um dos melhores tesouros da arquitetura do país; e a Vila Imperial de Shugaku-in, um dos melhores jardins Japoneses. Há também o templo de Sennyu-ji que abriga as tumbas dos imperadores de Shijō até Kōmei.[24]

Outros lugares de Kyoto incluem o Arashiyama, o Gion e a área das gueixas Ponto-chō, o Passeio do Filósofo, e os canais que ligam algumas das antigas ruas.[25]

Os "Monumentos Históricos da Antiga Quioto" estão listados pela UNESCO como Patrimônios Mundiais. Estes incluem os Santuários Kamo (Kami e Shimo), o Kyō-ō-Gokokuji (Tō-ji), o Kiyomizu-dera, o Daigo-ji, o Ninna-ji, o Saihō-ji (Kokedera), o Tenryū-ji, o Rokuon-ji (Kinkaku-ji), o Jishō-ji (Ginkaku-ji), o Ryōan-ji, o Hongan-ji, o Kōzan-ji e o Castelo de Nijō, originalmente construído pelo Xogunato Tokugawa[26]. Outros locais fora da cidade também estão na lista.

Kyoto é renomada por sua culinária. As circunstâncias especiais de Kyoto como uma cidade longe do mar e lar de muitos templos Budistas resultou no desenvolvimento de uma variedades de vegetais peculiares na região (京野菜 kyō-yasai).[27]

A indústria cinematográfica e televisiva do Japão possui seu centro em Kyoto. Muitos jidaigeki, filmes de ação samurai, foram filmados na Toei Uzumasa Eigamura.[28] Há um set de filmagens e um parque temático, Eigamura possui réplicas de construções tradicionais Japonesas, que são usados para jidaigekis. No set há uma réplica da antiga Nihonbashi (a ponte na entrada de Edo), um tribunal tradicional, uma cabine de polícia do Período Meiji e parte do antigo distrito da luz vermelha de Yoshiwara. As filmagens ocorrem ocasionalmente e visitantes são bem-vindos para observar as gravações.

O dialeto falado em Kyoto é conhecido como Kyō-kotoba ou Kyōto-ben, um dialeto derivado do Dialeto de Kansai. Quando Quioto era a capital do Japão, o dialeto de Quioto era de facto o Japonês padrão e influenciou o desenvolvimento do Dialeto de Tóquio, o moderno Japonês padrão. Entre as peculiaridades do dialeto de Quioto estão o verbo de ligação polido dosu, um verbo honorífico de encerramento -haru, e a frase okoshi-yasu ("bem-vindo").[29]

EconomiaEditar

 
Sede de desenvolvimento da Nintendo em Quioto
PIB (PPC) per capita[30][31]
Ano US$
1975 5 324
1980 9 523
1985 13 870
1990 19 438
1995 22 738
2000 26 978
2005 32 189
2010 36 306
2014 40 794

O carro-chefe da indústria de Quioto é a tecnologia de informação e eletrônicos: a cidade é lar da sede da Nintendo, da Intelligent Systems, da SCREEN Holdings,[32] da TOSE, da Hatena, da Omron,[33] da Kyocera, da Shimadzu Corp,[34] da Rohm,[35] da Horiba,[36] da Nidec Corporation,[37] da Nichicon,[38] Nissin Electric,[39] e da GS Yuasa.

O turismo também tem uma grande participação na economia de Quioto. As heranças culturais da cidade são constantemente visitadas por grupos escolares de todo o Japão, a muitos turistas estrangeiros também param em Quioto. Em 2014, o governo da cidade anunciou que um número recorde de turistas haviam visitado Quioto,[40] e que ela foi escolhida como a melhor cidade do mundo pelas revistas de viagens do EUA.[41]

Os trabalhos manuais tradicionais também estão entre as principais indústrias da Quioto, a grande maioria são pequenos artesãos. As tecelãs de quimono da cidade são particularmente renomadas, e a cidade permanece como centro de fabricação de quimonos. Tal negócio, vibrante em séculos passados, teve declínio nos últimos anos.

A fabricação de saquê é uma indústria tradicional de Quioto. A Gekkeikan e a Takara Holdings são as maiores fabricantes de saquê sediadas na cidade. Outras notáveis sedes de negócios em Quioto incluem a Aiful, a Ishida, a MK, a Nissen Holdings, a Oh-sho, a Sagawa Express, a Volks e a Wacoal.

A concentração da população na área da capital é de 55%, a maior entre todas as prefeituras. A diferença economia entre a área costeira e a área do interior incluindo a Bacia de Quioto é significante. Abrangendo ¥10.12 trilhões, a Grande Quioto possuía a quarta maior economia do país em 2010.[42]

Faculdades e universidadesEditar

Lar de 40 instituições de ensino superior, Quioto é um dos centros acadêmicos do Japão.[43] A Universidade de Quioto é considerada uma das melhores universidades do país. De acordo com o ranking da Times Higher Education, a Universidade de Quioto é a segunda melhor universidade do Japão, só atrás da Universidade de Tóquio, e a 25ª do mundo em 2010.[44] O Instituto de Tecnologia de Quioto também está entre as universidades mais famosas do Japão e é considerado uma das melhores universidades de arquitetura e design do Japão. Universidades privadas famosas, como a Universidade Dōshisha e a Universidade Ritsumeikan também estão localizadas na cidade.

Quioto também possui uma rede única de educação superior chamada Consórcio das Universidades em Quioto que consiste em 3 nacionais, 3 públicas (prefeituras e municipais), e 45 universidades privadas, bem como a cidade e cinco outras organizações. A combinação não afeta o diploma, mas oferece cursos como parte de um diploma das universidades participantes.[45]

Além das universidades e faculdades Japonesas, universidades Norte-americanas selecionadas também funcionam na cidade para educação e pesquisa. O Consórcio de Quioto para Estudos Japoneses (CKEJ) é uma combinação de 14 universidades Norte-americanas que patrocinam um programa de dois semestres acadêmicos para graduandos que desejam fazer um trabalho avançado em língua e cultura Japonesa. A Universidade de Stanford também opera seu centro de estudos Japoneses em Quioto.[46]

TransportesEditar

AeroportoEditar

Apesar de Quioto não ter seu próprio aeroporto, os viajantes podem chegar a cidade via Aeroporto Internacional de Kansai e Aeroporto Internacional de Osaka na Prefeitura de Osaka. O Haruka Express operado pela JR West leva passageiros do Aeroporto de Kansai para a Estação de Quioto em 73 minutos.[47]

Os ônibus do Aeroporto de Osaka conectam o aeroporto e o portão Hachijo da Estação de Quioto em 50 minutos e custa ¥‎ 1.310 (em 2017) para uma passagem só de ida.[48] Alguns ônibus vão além, fazem paradas nos principais hotéis e terminais na área central.

ÔnibusEditar

 
Um típico Ônibus Municipal de Kyoto

A rede municipal de ônibus de Kyoto é extensa. Transportadoras privadas também operam na cidade. Muitos turistas juntam-se aos passageiros no ônibus públicos, ou pegam ônibus especiais para turismo. Os ônibus de Quioto possuem anúncios em Inglês e sinais eletrônicos com as paradas escritas em alfabeto latino.[49]

A maioria dos ônibus da cidade possui uma tarifa fixa. Um passe de um dia e uma passagem combinada ilimitada de trem e passes de ônibus também estão disponíveis. Esses passes são úteis para visitar diferentes pontos de interesse em Quioto. O centro de informação de ônibus fora da estação central vende passagens e passes. A companhia de transporte municipal publica um folheto chamado "Bus Navi". Ele contém um mapa com a rota para a maioria dos pontos turísticos e informações sobre as tarifas. O folheto também está disponível no centro de informações em frente à estação central.[50]

Os ônibus que operam em rotas dentro da cidade, região, e país param na Estação de Kyoto. Além da Estação, transferências de ônibus também estão disponíveis nas interseções da Shijō com a Kawaramachi e da Sanjō com a Keihan. A interseção da Karasuma com a Kitaōji ao norte do centro da cidade possui um grande terminal de ônibus que serve passageiros que pegam a Linha Karasuma indo em direção a Rua Karasuma, a principal rua norte-sul da cidade.[51]

CiclismoEditar

O ciclismo é uma forma de transporte muito importante na cidade. A geografia e a escala de Quioto tornam a navegação de bicicletas mais fácil. Há cinco estações de aluguel de bicicletas e 21 EcoEstações na área central da cidade. Por conta do grande número de ciclistas, vagas em estacionamentos de bicicletas podem ser difíceis de achar. Bicicletas estacionadas fora das áreas permitidas são confiscadas.[52]

RodoviasEditar

A cidade é conectada com outras partes do Japão pela Via-expressa Meishin, que encontra com a Kyoto Higashi (no Leste de Kyoto) em Yamashina-ku e com a Kyoto Minami (no Sul de Kyoto) em Fushimi-ku.[53] A Via-expressa Kyoto-Jukan conecta a cidade as regiões ao norte da Prefeitura de Kyoto. A Rodovia Daini Keihan (completa em 2010) é o novo desvio para Osaka.

Há nove rodovias nacionais na cidade de Kyoto: Rota 1, Rota 8, Rota 9, Rota 24, Rota 162, Rota 171, Rota 367, Rota 477 e a Rota 478[54][55]

FerroviasEditar

 
Vista interior da Estação de Kyoto

Como outras grandes cidades do Japão, Quioto é bem servida por transportes sobre trilhos de várias companhias e organizações. O principal terminal da cidade, a Estação de Quioto, é uma das mais populares estações do país, ela conecta a linha de trem-bala Tokaido Shinkansen com cinco linhas da JR West, uma linha Kintetsu e uma linha municipal de metrô.[56]

A Keihan, a Hankyu, e outras ferrovias também oferecem serviços frequentes dentro da cidade e em outras cidades e subúrbios na região de Kansai.[57]

MetrôEditar

O Metrô Municipal de Kyoto é operado pelo Departamento Municipal de Transportes de Kyoto e consiste em duas linhas: a Linha Karasuma e a Linha Tōzai.[58]

Linha KarasumaEditar

 
Um serviço expresso na Estação de Kokusaikaikan da Linha Karasuma passando pela Linha Kintetsu Kyoto

A Linha Karasuma possui as seguintes estações, do norte ao sul: Kokusaikaikan (terminal) e Matsugasaki em Sakyō-ku; Kitayama e Kitaōji em Kita-ku; Kuramaguchi e Imadegawa em Kamigyō-ku; Marutamachi e Karasuma Oike em Nakagyō-ku; Shijō, Gojō e Kyōto em Shimogyō-ku; Kujō e Jūjō em Minami-ku; e Kuinabashi e Takeda (terminal) em Fushimi-ku.[59]

Entre Kitaōji e Jūjō, os trens passam abaixo da Rua Karasuma norte-sul (烏丸通 Karasuma-dori), por isso o nome. Elas se ligam a outra linha de metrô, a Linha Tōzai, em Karasuma Oike. Elas também se conectam as linhas da JR na Estação de Kyoto e na Linha Hankyu Kyoto cruzando a cidade por baixo da Rua Shijō na interseção de Shijō Karasuma, distrito financeiro de Kyoto. Em Shijō Karasuma, a estação de metrô é chamada de Shijō, enquanto que a estação de Hankyu é chamada de Karasuma.[60]

O Departamento de Transportes e a Kintetsu operam em conjunto através de serviços, que continuam da Linha Kintetsu Kyoto até a Estação de Kintetsu Nara em Nara. A Linha Karasuma e a Linha Kintetsu Kyoto se conectam em Kyoto e em Takeda.[61]

Linha TozaiEditar

 
Portas de plataforma na Estação de Higashiyama da Linha Tozai

A Linha Tozai é indicada pela cor vermelha, e suas estações são representadas por números seguidos da letra "T". Esta linha percorre a área sudeste da cidade, depois de leste a oeste através do centro de Kyoto onde os trens passam por baixo de três ruas leste-oeste: Rua Sanjō (三条通 Sanjō-dori), Rua Oike (御池通 Oike-dori) e Rua Oshikōji (押小路通 Oshikōji-dori).[62]

A linha possui as seguintes estações. de leste a oeste: Rokujizō (terminal) em Uji; Ishida e Daigo em Fushimi-ku; Ono, Nagitsuji, Higashino, Yamashina e Misasagi em Yamashina-ku; Keage, Higashiyama e Sanjō Keihan em Higashiyama-ku; Kyoto Shiyakusho-mae, Karasuma Oike, Nijōjō-mae, Nijō e Nishiōji Oike em Nakagyō-ku; e Uzumasa Tenjingawa (terminal) em Ukyō-ku.[63]

A Linha Keihan Keishin foi integrada a esta linha, e portanto a Keihan fornece serviços a partir de Hamaōtsu na cidade vizinha de Ōtsu, a capital da Prefeitura de Shiga.[64]

A Linha Tōzai se conecta as linhas Keihan em Rokujizō, Yamashina, Misasagi e Sanjō Keihan, as linhas da JR em Nijō, Yamashina e Rokujizō, a Estrada de Ferro Elétrica de Keifuku em Uzumasa Tenjingawa. Todas as estações exceto a Rokujizō são localizadas em Kyoto.[65]

Ferrovias de alta-velocidadeEditar

 
Shinkansen da série N700 na Estação de Kyoto

A Tōkaidō Shinkansen operada pela JR Central provê um serviço de trens de alta-velocidade ligando Kyoto a Nagoya, Yokohama e Tóquio para o leste de Kyoto e com as proximidades de Osaka e pontos ao oeste na San'yō Shinkansen, como Kobe, Okayama, Hiroshima, Kitakyushu, e Fukuoka. A viagem a partir de Tóquio leva cerca de duas horas e dezoito minutos. A partir de Hakata em Fukuoka, o Nozomi leva os passageiros para Kyoto em três horas. Todos os trens, incluindo o Nozomi, param na Estação de Kyoto, servindo como entrada não apenas a Prefeitura de Kyoto, mas também ao nordeste de Osaka, sul de Shiga e norte de Nara.[66]

HidroviasEditar

Há muitos rios, canais e outras hidrovias navegáveis em Kyoto. Os rios Seta e Uji (Rio Yodo), Kamogawa e Katsura passam pela cidade. O Canal do Lago Biwa foi uma construção muito importante. Atualmente, entretanto, as hidrovias não são usadas para passageiros ou transporte de bens, exceto para turismo de forma limitada como o barco Hozugawa Kudari no Rio Hozu e o barco turístico Jukkoku na área de Fushimi-ku.[67]

TurismoEditar

 
Turistas em uma rua perto de Kiyomizu-dera
 Ver artigo principal: Turismo no Japão

Kyoto possui mais de 2000 templos e santuários.[68]

Patrimônio Mundial da UNESCOEditar

Cerca de 20% dos Tesouros Nacionais do Japão e 14% das Propriedades Culturais Importantes estão em Kyoto.[69]

Os Monumentos Históricos da Antiga Quioto são Patrimônios Mundiais da UNESCO que incluem 17 locais em Kyoto e Uji, na Prefeitura de Kyoto, e Ōtsu, na Prefeitura de Shiga. Os monumentos foram designados Patrimônios Mundiais em 1994.[70]

FestivaisEditar

Kyoto também é famosa por seus festivais tradicionais que acontecem há mais de 1000 anos e são grandes atrações turísticas. O primeiro é o Aoi Matsuri em 15 de maio[71]. Dois meses depois (de 1 a 30 de julho) acontece o Gion Matsuri[72] conhecido por ser um dos 3 maiores festivais do Japão, culminando em uma grande parada em 17 de julho. Kyoto marca o Festival Bon com o Gozan no Okuribi, fogueiras acessas em montanhas para guiar os espíritos para casa (16 de agosto). Em 22 de outubro, ocorre o Jidai Matsuri, o Festival das Eras, que celebra o passado ilustre de Kyoto.[73]

EsportesEditar

FutebolEditar

No futebol, Kyoto é representada pelo Kyoto Sanga F.C. que venceu a Copa do Imperador em 2002, e subiu a Primeira divisão da J.League em 2005. O Kyoto Sanga tem uma longa história como um time amador, embora tenha sido apenas com a profissionalização que foi capaz de competir na primeira divisão. Seu estádio é o Estádio Nishikyogoku.[74]

Clubes amadores de futebol como o F.C. Kyoto BAMB 1993 e o Kyoto Shiko Club (ambas equipes separadas do Kyoto Shiko, que viria a se tornar o Kyoto Sanga) bem como o AS Laranja Kyoto e o Amitie SC Kyoto competem na liga regional de futebol de Kansai.[75]

BasebolEditar

Entre 1951 e 1952, a o time Shochiku Robins da Liga Central jogaram seus jogos franqueados no Kinugasa Ballpark em Kita-ku. Em 2010, o Estádio Nishikyogoku em Ukyo-ku se tornou casa do recém-formado time profissional de basebol feminino, o Kyoto Asto Dreams.[76]

Além disso, os times de basebol de ensino médio de Kyoto são fortes, com o Heian e o Toba fazendo grandes partidas no recente torneio anual acontecido no Estádio Koshien, em Nishinomiya, próximo a Osaka.[77]

Corrida de cavalosEditar

O Hipódromo de Kyoto em Fushimi-ku é um dos dez hipódromos gerenciados pela Associação de Corridas do Japão. Suas notáveis corridas de cavalo incluem a Kikuka-shō, a Spring Tenno Sho, e a Copa Comemorativa Rainha Elizabeth II.[78]

TênisEditar

Kimiko Date, uma tenista que atingiu o número 4 do Ranking WTA na década de 1990, nasceu em Kyoto.[79]

Relações internacionaisEditar

Cidades-gêmeas e cidades-irmãsEditar

A cidade de Kyoto possui acordos de geminação com as seguintes cidades:[80]

Cidades parceirasEditar

Além dos tratados de geminação, Kyoto criou um sistema de "cidades parceiras" que foca na cooperação em um tópico em particular.[81] Atualmente, Kyoto possui tratado de parceria com as seguintes cidades:[82]

Referências

  1. Lowe, John. (2000). Velha Quioto: Uma curta História Social (em Inglês), p. x.
  2. «Mapa de Kyoto na Era Edo rotulado 京師内外地図». Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  3. «O Museu Arqueológico de Kyoto (em Inglês)». Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  4. «Política do Período Heian (em Inglês)». Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  5. «Imperador Kanmu move a capital Japonesa para Heian-Kyo! (em Inglês)». Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  6. Stephen, Morillo (1995). «Armas e Governo: Um Estudo Comparativo da Europa e Japão* (em Inglês)» (PDF) 
  7. Vivre le Japon. «Visitando Kyoto nos Passos de Hideyoshi (em Francês)». Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  8. Cidade de Kyoto (2003). «情報統計担当(京都市の統計情報)/よくある質問/人口・世帯 (em Japonês)». Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  9. «A Bomba Atômica e Final da Segunda Guerra Mundial: Uma Coleção de Fontes Primárias (em Inglês)». nsarchive2.gwu.edu. Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  10. Hiroko Tabuchi - Seattle Times (2010). «A Antiga Kyoto encara novo, e controverso, desenvolvimento (em Inglês)». Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  11. Eduardo de Freitas - Brasil Escola. «Protocolo de Kyoto». Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  12. «Geografia de Kyoto (em Inglês)». Kyoto City Web. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  13. «História do ZEN feng shui (em Inglês)». Copa-Style. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  14. «Os Melhores Lugares Verdes e Kyoto (em Inglês)». Inside Kyoto. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  15. «Abastecimento de Água (em Inglês)». Departamento e Abastecimento de Água de Kyoto. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  16. «京都都市圏の範囲及び取組» (em japonês). www.kyoto-toshiken.jp 
  17. «População de Kyoto». Cidade de Kyoto. Consultado em 10 de janeiro de 2018 
  18. «京都市の人口» (em japonês). 京都市 
  19. «2015 Population Census» (em inglês). Statistics Bureau 
  20. «京都市会 会派名簿». Consultado em 10 de janeiro de 2018 
  21. O Projeto Manhattan, Departamento de Energia da mbe.doe.gov
  22. HyperHistory.net Dec. 22, 2009. Retrieved 7 de agosto de 2010 Arquivado em 11 de junho de 2010 no Wayback Machine.
  23. «Os melhores templos de Kyoto». Alma de Viajante. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  24. «Templo Sennyu-ji (em Inglês)». Japan Visit. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  25. «Pontocho». Viagem e Turismo. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  26. «Patrimônio da Humanidade #5: Monumentos históricos da antiga Kyoto». Made in Japan. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  27. «Kyo Yasai: Vegetais de Kyoto». The Kyoto Project. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  28. «Bem-vindo à Kyoto — Museu Toei Uzumasa Eigamura». Pref.kyoto.jp. Consultado em 10 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 11 de março de 2010 
  29. «O dialeto de Kyoto e Osaka -Kansai ben». Suki Desu. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  30. «県民経済計算» (em japonês). Consultado em 16 de outubro de 2017 
  31. «Purchasing power parities (PPP)]» (em inglês). OCDE. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  32. «Dainippon Screen corporate profile (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  33. «OMRON corporate data (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  34. «Perfil Corporativo da Shimadzu (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  35. «Dados da Rohm Corp. (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  36. «Perfil da Horiba Company (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  37. «Perfil da Nidec Company (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  38. «Perfil da Nichicon Corp. (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  39. «Perfil da Nissin Electric (em Inglês)». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  40. «Lançamento dos Resultados Gerais do Turismo em Kyoto em 2013 (em Inglês)» (Nota de imprensa). Cidade de Kyoto. 18 de junho de 2014. Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  41. «20 lindas fotos que mostram o porquê de Kyoto ser um tesouro (em Inglês)». CNN travel. 15 de setembro de 2017. Consultado em 10 de janeiro de 2018 
  42. Yoshitsugu Kanemoto. «Dados da Área Metropolitana de Emprego (em Inglês)». Centro de Ciência de Informação Espacial da Universidade de Tóquio 
  43. «Kyoto Usa Seus Muitos Charmes para Atrair Estudantes Estrangeiros». The New York Times. 29 de junho de 2014 
  44. «The Times Higher Education Supplement World University Rankings (em Inglês)». Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  45. «English». Consortium of Universities in Kyoto. Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  46. «Stanford Japan Center». Stanford-jc.or.jp. 22 de fevereiro de 1999. Consultado em 12 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2011 
  47. JR-WEST: Travel Information > Access to Kansai Airport (em Inglês) Arquivado em 2006-04-07 no Wayback Machine.
  48. «Horários, Paradas de ônibus e tarifas (em Inglês)». Osaka Airport Limousine. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  49. «Pegando Ônibus na Cidade de Kyoto (em Inglês)». Cidade de Kyoto. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  50. «Tarifa dos Ônibus de Kyoto (em Inglês)». Cidade de Kyoto. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  51. «Mapa das Rotas de Ônibus e Metrô de Kyoto». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  52. «Pedalando em Kyoto (em Inglês)». Inside Kyoto. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  53. «Via-expressa Meishin (em Inglês)». Snow Japan. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  54. «A Rota 1» (em japonês). Departamento de Desenvolvimento Regional de Kinki, Ministro da Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  55. Ministério da Terra, Infraestrutura e Transportes. «Administração de Rodovias no Japão» (PDF). Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  56. Estação de Kyoto. «Transportes em Kyoto». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  57. Keihan Railway. «Mapa das Rotas da Keihan (em Inglês)». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  58. Estação de Kyoto. «Linhas do Metrô de Kyoto (em Inglês)». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  59. Estação de Kyoto. «Linha Karasuma do Metrô (em Inglês)». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  60. Japan Visitor. «A Linha Karasuma (em Inglês)». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  61. Estação de Nara. «Estação Kintetsu de Nara - Facilidades e Mapa (em Inglês)». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  62. Estação de Kyoto. «Linha de Metrô Tozai (em Inglês)». Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  63. «京都市交通事業白書 (em Japonês)». Departamento de Transportes Municipais de Kyoto. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  64. «Keihan Electric Railway (em Inglês)». Keihan Railway. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  65. «Passeando por Kyoto com o JR Pass (em Inglês)». JR Rail Pass. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  66. «A Tokaido Shinkansen (em Inglês)». Estação de Kyoto. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  67. «Convite ao Silêncio (em Inglês)». Hozugawa Kudari. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  68. Scott, David (1996). Explorando o Japão (em Inglês). Fodor's Travel Publications, Inc. ISBN 0-679-03011-5.
  69. Simpson, Richard & Zimmerman, Monica (2013). A Economia das Cidades Verdes: Um Compêndio Mundial na Economia Verde Urbana (em Inglês). p.426. Springer Science+Business Media. ISBN 978-94-007-1968-2.
  70. «Monumentos Históricos da Antiga Kyoto (Cidades de Kyoto, Uji e Otsu) (em Inglês)». Permanent Delegation of Japan to UNESCO. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  71. «Aoi Matsuri (em Inglês)». Japan National Tourism Organization. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  72. «Gion Matsuri». Suki Desu. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  73. «Jidai Matsuri (em Inglês)». Japan National Tourism Organization. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  74. «Kyoto Sanga FC». Soccerway. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  75. «Kyoto Sanga». O Gol. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  76. «Kyoto Asto Dreams». Life in Kyoto. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  77. «Desfrute Koshien». Heian Koshien Stadium. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  78. «Tenno Sho (Spring)». Horse Racing Nation. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  79. «Kimiko Date». ITF Tennis. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  80. «Sister Cities» (em inglês). City of Kyoto 
  81. «Cidades Parceiras da Cidade de Kyoto (em Inglês)». 26 de agosto de 2013. Consultado em 15 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2014 
  82. «パートナーシティとは» [O que é uma cidade parceira?] (em japonês). 11 de novembro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2018 

Ligações externasEditar