Lista de navios da Marinha do Brasil com o nome Tamandaré

Ao longo dos dois séculos de história da Marinha do Brasil, três navios foram nomeados com o nome de Tamandaré. Estas nomeações foram feitas em honra ao patrono da marinha brasileira, Joaquim Marques Lisboa, também conhecido por Tamandaré.

Almirante Joaquim Marques Lisboa, o Marquês de Tamandaré.

Joaquim Marques Lisboa foi um militar da Armada Imperial Brasileira, onde atingiu o posto de Almirante; é aclamado como patrono da Marinha do Brasil. Com uma carreira de quase seis décadas ao serviço da marinha, participou nos maiores e mais importantes conflitos que envolveram o Brasil no século XIX, como a Guerra da Independência do Brasil, a Guerra da Cisplatina, a Guerra dos Farrapos, a Guerra do Uruguai e a Guerra do Paraguai. Destacou-se também pelos seus feitos notáveis durante a sua carreira e foi considerado herói em diversas ocasiões.[1]

O primeiro navio foi o Encouraçado Tamandaré, construído no Brasil e incorporado na Armada Imperial em 1865. Vinte e seis anos mais tarde, em 1891, a marinha brasileira incorporou o Cruzador Protegido Almirante Tamandaré, o maior navio de guerra construído no Brasil até aos dias de hoje, com 4500 toneladas. Décadas mais tarde, já depois da Segunda Guerra Mundial, a marinha incorporou o Cruzador Ligeiro Tamandaré, um navio transferido dos Estados Unidos para a marinha brasileira em 1951.

Actualmente, encontra-se em construção a Classe Tamandaré, que tem previsto para 2024 o lançamento do primeiro navio da classe, a fragata Tamandaré.

NaviosEditar

Ao longo do tempo a Marinha do Brasil, em homenagem ao seu patrono, nomeou vários navios com o nome de Tamandaré:[2]

Imagem Embarcação

Tempo de serviço

Descrição Referências
  Encouraçado Tamandaré

1865–1879

Construído no Arsenal de Marinha da Corte, foi incorporado à Armada Imperial em 1865.

Foi o primeiro navio encouraçado construído no Brasil. Desempenhou papel importante operando no Rio Paraguai, na Guerra da Tríplice Aliança, também conhecida como Guerra do Paraguai. Teve retirado de serviço em 1879.

[2][3][4][5]
  Cruzador Protegido Almirante Tamandaré

1891–1915

Navio de propulsão mista, foi construído no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, sob plano do Engenheiro Naval João Cândido Brasil. Foi incorporado à Armada em 1891, com baixa do serviço em 1915. Foi o maior navio de guerra até hoje construído no Brasil, com um deslocamento de 4500 toneladas. [2][6][7]
  Cruzador Ligeiro Tamandaré

1951–1976

Construído nos Estados Unidos da América em 1938, participou na Segunda Guerra Mundial, incorporado à Marinha desse país com o nome de Saint Louis. Transferido para a Marinha do Brasil com base na Lei de Assistência Mútua (norte-americana), foi incorporado à Armada em 1951, e teve baixa do serviço ativo em 1976. [2][8][9]
  Fragata Tamandaré

lançamento previsto para 2024

Com construção no Brasil e previsto para ser entregue em 2024, será o primeiro navio construído da Classe Tamandaré. Será empregue em escoltas, vigilância do mar e controle da área marítima, equipada com um moderno set de armamento e tecnologia de navio furtivo. [10][11]

Referências

  1. BITTENCOURT, Armando de Senna (2007). «Tamandaré: 200 anos». Revista do Clube Naval 
  2. a b c d «Navios com o nome Tamandaré | DPHDM». www.marinha.mil.br. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  3. Lima, José Francisco de (1982). Marquês de Tamandaré, Patrono da Marinha (Seu Perfil Histórico). Rio de Janeiro: Serviço de Documentação da Marinha. 45 páginas 
  4. Boiteux, Henrique, A República Catharinense - Notas para a sua história. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1927. Página 6
  5. Mendonça et al. 1959, p. 245.
  6. «NGB - Cruzador/Navio Escola Tamandaré». www.naval.com.br. Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  7. «A evolução tecnológica no setor naval na segunda metade do século XIX e as consequências para a Marinha do Brasil.» (PDF). Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  8. «Cruzador Tamandaré - Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha» (PDF). Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  9. «"Tamandaré": o último cruzador da Marinha do Brasil». portogente.com.br. Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  10. Alexandre Galante (28 de março de 2019). «Consórcio Águas Azuis é escolhido como fornecedor preferencial para construir as quatro corvetas da Classe Tamandaré». Poder Naval - A informação naval comentada e discutida. Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  11. Alexandre Galante (4 de março de 2020). «Marinha compra quatro fragatas por R$ 9,1 bilhões». Poder Naval - A informação naval comentada e discutida. Consultado em 19 de dezembro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Mendonça, Mário F.; Vasconcelos, Alberto (1959). Repositório de Nomes dos Navios da Esquadra Brasileira. Rio de Janeiro: SGDM. 271 páginas. OCLC 254052902