Luis Héctor Villalba

Luis Héctor Villalba
Cardeal da Igreja Católica
Arcebispo-emérito de Tucumán
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Tucumán
Nomeação 8 de julho de 1999
Entrada solene 17 de setembro de 1999
Predecessor Dom Raúl Arsenio Casado
Sucessor Dom Alfredo Horacio Zecca
Mandato 1999 - 2011
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 24 de setembro de 1960
Nomeação episcopal 20 de outubro de 1984
Ordenação episcopal 22 de dezembro de 1984
por Dom Juan Carlos Aramburu
Nomeado arcebispo 8 de julho de 1999
Cardinalato
Criação 14 de fevereiro de 2015
por Papa Francisco
Ordem Cardeal-presbítero
Título São Jerônimo em Corviale
Brasão
Coat of arms of Luis Hector Villalba.svg
Lema APÓSTOL DE JESUCRISTO
Dados pessoais
Nascimento Buenos Aires
11 de outubro de 1934 (85 anos)
Nacionalidade argentino
Funções exercidas Bispo-titular de Ofena
Bispo-auxiliar de Buenos Aires
Bispo de San Martín
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Luis Héctor Villalba (11 de outubro de 1934[1]) é um cardeal argentino, atual Arcebispo-emérito de Tucumán.

BiografiaEditar

Ingressou no Seminário de Buenos Aires, em 1952, depois de ganhar o título de mercantille peritus nas escolas estaduais. Em 1961, ele obteve licenciatura em teologia e história eclesiástica na Pontifícia Universidade Gregoriana, de Roma.[1]

Foi ordenado padre em 24 de setembro de 1960. Em 1967, foi nomeado prefeito do Seminário Maior e professor na Faculdade de Teologia da Universidade Católica de Buenos Aires. Em 1968, ele se tornou o primeiro diretor do Instituto de Vocações San José, onde foram preparados os aspirantes ao sacerdócio da Arquidiocese para os cursos de filosofia e teologia. De 1969 a 1971, ele foi reitor da Faculdade de Teologia e em 1972, foi nomeado pároco de Santa Rosa de Lima, em Buenos Aires.[1]

Eleito bispo-titular de Ofena e nomeado bispo-auxiliar de Buenos Aires em 20 de outubro de 1984, foi consagrado em 22 de dezembro de 1984, pelo Cardeal Juan Carlos Aramburu, arcebispo de Buenos Aires, assistido por Arnaldo Clemente Canale, bispo-titular de Cabarsussi, e por Carmelo Juan Giaquinta, bispo-titular de Zama Minore. Foi transferido para a Sé de San Martín em 16 de julho de 1991.[1]

Promovido a Sé metropolitana de Tucumán em 8 de julho de 1999, tomou posse canônica em 17 de setembro. Recebeu o pálio do Papa João Paulo II em 29 de junho de 2000, na Basílica de São Pedro. Na Conferência Episcopal da Argentina, ele foi o primeiro vice-presidente por dois mandatos consecutivos (2005-2008 e 2008-2011), enquanto que o presidente era o arcebispo de Buenos Aires, o cardeal Jorge Mario Bergoglio. Anteriormente, ele foi presidente da Comissão Episcopal para a Catequese e do membro da Comissão para o Apostolado dos Leigos. Foi administrador apostólico de Santiago del Estero, de agosto de 2005 a maio de 2006. Renunciou ao governo pastoral da Arquidiocese de Tucumán em 10 de junho de 2011, por idade.[1]

Em 4 de janeiro de 2015, o Papa Francisco anunciou a sua criação como cardeal, no Consistório Ordinário Público de 2015.[1][2]

Referências

  1. a b c d e f The Cardinals of the Holy Roman Church
  2. «Consistório 2015: Papa reforça papel das «periferias» no Colégio Cardinalício». Agência Ecclesia. 4 de janeiro de 2015 

Ligações externasEditar

Precedido por
Carlos Talavera Ramírez
 
Bispo-titular de Ofena

19841991
Sucedido por
Eustaquio Pastor Cuquejo Verga, C.Ss.R.
Precedido por
Manuel Menéndez
 
Bispo de San Martín

19911999
Sucedido por
Raúl Omar Rossi
Precedido por
Raúl Arsenio Casado
 
Arcebispo de Tucumán

19992011
Sucedido por
Alfredo Horacio Zecca
Precedido por
Criação do titulus
 
Cardeal-presbítero de São Jerônimo em Corviale

2015
Sucedido por