Abrir menu principal

Lunda Norte

É uma das 18 províncias de Angola, localizada na região leste do país.
Lunda Norte
Localidade de Angola Angola
(Província)
Angola Provinces Lunda Norte 250px.png

Província da Lunda Norte
Dados gerais
Fundada em 4 de julho de 1978 (41 anos)
Gentílico norte-lundense
lunda-nortenho
Província Lunda Norte
Município(s) Cambulo, Capenda Camulemba, Caungula, Chitato, Cuango, Cuílo, Lubalo, Lucapa Lóvua e Xá-Muteba
Características geográficas
Área 103 760 km²
População 972 183[1] hab. (2018)
Altitude 700 m até 1400 m
Clima Tropical húmido
Temperatura 27ºC

Dados adicionais
Prefixo telefónico +244
Sítio Ministério da Administração do Território - Lunda Norte
Projecto Angola  • Portal de Angola

Lunda Norte é uma das 18 províncias de Angola, localizada no nordeste do país. A capital é a cidade de Dundo-Chitato, no município de Chitato.

A província conta com uma população de 972 183 habitantes, segundo as projeções populacionais de 2018 elaboradas pelo Instituto Nacional de Estatística, numa área territorial de 103 760 km².[1][2]

É constituída pelos municípios de Cambulo, Capenda Camulemba, Caungula, Chitato, Cuango, Cuílo, Lubalo, Lucapa e Xá-Muteba, subdivididos em 26 comunas.

Índice

HistóriaEditar

A região das Lundas fez parte do Reino Lunda, uma confederação de estados unificados em 1590. O principal componente da confederação foi o Reino Lunda-Chócue, com sede em Luena.

No dia 4 de julho de 1978, a antiga Província da Lunda foi dividida em Lunda Norte e Lunda Sul, pelo decreto-lei nº. 84/78. A capital foi estabelecida provisoriamente em Lucapa, enquanto que uma nova capital seria construída na região do Mulepi, plano que foi posteriormente abandonado.[3] Em 1997, a capital de facto da província passou a ser o Dundo, que apresentava uma estrutura administrativa melhor que a cidade de Lucapa. A transferência foi ratificada como definitivo em 2000. O governo iniciou, no final da década de 2000, o projeto Centralidade do Dundo ou Novo Dundo, para melhoria das infraestruturas da cidade do Dundo como centro administrativo e de governo da Lunda Norte.

GeografiaEditar

 
Fragmento florestal da província, no município de Cambulo, em 2005.

Segundo a classificação climática de Köppen-Geiger predomina, na maior parte da província, o clima tropical de savana (Aw/As) com uma temperatura média de 27ºC por ano e o regime de chuvas pode ser até torrencial. A média das chuvas é de 1.400 mm, sendo que a quantidade máxima é de 1.500 mm e a mínima de 1.200 mm. Na faixa sudeste de Lunda Norte predomina o clima subtropical úmido (Cwa)

A província possui a altura relativa a nível do mar é de 1400m até 700m, sendo que 1000m no interior e de 800m nas fronteiras, em alguns locais como o nordeste da província (onde estão localizadas as nascentes dos rios Cuango e Cassai) a altitude pode alcançar até 1400m. Do nordeste para o sudeste a altitude pode diminuir até 700m.

EconomiaEditar

O ano 1912 marca a descoberta de diamantes pela empresa Forminière no ribeiro Mussalala. No mesmo ano foi formada a Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola, que comecou a explorar o rio Chicapa e afluentes, fundando-se o acampamento base em Dundo-Chitato. Em 1917 a companhia mineradora Diamang assume o acampamento, construindo novas infraestruturas, tornando o assentamento numa cidade operária.

A Lunda Norte chegou a registrar, no ano de 1971, um recorde 2.413.021 quilates de diamantes extraídos pela Diamang, substituída em 1981 pela recém-criada Endiama.[4]

Agropecuária e extrativismoEditar

 
Mina de Chitotolo, em 2001.

Na lavoura temporária, destacam-se no Lunda Norte as produções de arroz, mandioca, milho, amendoim, batata doce, feijão cutelinho e abacaxi ananás; já a lavoura permanente encontra excedentes na produção de goiabas, mamões, mangas e abacates.[4]

Na pecuária de corte e leite, a província possui um grande rebanho de bovinos, havendo também criações de caprinos e suínos, além de criação de galináceos (para carne e ovos); em outro aspecto os muitos rios de Lunda Norte dão a possibilidade da extração de um enorme excedente pesqueiro.[4]

Indústria e mineraçãoEditar

A província da Lunda Norte possui uma importantíssima indústria mineira, com a extração de diamantes e ouro, com destaque para as operações na mina de diamantes Luó, na mina de diamantes Lucapa e nas minas de Cachimo e Cambulo.[4]

O parque industrial de Lunda Norte está concentrado na cidade de Dundo, e nos municípios de Cuango e Lucapa, onde registra-se manufatura de alimentos, bebidas, roupas, produção agroindustrial e construção civil, sendo que sta última dispõe de uma imensa massa salarial, concentrada basicamente na capital provincial, e; também na capital há a produção elétrica a partir da Central Hidroelétrica de Luachimo, no rio Luachimo.[4]

Comércio e serviçosEditar

O setor de comércio e serviços concentra-se na capital, Dundo, que sedia centros atacadistas e de abastecimento tanto para a província de Lunda Norte quanto para o Congo-Quinxassa.[4]

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

A malha rodoviária da província é composta por dois troncos principais: a rodovia EN-180, norte-sul, que liga Dundo ao Saurimo, e; a EN-230A, oeste-leste, que dá acesso à Malanje. Existem ainda as rodovias EN-223/EN-225 (oste-leste), EN-165 (norte-sul), EN-170 (norte-sul), EN-175 (norte-sul), EN-190 (norte-sul) e a R706, que liga a capital à Mwasuakenge, no Congo-Quinxassa.

EducaçãoEditar

Sector que sentiu um forte efeito da guerra, grande parte de sua estrutura (escolas, universidades), foram destruídas. Com isso, o número de escolas na região ainda é pequeno em relação ao número de habitantes. Há um esforço do governo para tentar recuperar ou construir as escolas e universidades da região. A região possui uma escola técnica denominada Instituto Médio Politécnico 28 de Agosto do Dundo e a Universidade Lueji A'Nkonde, ambas na capital, Dundo.

Segundo o Ministério de Administração do Território da Lunda Norte a actual situação da região é de um grande número de crianças ainda fora do sistema escolar (28.000), o número de salas é insuficiente para a demanda, a quantidade e qualidade dos professores ainda é insuficiente, o que causa a queda na qualidade do ensino da região, por fim, a maior parte da população activa tem o nível de escolaridade muito baixo, também precisando retornar a escola para recuperar a escolaridade.

Política e governoEditar

O governador da província é um cargo indicado pelo Presidente da República de Angola.

A lista de comissários/governadores que lideraram a província desde de 1978 é a seguinte:

Ordem Nome Início Término Notas
1 João Ernesto dos Santos 1978 1983
2 Silvério Gelim Paim 1983 1986
3 Norberto dos Santos 1986 1991
4 José Manuel Sakulombo 1991 1992
5 Francisco Moisés Nele 1992 1997
6 Manuel Francisco Gomes Maiato 1997 2008
7 Ernesto Mwangala 2008 atualidade

Referências

  1. a b Schmitt, Aurelio. Município de Angola: Censo 2014 e Estimativa de 2018. Revista Conexão Emancipacionista. 3 de fevereiro de 2018.
  2. «Governo de Angola - INE - Resultados Definitivos Recenseamento da População (2014) - Page - 89» (PDF). Consultado em 18 de setembro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 6 de maio de 2016 
  3. História. Governo da Lunda Norte. 2015.
  4. a b c d e f Lunda Norte. Portal São Francisco. 2018.

BibliografiaEditar

  • MANASSA, João Baptista Abreu. Lunda - História e Sociedade, ed. Mayamba, Luanda, 2011.
  Este artigo sobre geografia de Angola, integrado no Projecto Angola, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.