Abrir menu principal

Lunda Norte

É uma das 18 províncias de Angola, localizada na região leste do país.
Lunda Norte
Localidade de Angola Angola
(Província)
Angola - Lunda Norte.svg

Localização da Lunda Norte em Angola
Dados gerais
Fundada em 4 de julho de 1978 (41 anos)
Gentílico norte-lundense
lunda-nortenho
Província Lunda Norte
Município(s) Cambulo, Capenda Camulemba, Caungula, Chitato, Cuango, Cuílo, Lubalo, Lucapa Lóvua e Xá-Muteba
Características geográficas
Área 103 760 km²
População 972 183[1] hab. (2018)
Altitude 700 m até 1400 m
Clima Tropical húmido
Temperatura 27ºC

Dados adicionais
Prefixo telefónico +244
Sítio Ministério da Administração do Território - Lunda Norte
Projecto Angola  • Portal de Angola

Lunda Norte é uma das 18 províncias de Angola, localizada no nordeste do país. A capital é a cidade de Dundo-Chitato, no município de Chitato.

A província conta com uma população de 972 183 habitantes, segundo as projeções populacionais de 2018 elaboradas pelo Instituto Nacional de Estatística, numa área territorial de 103 760 km².[1][2]

É constituída pelos municípios de Cambulo, Capenda Camulemba, Caungula, Chitato, Cuango, Cuílo, Lubalo, Lucapa e Xá-Muteba, subdivididos em 26 comunas.

HistóriaEditar

A região das Lundas fez parte do Reino Lunda, uma confederação de estados unificados em 1590. O principal componente da confederação foi o Reino Lunda-Chócue, com sede em Luena.

No dia 4 de julho de 1978, a antiga Província da Lunda foi dividida em Lunda Norte e Lunda Sul, pelo decreto-lei nº. 84/78. A capital foi estabelecida provisoriamente em Lucapa, enquanto que uma nova capital seria construída na região do Mulepi, plano que foi posteriormente abandonado.[3] Em 1997, a capital de facto da província passou a ser o Dundo, que apresentava uma estrutura administrativa melhor que a cidade de Lucapa. A transferência foi ratificada como definitivo em 2000. O governo iniciou, no final da década de 2000, o projeto Centralidade do Dundo ou Novo Dundo, para melhoria das infraestruturas da cidade do Dundo como centro administrativo e de governo da Lunda Norte.

GeografiaEditar

 
Fragmento florestal da província, no município de Cambulo, em 2005.

Segundo a classificação climática de Köppen-Geiger predomina, na maior parte da província, o clima tropical de savana (Aw/As) com uma temperatura média de 27ºC por ano e o regime de chuvas pode ser até torrencial. A média das chuvas é de 1.400 mm, sendo que a quantidade máxima é de 1.500 mm e a mínima de 1.200 mm. Na faixa sudeste de Lunda Norte predomina o clima subtropical úmido (Cwa)

A província possui a altura relativa a nível do mar é de 1400m até 700m, sendo que 1000m no interior e de 800m nas fronteiras, em alguns locais como o nordeste da província (onde estão localizadas as nascentes dos rios Cuango e Cassai) a altitude pode alcançar até 1400m. Do nordeste para o sudeste a altitude pode diminuir até 700m.

EconomiaEditar

O ano 1912 marca a descoberta de diamantes pela empresa Forminière no ribeiro Mussalala. No mesmo ano foi formada a Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola, que comecou a explorar o rio Chicapa e afluentes, fundando-se o acampamento base em Dundo-Chitato. Em 1917 a companhia mineradora Diamang assume o acampamento, construindo novas infraestruturas, tornando o assentamento numa cidade operária.

A Lunda Norte chegou a registrar, no ano de 1971, um recorde 2.413.021 quilates de diamantes extraídos pela Diamang, substituída em 1981 pela recém-criada Endiama.[4]

Agropecuária e extrativismoEditar

 
Mina de Chitotolo, em 2001.

Na lavoura temporária, destacam-se no Lunda Norte as produções de arroz, mandioca, milho, amendoim, batata doce, feijão cutelinho e abacaxi ananás; já a lavoura permanente encontra excedentes na produção de goiabas, mamões, mangas e abacates.[4]

Na pecuária de corte e leite, a província possui um grande rebanho de bovinos, havendo também criações de caprinos e suínos, além de criação de galináceos (para carne e ovos); em outro aspecto os muitos rios de Lunda Norte dão a possibilidade da extração de um enorme excedente pesqueiro.[4]

Indústria e mineraçãoEditar

A província da Lunda Norte possui uma importantíssima indústria mineira, com a extração de diamantes e ouro, com destaque para as operações na mina de diamantes Luó, na mina de diamantes Lucapa e nas minas de Cachimo e Cambulo.[4]

O parque industrial de Lunda Norte está concentrado na cidade de Dundo, e nos municípios de Cuango e Lucapa, onde registra-se manufatura de alimentos, bebidas, roupas, produção agroindustrial e construção civil, sendo que sta última dispõe de uma imensa massa salarial, concentrada basicamente na capital provincial, e; também na capital há a produção elétrica a partir da Central Hidroelétrica de Luachimo, no rio Luachimo.[4]

Comércio e serviçosEditar

O setor de comércio e serviços concentra-se na capital, Dundo, que sedia centros atacadistas e de abastecimento tanto para a província de Lunda Norte quanto para o Congo-Quinxassa.[4]

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

A malha rodoviária da província é composta por dois troncos principais: a rodovia EN-180, norte-sul, que liga Dundo ao Saurimo, e; a EN-230A, oeste-leste, que dá acesso à Malanje. Existem ainda as rodovias EN-223/EN-225 (oste-leste), EN-165 (norte-sul), EN-170 (norte-sul), EN-175 (norte-sul), EN-190 (norte-sul) e a R706, que liga a capital à Mwasuakenge, no Congo-Quinxassa.

EducaçãoEditar

Sector que sentiu um forte efeito da guerra, grande parte de sua estrutura (escolas, universidades), foram destruídas. Com isso, o número de escolas na região ainda é pequeno em relação ao número de habitantes. Há um esforço do governo para tentar recuperar ou construir as escolas e universidades da região. A região possui uma escola técnica denominada Instituto Médio Politécnico 28 de Agosto do Dundo e a Universidade Lueji A'Nkonde, ambas na capital, Dundo.

Segundo o Ministério de Administração do Território da Lunda Norte a actual situação da região é de um grande número de crianças ainda fora do sistema escolar (28.000), o número de salas é insuficiente para a demanda, a quantidade e qualidade dos professores ainda é insuficiente, o que causa a queda na qualidade do ensino da região, por fim, a maior parte da população activa tem o nível de escolaridade muito baixo, também precisando retornar a escola para recuperar a escolaridade.

Política e governoEditar

O governador da província é um cargo indicado pelo Presidente da República de Angola.

A lista de comissários/governadores que lideraram a província desde de 1978 é a seguinte:

Ordem Nome Início Término Notas
1 João Ernesto dos Santos 1978 1983
2 Silvério Gelim Paim 1983 1986
3 Norberto dos Santos 1986 1991
4 José Manuel Sakulombo 1991 1992
5 Francisco Moisés Nele 1992 1997
6 Manuel Francisco Gomes Maiato 1997 2008
7 Ernesto Mwangala 2008 atualidade

Referências

  1. a b Schmitt, Aurelio. Município de Angola: Censo 2014 e Estimativa de 2018. Revista Conexão Emancipacionista. 3 de fevereiro de 2018.
  2. «Governo de Angola - INE - Resultados Definitivos Recenseamento da População (2014) - Page - 89» (PDF). Consultado em 18 de setembro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 6 de maio de 2016 
  3. História. Governo da Lunda Norte. 2015.
  4. a b c d e f Lunda Norte. Portal São Francisco. 2018.

BibliografiaEditar

  • MANASSA, João Baptista Abreu. Lunda - História e Sociedade, ed. Mayamba, Luanda, 2011.
  Este artigo sobre geografia de Angola, integrado no Projecto Angola, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.