Abrir menu principal

Mateus Leme é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Pertence à Região Metropolitana de Belo Horizonte e se localiza a 61 km de Belo Horizonte.

Município de Mateus Leme
Bandeira de Mateus Leme
Brasão de Mateus Leme
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 17 de dezembro de 1938 (80 anos)
Gentílico mateus-lemense
Padroeiro(a) Santo Antônio[1]
CEP 35670-000 a 35674-999[2]
Prefeito(a) Julio Cezar Nogueira Fares Junior[3] (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Mateus Leme
Localização de Mateus Leme em Minas Gerais
Mateus Leme está localizado em: Brasil
Mateus Leme
Localização de Mateus Leme no Brasil
19° 59' 09" S 44° 25' 40" O19° 59' 09" S 44° 25' 40" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte IBGE/2008 [4]
Microrregião Belo Horizonte IBGE/2008 [4]
Região metropolitana Belo Horizonte
Municípios limítrofes Florestal, Igarapé, Itatiaiuçu, Itaúna, Juatuba, Pará de Minas, São Joaquim de Bicas[5]
Distância até a capital 60 km
Características geográficas
Área 302,589 km² [6]
População 27 856 hab. Censo IBGE/2010[7]
Densidade 92,06 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,745 alto PNUD/2000 [8]
PIB R$ 322 412,409 mil IBGE/2008[9]
PIB per capita R$ 12 106,66 IBGE/2008[9]

Foi assim nomeado em homenagem ao bandeirante paulista Mateus Leme, que fundou em Minas Gerais o arraial de Itatiaiaçu.

É o local de instalação do 1º radar meteorológico de Minas Gerais.[10]

Seu território é composto pelos distritos de Serra Azul e Azurita, e pelo povoado de Sítio Novo.

GeografiaEditar

RelevoEditar

Mateus Leme limita-se ao sul com Itatiaiuçu pela Serra Azul, onde se localiza o ponto de altitude máxima do município, com 1.298 metros em relação ao nível do mar. O ponto de altitude mínima do município localiza-se no reservatório Serra Azul, no limite com o município de Juatuba, a 791 metros em relação ao nível do mar.[11][12]

 
Serra do Elefante, vista da rodovia MG-050 em Mateus Leme.

A Serra Azul, também chamada de Serra das Farofas ou Serra do Itatiauçu, contém jazidas de minério de ferro e outros minerais e localiza-se na porção mais ocidental do Quadrilátero Ferrífero.[13] Além dessa serra, outras compõem o território mateus-lemense, como a Serra dos Caboclos, Serra do Caxambu, Serra das Perobas, Serra da Saudade, Serra Boa Vista e Serra Santo Antônio, com pico de 1.284 metros de altitude, também conhecida na região como “Serra do Elefante”.[14]

A Serra do Elefante, devido à altitude elevada do pico, à inexistência de barreiras físicas naturais nas proximidades e à localização na RMBH, foi escolhida para a instalação do primeiro radar meteorológico de Minas Gerais. O equipamento permite identificar, por meio da emissão e recepção de ondas, a formação de chuvas, tempestades e granizo. A localização estratégica do radar, quase sem barreiras em sua área de influência, permite uma ampla varredura com qualidade num raio de 250 km, mas tem alcance de até 350 km para avaliações qualitativas de entradas de tempestades no estado.[10][15] O radar é operado pela CEMIG e pelo Instituto Mineiro de Gestão de Águas (IGAM).[16]

HidrografiaEditar

Mateus Leme encontra-se totalmente dentro da Bacia do Rio Paraopeba.[17] O município não é banhado por esse rio, mas por alguns de seus afluentes da margem esquerda, como o Ribeirão Mateus Leme e o Ribeirão Serra Azul.[11][14]

O Ribeirão Serra Azul nasce no município vizinho de Itaúna e é represado em Juatuba para formação do reservatório Serra Azul. O reservatório inunda terras de Juatuba, Igarapé e Mateus Leme e foi construído para fornecimento de água à população da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). O reservatório, denominado Sistema Serra Azul, faz parte do Sistema Paraopeba, juntamente com o Sistema Vargem das Flores e Rio Sistema Rio Manso.[18][19]

Referências

  1. Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). «Lista por santos padroeiros» (PDF). Descubra Minas. p. 5. Consultado em 14 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 14 de setembro de 2017 
  2. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  3. «Eleições 2016». Consultado em 22 de agosto de 2017 
  4. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. «Mateus Leme». Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  6. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  7. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  8. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  9. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  10. a b «Radar Meteorológico». Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  11. a b «Carta do Brasil - Igarapé - MG - SF-23-X-A-II-1». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. 13 de outubro de 2016 
  12. «Informações do Município - Mateus Leme - MG». Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais - INDI. 13 de outubro de 2016. Consultado em 14 de outubro de 2016. Arquivado do original em 18 de outubro de 2016 
  13. «Exploração do minério de ferro em Serra Azul (MG) requer gestão ambiental eficiente». Centro de Tecnologia Mineral - CETEM. 26 de julho de 2012 
  14. a b «Carta do Brasil - Esmeraldas - MG - SE-23-Z-C-V-3». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. 13 de outubro de 2016 
  15. Valquiria Lopes (11 de outubro de 2013). «Cidades desprezam radar meteorológico instalado em Mateus Leme, na Grande BH». Estado de Minas. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  16. «Radar Meteorológico». Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos de Minas Gerais - SIMGE. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  17. «Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos do Rio Paraopeba - SF3» (PDF). Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM. 13 de outubro de 2012 
  18. «APE Manancial Serra Azul». Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA. 29 de setembro de 2016 
  19. «Parecer Único SUPRAM CM n.º 238/2010» (PDF). Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SEMAD. 18 de junho de 2010. Consultado em 14 de outubro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 2 de outubro de 2016 

Ligações externasEditar