Meteorito Murchison

Meteorito Murchison
Murchison-meteorite-ANL.jpg
Características
Classe
Endereço
Coordenadas
Caracteristicas físicas
Massa
100 kg
Exploração
Local de descoberta
Murchison (en)
Data de descoberta
Localização no mapa de Austrália
ver no mapa de Austrália
Red pog.svg

O meteorito Murchison é um meteorito que caiu na Austrália em 1969 perto de Murchison, Vitoria. Pertence a um grupo de meteoritos ricos em compostos orgânicos. Devido à sua massa (mais de 100 kg) e o facto de ter sido uma queda observada, o meteorito Murchison é um dos mais estudados de todos os meteoritos.[1][2]

Em janeiro de 2020, cosmoquímicos relataram que o material mais antigo encontrado na Terra até hoje são as partículas de carboneto de silício do meteorito Murchison, que foram determinadas como sendo 7 bilhões de anos, cerca de 2,5 bilhões de anos mais velhos do que a idade de 4,54 bilhões de anos da Terra e do Sistema Solar. [a] O estudo publicado observou que "as estimativas de vida útil da poeira dependem principalmente de modelos teóricos sofisticados. Esses modelos, no entanto, enfocam os pequenos grãos de poeira mais comuns e são baseados em suposições com grandes incertezas."[3]

HistóriaEditar

Em 28 de setembro de 1969, aproximadamente às 10:58, hora local, perto de Murchison, Vitoria, na Austrália, uma bola de fogo brilhante foi observada se separando em três fragmentos antes de desaparecer, deixando uma nuvem de fumaça. Cerca de 30 segundos depois, um tremor foi ouvido. Muitos fragmentos foram encontrados espalhados por uma área maior que 13 km2 (5.0 sq mi), com massa individual de até 7 kg (15 lb); um, pesando 680 g (1.5 lb), quebrou um telhado e caiu no feno. A massa total coletada do meteorito excede 100 kg (220 lb).[4]

Classificação e composiçãoEditar

O meteorito pertence ao grupo CM de condritos carbonáceos. Como a maioria dos condritos CM, Murchison é petrológico do tipo 2, o que significa que experimentou uma grande alteração por fluidos ricos em água em seu corpo original[5] antes de cair na Terra. Os condritos CM, juntamente com o grupo CI, são ricos em carbono e estão entre os meteoritos quimicamente mais primitivos.[6] Como outros condritos CM, Murchison contém abundantes inclusões ricas em cálcio-alumínio. Mais de 15 aminoácidos, alguns dos componentes básicos da vida, foram identificados durante vários estudos deste meteorito.[7]

Em janeiro de 2020, os astrônomos relataram que as partículas de carboneto de silício do meteorito Murchison foram determinadas como tendo 7 bilhões de anos, 2,5 bilhões de anos mais velhas do que os 4,54 bilhões de anos da Terra e do Sistema Solar, e o material mais antigo encontrado na Terra até hoje.[8][3]

Compostos orgânicosEditar

 
Fragmento do meteorito Murchison (à direita) e partículas individuais isoladas (mostrado no tubo de ensaio)

Murchison contém aminoácidos comuns, como glicina, alanina e ácido glutâmico, bem como outros incomuns, como isovalina e pseudoleucina.[9] Uma mistura complexa de alcanos também foi isolada, semelhante à encontrada no experimento Miller-Urey. A serina e a treonina, geralmente consideradas contaminantes terrestres, estavam visivelmente ausentes nas amostras. Uma família específica de aminoácidos chamada diaminoácidos foi identificada também no meteorito Murchison.[10]

O relatório inicial afirmava que os aminoácidos eram racêmicos e, portanto, formados de forma abiótica, porque os aminoácidos das proteínas terrestres são todos da configuração L. Mais tarde , descobriu-se que o aminoácido alanina, que também é um aminoácido proteico, tinha um excesso da configuração L,[11] que levou vários cientistas a suspeitar de contaminação terrestre de acordo com o argumento de que seria "incomum para um abiótico decomposição estereosseletiva ou síntese de aminoácidos para ocorrer com aminoácidos proteicos, mas não com aminoácidos não proteicos ".[12] Em 1997, excessos de L também foram encontrados em um aminoácido não proteico, a isovalina,[13] sugerindo uma fonte extraterrestre para assimetria molecular no Sistema Solar. Ao mesmo tempo, excessos L de alanina foram encontrados em Murchison, mas com enriquecimento no isótopo 15,[14] no entanto, o pareamento isotópico foi contestado posteriormente, em bases analíticas.[15] Em 2001, a lista de materiais orgânicos identificados no meteorito foi estendida aos polióis.[16]

Classe composta[17] Concentração ( ppm )
Aminoácidos 17-60
Hidrocarbonetos alifáticos > 35
Hidrocarbonetos aromáticos 3319
Fulerenos > 100
Ácidos carboxílicos > 300
Ácidos hidrocarboxílicos 15
Purinas e pirimidinas 1,3
Alcoóis 11
Ácidos sulfônicos 68
Ácidos fosfônicos 2
Total > 3911,3

O meteorito continha uma mistura de aminoácidos canhotos e destros; a maioria dos aminoácidos usados por organismos vivos são canhotos na quiralidade, e a maioria dos açúcares usados são destros. Uma equipe de químicos na Suécia demonstrou em 2005 que essa homoquiralidade poderia ter sido desencadeada ou catalisada, pela ação de um aminoácido canhoto como a prolina.[18]

Várias linhas de evidência indicam que as porções internas de fragmentos bem preservados de Murchison são intocadas. Um estudo de 2010 usando ferramentas analíticas de alta resolução, incluindo espectroscopia, identificou 14.000 compostos moleculares, incluindo 70 aminoácidos, em uma amostra do meteorito.[19][20] O escopo limitado da análise por espectrometria de massa fornece um potencial de 50.000 ou mais composições moleculares exclusivas, com a equipe estimando a possibilidade de milhões de compostos orgânicos distintos no meteorito.[21]

NucleobasesEditar

Compostos de purina e pirimidina medidos foram encontrados no meteorito Murchison. As razões de isótopos de carbono para uracila e xantina de δ 13 C = +44,5 e +37,7 , respectivamente, indicam uma origem não terrestre para esses compostos. Este espécime demonstra que muitos compostos orgânicos podem ter sido liberados pelos primeiros corpos do sistema solar e podem ter desempenhado um papel fundamental na origem da vida.[22]

Ver tambémEditar

Notas

  1. Isso faz das poeiras de estrela no meteorito Murchison, desde que eles originaram numa época antes do Sol ser formado.

Referências

  1. Botta, Oliver; Bada, Jeffrey L. (2002). «Extraterrestrial Organic Compounds in Meteorites». Surveys in Geophysics. 23 (5): 414. doi:10.1023/A:1020139302770 
  2. Meteoritical Bulletin Database: Murchison
  3. a b Heck, Philipp R.; Greer, Jennika; Kööp, Levke; Trappitsch, Reto; Gyngard, Frank; Busemann, Henner; Maden, Colin; Ávila, Janaína N.; Davis, Andrew M. (13 de janeiro de 2020). «Lifetimes of interstellar dust from cosmic ray exposure ages of presolar silicon carbide». Proceedings of the National Academy of Sciences. 117 (4): 1884–1889. Bibcode:2020PNAS..117.1884H. PMC 6995017 . PMID 31932423. doi:10.1073/pnas.1904573117 
  4. Pepper, F. When a space visitor came to country Victoria Arquivado em 2019-10-01 no Wayback Machine ABC News, 2 October 2019. Retrieved 2 October 2019.
  5. Airieau, S. A.; Farquhar, J.; Thiemens, M. H.; Leshin, L. A.; Bao, H.; Young, E. (2005). «Planetesimal sulfate and aqueous alteration in CM and CI carbonaceous chondrites». Geochimica et Cosmochimica Acta. 69 (16): 4167–4172. Bibcode:2005GeCoA..69.4167A. CiteSeerX 10.1.1.424.6561 . doi:10.1016/j.gca.2005.01.029 
  6. «Planetary Science Research Discoveries: Glossary». Consultado em 24 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2012 
  7. Wolman, Yecheskel; Haverland, William J.; Miller, Stanley L. (abril de 1972). «Nonprotein Amino Acids from Spark Discharges and Their Comparison with the Murchison Meteorite Amino Acids». Proceedings of the National Academy of Sciences. 69 (4): 809–811. Bibcode:1972PNAS...69..809W. PMC 426569 . PMID 16591973. doi:10.1073/pnas.69.4.809 
  8. Weisberger, Mindy (13 de janeiro de 2020). «7 Billion-Year-Old Stardust Is Oldest Material Found on Earth - Some of these ancient grains are billions of years older than our sun.». Live Science. Consultado em 13 de janeiro de 2020. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2020 
  9. Kvenvolden, Keith A.; Lawless, James; Pering, Katherine; Peterson, Etta; Flores, Jose; Ponnamperuma, Cyril; Kaplan, Isaac R.; Moore, Carleton (1970). «Evidence for extraterrestrial amino-acids and hydrocarbons in the Murchison meteorite». Nature. 228 (5275): 923–926. Bibcode:1970Natur.228..923K. PMID 5482102. doi:10.1038/228923a0 
  10. Meierhenrich, Uwe J.; Bredehöft, Jan Hendrik; Jessberger, Elmar K.; Thiemann, Wolfram H.-P. (2004). «Identification of diamino acids in the Murchison meteorite». PNAS. 101 (25): 9182–9186. Bibcode:2004PNAS..101.9182M. PMC 438950 . PMID 15194825. doi:10.1073/pnas.0403043101 
  11. Engel, Michael H.; Nagy, Bartholomew (29 de abril de 1982). «Distribution and enantiomeric composition of amino acids in the Murchison meteorite». Nature. 296 (5860): 837–840. Bibcode:1982Natur.296..837E. doi:10.1038/296837a0 
  12. Bada, Jeffrey L.; Cronin, John R.; Ho, Ming-Shan; Kvenvolden, Keith A.; Lawless, James G.; Miller, Stanley L.; Oro, J.; Steinberg, Spencer (10 de fevereiro de 1983). «On the reported optical activity of amino acids in the Murchison meteorite». Nature. 301 (5900): 494–496. Bibcode:1983Natur.301..494B. doi:10.1038/301494a0 
  13. Cronin, John R.; Pizzarello, S. (1997). «Enantiomeric excesses in meteoritic amino acids». Science. 275 (5302): 951–955. Bibcode:1997Sci...275..951C. PMID 9020072. doi:10.1126/science.275.5302.951 
  14. Engel, Michael H.; Macko, S. A. (1 de setembro de 1997). «Isotopic evidence for extraterrestrial non-racemic amino acids in the Murchison meteorite». Nature. 389 (6648): 265–268. Bibcode:1997Natur.389..265E. PMID 9305838. doi:10.1038/38460 
  15. Pizzarello, Sandra; Cronin, JR (1998). «Alanine enantiomers in the Murchison meteorite». Nature. 394 (6690): 236. Bibcode:1998Natur.394..236P. PMID 9685155. doi:10.1038/28306 
  16. Cooper, George; Kimmich, Novelle; Belisle, Warren; Sarinana, Josh; Brabham, Katrina; Garrel, Laurence (20 de dezembro de 2001). «Carbonaceous meteorites as a source of sugar-related organic compounds for the early Earth». Nature. 414 (6866): 879–883. Bibcode:2001Natur.414..879C. PMID 11780054. doi:10.1038/414879a. Consultado em 2 de julho de 2019. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2020 
  17. Machalek, Pavel (17 de fevereiro de 2007). «Organic Molecules in Comets and Meteorites and Life on Earth» (PDF). Johns Hopkins University. Department of Physics and Astronomy. Consultado em 7 de outubro de 2008. Cópia arquivada (PDF) em 17 de dezembro de 2008 
  18. Córdova, Armando; Engqvist, Magnus; Ibrahem, Ismail; Casas, Jesús; Sundén, Henrik (2005). «Plausible origins of homochirality in the amino acid catalyzed neogenesis of carbohydrates». Chem. Commun. (15): 2047–2049. PMID 15834501. doi:10.1039/b500589b 
  19. Walton, Doreen (15 de fevereiro de 2010). «Space rock contains organic molecular feast». BBC News. Consultado em 15 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2010 
  20. Schmitt-Kopplin, Philippe; Gabelica, Zelimir; Gougeon, Régis D.; Fekete, Agnes; Kanawati, Basem; Harir, Mourad; Gebefuegi, Istvan; Eckel, Gerhard; Hertkorn, Norbert (16 de fevereiro de 2010). «High molecular diversity of extraterrestrial organic matter in Murchison meteorite revealed 40 years after its fall» (PDF). PNAS. 107 (7): 2763–2768. Bibcode:2010PNAS..107.2763S. PMC 2840304 . PMID 20160129. doi:10.1073/pnas.0912157107. Consultado em 16 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 2 de dezembro de 2012 
  21. Matson, John (15 de fevereiro de 2010). «Meteorite That Fell in 1969 Still Revealing Secrets of the Early Solar System». Scientific American. Consultado em 15 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 19 de março de 2011 
  22. Martins, Zita; Botta, Oliver; Fogel, Marilyn L.; Sephton, Mark A.; Glavin, Daniel P.; Watson, Jonathan S.; Dworkin, Jason P.; Schwartz, Alan W.; Ehrenfreund, Pascale (20 de março de 2008). «Extraterrestrial nucleobases in the Murchison meteorite» (PDF). Earth and Planetary Science Letters. 270 (1–2): 130–136. Bibcode:2008E&PSL.270..130M. arXiv:0806.2286 . doi:10.1016/j.epsl.2008.03.026. Consultado em 7 de outubro de 2008. Cópia arquivada (PDF) em 10 de agosto de 2011 

Ligações externasEditar