Papa Bento XVI

265º papa da Igreja Católica
(Redirecionado de Bento XVI)

Bento XVI (em latim: Benedictus P.P. XVI), nascido Joseph Aloisius Ratzinger (Marktl am Inn, 16 de abril de 1927Vaticano, 31 de dezembro de 2022),[1] foi o Papa da Igreja Católica e Bispo de Roma de 19 de abril de 2005 a 28 de fevereiro de 2013, quando oficializou a sua abdicação. Posteriormente foi Papa Emérito e Romano Pontífice Emérito da Igreja Católica.[2][3] Desde sua renúncia era Bispo emérito da Diocese de Roma. Foi eleito, no conclave de 2005, o 265.º Papa, com a idade de 78 anos e três dias, sendo o sucessor de João Paulo II e sendo sucedido por Francisco.

Bento XVI
Papa da Igreja Católica
265.º Papa da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 19 de abril de 2005
Entronização 24 de abril de 2005
Fim do pontificado 28 de fevereiro de 2013
(7 anos) (Renúncia)
Predecessor João Paulo II
Sucessor Francisco
Ordenação e nomeação
Ordenação diaconal 29 de outubro de 1950
Freising
por Johannes Baptist Neuhäusler
Ordenação presbiteral 29 de junho de 1951
Catedral de Frisinga
por Michael Cardeal von Faulhaber
Nomeação episcopal 24 de março de 1977
Ordenação episcopal 28 de maio de 1977
Catedral de Munique
por Josef Stangl
Nomeado arcebispo 24 de março de 1977
Cardinalato
Criação 27 de junho de 1977
por Papa Paulo VI
Ordem Cardeal-presbítero (1977-1993)
Cardeal-bispo (1993-2005)
Título Santa Maria Consoladora em Tiburtino (1977-1993)
Velletri-Segni (1993-2005)
Óstia (2002-2005)
Brasão
Coat of arms of Joseph Ratzinger.svg
Papado
Brasão
Coat of Arms of Benedictus XVI.svg
Lema Cooperatores veritatis
(Cooperadores da Verdade)
Consistório Consistórios de Bento XVI
Dados pessoais
Nascimento Marktl am Inn, Baviera
16 de abril de 1927
Morte Mosteiro Mater Ecclesiae,
Cidade do Vaticano
31 de dezembro de 2022 (95 anos)
Nacionalidade alemão
Nome nascimento Joseph Aloisius Ratzinger
Progenitores Mãe: Maria Peintner (1884-1963)
Pai: Joseph Ratzinger (1877-1959)
Funções exercidas -Arcebispo de Munique e Frisinga (1977-1982)
-Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (1981-2005)
-Vice-decano do Colégio dos Cardeais (1998-2002)
-Decano do Colégio dos Cardeais (2002-2005)
Assinatura {{{assinatura_alt}}}
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

Dominava pelo menos seis idiomas, entre os quais alemão, italiano, francês, latim, inglês, castelhano e possuía conhecimentos de português, ademais lia grego antigo e hebraico.[4] Foi membro de várias academias científicas da Europa como a francesa Académie des sciences morales et politiques e recebeu oito doutorados honoríficos de diferentes universidades, entre elas da Universidade de Navarra, e foi também cidadão honorário das comunidades de Pentling (1987), Marktl (1997), Traunstein (2006) e Ratisbona (2006). Era pianista e tinha preferências por Mozart e Bach.[5] Foi o sexto e talvez o sétimo papa alemão desde Vítor II (segundo a procedência de Estêvão VIII, de quem não se sabe se nasceu em Roma ou na Alemanha). Em abril de 2005 foi incluído pela revista Time como sendo uma das cem pessoas mais influentes do mundo.[6]

O último papa com este nome fora Bento XV, que esteve no cargo de 1914 a 1922 e pontificou durante a Primeira Guerra Mundial. Ratzinger foi o primeiro Decano do Colégio Cardinalício eleito Papa desde Paulo IV, em 1555, o primeiro cardeal-bispo eleito Papa desde Pio VIII, em 1829, e o primeiro superior da Congregação para a Doutrina da Fé a alcançar o Pontificado, desde Paulo V, em 1605. Bento XVI foi o primeiro papa, desde João XXIII, a voltar a usar o camauro[7] e comumente utilizou múleos.[8] Também foi o primeiro pontífice a visitar um museu judaico.[9] Renunciou em 28 de fevereiro de 2013, justificando-se em sua declaração de renúncia que as suas forças, devido à idade avançada, já não lhe permitiam exercer adequadamente o pontificado.

O Papa Emérito Bento XVI morreu em 31 de dezembro de 2022, às 9h34m do horário local, após apresentar uma rápida deterioração de sua saúde em consequência da idade avançada, nos dias seguintes ao Natal. Sua morte foi confirmada pelo Secretário de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni.

BiografiaEditar

Infância e juventudeEditar

 
Casa onde Joseph Ratzinger nasceu em 1927, Marktl am Inn no sudeste da Baviera: Mauthaus

Joseph Ratzinger nasceu no dia 16 de abril de 1927 em Marktl am Inn, uma pequena vila na Baviera, às margens do rio Inn, na Alemanha, filho de Joseph (nascido em 6 de março de 1877, † 25 de agosto de 1959), um comissário de polícia (Gendarmeriekommissar) do Reich, um oficial da polícia rural oriundo da Baixa Baviera e adepto de uma corrente bávaro-austríaca de orientação católica.[10] Seu pai, era de religiosidade profunda e um decidido adversário do regime nacional-socialista, as suas ideias políticas firmes chegaram a trazer sérios perigos para a própria família.[10] Em 1941, um dos primos de Ratzinger, um menino de catorze anos de idade com síndrome de Down, foi morto pelo regime nazi em sua campanha eugênica.[11]

A mãe de Joseph Ratzinger, Maria Peintner (1884–1963), era de origem sul-tirolesa, uma região que hoje pertence à Itália, mas que à época de seu nascimento era parte do Império Austro-Húngaro. A senhora Ratzinger era conhecida por ser boa cozinheira, trabalhou em pequenos hotéis. O casamento dos pais de Joseph Ratzinger ocorreu em 1920, tendo os filhos Maria (1921–1991) e Georg (1924–2020).[12] Joseph nasceu num Sábado de Aleluia e foi batizado no dia seguinte, domingo de Páscoa. A família não era pobre no sentido literal do termo, mas os pais tiveram de fazer muitas renúncias para que os filhos pudessem estudar.[13] Em 1928 a família mudou-se para Tittmoning, na época um lugarejo de cinco mil habitantes, às margens do rio Salzach na fronteira austríaca.[14] Em 1932 a família mudara-se novamente, agora para Aschau, de novo às margens do Inn, um povoado próspero, já que em Tittmoning Ratzinger pai havia se mostrado demasiado contrário aos nazistas.[15][16] Aqueles assumiram o poder em 30 de janeiro de 1933, quando Hindenburg nomeou Adolf Hitler chanceler, nos quatro anos em que a família Ratzinger passou em Aschau o novo regime limitou-se a espionar e a ter sob controle os sacerdotes que se lhe mostravam hostis, Ratzinger pai não só não colaborou com o regime como ajudou e protegeu os sacerdotes que sabia estarem em perigo. Já em 1931 os bispos da Baviera haviam publicado uma instrução dirigida ao clero em que manifestavam a sua oposição às ideias nazistas.[17] A oposição entre a Igreja e o Reich estendia-se ao âmbito escolar: os bispos empreenderam uma dura luta em defesa da escola confessional católica e pela observância da Concordata.[10]

VocaçãoEditar

Em Aschau começam os primeiros vislumbres da vocação sacerdotal, o jovem Ratzinger se deixa tocar pelos atos litúrgicos do povoado os quais frequenta com piedade, entrementes o avanço do novo sistema político e, com ele, a oposição da Igreja. Em fevereiro de 1937 tem lugar a Kristallnacht em que as juventudes hitleristas apedrejam as vitrines das lojas dos judeus. Pouco tempo depois Pio XI promulga a Encíclica Mit brennender Sorge, em que condena as teorias nacional-socialistas. Neste ano seu pai, então sexagenário, aposentou-se e a família mudou-se para Traunstein.[18]

Nos anos de ginásio em Traunstein aprendera o latim que ainda era ensinado com rigor, o que muito lhe valeu como teólogo, pôde ler as fontes em latim e grego e, em Roma, durante o concílio, comenta, foi-lhe possível adaptar-se com rapidez ao latim dos teólogos que lá se falava, embora nunca tivesse ouvido palestras nessa língua. A formação cultural com base na antiguidade greco-latina propiciada naquele ambiente "criava uma atitude espiritual que se opunha às seduções da ideologia totalitária."[19]

Com o Anschluss e a fronteira da Áustria aberta a família pode ir com mais frequência a Salzburgo e em peregrinação a Maria Plain, ali puderam assistir a diversas apresentações musicais: "Foi ali que Mozart entrou até o fundo da minha alma. Não é um simples divertimento: a música de Mozart encerra todo o drama do ser humano", afirma.[20] Pela Páscoa de 1939 ingressa no seminário-menor em Traunstein, por indicação do pároco, para que pudesse iniciar de forma sistemática na vida eclesiástica.

A guerraEditar

Com guerra, o seminário foi requisitado como hospital militar e o diretor o transferiu para uns alojamentos vazios das Damas Inglesas de Sparz. A incorporação na Juventude Hitlerista das crianças alemãs tornou-se oficialmente obrigatória a partir de 1938 até o fim do Terceiro Reich em 1945. Até 1939 nenhum seminarista havia entrado na organização, mas o regime exigiu que a partir de março a afiliação fosse obrigatória. Até outubro a direção do seminário em que estava se negou a inscrever os seus alunos, mas logo não pôde mais impedir a sua inscrição na organização. Assim sucedeu também com Joseph Ratzinger, aos 14 anos.[21] Uma testemunha relata (segundo o Frankfurter Allgemeine Zeitung) que os seminaristas eram uma "provocação para os nazis: se lhes considerava suspeitos de estar contra o regime".[22] Em um documento do Ministério da Educação se lê que a incorporação compulsória à Juventude Hitlerista "não garantia que os seminaristas realmente se haviam incorporado à comunidade nacional-socialista".[23] Quando fez catorze anos em 1941, portanto, Joseph teve de se incorporar à Juventude Hitlerista[24] e, de acordo com o seu biógrafo John Allen, não era um membro entusiasta.[25] Recebeu gratuidade escolar por pertencer a esse grupo, mesmo não participando de seus encontros, graças à amizade com um professor de matemática filiado ao partido Nacional-Socialista, que lhe deu aulas no seminário. Por causa da mobilização provocada pela guerra os irmãos Ratzinger deixaram o seminário naquele ano de 1941 e retornaram à casa paterna.

Serviço militarEditar

Em 1943, com dezesseis anos, foi incorporado, pelo alistamento obrigatório, no Exército Alemão, numa divisão da Wehrmacht encarregada da bateria de defesa antiaérea da fábrica da BMW nos arredores de Munique. Mais tarde, esteve em Unterförhring e Gilching, ao norte do lago Ammer. Foi dispensado em 10 de setembro de 1944 do serviço na bateria antiaérea de Gilching e poucos dias depois foi enviado a um campo de trabalho em Burgenland, na fronteira da Áustria com a Hungria e a Checoslováquia para realizar trabalhos forçados, daí sendo enviado ao quartel de infantaria em Traustein, de onde desertou pouco tempo depois.[26]

Com a rendição alemã em 8 de maio de 1945 Ratzinger ficou preso no campo de concentração de prisioneiros das forças aliadas em Bad Aibling, com mais de quarenta mil prisioneiros. Foi libertado em 19 de junho, apenas dois meses depois de ter completado os dezoito anos, chegando em casa em Traunstein na noite da sexta-feira do Sagrado Coração.[27]

Vida religiosa e acadêmicaEditar

Com o irmão, Georg Ratzinger, Joseph entrou para um seminário católico. Em 29 de junho de 1951, foram ambos ordenados sacerdotes pelo Cardeal Faulhaber, Arcebispo de Munique.

A partir de 1952 iniciou a sua atividade de professor na Escola Superior de Filosofia e Teologia de Frisinga, lecionando teologia dogmática e fundamental. Em 1953, obteve o doutoramento em teologia com a tese "Povo e Casa de Deus na doutrina da Igreja de Santo Agostinho". Sob a orientação do professor de teologia fundamental Gottlieb Söhngen, obteve a habilitação para a docência apresentando para isto dissertação com título de "A teologia da história em São Boaventura"

Lecionou ainda em Bonn (1959–1963); em Münster (1963–1966) e em Tubinga (1966–1969) onde foi colega de Hans Küng e confirmou uma certa visão tradicionalista como oposição às tendências marxistas dos movimentos estudantis dos anos 1960. A partir de 1969, passou a ser catedrático de dogmática e história do dogma na Universidade de Ratisbona, onde chegou a ser Vice-Reitor.

No Segundo Concílio do Vaticano (1962 – 1965), Ratzinger assistiu como peritus (especialista em teologia) do Cardeal Joseph Frings de Colónia.

Fundou em 1972, junto com os teólogos Hans Urs von Balthasar (1905-1988) e Henri De Lubac (1896-1992), a revista Communio, para dar uma resposta positiva à crise teológica e cultural que despontou após o Segundo Concílio do Vaticano.[28]

DoutoradosEditar

 
O Cardeal Joseph Ratzinger

Ascensão a bispo e cardealEditar

 
O Palácio Holnstein, residência do Cardeal Ratzinger enquanto era Arcebispo de Munique e Frisinga
 
Brasão de Bento XVI quando arcebispo

Genealogia episcopal do Papa Bento XVI”

— * ... ?

Ratzinger foi nomeado Arcebispo de Munique e Frisinga em 25 de março de 1977, pelo Papa Paulo VI, e elevado a Cardeal no consistório de 27 de junho de 1977 com o título presbiteral de "Santa Maria Consoladora em Tiburtino".

Em 1981, foi apontado como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé pelo Papa João Paulo II, cargo que manteve até ao falecimento do seu predecessor. Foi designado cardeal-bispo da Sé Episcopal de Velletri-Segni em 1993, e tornou-se Decano do Colégio dos Cardeais em 2002, tornando-se o bispo titular de Ostia. Participou do Conclave de agosto de 1978 que elegeu o Papa João Paulo I e do conclave de outubro deste mesmo ano que resultou na eleição de João Paulo II.

Era um velho amigo de João Paulo II, compartilhava das posições ortodoxas do Papa e foi um dos mais influentes integrantes da Cúria Romana. A sua posição como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cargo que exerceu durante vinte e três anos, o colocava como um dos mais importantes defensores da ortodoxia católica. O ex-frade Leonardo Boff, brasileiro, um dos expoentes da Teologia da Libertação, teve voto de silêncio imposto por Ratzinger em 1985 devido às suas posições políticas marxistas.

No final de 2016, com a morte do cardeal Paulo Evaristo Arns, Ratzinger foi o último cardeal a vivo criado pelo Papa Paulo VI.

ConclavesEditar

EleiçãoEditar

Segundo o vaticanista Lucio Brunelli,[30] sem querer estabelecer uma verdade absoluta sobre o resultado final do conclave, fato que certamente esbarra no segredo imposto aos cardeais pela Constituição Apostólica Universi Dominici gregis, na primeira votação, de 18 de abril de 2005, ocorrida por volta das 18h00, Joseph Ratzinger obteve 47 votos, contra 10 votos de Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires e 9 votos para Carlo Maria Martini, arcebispo emérito de Milão. Na segunda votação no dia seguinte, ainda segundo Brunelli, Ratzinger teria tido aproximadamente 60 votos. Na terceira votação, na manhã de 19 de abril, Ratzinger obteve 72 votos, contra 40 de Jorge Mario Bergoglio. Na votação encerrada na tarde de 19 de abril, Joseph Ratzinger obteve 84 votos, contra 26 de Jorge Mario Bergoglio. Mas, Brunelli, como dito, em razão do segredo de ofício imposto aos cardeais sob pena de excomunhão, não tem nenhuma fonte fidedigna que ampare essas suas suposições.

Aos 78 anos, o Cardeal Joseph Ratzinger foi eleito papa pelo colégio de cardeais. O conclave findo em 19 de abril de 2005 foi um dos mais rápidos da história, tendo apenas quatro votações e duração de apenas 22 horas. No dia 24 de abril do mesmo ano tomou posse em cerimônia na Basílica de São Pedro em Roma.

A fumaça branca saiu da chaminé da Capela Sistina às 17h50 daquele 19 de Abril (hora do Vaticano). O nome do cardeal alemão foi anunciado cerca das 18h40 locais, da varanda da Basílica de São Pedro, onde o novo Papa surgiu minutos depois usando o solidéu branco, aclamado por milhares de pessoas que preenchiam a Praça de São Pedro, o coração do Vaticano.

O anúncio (Habemus Papam)Editar

Annuntio vobis gaudium magnum; habemus Papam: Anuncio-vos com grande alegria; já temos um Papa:
Eminentissimum ac Reverendissimum Dominum O Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor
Dominum Josephum, D. Joseph
Sanctæ Romanæ Ecclesiæ, Cardinalem Ratzinger Ratzinger, Cardeal da Santa Igreja Romana,
qui sibi nomen imposuit Benedicti Decimi Sexti. que adotou o nome de Bento XVI.

Primeira declaraçãoEditar

Em resposta a esse anúncio, sua primeira declaração ao público, depois de eleito Papa, segue:

"Queridos irmãos e irmãs:
Depois do grande Papa João Paulo II, os senhores cardeais elegeram a mim, um simples humilde trabalhador na vinha do Senhor. Consola-me o facto de que o Senhor sabe trabalhar e atuar com instrumentos insuficientes e, sobretudo, confio nas vossas orações. Na alegria do Senhor ressuscitado, confiados em sua ajuda permanente, sigamos adiante. O Senhor nos ajudará. Maria, sua santíssima Mãe, está do nosso lado. Obrigado."

O nome "Bento"Editar

 
Primeira bênção de Natal de Bento XVI, 25 de dezembro de 2005

A escolha do nome Bento (do latim Benedictus: bendito) é uma provável homenagem ao último papa que adoptou o nome Bento, que foi o italiano Giacomo della Chiesa, entre 1914 e 1922. Conhecido como o "Papa da paz", Bento XV tentou, sem sucesso, negociar a paz durante a Primeira Guerra Mundial. O seu pontificado foi marcado por uma reforma administrativa da igreja, possuindo um caráter de abertura e de diálogo. Além disso, Bento XVI sempre foi muito ligado espiritualmente ao mosteiro beneditino de Schotten, perto de Ratisbona, na Baviera.

Alguns analistas, como dom Antônio Celso de Queirós, vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), relacionaram a adoção do nome Bento com a atuação de São Bento de Núrsia (480-547), fundador da Ordem Beneditina e padroeiro da Europa, o que o próprio papa confirmou após a publicação das explicações sobre seu brasão. Após as invasões bárbaras, os mosteiros de São Bento foram responsáveis pela manutenção da cultura latina e grega e pela evangelização da Europa. A escolha do nome deste Santo representaria, portanto, que uma das prioridades do papado de Bento XVI será a "recristianização da Europa".

Brasão e lemaEditar

 Ver artigo principal: Brasão de Bento XVI
"O escudo adoptado pelo Papa Bento XVI tem uma composição muito simples: tem a forma de cálice, que é a mais usada na heráldica eclesiástica (outra forma é a cabeça de cavalo, que foi adotada por Paulo VI). No seu interior, variando a composição em relação ao escudo cardinalício, o escudo do Papa Bento XVI tornou-se: vermelho, com ornamentos dourados. De fato, o campo principal, que é vermelho, tem dois relevos laterais nos ângulos superiores em forma de "capa", que são de ouro. A "capa" é um símbolo de religião. Ela indica um ideal inspirado na espiritualidade monástica, e mais tipicamente na beneditina." (Da explicação do brasão pela Santa Sé)[31]
 
Visita ao campo de Auschwitz-Birkenau, acompanhado do presidente Lech Kaczyński da Polônia

Escolheu como lema episcopal: «Colaborador da verdade»; assim o explicou ele mesmo: «Parecia-me, por um lado, encontrar nele a ligação entre a tarefa anterior de professor e a minha nova missão; o que estava em jogo, e continua a estar – embora com modalidades diferentes –, é seguir a verdade, estar ao seu serviço. E, por outro, escolhi este lema porque, no mundo actual, omite-se quase totalmente o tema da verdade, parecendo algo demasiado grande para o homem; e, todavia, tudo se desmorona se falta a verdade».[32]

Expectativas para o pontificadoEditar

O grande mote de Joseph Cardeal Ratzinger, nos dias que antecederam o conclave, foi a questão do secularismo e do relativismo. Acreditava-se que o papa Bento XVI seria um grande defensor dos valores absolutos, da doutrina e do dogma da Igreja. "A pequena barca com o pensamento dos cristãos sofreu, não pouco, pela agitação das ondas, arrastada de um extremo ao outro: do marxismo ao liberalismo até a libertinagem, do coletivismo ao individualismo mais radical, do ateísmo a um vago misticismo, do agnosticismo ao sincretismo",[33] afirmou durante a missa de abertura do conclave que viria elegê-lo. Acreditava-se também, devido ao nome escolhido (São Bento é padroeiro da Europa), que Bento XVI voltar-se-ia para esse continente que, segundo ele, vem caindo no secularismo (abandono dos valores religiosos e redução de tudo ao espectro político de direita e esquerda).

Para Daniel Johnson, poder-se-ia esperar uma luta rigorosa contra a eugenia e a eutanásia, graças à convivência do papa com as mazelas do nazismo, mas que haveria uma abertura ao ecumenismo, principalmente em relação às igrejas ortodoxas e protestantes. Também dizia que o papa deveria entusiasmar os fiéis com suas interpretações da teologia, animando, por exemplo, os jovens com a Teologia do Corpo, que vê a sexualidade como uma emanação do amor divino.[34]

Pensamento teológicoEditar

 
Bento XVI numa audiência privada (20 de janeiro de 2006)

Considerando toda a sua obra literária, as suas atitudes como sacerdote e bispo ao longo da sua vida religiosa, e ainda do que se verifica dos anos passados à frente da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Ratzinger possui um pensamento católico ortodoxo que, para muitos de seus críticos, é tido como sendo conservador. Bento XVI adotou, no seu Pontificado, propostas semelhantes às do seu predecessor relativos à moral e ao dogma católico e reafirmado no seu magistério a doutrina do Catecismo da Igreja Católica.[35]

Na década de 1990, o então cardeal Ratzinger participou da elaboração de documento sobre a concepção humana como sendo o momento da animação. A partir da união do óvulo com o espermatozoide temos uma vida humana perante Deus. Assim, é impossível que a Santa Sé mude sua posição diante das pesquisas com células estaminais (células-tronco) embrionárias ou diante do aborto. Na verdade esperava-se que o Papa reafirmasse o Magistério constante da Igreja sobre estes e outros temas da atualidade relacionados com a Moral, a Ética e a Doutrina Social da Igreja, o que de fato ocorreu.

Em 2004, Ratzinger e seu conterrâneo, o filósofo Jürgen Habermas, debateram sobre as “bases morais pré-políticas de um Estado liberal”. O debate entre Habermas e Ratzinger recebeu grande cobertura acadêmica, e ficou conhecido como a interlocução entre os dois maiores intelectuais alemães, à época.[36][37]

Em 2011, Bento XVI respondendo a jornalistas fez referência aos graves problemas econômicos que a Europa atravessa, aproveitou para fazer uma defesa da ética na economia. Afirmou que o homem deve ser posto no centro das atenções econômicas: "A Europa tem a sua responsabilidade. A economia não pode ser só lucro, mas também solidariedade", disse.[38]

Durante a 'Jornada Mundial da Alimentação' de 2011, afirmou que "a libertação da submissão da fome é a primeira manifestação concreta do direito à vida", que, apesar de ter sido proclamada solenemente, "está muito longe de ser alcançada". O papa fez esta afirmação direcionada ao diplomata Jacques Diouf, diretor da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).[39]

Em janeiro de 2013 o papa Bento XVI publicou os seus escritos conciliares, rememorando o Concílio Vaticano II. A comunicação oficial foi feita no dia 28 pelo coordenador da obra: "Como sétimo volume da opera omnia (obras completas), foi publicada agora a coleta, numa síntese de tipo cronológico e organizado, dos escritos de Joseph Ratzinger sobre os ensinamentos do Concílio, que coincide com o cinquentenário do Vaticano II", afirmou D. Gerhard Ludwig Muller, Arcebispo e Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Segundo o Arcebispo, Bento XVI teve participação significativa na génese dos textos mais variados, primeiro ao lado do arcebispo de Colónia, cardeal Joseph Frings, e mais tarde como membro autónomo de diversas comissões do Concílio.[40][41] No dia 11 de Fevereiro de 2013, Bento XVI anunciou que renunciaria ao papado no dia 28 de Fevereiro de 2013.

PontificadoEditar

Relações com os meios de comunicaçãoEditar

Em diversas ocasiões o papa concedeu entrevistas à imprensa, além dos seus pronunciamentos habituais no Vaticano, semanalmente.

  • Durante o voo rumo ao México, em 23 de março de 2012, a bordo do avião, o Papa concedeu entrevista à imprensa,[42] na ocasião denunciou o que chamou de "as falsas promessas e mentiras do narcotráfico".[43]
  • Por ocasião de sua visita ao Líbano, durante o voo em direção a Beirute, em 15 de setembro de 2012, falou a mais de 50 jornalistas, dentre outros temas, sobre o fundamentalismo religioso.[44]
  • Em 15 de outubro de 2012, no final da apresentação do filme Bells of Europe,[45] apresentado aos padres sinodais, à pergunta sobre as razões da esperança que muitas vezes manifestou nutrir pela Europa, o Papa respondeu que ela se funda na fé em Cristo.[46]
  • O periódico britânico Financial Times na sua edição do dia 20 de dezembro de 2012 publicou artigo de Bento XVI por ocasião do Natal e da edição do livro sobre a infância de Jesus.[47][48]
  • Em 12 de dezembro de 2012, Papa Bento XVI, inaugurou sua conta na rede social de microblogues, o Twitter. Sua primeira mensagem a mais de 950 mil usuários foi reproduzida em sete idiomas (incluindo o português).[49][50][51] “Queridos amigos, eu estou muito feliz de entrar em contato com vocês pelo Twitter. Obrigada por sua generosa resposta. Eu vos abençoo de todo o meu coração”, diz a mensagem, postada dia 12 de dezembro de 2012.[52][53]

Críticas da imprensaEditar

 
O ex-presidente norte-americano George W. Bush e a ex-primeira-dama Laura Bush comemoram o 81.º aniversário do Papa, em Washington D.C.

Uma crítica feita pelos meios de comunicação à escolha de Joseph Ratzinger foi que o papado continuaria na Europa e mais uma vez a América Latina (região do mundo com mais católicos) continuaria sem ter nenhum papa. Outra foi sobre a postura pouco clara em relação aos crimes sexuais contra menores nos EUA[54] e a sua firme negação ao casamento civil entre pessoas do mesmo sexo em todo o mundo.

Ainda quanto aos crimes sexuais, houve um importante documentário feito pela rede BBC de televisão intitulado Sexo, Crimes e Vaticano, que acusa Bento XVI de liderar o "acobertamento de casos de pedofilia". A reportagem do programa examinou um documento secreto interno da igreja (Crimen Sollicitationis), que instrui bispos a lidar com acusações de abusos sexuais cometidos por padres nas suas paróquias.[54]

Bento XVI, como seus predecessores, era contrário à ordenação de mulheres e defendia a moralidade sexual. Para ele, "a única forma clinicamente segura de prevenir a SIDA (AIDS) é se comportar de acordo com a lei de Deus", condenando o uso de preservativos, no que foi criticado por muitas correntes da sociedade. No entanto, foi apoiado por vários movimentos da igreja, como o Caminho Neocatecumenal, a Renovação Carismática, os Focolares e a Comunhão e Libertação.[carece de fontes?]

Em setembro de 2006, Bento XVI provocou protestos no mundo muçulmano, devido a uma citação que fez na Universidade de Ratisbona (onde lecionou antes de ser nomeado cardeal) durante visita à Alemanha, em que fez referência à posição do imperador bizantino Manuel II Paleólogo sobre Maomé.[55]

Em agosto-setembro de 2007, em documento da Congregação para a Doutrina da Fé, reafirmou que a Igreja Católica é a "única verdadeira" e a "única que salva", o que provocou muitas críticas de igrejas protestantes.[56]

Por decreto de 21 de janeiro de 2009, o cardeal Giovanni Battista Re, Prefeito da Congregação para os Bispos, usando de faculdade concedida por Bento XVI, removeu a censura de excomunhão latae sententiae declarada por esta Congregação no dia 1 de julho de 1988 contra quatro bispos ordenados em 1988 pelo falecido e tradicionalista arcebispo Marcel Lefebvre, com o rito da "bula de Pio X", em desacordo com as regras estabelecidas pelo Concílio Vaticano II, ordenação considerada ilegítima pela Igreja Católica.[57]

A Secretaria de Estado do Vaticano esclareceu que "os quatro bispos, apesar de terem sido liberados da pena de excomunhão, continuam sem um função canônica na Igreja e não exercem licitamente nela qualquer ministério." e que este "foi um ato com que o Santo Padre respondia benignamente às reiteradas petições do Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, na esperança de que os beneficiados manifestassem sua total adesão e obediência ao magistério e disciplina da Igreja."[57]

Dentre os quatro reintegrados com o levantamento da excomunhão está o bispo Richard Williamson, religioso inglês, que dirige um seminário lefebvriano na Argentina e nega o Holocausto. O Vaticano tornou público que o bispo Williamson, para ser admitido nas funções episcopais na Igreja, terá de retratar-se de modo absoluto, inequívoco e público de sua postura sobre a Shoah, desconhecidas pelo Santo Padre no momento da remissão da excomunhão.[57][58][59]

Ataques de setores da sociedadeEditar

Desde o começo do pontificado, as ações e declarações de Bento XVI provocaram ataques de alguns setores da sociedade. Esses desentendimentos foram tema do livro Attacco a Ratzinger, escrito por dois vaticanistas italianos, Andrea Tornielli do Il Giornale e Paolo Rodari de Il Foglio. O livro, publicado por Piemme, na Itália, provocou um debate sobre o tratamento midiático que o papa estava recebendo.[60]

Os autores, sem a intenção de solucionar todos os questionamentos e problemas ocorridos, consideraram que o tumulto provocado pelos vários episódios não poderia ter sido apenas um problema de comunicação ou assessoria de imprensa, e que os ataques ao papa decorreriam de três frentes conhecidas:

  • "Lobbies e forças" de fora da Igreja com um interesse claro de desacreditar o Papa, tanto por motivos ideológicos quanto financeiros; este grupo estaria constituído por forças laicistas, grupos feministas e gays, laboratórios farmacêuticos que vendem produtos abortivos, advogados que pedem indenizações milionárias para casos de abusos, dentre outros.
  • Os críticos liberais de dentro da Igreja, que há muito tempo caricaturizaram Ratzinger como o "Panzerkardinal"; e que insistem em fazer uma leitura própria dos textos do Concílio Vaticano II.
  • Os assessores do Papa, que, às vezes, representam os seus próprios piores inimigos em relações públicas, é o fogo amigo de assessores imprudentes ou incompetentes.[61][62][63]

Atentados e incidentes de segurançaEditar

Em 2007, um alemão conseguiu saltar sobre uma barricada na Praça de São Pedro quando o veículo do papa estava a passar durante uma audiência geral.[64]

Durante a missa de Natal de 2009, uma mulher identificada como Susanna Maiolo, 25 anos ultrapassou as barreiras de segurança no início do corredor central da Basílica de São Pedro, em Roma e puxou o papa, que acabou por cair. Na confusão, o cardeal francês Roger Etchegaray, de 87 anos, acabou por levar uma queda e fraturou o fêmur.[65][66] A mulher, que foi diagnosticada como portadora de distúrbios mentais, já havia tentando o mesmo ato no Natal do ano anterior.[67]

ConsistóriosEditar

 Ver artigo principal: Consistórios de Bento XVI

No seu primeiro consistório, em 24 de março de 2006, Bento XVI criou quinze novos cardeais dos quais doze eleitores, ou seja, purpurados com menos de oitenta anos de idade e que têm direito a voto num futuro Conclave. Chamou a mídia à atenção para o fato de, entre os cardeais nomeados, ter sido elevado ao cardinalato o arcebispo de Hong Kong, Joseph Zen Ze-Kiun, forte opositor do regime comunista chinês.

No consistório do dia 24 de novembro de 2007, o papa criou 23 novos cardeais, dezoito dos quais com menos de oitenta anos e cinco com mais de oitenta anos, sendo dois destes sacerdotes, não bispos. Entre os cardeais criados estava o arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer.

No Consistório Ordinário Público do dia 20 de novembro de 2010, Bento XVI criou 24 novos cardeais, vinte dos quais com menos de oitenta anos e quatro com mais de oitenta anos. Entre os cardeais criados estava o arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis.

Já em 2012 o papa convocou dois consistórios. Um Consistório Ordinário Público, no qual sagrou 22 novos cardeais, dezoito votantes e quatro não-votantes, com mais de oitenta anos. Dentre os votantes, destacam-se um brasileiro, Dom João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica e um português, dom Manuel Monteiro de Castro, Penitenciário-Mor da Santa Sé. Num Segundo Consistório Ordinário Público de 2012, em 2012, o papa anunciou seria no dia 24 de novembro, com a criação de seis novos cardeais.

Ordenações episcopaisEditar

O Cardeal Joseph Ratzinger foi o principal sagrante dos seguintes arcebispos e bispos:

Antes do pontificadoEditar

Durante o pontificadoEditar

2007

Na Basílica de São Pedro, no dia 29 de setembro de 2007:

2009

Na Basílica de São Pedro, no dia 12 de setembro de 2009:

2011

Na Basílica de São Pedro, no dia 5 de fevereiro de 2011:

2012

Na Basílica de São Pedro, no dia 6 de janeiro de 2012:

  • Charles John Brown
  • Marek Solczynski
2013

Na Basílica de São Pedro, no dia 6 de janeiro de 2013:

ViagensEditar

 Ver artigo principal: Viagens apostólicas de Bento XVI
 
O Papa Bento XVI em frente à imagem de Frei Galvão durante sua visita de canonização do frade no Brasil

O Papa manteve um ritmo de viagens apostólicas surpreendente para a sua idade e, com isto, superou as expectativas do início de seu pontificado. Justamente por causa da sua idade e pelo seu estilo pessoal mais reservado e comedido quando comparado com seu antecessor João Paulo II os mass media consideravam que este seria um papa que ficaria mais restrito ao âmbito do Vaticano e da Cúria Romana o que acabou não se verificando.

Visita ao BrasilEditar

 Ver artigo principal: Visita de Bento XVI ao Brasil

A visita de Bento XVI ao Brasil começou em 9 de maio de 2007 e se encerrou no dia 13. Seu objetivo principal foi dar início à Quinta Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e Caribenho que ocorreu de 13 a 31 de maio de 2007, no Santuário de Aparecida no Vale do Paraíba, estado de São Paulo. Além disso, foi também nessa ocasião que se deu a canonização de Santo António de Sant´Anna Galvão, o Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro, em cerimônia realizada no dia 11 de maio de 2007, em São Paulo.

Visita a PortugalEditar

 
O Papa Bento XVI abençoa os fiéis durante a sua visita a Portugal
 Ver artigo principal: Visita de Bento XVI a Portugal

Bento XVI visitou Portugal para presidir às celebrações do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, entre os dias 12 e 13 de maio de 2010. O convite foi feito pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, pelo bispo de Leiria-Fátima, Dom António Marto, e pela Conferência Episcopal Portuguesa.[68][69] O Papa chegou a Lisboa no dia 11 de maio, onde foi recebido pelo Presidente da República, e celebrou uma missa no Terreiro do Paço. No dia 12 de maio partiu para Fátima, onde presidiu às celebrações em honra de Nossa Senhora de Fátima, com a celebração da homilia pelo Papa no dia 13. Já no dia 14, o Papa partiu para o Porto, onde presidiu a uma Santa Missa na Avenida dos Aliados, terminando assim a sua visita oficial. Ao longo da visita, o Santo Padre fez vários discursos, e encontrou-se com várias personalidades portuguesas e membros da Igreja.[70][71]

Abuso sexual na Igreja CatólicaEditar

Antes de 2001, a responsabilidade principal pela investigação de alegações de abuso sexual e pela disciplina dos perpetradores recaía sobre as dioceses individuais. Em 2001, Ratzinger convenceu João Paulo II — ele próprio alvo de acusações de encobrimento — a colocar a Congregação para a Doutrina da Fé a cargo de todas as investigações de abuso sexual.[72][73] Segundo John L. Allen Jr., Ratzinger nos anos seguintes "adquiriu uma familiaridade com os contornos do problema que praticamente nenhuma outra figura da Igreja Católica pode reivindicar. Impulsionado por esse encontro com aquilo a que mais tarde se referiria como "sujidade" na Igreja, Ratzinger parece ter passado por algo de "experiência de conversão" ao longo de 2003-04. A partir daí, ele e o seu pessoal pareceram impulsionados pelo zelo de um convertido em limpar a sujidade".[74]

O cardeal Vincent Nichols — também investigado por encobrimento de casos —[75][76] escreveu que, no seu papel de chefe da CDF, Ratzinger havia liderado importantes mudanças feitas no direito da Igreja: a inclusão na lei canónica de crimes contra crianças na internet, a extensão dos crimes de abuso de crianças para incluir o abuso sexual de todos os menores de dezoito anos, a renúncia caso a caso ao estatuto de limitação e o estabelecimento de uma demissão acelerada do estado clerical para os infratores".[77] De acordo com o bispo Charles Jude Scicluna, um antigo procurador que tratava de casos de abuso sexual, "o Cardeal Ratzinger demonstrou grande sabedoria e firmeza no tratamento desses casos, demonstrando também grande coragem ao enfrentar alguns dos casos mais difíceis e espinhosos, sem olhar a pessoas. Portanto, acusar o actual Pontífice de encobrimento é, repito, falso e calunioso."[78] Segundo o Cardeal Christoph Schönborn, Ratzinger "fez esforços absolutamente claros não para encobrir as coisas, mas para as enfrentar e investigar. Isto nem sempre foi aprovado no Vaticano".[72][79] Ratzinger tinha pressionado João Paulo II a investigar Hans Hermann Groër, um cardeal austríaco e amigo de João Paulo, acusado de abuso sexual, o que resultou na demissão de Groër.[80]

Documentos pontifíciosEditar

 Ver artigo principal: Documentos pontifícios de Bento XVI

Desde a sua posse, Bento XVI fez inúmeros pronunciamentos. Entre os principais documentos que publicou no exercício das funções de Sumo Pontífice, estão as encíclicas Deus Caritas Est, Spe salvi e Caritas in Veritate.

Em 5 de julho de 2013, já depois de sua renúncia, foi publicada a encíclica Lumen Fidei, assinada pelo seu sucessor, o Papa Francisco, mas que foi praticamente escrita só por Bento XVI. Segundo a análise do texto por estudiosos deste assunto, Francisco pode ter contribuído com pelo menos duas passagens na encíclica escritas na primeira pessoa, já que Ratzinger costumava escrever na terceira pessoa, e uma referência a São Francisco de Assis, santo que inspirou o Papa Francisco na escolha do nome papal. O documento foi publicado somente com a assinatura de Francisco.[81]

RenúnciaEditar

 Ver artigo principal: Renúncia do papa Bento XVI
 
Bento XVI em um papamóvel em sua última audiência geral de quarta-feira na Praça de São Pedro, 27 de fevereiro de 2013

Em 11 de fevereiro de 2013, o Vaticano confirmou que Bento XVI renunciaria ao papado em 28 de fevereiro de 2013, como resultado de sua idade avançada, tornando-se o primeiro papa a renunciar desde Gregório XII em 1415.[82] Aos 85 anos e 318 dias na data efetiva de sua aposentadoria, ele foi a quarta pessoa mais velha a ocupar o cargo de papa. A mudança foi inesperada,[83] já que todos os papas dos tempos modernos permaneceram no cargo até a morte. Bento foi o primeiro papa a renunciar sem pressão externa desde Celestino V em 1294.[84][85]

Em sua declaração de 10 de fevereiro de 2013, Bento renunciou ao cargo de "Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro".[86] Em uma declaração, ele citou sua força deteriorada e as exigências físicas e mentais do papado.[87] Dirigindo-se a seus cardeais em latim, fez uma breve declaração anunciando sua renúncia. Ele também declarou que continuaria a servir a igreja "através de uma vida dedicada à oração".[87]

De acordo com um comunicado do Vaticano, o momento da renúncia não foi causado por nenhuma doença específica, mas foi para "evitar aquela correria exaustiva dos compromissos da Páscoa".[88]

Na véspera do primeiro aniversário da renúncia de Bento XVI, ele escreveu ao La Stampa para negar as especulações de que teria sido forçado a renunciar. “Não há a menor dúvida sobre a validade de minha renúncia ao ministério petrino”, escreveu ele em carta ao jornal. "A única condição para a validade é a plena liberdade da decisão. A especulação sobre sua invalidade é simplesmente absurda", escreveu ele.[89] Em entrevista em 28 de fevereiro de 2021, Bento XVI repetiu novamente a legitimidade de sua renúncia.[90][91][92]

Quase um mês após sua morte foi divulgada uma carta que enviou a seu biógrafo, na qual alegava que renunciou ao pontificado em razão de uma insônia que o afetava havia anos.[93]

Papa emérito: 2013–2022Editar

 
Bento XVI com o Papa Francisco em julho de 2013

Na manhã de 28 de fevereiro de 2013, Bento se reuniu com todo o Colégio dos Cardeais e às 17h de Roma (3 horas antes da formalização da Renúncia) voou de helicóptero para a residência papal de verão de Castel Gandolfo. Ele ficou lá até que a reforma fosse concluída em sua casa de repouso, o Convento Mater Ecclesiae nos Jardins do Vaticano perto de São Pedro, antiga casa de doze freiras, para onde se mudou em 2 de maio de 2013.[94][95] Para protegê-lo, há uma cerca viva e uma cerca. Possui um jardim de mais de 2 mil metros quadrados com vista para o mosteiro e adjacente ao atual "jardim do Papa". A algumas dezenas de metros está o edifício da Rádio Vaticano.[96]

Após sua renúncia, Bento XVI manteve seu nome papal em vez de voltar ao seu nome de nascimento.[97] Ele continuou a usar a batina branca, mas sem a peregrineta ou a fáscia. Ele parou de usar sapatos papais vermelhos.[98][99] Ademais, devolveu seu Anel do Pescador oficial, que se tornou inutilizável ao fazer dois grandes cortes em sua face.[100]

De acordo com um porta-voz do Vaticano, Bento XVI passou seu primeiro dia como papa emérito com o arcebispo Georg Gänswein, prefeito da Casa Pontifícia.[101] No mosteiro, o papa emérito não viveu uma vida enclausurada, mas estudou e escreveu.[96] Ele se juntou a seu sucessor vários meses após sua eleição na inauguração de uma nova estátua de São Miguel Arcanjo. A inscrição na estátua, segundo o cardeal Giovanni Lajolo, tem o brasão dos dois papas para simbolizar o fato de que a estátua foi encomendada por Bento XVI e consagrada por Francisco..[102]

Em 2013, foi relatado que Bento XVI tinha vários problemas de saúde, incluindo pressão alta e caiu da cama mais de uma vez, mas o Vaticano negou quaisquer doenças específicas.[103]

 
Bento XVI em 2014, um ano após sua renúncia

Bento XVI fez sua primeira aparição pública após sua renúncia na Basílica de São Pedro em 22 de fevereiro de 2014 para participar do primeiro consistório papal de seu sucessor, Francisco. Bento XVI, que entrou na basílica por uma entrada discreta, estava sentado em fila com vários outros cardeais. Ele tirou seu solidéu quando Francisco desceu a nave da Basílica de São Pedro para cumprimentá-lo.[104]

Em agosto de 2014, Bento XVI celebrou a missa no Vaticano e se reuniu com seus ex-alunos de doutorado, uma tradição anual que mantinha desde a década de 1970.[105] Ele participou da beatificação do Papa Paulo VI em outubro de 2014.[106] Semanas antes disso, ele se juntou a Francisco na Praça de São Pedro para uma audiência com os avós para homenagear sua importância na sociedade.[107]

Bento XVI escreveu o texto de um discurso, proferido pelo arcebispo Georg Gänswein, por ocasião da dedicação da Aula Magna da Pontifícia Universidade Urbaniana ao Papa Emérito, "um gesto de gratidão pelo que ele fez pela Igreja como um conciliar especialista, com seu magistério como professor, como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e, finalmente, do Magistério”. A cerimônia aconteceu na terça-feira, 21 de outubro de 2014, durante a abertura do ano letivo.[108]

Bento XVI participou do consistório para novos cardeais em fevereiro de 2015, saudando Francisco no início da celebração.[109] No verão de 2015, Bento XVI passou duas semanas em Castel Gandolfo, a convite do Papa Francisco. Enquanto lá estava, participou de dois eventos públicos. Ele recebeu dois doutorados honorários concedidos a ele pelo Cardeal Stanisław Dziwisz, assessor de longa data do Papa João Paulo II, da Pontifícia Universidade João Paulo II e da Academia de Música de Cracóvia.[110] Em seu discurso de recepção, Bento prestou homenagem a seu predecessor, João Paulo II.[110]

A Biblioteca Romana Joseph Ratzinger-Bento XVI no Pontifício Colégio Teutônico foi anunciada em abril de 2015 e estava programada para ser aberta a estudiosos em novembro de 2015.[111] A seção da biblioteca dedicada à sua vida e pensamento está sendo catalogada. Inclui livros dele ou sobre ele e seus estudos, muitos doados pelo próprio Bento XVI.[112][113]

Bento XVI, em agosto de 2015, apresentou um cartão manuscrito para servir de testemunho à causa da canonização do Papa João Paulo I.[114][115]

Em março de 2016, Bento deu uma entrevista expressando suas opiniões sobre a misericórdia e endossando a ênfase de Francisco na misericórdia em sua prática pastoral.[116] Também naquele mês, um porta-voz do Vaticano afirmou que Bento XVI estava "lentamente, serenamente enfraquecendo" em sua saúde física, embora sua capacidade mental permanecesse "perfeitamente lúcida".[117]

O papa emérito foi homenageado pela Cúria Romana e por Francisco em 2016 em audiência especial, em homenagem ao 65º aniversário de sua ordenação sacerdotal. Em novembro daquele ano, ele não compareceu ao consistório para novos cardeais, mas se encontrou com eles e com Francisco em sua residência posteriormente.[118] Após a morte do cardeal Paulo Evaristo Arns em dezembro de 2016, Bento tornou-se a última pessoa viva nomeada cardeal pelo Papa Paulo VI.[119]

 
Bento XVI, em 10 de agosto de 2019

Em junho de 2017, Bento recebeu os novos cardeais em sua capela e falou com cada um deles em sua língua nativa.[120] Em julho de 2017, ele enviou uma mensagem por meio de seu secretário particular para o funeral do cardeal Joachim Meisner, que morreu repentinamente durante as férias na Alemanha.[121]

Em novembro de 2017, surgiram imagens na página do Facebook do bispo de Passau, Stefan Oster, de Bento com um olho roxo. O bispo e autor Peter Seewald visitou o ex-papa em 26 de outubro, já que a dupla estava presenteando Bento XVI com o novo livro Bento XVI - O Papa Alemão, criado pela diocese de Passau. O ex-papa sofreu o hematoma mais cedo depois de ter escorregado.[122]

No final de 2019, Bento XVI colaborou em um livro expressando que a Igreja Católica deve manter sua disciplina do celibato clerical, à luz do debate em andamento sobre o assunto, embora posteriormente tenha solicitado que seu nome fosse removido do livro como coautor.[123][124][125]

Em junho de 2020, Ratzinger viajou à Baviera, sua terra natal, para visitar o irmão Georg, que morreu no início do mês seguinte aos 96 anos. Depois de seu retorno ao Vaticano, seu biógrafo Peter Seewald revelou que o papa emérito estaria "gravemente doente" e que, aos 93 anos, estaria "bastante frágil e sua voz praticamente inaudível". Depois da renúncia em 2013, foi a primeira viagem de Ratzinger a outro país.[126]

Em 3 de agosto de 2020, seus assessores revelaram que ele tinha uma inflamação do nervo trigêmeo.[127] Em 2 de dezembro do mesmo ano, o cardeal maltês Mario Grech anunciou ao Vatican News que Bento XVI tinha dificuldade para falar e que havia dito aos novos cardeais após o consistório que "o Senhor tirou minha fala para me deixar apreciar o silêncio".[128]

Bento XVI se tornou o papa com idade mais avançada, em 4 de setembro de 2020, com 93 anos, quatro meses e 16 dias, ultrapassando a idade do Papa Leão XIII.[129][130] Em 29 de junho de 2021, celebrou o Jubileu de Platina (70º aniversário de sacerdócio).[131]

Após o consistório de 27 de agosto de 2022, Francisco e os cardeais recém-criados fizeram uma breve visita a Bento no mosteiro Mater Ecclesiae.[132]

MorteEditar

 Ver artigo principal: Morte e funeral de Bento XVI

Em 28 de dezembro de 2022, o papa Francisco disse ao final de sua audiência que Bento estava "muito doente" e pediu a Deus que "o confortasse e o apoiasse neste testemunho de amor à Igreja até o fim".[133] No mesmo dia, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, afirmou que "nas últimas horas houve um agravamento da saúde [de Bento] devido ao avanço da idade" e que Bento estava sob cuidados médicos. Ele também afirmou que após a audiência de Francisco, este foi para o mosteiro Mater Ecclesiae onde Bento estava.[134][135]

Faleceu em 31 de dezembro de 2022 no Vaticano, aos 95 anos de idade. "Com pesar, informo que o Papa Emérito, Bento XVI, faleceu hoje às 9h34 no Mosteiro Mater Ecclesiae. Mais informações serão fornecidas assim que possível", anunciou o Vaticano em um comunicado.[136] Segundo um enfermeiro de turno, Joseph Ratzinger proferiu suas últimas palavras em italiano: "Senhor, eu te amo."[137]

Em 2 de janeiro de 2023, seu corpo foi trasladado para Basílica de São Pedro.[136] O funeral foi realizado em 5 de janeiro, na Praça de São Pedro, às 9h30, conduzido pelo papa Francisco.[138]

ObraEditar

 Ver artigo principal: Bibliografia de Bento XVI

As publicações de Ratzinger alcançam os 600 títulos. Muitos são estudos de circulação restrita aos meios eclesiásticos. Várias de suas obras atingiram recordes de venda após a sua eleição como papa.[139][140]

HomenagensEditar

Em 27 de outubro de 2014, foi inaugurado um busto de bronze do Papa Bento XVI na Pontifícia Academia das Ciências de Roma. A solenidade foi presidida pelo Papa Francisco.[141]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Natália Faria (31 de dezembro de 2022). «Morreu Bento XVI, o guardião da fé». Público 
  2. Vaticano. «Benedictus XVI Joseph Ratzinger 19.IV.2005 - 28.II.2013». Consultado em 17 de junho de 2013 
  3. O Diccionario de los papas de César Vidal Manzanares (1997) lista o Papa João Paulo II (1978–2005) como o 265.º Papa, fazendo de Bento XVI o 266.º
  4. «A trajetória do Papa Bento XVI». G1. 28 de fevereiro de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  5. BBC News. «Pope Benedict's creature comforts». Consultado em 3 de março de 2008 
  6. Andrew Sullivan (18 de abril de 2005). «Joseph Cardinal Ratzinger» (em inglês). Time. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  7. «Papa Noel» (em inglês) 
  8. «Sapatos vermelhos». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  9. «Museu Judaico de Roma, primeiro a ser visitado por um Papa | ZENIT - …». archive.is. 3 de maio de 2013. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  10. a b c Blanco, Pablo. Joseph Ratzinger - uma biografia, pgs.21, 22.
  11. Allen, John (14 de outubro de 2005). «Anti-Nazi Prelate Beatified». The Word from Rome. National Catholic Reporter. Consultado em 15 de abril de 2008 
  12. «Morre irmão do Papa Emérito Bento XVI». G1.com. 1 de julho de 2020. Consultado em 6 de julho de 2020 
  13. O Sal da Terra, pg. 37.
  14. Ratzinger, Joseph. Lembranças da minha vida: autobiografia parcial, pg. 7 e sgts.
  15. Blanco, Pablo. Joseph Ratzinger - uma biografia, pg. 26.
  16. Ratzinger, Joseph. Lembranças da minha vida: autobiografia parcial, pgs. 15 e 16.
  17. Blanco, Pablo. Joseph Ratzinger - uma biografia, pg. 26, 27.
  18. O Sal da Terra, págs.36-37 e 41-42.
  19. Ratzinger, Joseph. Lembranças da minha vida: autobiografia parcial, pg. 25.
  20. O Sal da Terra, pg. 40
  21. Dados tomados do artigo "Zwangs-Hitlerjunge und Flakhelfer" na edição eletrônica de Handelblatt de 5 de setembro de 2006, que se pode consultar aqui Arquivado em 30 de setembro de 2007, no Wayback Machine.. Sobre a incorporação à Juventude Hitlerista se encontram informações interessantes em entrevista ao historiador Hans-Ulrich Wehler na Spiegel
  22. Veja-se artigo "Die Kruzifixe durften bleiben" no Frankfurter Allgemeine Zeitung de 3 de maio de 2005.
  23. A citação se encontra no artigo mencionado do Handelsblatt.
  24. The Third Reich in Power, Richard J Evans, 2005, pg 272
  25. «The New York Times = New Pope Defied Nazis As Teen During WWII». Consultado em 15 de novembro de 2008. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2008 
  26. Blanco, Pablo. Joseph Ratzinger - uma biografia, pgs.34.
  27. Blanco, Pablo. Joseph Ratzinger - uma biografia, pgs.35.
  28. Atualmente a revista Communio, que ainda conta com a colaboração de Bento XVI, é publicada nos seguintes países: Alemanha, Itália, França, Estados Unidos, Bélgica, Países Baixos, Polônia, Espanha, Brasil, República Tcheca, Portugal, Hungria, Argentina, Croácia e Eslovênia.
  29. [https://web.archive.org/web/20110606114435/http://mysite.verizon.net/res7gdmc/aposccs/id1.html Arquivado em 6 de junho de 2011, no Wayback Machine. Linhagem Episcopal (em inglês]
  30. Brunelli, Lucio, "Cosi eleggemmo Papa Ratzinger", Limes - Revista Italiana di Geopolítica nº4, 2005, p294.
  31. Da explicação do brasão pela Santa Sé
  32. «Biografia de Sua Santidade Bento XVI». Libreria Editrice Vaticana. 2005. Consultado em 7 jul. 2011 
  33. «Ratzinger denuncia "ditadura do relativismo" no início do conclave». Consultado em 24 de abril de 2005. Arquivado do original em 9 de maio de 2005 
  34. «Cópia arquivada». Consultado em 2 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 29 de junho de 2006 
  35. «Vaticano apresenta novo livro de catecismo para jovens em meio à polêmica». G1. 13 de abril de 2011. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  36. (Papst), Benedikt XVI; Habermas, Jürgen (28 de outubro de 2017). Dialectics of Secularization: On Reason and Religion. [S.l.]: Ignatius Press. ISBN 978-1-58617-166-7 – via Google Books 
  37. Ambrose Ih-Ren Mong. Dialogue Derailed: Joseph Ratzinger's War against Pluralist Theology. Wipf and Stock Publishers. p. 279
  38. «Bento XVI defende que o homem seja centro da economia». Jornal Nacional. 18 de agosto de 2011. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  39. «Papa Bento XVI diz que acabar com a fome é direito à vida». G1. 17 de outubro de 2011. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  40. Publicados escritos de Bento XVI sobre o Concílio Vaticano II Canção Nova. Vis. 23.jan.2013
  41. Reflexões sobre os escritos conciliares de Joseph Ratzinger por Arcebispo D. Gerhard Ludwig Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Sitio oficial da Santa Sé - Vis. 23.jan.2013
  42. «Papa Bento XVI chega ao México». G1. 23 de março de 2012. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  43. Entrevista concedida pelo Papa Bento XVI aos jornalistas durante a viagem para o Mèxico Sítio Oficial da Santa Sé - Vis. 22.jan.2013.
  44. O fundamentalismo é sempre uma falsificação da religião[ligação inativa] Zenit - Vis. 22.jan.2013.
  45. Bipos foram ao cinema News.Va - Vis. 22.jan.2013.
  46. Entrevista ao Santo Padre Bento XVI Sítio da Santa Sé - Vis.22.jan.2013.
  47. Artigo do Papa Bento XVI para o jornal inglês "Financial Times" Sítio da Santa Sé. Vis. 22.jan.2013.
  48. A mais inusitada mensagem do Papa para o Natal saiu no ‘Financial Times’ Praça de Sales. Sítio vis. 22.jan.2013.
  49. «Papa Bento XVI inaugura sua conta no Twitter». O Globo. 12 de dezembro de 2012. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  50. Redação O POVO Online (12 de dezembro de 2012). «Pelo Twitter, Papa Bento XVI abençoa a todos». O Povo. Consultado em 12 de dezembro de 2012 
  51. «Papa Bento XVI faz sua estreia no Twitter e posta três mensagens: 'Eu os abençoo com todo o meu coração'». Extra. 12 de dezembro de 2012. Consultado em 12 de dezembro de 2012 
  52. «Benedict XVI». Twitter. Consultado em 12 de dezembro de 2012 
  53. «Papa Bento 16 publica seu primeiro post no Twitter». Época Negócios. 12 de dezembro de 2012. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  54. a b «BBCBrasil.com | Reporter BBC | Papa liderou 'acobertamento de casos de pedofilia'». www.bbc.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  55. AFP (19 abr. 2010). «Pontificado de Bento XVI é marcado por controvérsias». Veja. Consultado em 7 jul. 2011. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2012 
  56. «Cópia arquivada». Consultado em 17 de setembro de 2007. Arquivado do original em 27 de setembro de 2007 
  57. a b c Vatican Information Service, 05.02.2009 - An XIX - Num. 24
  58. Negacionismo do holocausto é condenado por Bento XVI Arquivado em 23 de dezembro de 2008, no Wayback Machine. Visitado em 6.2 2009
  59. «Holocaust-denying bishop apologizes to pope - CNN.com». edition.cnn.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  60. «Il Floglio». Consultado em 13 de setembro de 2010. Arquivado do original em 11 de setembro de 2010 
  61. «Unisinos». Consultado em 13 de setembro de 2010. Arquivado do original em 11 de julho de 2011 
  62. «Los tres frentes de los ataques al Papa». Aceprensa (em espanhol). 7 de setembro de 2010. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  63. «I tre nemici del Papa. "Attacco a Ratzinger" di Paolo Rodari e Andrea Tornielli». www.cesnur.org. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  64. «Mulher que se atirou ao Papa é «instável»». IOL Diário. Consultado em 26 de Novembro de 2009 
  65. «Papa transmite mensagem de Natal no Vaticano». G1 Notícias. Consultado em 26 de Dezembro de 2009 
  66. «Bento XVI empurrado a caminho da Missa do Galo». Correio da Manhã. Consultado em 26 de Novembro de 2009 
  67. «Relembre as agressões recentes contra papas». Correio Braziliense. 25 de dezembro de 2009 
  68. Papa visita Portugal em Maio do próximo ano, RTP. Acessado em 24 de setembro de 2009.
  69. «Papa Bento XVI em Portugal - 11 a 14 de Maio de 2010». Consultado em 27 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2010 
  70. Santa Sé publica programa oficial da viagem do Papa a Portugal[ligação inativa], ZENIT. Acessado a 6 de abril de 2010.
  71. Viagem Apostólica a Portugal no 10º aniversário da beatificação de Jacinta e Francisco, pastorinhos de Fátima (11-14 de Maio de 2010), Site oficial do Vaticano.
  72. a b Pancevski, Bojan; Follain, John (4 de Abril de 2010). «Former pope John Paul II 'ignored abuse of 2,000 boys'». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460 
  73. Berry, Jason (6 de abril de 2010). «Money paved way for Maciel's influence in the Vatican». National Catholic Reporter (em inglês) 
  74. Allen Jr., John L. (17 de março de 2010). «Will Ratzinger's past trump Benedict's present?». National Catholic Reporter (em inglês) 
  75. Bowcott, Owen (e outro) (10 de novembro de 2020). «Child sexual abuse in Catholic church was 'swept under the carpet', inquiry finds». The Guardian (em inglês) 
  76. «Catholic Church abuse: Cardinal Vincent Nichols criticised over leadership». BBC. BBC News (em inglês). 10 de novembro de 2020 
  77. Nichols, Vincent (31 de maio de 2010). «The Church is not trying to cover anything up». The Times (Arq. em WayBack Machine) 
  78. «Promoter of Justice at Doctrine of Faith on Paedophilia». Catholic News (Arq. em WayBack Machine). 13 de Março de 2010 
  79. «Pope John Paul ignored abuse of 2,000 boys: Report - Times Of India». Times of India (Arq. em WayBack Machine). 4 de Abril de 2010 
  80. Owen, Richard (3 de Abril de 2010). «Vatican tries to shift blame for abuse on to John Paul». Independent.ie (em inglês) 
  81. «Bento XVI escreveu 1ª encíclica de Francisco». Estadão. 6 de julho de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  82. Messia, Hada (11 de fevereiro de 2013). «Pope Benedict to resign at the end of the month, Vatican says». CNN. Consultado em 11 de fevereiro de 2013 
  83. «Pope Benedict XVI in shock resignation». BBC. 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 11 de fevereiro de 2013 
  84. Guy Dinmore, Giulia Segreti and Ferdinando Giugliano (11 de fevereiro de 2013). «Pope Benedict XVI to step down». Financial Times. Consultado em 11 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2022. (pede subscrição (ajuda)) 
  85. Alpert, Emily (11 de fevereiro de 2013). «Scandal, speculation surround past popes who resigned». Los Angeles Times. Consultado em 1 de abril de 2019 
  86. «Declaration (resignation) of Benedict XVI». 10 de fevereiro de 2013. Consultado em 23 de junho de 2018 
  87. a b «Pope Benedict XVI announces his resignation at end of month». Vatican Radio. 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 11 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2013 
  88. «Pope Benedict XVI to Resign due to Parkinson's Disease». The Descrier. 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 11 de fevereiro de 2013 
  89. «Benedict dismisses speculation about his resignation». Europe News.Net. 26 de fevereiro de 2014. Consultado em 27 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2014 
  90. «Pope Benedict XVI defends resignation to 'fanatic' doubters». AP NEWS (em inglês). 20 de abril de 2021. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  91. «Pope Emeritus Benedict XVI: 'There are not two Popes' – Vatican News». vaticannews.va (em inglês). 1 de março de 2021. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  92. «Pope Benedict's 'Conscience Is Clear' Regarding His 2013 Resignation». NCR (em inglês). Consultado em 6 de agosto de 2021 
  93. «Papa Bento XVI renunciou por causa de uma insônia de 8 anos». G1. Consultado em 31 de janeiro de 2023 
  94. «Dopo le dimissioni il Papa si ritirerà presso il monastero Mater Ecclesiae fondato nel '94 per volontà di Wojtyla» (em italiano). Il Messagero. 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2013 
  95. elmundo.es (11 de fevereiro de 2013). «El Papa renuncia por 'falta de fuerzas'». 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 11 de fevereiro de 2013 
  96. a b Francesco Oggiano (11 de fevereiro de 2013). «Il Papa? Andrà nel monastero fatto costruire da Giovanni Paolo II» (em italiano). Vanity Fair. Consultado em 14 de fevereiro de 2013 
  97. «Benedict XVI will be 'Pope emeritus'». The Vatican Today. Consultado em 28 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 1 de março de 2013. Benedict XVI will be "Pontiff emeritus" or "Pope emeritus", as Fr. Federico Lombardi, S.J., director of the Holy See Press Office, reported in a press conference on the final days of the current pontificate. He will keep the name of "His Holiness, Benedict XVI" and will dress in a simple white cassock without the mozzetta (elbow-length cape). 
  98. Vatican Press Office: Father Federico Lombardi – https://www.youtube.com/watch?v=a9S-O104E4o
  99. «Nun describes simplicity of Pope's retirement monastery». Catholic News Agency. Consultado em 17 de fevereiro de 2013 
  100. «CNS STORY: Ring of retired Pope Benedict no longer can be used as seal». Catholicnews.com. Consultado em 19 de agosto de 2013. Arquivado do original em 12 de março de 2013 
  101. «David Uebbing, "Benedict XVI's first night as Pope emeritus" Catholic News Agency, March 1, 2013». Catholicnewsagency.com. 1 de março de 2013. Consultado em 23 de junho de 2013 
  102. «Pope Francis consecrates Vatican City with Benedict XVI by his side». Catholic Herald. 9 de julho de 2013. Consultado em 22 de abril de 2017. Arquivado do original em 22 de abril de 2017 
  103. «Vatican Denies Rumours That Pope Emeritus Benedict XVI Is in Serious Ill Health». Huffingtonpost.co.uk. 12 de abril de 2013. Consultado em 23 de junho de 2013 
  104. Tornielli, Andrea (24 de fevereiro de 2014). «The "hidden" Pope's first step towards normality». Vatican Insider. Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 20 de junho de 2014 
  105. «CNS STORY: Retired Pope Benedict XVI celebrates Mass with former doctoral students». Consultado em 30 de agosto de 2014. Arquivado do original em 3 de setembro de 2014 
  106. «News from the Vatican – News about the Church – Vatican News». www.vaticannews.va 
  107. «Pope hails Benedict, other elderly at Vatican fest». Fox News. 28 de setembro de 2014. Consultado em 22 de abril de 2017 
  108. «Benedict XVI: Truth is Not Given Up in the Name of a Desire for Peace» (em inglês). Zenit. 23 de outubro de 2014. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  109. «Benedict XVI attends Consistory in St. Peter's Basilica». Rome Reports. 14 de fevereiro de 2015. Consultado em 22 de abril de 2017 
  110. a b Harris, Elise (4 de julho de 2015). «Receiving awards, Benedict XVI credits witness of John Paul II». Catholic News Agency. Consultado em 26 de setembro de 2015 
  111. «Benedict XVI celebrates Mass with former students». Catholic Herald. 1 de setembro de 2015. Consultado em 26 de setembro de 2015. Arquivado do original em 27 de setembro de 2015 
  112. Holdren, Alan (16 de junho de 2015). «Benedict XVI's summer plans – rare public events and a visit to Castel Gandolfo». Catholic News Agency 
  113. Harris, Elise (30 de junho de 2015). «Francis wishes Benedict XVI a good summer in Castel Gandolfo». Catholic News Agency 
  114. Giansoldati, Franca (27 de agosto de 2015). «Rome: Pope Luciani soon beatified, also Ratzinger has testified in his favor, but he lacks miracles». Messagiero 
  115. «Benedetto XVI testimone per la beatificazione di Albino Luciani» [Benedict XVI to witness the beatification of Albino Luciani]. Telebelluno (em italiano). 26 de agosto de 2015 
  116. «Letter No. 16, 2016: Emeritus Pope Benedict Grants an Interview – Inside The Vatican». 17 de março de 2016 
  117. Arocho Esteves, Junno (25 de março de 2016). «Benedict XVI is frail but 'perfectly lucid', says Vatican spokesman». Catholic Herald. Consultado em 26 de março de 2016. Arquivado do original em 28 de março de 2016 
  118. «Pope, new Cardinals visit Pope-Emeritus Benedict XVI». Vatican Radio. 19 de novembro de 2016. Consultado em 22 de abril de 2017 
  119. «Last cardinal named by Paul VI, Brazil's Paulo Evaristo Arns, dies at age 95». romereports.co. Rome Reports. Consultado em 23 de agosto de 2021 
  120. «Benedict XVI receives the new cardinals, and speaks with them in various languages». romereports.com 
  121. «Benedict XVI: Cardinal Meisner was a 'passionate shepherd' who found it 'difficult to leave his post'». Catholic Herald. 16 de julho de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2017. Arquivado do original em 26 de setembro de 2017 
  122. Andrea Tornielli (27 de outubro de 2017). «The photo with Ratzinger's "black eye"». La Stampa. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  123. Neuman, Scott (13 de janeiro de 2020). «In New Book, Retired Pope Benedict Breaks Silence To Speak Out On Priestly Celibacy». npr.org. National Public Radio (NPR). Consultado em 26 de janeiro de 2020 
  124. Service, Cindy Wooden, Catholic News. «Publisher won't remove Benedict XVI as co-author of book on priestly celibacy». catholicregister.org (em inglês). Consultado em 6 de agosto de 2021 
  125. «Request made to remove Benedict's name from controversial book – Gänswein – English». ANSA.it (em inglês). 14 de janeiro de 2020. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  126. «Ex-papa Bento XVI está gravemente doente, diz jornal». Agência Brasil. 4 de agosto de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2020 
  127. Elise Ann Allen (4 de agosto de 2020). «Vatican Confirms Pope Benedict Is Ill, But Says Condition 'Not Serious'». The Tablet. Consultado em 25 de dezembro de 2020 
  128. «Benedict XVI 'having trouble speaking' – new cardinal». ANSA. 2 de dezembro de 2020. Consultado em 25 de dezembro de 2020 
  129. Hattrup, Kathleen N. (4 de setembro de 2020). «Benedict XVI passes Leo XIII in age». aleteia.org. Aleteia. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  130. «Benedict XVI becomes oldest pope in history». France 24. 4 de setembro de 2020. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  131. Allen, Elise Ann. «Benedict XVI to mark 70 years as priest with brother's choir». cruxnow.com. Crux Catholic Media Inc. Consultado em 25 de julho de 2021 
  132. «Pope Francis and new cardinals visit Benedict XVI». Vatican News. 27 de agosto de 2022 
  133. «Pope Emeritus Benedict XVI 'very sick', says Pope Francis». the Guardian (em inglês). 28 de dezembro de 2022. Consultado em 28 de dezembro de 2022 
  134. Brockhaus, Hannah (28 de dezembro de 2022). «Vatican: Benedict XVI under medical care as health takes sudden turn». Catholic News Agency (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2022 
  135. «Pope Francis asks for prayers for Benedict XVI». Vatican News (em inglês). 28 de dezembro de 2022. Consultado em 28 de dezembro de 2022 
  136. a b «Farewell to Benedict XVI: 'Humble worker in vineyard of the Lord' - Vatican News». www.vaticannews.va (em inglês). 31 de dezembro de 2022. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  137. Vatican News. «"Senhor, eu te amo!": as últimas palavras de Bento XVI». Vatican News. Consultado em 1 de janeiro de 2023 
  138. «Pope Benedict latest: PM Sunak leads tributes to 'great theologian' former pontiff». sky news (em inglês). 31 de dezembro de 2022. Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  139. «Livros de Ratzinger vendem mais que saga inédita de Harry Potter». Terra. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  140. «Terra | Buscador». Terra. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  141. Sessão Plenária da Pontifícia Academia de Ciências e inauguração de um busto de bronze em homenagem ao Papa Bento XVI (27 de outubro de 2014)

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons
  Notícias no Wikinotícias


Precedido por
Julius August Döpfner
 
Arcebispo de Munique e Frisinga

1977 — 1982
Sucedido por
Friedrich Wetter
Precedido por
Jérôme Louis Rakotomalala
 
Cardeal-presbítero de
Santa Maria Consoladora em Tiburtino

1977 — 1993
Sucedido por
Ricard Maria Carles i Gordó
Precedido por
Franjo Šeper
 
Prefeito da Congregação para a
Doutrina da Fé

1981 — 2005
Sucedido por
William Joseph Levada
Precedido por
Sebastiano Baggio
 
Cardeal-bispo de Velletri-Segni

1993 — 2005
Sucedido por
Francis Arinze
Precedido por:
Agostino Casaroli
 
Vice-Decano do Colégio dos Cardeais

1998 — 2002
Sucedido por:
Angelo Sodano
Precedido por:
Bernardin Gantin
Cardeal-bispo de Óstia-Velletri
Decano do Colégio dos Cardeais

2002 — 2005