Abrir menu principal

Wikipédia β

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Noruz
Frühling blühender Kirschenbaum.jpg
Nome oficial Noruz
Outro(s) nome(s) Norouz, Norooz, Narooz, Nawruz, Newroz, Newruz, Naw-Rúz, Nowroj, Navroj, Neyruz, Наврӯз, Navruz, Navrez, Nooruz, Nauryz, Nevruz, Nowrouz.
Seguido por
Irã Irã
Afeganistão Afeganistão
Flag of Kurdistan.svg Curdistão iraquiano

Uzbequistão Uzbequistão
Turquemenistão Turcomenistão
Cazaquistão Cazaquistão
Quirguistão Quirguistão
Tajiquistão Tajiquistão
Azerbaijão Azerbaijão
Grupos étnicos e religiosos dispersos: Zoroastrianos, Bahá'ís. Também seguido na Albânia, Armênia, Azerbaijão, Bósnia e Herzegovina, Cáucaso, Crimeia, Geórgia, Índia, Iraque, Caxemira, Cazaquistão, Kosovo, Macedônia, Paquistão, Sérvia, Síria, Uzbequistão

Tipo Internacional
Início Equinócio de março
Obs. - Algumas comunidades celebram em uma data fixa: 20, 21 ou 22 de março. Os pandits da Caxemira celebram o Noruz em uma data entre meados de março e meados de abril, conforme o calendário lunar hindu.
Observações Ano-novo persa.

Noruz (em pársi نوروز; também transliterado como Nowroz, Noe - Rooz, Norooz, Novruz, Noh Ruz, Nav-roze, Navroz ou Náw-Rúz; em português: 'Dia Novo') é uma festa tradicional da Ásia Central que celebra o Ano Novo do calendário persa - marcando a renovação da natureza (primeiro dia da primavera). O Noruz é geralmente comemorado no dia 21 de março, mas pode acontecer no dia 20, 21 ou 22 de março, a depender do momento (dia e hora exata) em que ocorra o equinócio de primavera.

A celebração do Noruz ocorre há pelo menos 3.000 anos e está profundamente enraizado nos rituais e nas tradições do Zoroastrismo. Atualmente, acontece em muitos países que foram parte dos antigos impérios iranianos ou sofreram sua influência. Fora do Irã, é comemorada no Curdistão (onde é chamada Newroz), no Afeganistão, na Albânia, nas antigas repúblicas soviéticas do Tadjiquistão, Uzbequistão, Azerbaidjão, Cazaquistão, Quirguistão, na antiga República Iugoslava da Macedônia, na Turquia e no Turcomenistão) e também por várias comunidades de origem iraniana, em todo o Oriente Médio. Além disso, o Noruz também é comemorado pelos parses zoroastrianos, na Índia.

A saudação usual é Noruz Mubarak ('Feliz ano-novo'). Na Turquia, diz-se Nevruz mübarek olsun ('Tenha um ano-novo abençoado', em turco) ou Cejna we pîroz be (em curdo).

O dia 21 de março foi proclamado Dia Internacional do Noruz pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em sua resolução A/RES/64/253 de 2010,[1] por iniciativa de vários países que compartilham este feriado, e foi inscrito, em 2009, na Relação Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, como uma tradição cultural observada por numerosos povos e que promove valores de paz e solidariedade entre gerações e dentro das famílias, bem como a reconciliação, a aproximação e a amizade entre diferentes povos. [2]

Índice

Noruz e o equinócio de marçoEditar

 Ver artigo principal: Equinócio
 
Iluminação da Terra pelo Sol, no dia do equinócio.

O primeiro dia do calendário iraniano cai no equinócio de março, que corresponde ao primeiro dia da primavera no Hemisfério Norte. Durante o equinócio, o sol incide diretamente sobre o equador.

No século XIII foram feitas importantes reformas nos calendários iranianos com o propósito de fixar o início do ano calendário, i.e. Noruz, no equinócio vernal. Segundo a definição de Noruz dada pelo cientista iraniano Ṭūsī "o primeiro dia do ano-novo oficial [Noruz] era sempre o dia em que o sol entrava em Áries antes do meio-dia".[3]

EtimologiaEditar

A palavra Noruz é formada pelos vocábulos persas nov (também transliterada como nou, now, nev, etc.), que significa 'novo' (também nos idiomas curdo, avéstico, sânscrito e várias outras línguas indo-européias) e roz ou ruz ou, ainda, rozh, proveniente do avéstico rəzaŋh, que significa 'dia' ou 'luz do dia' e que, em persa médio e em pársi, manteve o mesmo significado. Em curdo, o termo apresenta variações dialetais ou de transliteração, tais como Newroz, Nûroj ou Neweroc.

HistóriaEditar

As mais antigas referências ao Noruz remontam à época parto-arsácida (247 a.C. - 224 d.C.). Há referências específicas à celebração durante o reino de Vologases I (51-78). Mas há razões para acreditar que a celebração seja bem mais antiga e que já fosse um dia importante durante a dinastia Aquemênida (c. 648 a.C. - 330 a.C.). É possível que o célebre complexo palaciano de Persépolis (ou pelo menos algumas das suas edificações, como a Apadana e o "Palácio das Cem Colunas") tenha sido construído para ser utilizado nas celebrações de Noruz. Entretanto não há referência ao termo nas inscrições aquemênidas.

Detalhes substanciais sobre a celebração aparecem desde o reinado de Artaxes I, fundador da dinastia Sassânida (224 - 650). Sob os reis sassânidas, o Noruz era o dia mais importante do ano. A maior parte das tradições reais de Noruz - como as audiências públicas do rei, os presentes e o perdão aos prisioneiros - foi estabelecida durante o período sassânida e chegou até a nossa época.

Assim como a tradição do Sadeh (celebrado no meio do inverno), o Noruz sobreviveu no Irã após a introdução do Islamismo, em 650. Há indicações de que os quatro grandes califas presidiram festividades do Noruz, e que o dia era feriado no período abássida. Outras celebrações, como os Gahambars e Mehragan, foram abandonadas ou mantidas apenas pelos zoroastrianos, que as levaram até a Índia.

Após a queda do califado e a restauração das dinastias iranianas, como a dos Samânidas e a dos Buídas, o Noruz foi elevado a um nível ainda mais importante. Os Buídas fizeram reviver as antigas tradições da época Sassânida e outras celebrações menores, que haviam sido eliminadas pelo califado.

Chāhār Shanbe Sûri چهارشنبه‌سوریEditar

 
Curdos durante o Chāhār Shanbe Sûri em Istambul.

Na última quarta-feira do ano, os iranianos celebram o Chāhār Shanbe Sûri, momento em que todos saem à rua, fazem fogueiras e saltam, gritando Zardie man az tou Sorkhie tou az man, que significa "eu lhe dou a minha minha cor amarela (doença) e você (o fogo) me dá a sua cor vermelha (saúde)."

Oferecer doces conhecidos como Ajile Moshkel Gosha é o modo de agradecer pela saúde e felicidade do ano anterior. Há várias outras tradições ligadas a essa noite, como os rituais de Kûzeh Shekastan, durante os quais se quebram jarras que simbolicamente conteriam toda a má sorte. Pratica-se também a Fal-Gûsh ou a arte da adivinhação, escutando as conversas dos passantes na rua, e o ritual de Gereh-gosha-î, que consiste em dar um nó em um lenço e pedir à primeira pessoa que passar, que o desfaça, a fim de afastar toda a má sorte.

Haft SînEditar

 
Haftsin, os objetos simbólicos do Noruz.

Haft sîn (em pársi: هفت سین) ou "sete sîn" é uma tradição ligada ao Noruz. No ano-novo, sete itens, cujos nomes comecem com a letra sîn (س no alfabeto perso-árabe), devem ser dispostos sobre uma mesa ou sobre tapetes, em um espaço reservado para receber convidados. Originalmente chamada haft chin (هفت چین), a tradição evoluiu mas manteve seu simbolismo, e as famílias procuram arrumar os objetos do modo mais decorativo possível. Segundo a tradição, os sete objetos são:

  • sabzeh (سبزه) - brotos de trigo, cevada ou lentilha germinando em um prato ou vaso, como símbolo do renascimento.
  • samanu (سمنو) - um doce feito de germe de trigo, simbolizando a afluência.
  • senjed (سنجد) - o fruto seco da oliveira do paraíso (Eleagnus angustifolia), que simboliza o amor
  • sîr (سیر) - alho, simbolizando remédio ou cura
  • sîb (سیب) - maçãs, símbolo de beleza e saúde
  • somaq (سماق) - especiaria extraída dos frutos secos da Rhus coriaria, que simboliza o nascer do sol
  • serkeh (سرکه) - vinagre - simbolizando longevidade e paciência

Eventualmente, alguns elementos tradicionais podem ser substituídos por outros, cujo nome também comece com a letra sîn.

A comida do NoruzEditar

  • Sabzi polo Mahi: arroz com ervas (cebolinha, salsa, endro, coentro e feno-grego), servido com peixe.
  • Reshteh Polo: arroz cozido com aletria, que, segundo a tradição, ajuda a ter sucesso na vida.
  • Dolma Barg: prato tradicional da cozinha azeri, preparada antes da chegada do ano-novo. É feito de vegetais, carne e arroz previamente cozidos e depois envolvidos em folha de videira, sendo então cozidos novamente. Diz-se que ajuda a concretizar os desejos.
  • Shakarbura: pasteis recheados de um doce de nozes e assados no forno, também típicos da culinária do Azerbaijão.
  • Kuku sabzi: omelete com ervas (salsa, endro, coentro, espinafre, cebolinha) e nozes, servida no jantar de Ano Novo.

Referências

  1. DAG Repository. United Nations Official Documents. General Assembly. International Day of Nowruz : resolution adopted by the General Assembly
  2. United Nations. Nowruz Day - 21 March
  3. R. Abdollahy, Calendars ii. Islamic period, in Encyclopaedia Iranica, Vol. 4, London-Newyork, 1990.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar