Abrir menu principal

Pauini é um município brasileiro do interior do estado do Amazonas, Região Norte do país. Está localizado na mesorregião do Sul Amazonense e na microrregião de Boca do Acre. Sua população é de 19 426 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019.

Município de Pauini
"Princesinha do Purus"
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação 19 de março de 1956 (63 anos)
Gentílico pauiniense
Prefeito(a) Eliana Oliveira Amorim (MDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Pauini
Localização de Pauini no Amazonas
Pauini está localizado em: Brasil
Pauini
Localização de Pauini no Brasil
07° 42' 50" S 66° 58' 33" O07° 42' 50" S 66° 58' 33" O
Unidade federativa Amazonas
Mesorregião Sul Amazonense IBGE/2008[1]
Microrregião Boca do Acre IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Boca do Acre, Envira, Lábrea, Itamarati
Distância até a capital 1 054 km
Características geográficas
Área 41 610 058 km² (BR: 21º)[2]
População 19 426 hab. (AM: 39º) –  estimativa populacional - IBGE/2019[3]
Densidade 0 44 hab,/km²
Altitude 100 m
Clima equatorial Af
Fuso horário UTC-5
Indicadores
IDH-M 0,496 muito baixo PNUD/2010 [4]>
PIB R$ 112 806 mil (AM: 43º) – IBGE/2013[5]
PIB per capita R$ 5 890,97 IBGE/2013[5]

GeografiaEditar

Situada à margem esquerda do rio Purus, com distância de 915 km em linha reta e 2.115 km por via fluvial da capital do estado, Manaus. No município observa-se o horário UTC-5.

EconomiaEditar

Sua economia é baseada na agricultura de subsistência, em que grande parte de sua economia depende dos repasses dos governos, federal e estadual.

InfraestruturaEditar

SaúdeEditar

O município possuía, em 2009, 8 estabelecimentos de saúde, sendo todos estes públicos municipais ou estaduais, entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos. Neles havia 18 leitos para internação.[6] Em 2014, 99,7% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia.[7] Em 2015, foram registrados 374 nascidos vivos, ao mesmo tempo que o índice de mortalidade infantil foi de 24,1 óbitos de crianças menores de cinco anos de idade a cada mil nascidos vivos.[7] No mesmo ano, 33,7% das crianças que nasceram no município eram de mães adolescentes.[8] Cerca de 99,5% das crianças menores de 2 anos de idade foram pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2014, sendo que 0,3% delas estavam desnutridas.[9]

O município possuía, em 2009, apenas um estabelecimento de saúde especializado em cirurgia bucomaxilofacial, obstetrícia, pediatria e traumato-ortopedia. Dos 8 estabelecimentos de saúde, 7 deles eram sem internação e 1 deles com internação.[6] Até 2015, havia 1 registro de caso de HIV/AIDS. O número de casos de doenças transmitidas por mosquitos e insetos foi de 4, em 2012, sendo a principal delas a leishmaniose.[10]

EducaçãoEditar

Tendo figurado como o município com um dos maiores índices de analfabetismo, no Censo de 1991, o município implantou um arrojado programa de erradicação e combate ao analfabetismo, cujos resultados são visíveis, com queda acentuada nesses indicadores.

TurismoEditar

A festa da cidade ocorre no período de 19 a 28 de agosto, em homenagem ao padroeiro Santo Agostinho, onde o municipío chega a receber cerca de quatro mil visitantes. No dia 19 de março, há a festa, em homenagem ao aniversário da cidade, com diversos eventos esportivos e culturais.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2016» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 12 de setembro de 2016. Consultado em 12 de setembro de 2016 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  6. a b Cidades@ - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Serviços de saúde - 2009». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  7. a b Portal ODM (2014). «4 - reduzir a mortalidade infantil». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  8. Portal ODM (2015). «5 - melhorar a saúde das gestantes». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  9. Portal ODM (2015). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  10. Portal ODM (2012). «6 - combater a Aids, a malária e outras doenças». Consultado em 13 de dezembro de 2018 

Ver tambémEditar