Pauini é um município brasileiro do interior do estado do Amazonas, Região Norte do país. Está localizado na mesorregião do Sul Amazonense e na microrregião de Boca do Acre. Sua população é de 19 522 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020.[2]

Pauini
  Município do Brasil  
Hino
Apelido(s) "Princesinha do Purus"
Gentílico pauiniense
Localização
Localização de Pauini no Amazonas
Localização de Pauini no Amazonas
Mapa de Pauini
Coordenadas 7° 42' 50" S 66° 58' 33" O
País Brasil
Unidade federativa Amazonas
Municípios limítrofes Boca do Acre, Envira, Lábrea, Itamarati
Distância até a capital 1 054 km
História
Fundação 19 de março de 1956 (64 anos)
Administração
Prefeito(a) Eliana Oliveira Amorim (MDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 41 610,058 km²
População total (estimativa populacional - IBGE/2020[2]) 19 522 hab.
 • Posição AM: 39º
Densidade 0,5 hab./km²
Clima equatorial (Af)
Altitude 100 m
Fuso horário Hora do Acre (UTC-5)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [3]>) 0,496 muito baixo
PIB (IBGE/2013[4]) R$ 112 806 mil
 • Posição AM: 43º
PIB per capita (IBGE/2013[4]) R$ 5 890,97

GeografiaEditar

Situada à margem esquerda do rio Purus, com distância de 915 km em linha reta e 2.115 km por via fluvial da capital do estado, Manaus. No município observa-se o horário UTC-5.

EconomiaEditar

Sua economia é baseada na agricultura de subsistência, em que grande parte de sua economia depende dos repasses dos governos, federal e estadual.

InfraestruturaEditar

SaúdeEditar

O município possuía, em 2009, 8 estabelecimentos de saúde, sendo todos estes públicos municipais ou estaduais, entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos. Neles havia 18 leitos para internação.[5] Em 2014, 99,7% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia.[6] Em 2015, foram registrados 374 nascidos vivos, ao mesmo tempo que o índice de mortalidade infantil foi de 24,1 óbitos de crianças menores de cinco anos de idade a cada mil nascidos vivos.[6] No mesmo ano, 33,7% das crianças que nasceram no município eram de mães adolescentes.[7] Cerca de 99,5% das crianças menores de 2 anos de idade foram pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2014, sendo que 0,3% delas estavam desnutridas.[8]

O município possuía, em 2009, apenas um estabelecimento de saúde especializado em cirurgia bucomaxilofacial, obstetrícia, pediatria e traumato-ortopedia. Dos 8 estabelecimentos de saúde, 7 deles eram sem internação e 1 deles com internação.[5] Até 2015, havia 1 registro de caso de HIV/AIDS. O número de casos de doenças transmitidas por mosquitos e insetos foi de 4, em 2012, sendo a principal delas a leishmaniose.[9]

EducaçãoEditar

Tendo figurado como o município com um dos maiores índices de analfabetismo, no Censo de 1991, o município implantou um arrojado programa de erradicação e combate ao analfabetismo, cujos resultados são visíveis, com queda acentuada nesses indicadores.

TurismoEditar

A festa da cidade ocorre no período de 19 a 28 de agosto, em homenagem ao padroeiro Santo Agostinho, onde o municipío chega a receber cerca de quatro mil visitantes. No dia 19 de março, há a festa, em homenagem ao aniversário da cidade, com diversos eventos esportivos e culturais.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (27 de agosto de 2020). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2020». Consultado em 28 de agosto de 2020 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  5. a b Cidades@ - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Serviços de saúde - 2009». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  6. a b Portal ODM (2014). «4 - reduzir a mortalidade infantil». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  7. Portal ODM (2015). «5 - melhorar a saúde das gestantes». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  8. Portal ODM (2015). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  9. Portal ODM (2012). «6 - combater a Aids, a malária e outras doenças». Consultado em 13 de dezembro de 2018 

Ver tambémEditar