Pica (transtorno)

apetite por coisas ou substâncias não alimentares
 Nota: Para outros significados, veja pica.

A síndrome de pica, também chamada de picanismo, alotriofagia ou alotriogeusia,[1][2] é o apetite por substâncias não alimentícias.[3] Pode ser um distúrbio em si ou fenômenos médicos. A substância ingerida ou desejada pode ser biológica, natural ou artificial. O termo foi extraído diretamente da palavra latina medieval para pega, uma ave sujeita a muito folclore em relação a seus comportamentos alimentares oportunistas.[4]

Pica
Pica (transtorno)
Conteúdo estomacal de um paciente psiquiátrico com pica: 1.446 itens, incluindo "453 pregos, 42 parafusos, alfinetes de segurança, tampos de colher e tampos de saleiro e pimenteiro".
Especialidade Psiquiatria
Classificação e recursos externos
CID-9 307.52
CID-11 e 2124949435 833390860 e 2124949435
DiseasesDB 29704
MedlinePlus 001538
eMedicine 914765
MeSH D010842
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

De acordo com o Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 5.ª Edição (DSM-5), a pica como um transtorno alimentar autônomo deve persistir por mais de um mês em uma idade em que comer tais objetos é considerado inadequado para o desenvolvimento, não fazendo parte da prática culturalmente sancionada, e suficientemente grave para justificar atenção clínica. A pica pode levar à intoxicação em crianças, o que pode resultar em comprometimento do desenvolvimento físico e mental.[5] Além disso, pode causar emergências cirúrgicas para tratar obstruções intestinais, bem como sintomas mais sutis, como deficiências nutricionais e parasitoses.[5] A pica tem sido associada a outros transtornos mentais. Estressores como trauma psicológico, privação materna, problemas familiares, negligência dos pais, gravidez e estrutura familiar desorganizada são fatores de risco para pica.[6][5]

A pica é mais comumente observada em mulheres grávidas,[7] crianças pequenas e pessoas que podem ter deficiências de desenvolvimento, como autismo.[8] Crianças que comem gesso pintado contendo chumbo podem desenvolver danos cerebrais por saturnismo. Existe um risco semelhante de comer solo perto de estradas que existiam antes da eliminação do chumbo tetraetila ou que foram pulverizadas com óleo (para assentar a poeira) contaminadas por PCBs ou dioxinas tóxicas. Além do envenenamento, existe um risco muito maior de obstrução gastrointestinal ou laceração no estômago. Outro risco de comer solo é a ingestão de fezes de animais e parasitas que os acompanham. A pica também pode ser encontrada em animais como cães[9] e gatos.[10]

Sinais e sintomas editar

 
Pedra calcária composta de caulinita com vestígios de pequenos pedaços de quartzo que foram sugados por uma pessoa com pica

Pica é o consumo de substâncias sem valor nutricional significativo, como sabão, placa de gesso ou tinta. Os subtipos são caracterizados pela substância ingerida:[11]

Esse padrão de alimentação deve durar pelo menos um mês para atender ao critério de diagnóstico de tempo de pica.[19]

Complicações editar

Complicações podem ocorrer devido à substância consumida. Por exemplo, envenenamento por chumbo pode resultar da ingestão de tinta ou gesso embebido em tinta,[20] bolas de pelo podem causar obstrução intestinal e infecções por Toxoplasma ou Toxocara podem ocorrer após a ingestão de fezes ou solo.[21]

Referências

  1. «Alotriogeusia». Infopedia. Consultado em 28 de fevereiro de 2023 
  2. «Alotriofagia: O que é, sintomas, tratamentos e causas.». Rede Dor São Luiz. Consultado em 1 de março de 2023 
  3. OED ed. 3 via Apple Dictionary.
  4. T. E. C. Jr. (1 de outubro de 1969). «The origin of the word pica». Pediatrics. 44. 4 páginas – via AAP 
  5. a b c Blinder, Barton, J.; Salama, C. (maio de 2008). «An update on pica: prevalence, contributing causes, and treatment». Psychiatric Times. 25 (6) 
  6. Singhi, Sunit; Singhi P.; Adwani G. (dezembro de 1981). «Role of Psychosocial Stress in the Cause of Pica». Clinical Pediatrics. 20 (12): 783–785. PMID 7307412. doi:10.1177/000992288102001205 
  7. López, LB; Ortega Soler, CR; de Portela, ML (março de 2004). «Pica during pregnancy: a frequently underestimated problem». Archivos Latinoamericanos de Nutricion. 54 (1): 17–24. PMID 15332352 
  8. Rose EA, Porcerelli JH, Neale AV (2000). «Pica: Common but commonly missed». The Journal of the American Board of Family Practice. 13 (5): 353–8. PMID 11001006 
  9. «Pica: Why Pets Sometimes Eat Strange Objects». The Humane Society of the United States (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2019. Cópia arquivada em 14 de março de 2016 
  10. Bradshaw, John W. S.; Neville, Peter F.; Sawyer, Diana (1 de abril de 1997). «Factors affecting pica in the domestic cat». Applied Animal Behaviour Science. Behavioural Problems of Small Animals (em inglês). 52 (3): 373–379. ISSN 0168-1591. doi:10.1016/S0168-1591(96)01136-7 
  11. Peter Sturmey; Michel Hersen (2012). Handbook of Evidence-Based Practice in Clinical Psychology, Child and Adolescent Disorders. [S.l.]: John Wiley & Sons. 304 páginas. ISBN 978-0-470-33544-4 
  12. «Acuphagia and Eating Metal». Psychology Today (em inglês). Consultado em 16 de março de 2019 
  13. a b Coleman AM (2015). A Dictionary of Psychology. [S.l.]: Oxford University Press. p. 576  See Google books link.
  14. Sturmey P, Hersen M (2012). Handbook of Evidence-Based Practice in Clinical Psychology, Child and Adolescent Disorders. [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 304  See Google books link.
  15. Johnson, BE; Stephens, RL (1982). «Geomelophagia. An unusual pica in iron-deficiency anemia». The American Journal of Medicine. 73 (6): 931–2. PMID 7148884. doi:10.1016/0002-9343(82)90802-6 
  16. Andrew M. Colman (2015). A Dictionary of Psychology. [S.l.]: OUP Oxford. 576 páginas. ISBN 978-0-19-105784-7 
  17. Somalwar, Ashutosh; Keyur Kishor Dave (março de 2011). «Lithophagia: Pebbles in and Pebbles out» (PDF). Journal of the Association of Physicians of India. 59: 170. PMID 21751627 
  18. Gowda, Mahesh; Patel, Bhavin M.; Preeti, S.; Chandrasekar, M. (2014). «An unusual case of xylophagia (paper-eating)». Industrial Psychiatry Journal. 23 (1): 65–7. PMC 4261218 . PMID 25535449. doi:10.4103/0972-6748.144972 
  19. Pica New York Times Health Guide
  20. «Mental Health and Pica». WebMD (em inglês). Consultado em 16 de março de 2019 
  21. Spitzer, Robert L. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders: (DSM III). Cambridge: Univ. of Cambridge, 1986. Print.

Bibliografia editar