Abrir menu principal

Prêmio Multishow de Música Brasileira

Prêmio Multishow de Música Brasileira
Prêmio Multishow de Música Brasileira 2019
Descrição Excelência na indústria da música brasileira
Organização Globosat
Local Jeunesse Arena
País  Brasil
Primeira cerimónia 1994
Última cerimónia 2019
Cobertura televisiva
Estação Multishow

O Prêmio Multishow de Música Brasileira (PMMB) é a maior premiação musical[1][2][3] brasileira, realizada anualmente pelo canal Multishow, cuja primeira edição ocorreu em 1994 com o intuito de premiar os melhores do ano da música brasileira através de votação da sua audiência e (a partir de 2011) de um júri especializado, composto por jornalistas e técnicos da indústria fonográfica.

Nos primeiros anos de premiação se chamava Prêmio TVZ, somente em 1998 passou a ser chamar Prêmio Multishow. A premiação é uma alternativa ao Prêmio da Música Brasileira, sendo um formato semelhante ao da premiação musical americana MTV Video Music Awards. Até 2008 a premiação era realizada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, no centro da capital fluminense. Atualmente o prêmio é realizado na Arena Multiúso (JEUNESSE ARENA), na cidade do Rio de Janeiro. A artista mais premiada do evento é a cantora Ivete Sangalo com 18 troféus.

HistóriaEditar

Na primeira edição em 1994, a internet não era comum, por isso os indicados e vencedores eram escolhidos através do telefone e apenas com os assinantes da TV paga. Cissa Guimarães comandou as ligações, assim como a apresentação do evento. O Prêmio se chamava TVZ.

Na segunda edição, o evento continuou com o nome Prêmio TVZ, assim como a votação, ainda pelo telefone. O que mudou foi a casa do evento, que saiu do JazzMania e foi para o Ballroom, ambos no Rio de Janeiro. O mestre de cerimônia também foi diferente. Desta vez Mylena Ceribelli comandou a premiação.

1998 foi o ano das grandes novidades. A premiação mudou de nome para Prêmio Multishow de Música Brasileira e ganhou quatro novas categorias: Melhor Instrumentista, Melhor Música, Melhor Show e Melhor CD.

Na sexta edição do Prêmio, em 1999, a escolha dos premiados sai do telefone e passa para a internet. A noite de premiação fechou com um show de Frejat e Cássia Eller, cantando "Malandragem". Caetano Veloso foi eleito melhor cantor, e quando subiu no palco para agradecer, o que se ouviu foi uma voz rouca dizer: "O melhor cantor não tem voz hoje".

No ano 2000, o Prêmio foi apresentado no palco do Theatro Municipal. Nelson Motta e Fernanda Torres foram os anfitriões da festa.

A partir de 2001, o Multishow passou a homenagear um artista pela sua contribuição para a música brasileira.

Em 2002 surgiu mais uma categoria no Prêmio, o Melhor DVD.

No ano de 2004, a apresentadora Hebe Camargo, então com 75 anos, surpreendeu ao exibir o umbigo com um piercingfalso. Ela ainda brincou com o escândalo envolvendo a atriz Luma de Oliveira e o bombeiro Albucacys Júnior: "Eu tô fervendo! Chamem o bombeiro!".

Em 2005, ao ganhar o prêmio de Melhor Instrumentista, Junior Lima é vaiado por parte da plateia. Lima disse: "Isso aqui só serve pra mim como incentivo para eu estudar muito. Um dia eu vou olhar para esse prêmio e dizer “hoje eu mereço”, mas por enquanto é só um incentivo".

O anfitrião da 15º edição, em 2008, foi o ator Lázaro Ramos.

Em 2009, a atração da noite foi a cantora Ivete Sangalo que se apresentou grávida, com o barrigão amostra. Além de Rita Lee ter sido a grande homenageada, recebendo o prêmio das mãos de sua neta, Izabella.

A cerimônia de entrega dos prêmios de 2010 foi apresentada pelos atores Bruno Mazzeo e Fernanda Torres, durou cerca de 2h. A festa contou com apresentações de várias artistas, entre eles Nando Reis e Skank, responsáveis pela abertura do evento que fizeram uma versão para “Vem Morena”, composição de Luiz Gonzaga.

Na festa de 2011, Paula Fernandes, NX Zero e Restart foram os grandes vencedores, receberam dois prêmios cada um. A cerimônia homenageou os grandes programas de auditório da década de 80, como o de Silvio Santos, do Chacrinha e o Xou da Xuxa.

EdiçõesEditar

VencedoresEditar

HomenageadosEditar

CríticaEditar

Escrevendo para o Yahoo!, Regis Tadeu criticou a premiação em 2014:

"Incrível: o "Prêmio Multishow" piora a cada ano! (...) [U]m festival constrangedor de 'vergonhas alheias' (...) como sempre, nas entrevistas pré-show, com entrevistadores ridículos e muitas vozes esganiçada, tentativas canhestra de humor, perguntas cretinas, respostas desinteressantes… O de sempre. (...) Quem será a pessoa que trabalha no Multishow que mantém um sujeito completamente sem graça e desagradável como este sujeito em seu cast? (...) Votação por parte do público é uma merda tão grande que resulta nisto e em outras aberrações (...) Luan Santana, ele é artista contratado da Som Livre, braço musical da mesma Rede Globo, que por sua vez manda no Multishow, canal de TV fechada da… Globo! Entendeu? Pois é… As indicações disponíveis para o tal 'Super-júri' também eram piadas, claro."[4]

Artistas com mais prêmios atribuídosEditar

CategoriasEditar

  • Melhor Cantor
  • Melhor Cantora
  • Melhor Música
  • Melhor Grupo
  • Melhor Show
  • Melhor Música Chiclete
  • Melhor Clipe TVZ
  • Prêmio Experimente
  • Melhor Cover na Web

Referências

  1. Mariana Tramontina (1 de setembro de 2015). «Diretor fala de "abismo" em Prêmio Multishow: "Não dizemos quem é melhor"». UOL Música. Consultado em 29 de junho de 2016. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2015 
  2. «Música brasileira é celebrada na edição 2015 do Prêmio Multishow». Diário de Pernambuco. 1 de setembro de 2015. Consultado em 29 de junho de 2016. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  3. «Prêmio Multishow de Música Brasileira». Clube de Criação. 1 de abril de 2003. Consultado em 29 de junho de 2016. Cópia arquivada em 29 de junho de 2016 
  4. Regis Tadeu (29 de outubro de 2014). «Incrível: o "Prêmio Multishow" piora a cada ano!». Yahoo!. Consultado em 5 de fevereiro de 2017 

Ligações externasEditar