Preocupação

A preocupação refere-se aos pensamentos, imagens, emoções e ações de natureza negativa de forma repetitiva e incontrolável que resultam de uma análise proativa de risco cognitivo feita para evitar ou resolver ameaças potenciais antecipadas e suas potenciais consequências.[1]

Uma representação de Rama no Ramáiana. Preocupado com sua esposa Sita, ele é consolado por seu irmão Lakshmana.
Uma jovem parecendo preocupada

Psicologicamente, a preocupação faz parte da Cognição Perseverativa (um termo coletivo para o pensamento contínuo sobre eventos negativos no passado ou no futuro).[2] Como uma emoção "preocupação" é experimentada por ansiedade ou preocupação com um problema real ou imaginário, muitas vezes questões pessoais, como saúde ou finanças, ou questões externas mais amplas, como poluição ambiental, estrutura social ou mudança tecnológica. É uma resposta natural a problemas futuros previstos. A preocupação excessiva é uma característica diagnóstica primária do transtorno de ansiedade generalizada. A maioria das pessoas experimenta períodos de preocupação de curta duração em suas vidas sem incidentes; de fato, uma quantidade leve de preocupação tem efeitos positivos, se levar as pessoas a tomar precauções (por exemplo, apertar o cinto de segurança ou comprar um seguro) ou evitar comportamentos de risco (por exemplo, irritar animais perigosos ou beber em excesso), mas com pessoas excessivamente preocupadas superestimam perigos futuros em suas avaliações e em suas extremidades tendem a ampliar a situação como um beco sem saída que resulta em estresse. A superestimação acontece porque os recursos analíticos são uma combinação de lócus de controle externo, experiência pessoal e falácias de crença. Indivíduos cronicamente preocupados também são mais propensos a não ter confiança em sua capacidade de resolver problemas, percebem problemas como ameaças, ficam facilmente frustrados ao lidar com um problema e são pessimistas sobre o resultado dos esforços de resolução de problemas.[3]

TeoriasEditar

AnsiedadeExcitaçãoFluxo (psicologia)PreocupaçãoControle (administração)ApatiaTédioRelaxamento (psicologia) 
Estado mental em termos de nível de desafio e nível de habilidade, de acordo com o modelo de fluxo de Csikszentmihalyi.[4] (clique em um fragmento da imagem para ir ao artigo apropriado)

Modelo de prevençãoEditar

O modelo de evitação da preocupação (AMW) teoriza que a preocupação é uma atividade linguística verbal, baseada no pensamento, que surge como uma tentativa de inibir imagens mentais vívidas e ativação somática e emocional associada.[5] Essa inibição impede o processamento emocional do medo que é teoricamente necessário para a habituação e extinção bem-sucedidas dos estímulos temidos.[6] A preocupação é reforçada como uma técnica de enfrentamento devido ao fato de que a maioria das preocupações nunca ocorrem, deixando o preocupado com a sensação de ter controlado com sucesso a situação temida, sem as sensações desagradáveis ​​associadas à exposição.[7]

Modelo cognitivoEditar

Esse modelo explica que a preocupação patológica é uma interação entre processos involuntários (de baixo para cima), como vieses habituais na atenção e interpretação que favorecem o conteúdo da ameaça, e processos voluntários (de cima para baixo), como o controle da atenção. Os vieses de processamento emocional influenciam a probabilidade de representações de ameaças na consciência como pensamentos negativos ou positivos. Em um nível pré-consciente, esses processos influenciam a competição entre as representações mentais em que algumas correspondem ao poder assertivo da preocupação com processo cognitivo prejudicado e outras ao poder preventivo da preocupação com controle atencional ou vigilância exaustiva. Os vieses determinam o grau ameaçador e a natureza do conteúdo da preocupação que o preocupado tenta resolver a ameaça percebida e o redirecionamento das antecipações, respostas e enfrentamento em tais situações.[8]

Há alguns que respondem a representações mentais em um estado incerto ou ambíguo em relação ao evento estressante ou perturbador.[9] Nesse estado, o preocupado é mantido em um estado perpétuo de preocupação. Isso ocorre porque a disponibilidade de um número esmagador (talvez 2 ou 3, dependendo do indivíduo propenso à preocupação) de possibilidades de resultados que podem ser gerados, coloca o preocupado em uma crise ameaçadora e eles focam seu controle atencional voluntariamente nos possíveis resultados negativos, enquanto outros se engajam de maneira construtiva na solução de problemas e em uma abordagem benigna, em vez de se engajar com antecipação elevada no possível resultado negativo.[10]

Perspectivas filosóficasEditar

Pensadores gregos como o filósofo estóico Epiteto e Sêneca desaconselharam a preocupação. Albert Ellis, o criador da terapia racional emotiva comportamental, foi inspirado pelas ideias terapêuticas dos estóicos.[11]

Perspectivas religiosasEditar

 
A pintura do século XVII de Guido Reni de João Batista retrata angústia e preocupação

A palavra bíblica usada em hebraico para preocupação (em hebraico: דָּאַג, daag) considera a preocupação como uma forma combinada de medo e tristeza que afeta nephesh, a totalidade do nosso ser. A Bíblia tem uma abordagem de fortalecimento da fortaleza em relação à preocupação, por exemplo, o Salmo 94:

Na multidão de minhas ansiedades dentro de mim, seus confortos alegram minha alma.[12]

No Novo Testamento, o Evangelho de Mateus encoraja:

E algum de vocês, preocupado, pode acrescentar uma única hora ao seu tempo de vida? ... Portanto, não se preocupe com o amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. O problema de hoje é suficiente por hoje.[13]

A palavra grega usada para preocupação em Mateus é merimnaō,[14] que significa estar ansioso, ou estar preocupado com preocupações.

São Paulo escreve para a igreja de Filipos: "Não há necessidade de se preocupar"[15] e nas epístolas pastorais, 2 Timóteo 1:7 encoraja::

Pois Deus não nos deu um espírito de covardia, mas sim um espírito de poder e de amor e de autodisciplina.

Da mesma forma, Tiago 1:2-4 motiva a enfrentar provações de qualquer tipo com alegria, porque elas produzem perseverança (força e coragem). Além disso, São Pedro revela sua compreensão da vida saudável em 2 Pedro 1:3,5–7:

Temos uma esperança segura... isso é motivo de grande alegria para nós.[16]

Um falecido professor espiritual indiano Meher Baba afirmou que a preocupação é causada por desejos e pode ser superada através do desapego:

A preocupação é o produto da imaginação febril trabalhando sob o estímulo dos desejos ... é uma resultante necessária do apego ao passado ou ao futuro antecipado, e sempre persiste de uma forma ou de outra até que a mente esteja completamente separada de tudo.[17]

GestãoEditar

O sistema de preocupação é ativado a partir da exposição a um potencial evento desencadeante, experiência traumática ou vulnerabilidade, isso traz pensamentos e sentimentos preocupantes que provocam reações de estresse físico e resposta para evitar comportamentos preocupantes, para garantir alostase. Mas sob a crise esta atividade retroalimenta os primeiros pensamentos e sentimentos preocupantes que geram e fortalecem o ciclo vicioso da preocupação. Relaxamento, avaliação de risco, exposição à preocupação e prevenção de comportamento têm se mostrado eficazes em conter a preocupação excessiva, uma característica principal do transtorno de ansiedade generalizada.[18] As técnicas cognitivo-comportamentais não se ramificaram o suficiente para abordar o problema de forma holística, mas a terapia pode controlar ou diminuir a preocupação.[19]

Referências

  1. Borkovec TD. (2002). Clinical Psychology: Science and Practice 9, 76–80.
  2. Brosschot JF, Pieper S, Thayer JF (novembro de 2005). «Expanding stress theory: prolonged activation and perseverative cognition». Psychoneuroendocrinology. 30 (10): 1043–1049. PMID 15939546. doi:10.1016/j.psyneuen.2005.04.008 
  3. Bredemeier K, Berenbaum H (janeiro de 2008). «Intolerance of uncertainty and perceived threat». Behaviour Research and Therapy. 46 (1): 28–38. PMID 17983612. doi:10.1016/j.brat.2007.09.006 
  4. Csikszentmihalyi M (1997). Finding Flow: The Psychology of Engagement with Everyday Life 1st ed. New York: Basic Books. p. 31. ISBN 978-0-465-02411-7 
  5. Borkovec TD, Alcaine OM, Behar E (2004). Generalized Anxiety Disorder: Advances in Research and Practice. [S.l.]: Guilford Press. pp. 77–108 
  6. Gillihan SJ, Foa EB (2011). Associative Learning and Conditioning Theory. [S.l.: s.n.] pp. 27–43. ISBN 9780199735969. doi:10.1093/acprof:oso/9780199735969.003.0017 
  7. Behar E, DiMarco ID, Hekler EB, Mohlman J, Staples AM (dezembro de 2009). «Current theoretical models of generalized anxiety disorder (GAD): conceptual review and treatment implications». Journal of Anxiety Disorders. 23 (8): 1011–1023. PMID 19700258. doi:10.1016/j.janxdis.2009.07.006 
  8. Hirsch CR, Mathews A (outubro de 2012). «A cognitive model of pathological worry». Behaviour Research and Therapy. 50 (10): 636–646. PMC 3444754 . PMID 22863541. doi:10.1016/j.brat.2012.06.007 
  9. Koerner N, Dugas MJ (1 de janeiro de 2006). Davey GC, Wells A, eds. A Cognitive Model of Generalized Anxiety Disorder: the Role of Intolerance of Uncertainty. [S.l.]: John Wiley & Sons Ltd. pp. 201–216. ISBN 9780470713143. doi:10.1002/9780470713143.ch12 
  10. Robichaud M (1 de janeiro de 2013). «Generalized Anxiety Disorder: Targeting Intolerance of Uncertainty». In: Simos G, Hofmann SG. CBT for Anxiety Disorders. [S.l.]: John Wiley & Sons Ltd. pp. 57–85. ISBN 9781118330043. doi:10.1002/9781118330043.ch3 
  11. Evans J (29 de junho de 2013). «Anxious? Depressed? Try Greek philosophy». The Telegraph. Consultado em 8 de outubro de 2017 
  12. «Salmos 94:19». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 29 de agosto de 2022 
  13. «Mateus 6:27,34». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 29 de agosto de 2022 
  14. «Is Worry a Sin?». Christianity Unfiltered  Retrieved 2019-10-29.
  15. Philippians 4:6 - Jerusalem Bible
  16. "New Revised Standard Version" Retrieved on 2015-01-17
  17. Baba M (1995). Discourses. 3. Myrtle Beach, S.C., U.S.A.: Sheriar Foundation. pp. 121–122. ISBN 978-1-880619-09-4 
  18. O'Leary TA, Brown TA, Barlow DH (1992). «The efficacy of worry control treatment in generalized anxiety disorder: A multiple baseline analysis.». Meeting of the Association for Advancement of Behavior Therapy. Boston: [s.n.] 
  19. Zinbarg RE, Barlow DH, Brown TA, Hertz RM (1992). «Cognitive-behavioral approaches to the nature and treatment of anxiety disorders». Annual Review of Psychology. 43: 235–67. PMID 1539944. doi:10.1146/annurev.ps.43.020192.001315 

BibliografiaEditar

  • Kate Sweeny; Michael D. Dooley (18 de abril de 2017). «The surprising upsides of worry». Social and Personality Psychology Compass. 11 (4). doi:10.1111/spc3.12311