Bozo

(Redirecionado de Programa do Bozo)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Bozo (desambiguação).

Bozo é um personagem palhaço que se tornou muito popular na segunda metade do século XX. Foi criado nos Estados Unidos em 1946 por Alan Livingston, originalmente para a série de coletânea de discos com histórias infantis Bozo at the Circus. Posteriormente, fez sua primeira aparição na televisão em 1949, aparecendo tempos depois em programas de televisão dos quais era o apresentador, sendo interpretado por vários atores locais.

Bozo
Bozo, the Clown
Bozo (BR)
Uma das versões estadunidenses de Bozo.
Informação geral
Formato programa de auditório
Gênero Infantil
Duração 8 horas (dois turnos divididos em 4 horas por dia)
Estado Cancelado
Criador(es) Alan Livingston
Desenvolvedor(es) Larry Harmon
País de origem  Estados Unidos
 Brasil (adaptação)
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Emanuel Rodrigues
Produtor(es) Eliane Mendes
Coprodutor(es) Valdivino Garcia
Produtor(es) executivo(s) Rick Medeiros
Câmera Multicâmera
Roteirista(s) Sérgio Valenzin
Apresentador(es) Wandeko Pipoca
Luís Ricardo
Arlindo Barreto
Décio Roberto
Edílson Oliveira
Jean Santos
Charles Myara
Elenco Valentino Guzzo
Gibe

Pedro de Lara
Rony Cócegas
Flor
Leda Figueiró
Zaíra Zordan
Pedro Américo

Tema de abertura 1, 2, 3, Vamos Lá
Tema de encerramento Sempre Rir
Empresa(s) produtora(s) Sistema Brasileiro de Televisão
Localização Estúdios do SBT Vila Guilherme
Brasil São Paulo, SP, Brasil
Exibição
Emissora original Brasil TVS/SBT
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 1ª fase: 15 de setembro de 1980 - 2 de março de 1991
2ª fase: 16 de fevereiro de 2013 - 4 de maio de 2013

O programa do Bozo também foi produzido em outros países, incluindo México, Tailândia, Austrália, Grécia e Brasil, onde foi exibido pelo SBT de 1980 a 1991 e em 2013.

HistóriaEditar

Após assinar contrato com a Capitol Records, Alan W. Livingston produziu uma coletânea de discos com histórias infantis e livros ilustrados intitulada Bozo at the Circus, lançada em outubro de 1946.[1] O dublador original do Pateta, Vance Colvig, foi o primeiro intérprete do Bozo, emprestando sua voz a esta e às gravações seguintes. Os discos fizeram grande sucesso e o personagem tornou-se mascote da gravadora, recebendo o apelido de "Bozo the Capitol Clown" (Bozo, o Palhaço da Capitol). Vários álbuns infantis da Capitol passaram a portar o selo "Bozo Approved" (Aprovado pelo Bozo) na contracapa. Em 1954, a gravadora Odeon traz os discos do Bozo ao Brasil e o primeiro Bozo brasileiro é o humorista José Vasconcelos, que fez a versão brasileira do Bozo.[carece de fontes?]

Em 1948, a Capitol e Livingston passaram a criar acordos de direitos autorais com fabricantes e estações de televisão para uso do personagem Bozo que, no ano seguinte, fez sua estreia televisiva com o programa Bozo's Circus, exibido pela KTTV em Los Angeles. Colvig voltaria a interpretar o personagem, mas desta vez caracterizado com roupa azul, cabelos encaracolados vermelhos e maquiagem branca no rosto. O programa era exibido às sextas-feiras, às 19:30 da noite (Fuso Horário do Pacífico; UTC-8).

Em 1956, Larry Harmon, um dos vários atores contratados por Livingston e Capitol Records para interpretar o Bozo em aparições promocionais, comprou os direitos do personagem, juntamente com investidores, e o transformou em uma franquia. Em oposição à sindicação, isto permitia que estações de televisão regionais pudessem criar seu próprio programa local do Bozo. Harmon também promoveu modificação na voz, na risada e na fantasia do Bozo, além de criar o cabelo espetado característico. Harmon também criou seu próprio estúdio de animação, onde produziu uma série de desenhos animados (com Harmon como a voz do Bozo) e os distribuiu, através da Jayark Films Corporation, para as emissoras de televisão.[1]

Em janeiro de 1959, estreou o programa do Bozo pela KTLA de Los Angeles. Vance Colvig Jr., filho de Vance Colvig, interpretou o palhaço. Bozo fez muito sucesso na televisão americana. Larry Harmon chegou a treinar mais de 200 atores para interpretar o personagem, em diferentes canais locais que exibiam Bozo nos Estados Unidos.[2] Um desses atores nos Estados Unidos foi Bob Bell, que interpretou o Bozo por 25 anos na WGN-TV de Chicago. A versão de Bell chegou a trocar a tradicional roupa azul pela vermelha em sua primeira década por conta da TV na época ser em preto e branco. O ator e radialista Willard Scott, que interpretava o Bozo em uma das franquias televisivas do personagem, fazia merchandising para a lanchonete McDonald's em seu programa em uma rádio local. Mais tarde, a McDonald's criou seu próprio personagem, chamado Ronald McDonald. Willard Scott (que era o Bozo) passou a ser o seu primeiro intérprete.[2]

Em 1965, Harmon comprou as ações que pertenciam a seus antigos sócios e tornou-se o único proprietário dos direitos de licenciamento do personagem. Acreditando que um programa nacional de sua propriedade seria mais lucrativo para sua empresa, Harmon produziu 130 de seus próprios programas de meia hora de 1965 a 1967, intitulados Bozo's Big Top, que foram ao ar na WHDH-TV de Boston (atual WCVB-TV) com o Bozo de Boston, Frank Avruch, para distribuição em 1966. A representação de Avruch e o visual de Bozo se assemelhavam mais aos de Harmon do que a maioria dos outros intérpretes da época. Avruch foi recrutado pela UNICEF como embaixador internacional e participou do documentário Bozo's Adventures in Asia.[3]

A rede de distribuição do programa incluía Nova York, Los Angeles, Washington, D.C. e Boston em um ponto, embora a maioria das estações de televisão ainda preferisse continuar produzindo suas próprias versões. A versão local mais popular foi a de Bob Bell da WGN-TV de Chicago, que passou a ter exibição nacional via cabo e satélite em 1978 e tinha uma lista de espera de reservas para o auditório que durava até dez anos.[1]

Bob Bell se aposentou em 1984 e foi substituído por Joey D'Auria. A versão da WGN-TV sobreviveu com sucesso à concorrência com outros programas infantis até 1994, quando a administração da WGN-TV decidiu deixar de transmitir programas infantis nos dias da semana e o programa teve seu dia e horário mudados para as manhãs de domingo, passando a denominá-lo The Bozo Super Sunday Show. A partir de 1997, o formato do programa passou a ser educativo após a entrada em vigor de regras da Comissão Federal de Comunicações que exigiam que os canais de televisão transmitissem no mínimo três horas de programas educativos infantis por semana.[4]

O programa foi encerrado em 2001, com a alegação, por parte da emissora, de que havia aumentado a concorrência com os novos canais infantis a cabo. Na época, a versão de Chicago era a única versão remanescente do Bozo ainda em exibição na televisão americana.[5] Em 2005, o Bozo da WGN-TV foi reprisado em uma retrospectiva especial de duas horas intitulada Bozo, Gar e Ray: WGN TV Classics. A estreia em horário nobre ficou em primeiro lugar em audiência na região de Chicago e continua a ser reprisada todos os anos no Dia de Ação de Graças e na véspera de Natal.[6]

Em 3 de julho de 2008, Larry Harmon morreu de insuficiência cardíaca congestiva aos 83 anos.[7] Em 13 de março de 2009, Alan W. Livingston morreu de causas naturais aos 91 anos.[8]

Em 2021, foi anunciado que David Arquette adquiriu os direitos autorais do Bozo, anteriormente pertencentes à Larry Harmon Pictures.[9]

Por paísEditar

BrasilEditar

O programa do palhaço Bozo (Bozo Bozoca Nariz de Pipoca) chegou a ser produzido em mais de 240 estações de televisão em 40 países, entre eles, o Brasil, tornando-se muito popular, foi exibido entre 15 de setembro de 1980 a 2 de março de 1991. O comediante Wandeko Pipoka foi escolhido por Larry Harmon, o dono da franquia, para ser o primeiro Bozo brasileiro do SBT.

A versão brasileira foi uma iniciativa de Silvio Santos, que havia, até então, inaugurado a TVS (TV Studios), canal 11 do Rio de Janeiro, atual SBT Rio.[10] O programa do Bozo foi retransmitido em São Paulo até 1981 pela TV Record (na época, Silvio Santos era dono das duas emissoras, sendo que a Record ainda não era uma rede e sim, uma emissora própria da Rede de Emissoras Independentes), até a inauguração do SBT. O programa, inicialmente, era gravado em São Paulo, no Teatro Silvio Santos, no Carandiru. Depois passou a ser gravado nos antigos estúdios do SBT na Vila Guilherme.

Com o sucesso do personagem, em 1982, o programa foi regionalizado e vários atores passaram a interpretar o palhaço em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.[11] Em São Paulo, Luís Ricardo, Paulo Seyssel (o Pula Pula), Arlindo Barreto e Décio Roberto (falecido em 1991); em Belo Horizonte, Jonas Santos e Evandro Antunes; no Rio de Janeiro, Charles Myara e Nani Souza; e em Salvador, Cau Alves, foram contratados para o papel no programa que ia ao ar nas manhãs e tardes da emissora, de 1982 a 1985, antes do mesmo ser transmitido via satélite para todo o Brasil pelo SBT, a partir de São Paulo.[12][13]

Personagens adicionais foram criados especialmente para a versão brasileira do programa como o Papai Papudo (Gibe), Vovó Mafalda (Valentino Guzzo), Kuki (Rony Cócegas), Salci Fufu (Pedro de Lara) e o gorila King Bozo. O programa contava ainda com os fantoches Maroca (Leda Figueiró), Candinha (Zaira Zordan), Zico (Fábio Vilalonga), Zecão (Lúcio Esper) e outros. Vários desenhos animados e séries infantis foram exibidos no programa, entre eles Pica-Pau, Popeye, Looney Tunes, Papa-Léguas, Chaves, Chapolin e o tokusatsu Spectreman, além do próprio desenho do Bozo.

Durante o programa, eram realizadas brincadeiras com o auditório, sorteios, além de encenações com os personagens coadjuvantes do programa. O palhaço também lia cartas enviadas pelos telespectadores e cantava as músicas dos seus discos, que o fizeram ganhar discos de ouro por recorde de vendas. O programa foi muito popular entre o público infanto-juvenil, já que até adolescentes faziam parte da plateia de Bozo, chegando a ganhar o Troféu Imprensa entre os anos de 1981 e 1986 como o melhor programa infantil do Brasil. Em 1987, Bozo perdeu metade de seu horário para o Show Maravilha, de Mara Maravilha.[11]

Sua última exibição foi em 2 de março de 1991, quando os direitos de licenciamento do personagem expiraram e não foram renovados devido aos altos custos.[11] Décio Roberto, último intérprete do palhaço e portador do vírus HIV, morreu em 2 de novembro do mesmo ano, vítima de broncopneumonia.[11] Com o fim do programa, a Sessão Desenho, apresentada pela Vovó Mafalda (interpretada por Valentino Guzzo), passou a ocupar o seu espaço na grade de programação.

Retorno em 2013Editar

Bozo reestreou no dia 3 de dezembro de 2012, com divulgação somente um dia antes da estreia, ao lado de Priscilla Alcântara em Bom Dia & Companhia juntamente de seu desenho. A volta do palhaço, interpretado por Jean Santos, foi bem recebida pelo público, sendo que chegou a atingir o primeiro lugar em audiência, derrotando o concorrente Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo.[14] Em 16 de fevereiro de 2013, Bozo reestreou, no seu formato original, nas manhãs de sábado, retornando os personagens Vovó Mafalda, Papai Papudo, Salci Fufu e os bonecos Zecão, Lili, e Macarrão.[15] No entanto, o programa não teve grande audiência e foi cancelado novamente após três meses de exibição. Depois disso, o SBT decidiu pôr Bozo na apresentação do Bom Dia & Companhia,[16] mas depois de um tempo o personagem foi retirado do ar e o contrato de licenciamento do personagem foi rompido.[17]

Elenco no BrasilEditar

Abaixo, os atores que fizeram parte da versão original brasileira de Bozo, exibida entre 1980 e 1991.[12][18]

TVS São Paulo/SBT
1980-1982 Wandeko Pipoka
1983- 1986 Arlindo Barreto
1982-1990 Luís Ricardo
1983 Paulo Seyssel
1984-1991 Décio Roberto
1985-1986 Luiz Leandro
1986-1987 Marcos Pajé
2007-2011 André Luiz Sucesso
2012-2013 Jean Santos
TVS Rio
1982-1985 Charles Myara
1982-1985 Nanni Souza
TV Alterosa
1983-1984 Jonas Santos
1984-1985 Evandro Antunes
TV Itapoan
1983-1985 Cau Alves

Elenco adicionalEditar

Ator Personagem
Valentino Guzzo Vovó Mafalda
Gibe Papai Papudo
Pedro de Lara Salci Fufu
Leda Figueiró Maroca
Zaira Zordan Candinha
Fábio Vilalonga Zico
Pedro Américo Macarrão
Fernando Pavani Garoto Juca
Kiki Perossi King Bozo
Rony Cócegas Kuki
Flor Bozolinda

Prêmios e indicaçõesEditar

Ano Prêmio Categoria Resultado Ref.
1981 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil Venceu [19]
1982 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil Venceu [19]
1983 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil Venceu [19]
1984 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil Venceu [19]
1985 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil Venceu [19]
1986 Troféu Imprensa Melhor Programa Infantil Venceu [19]
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bozo

Referências

  1. a b c «Larry Harmon, longtime Bozo the Clown, dies». Today (em inglês). 7 de março de 2008. Consultado em 16 de novembro de 2021. Arquivado do original em 18 de outubro de 2015 
  2. a b Bortoloti, Marcelo (25 de agosto de 2017). «Bozo: a história real por trás do mito». Superinteressante. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  3. «Interview with Frank Avruch/TV's Bozo». tvparty.com (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021 
  4. «Bozo Timeline-1990s». WGN-TV (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original em 8 de agosto de 2001 
  5. «Battling Bozos». ABC News (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021 
  6. «WGN 9 Chicago Contact Information». WGN-TV (em inglês). 6 de dezembro de 2012. Consultado em 17 de novembro de 2021. Frequently asked questions: "Q: What shows are available on DVD? A: Current and past telecasts produced by WGN 9 Chicago (including WGN News, sports, Bozo, Garfield Goose, Ray Rayner) are unavailable… “Bozo, Gar & Ray: WGN TV Classics” will be rebroadcast Thanksgiving Day (Thursday, November 25) at 9 a.m. Central Time and Christmas Eve (Friday, December 24) at 10 p.m. Central Time on WGN 9 Chicago and livestreamed(.)" 
  7. «Larry Harmon, Who Popularized Bozo, Dies at 83». The New York Times (em inglês). 4 de julho de 2008. ISSN 0362-4331. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  8. «Alan W. Livingston dies at 91; former president of Capitol Records». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2016 
  9. Richards, Dean (6 de outubro de 2021). «Bozo the Clown rights sold to David Arquette». WGN-TV (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2022 
  10. «Análise: Pelas mãos de Silvio Santos, Bozo se tornou um sucesso na TV brasileira». O Globo. 24 de agosto de 2017. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  11. a b c d Pacheco, Paulo (26 de agosto de 2017). «Drogas, perrengues e demissão: 10 curiosidades dos bastidores do "Bozo"». UOL TV e Famosos. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  12. a b Veja São Paulo (11 de setembro de 2017). «Todos os Bozos brasileiros». Consultado em 18 de setembro de 2018 
  13. Pacheco, Paulo (11 de setembro de 2017). «Ator, pastor e youtuber: Bozos seguem rumos diferentes e criticam "Bingo"». UOL TV e Famosos. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  14. «Com Bozo, "Bom Dia & Cia" do SBT bate "Encontro com Fátima Bernardes" da Globo». UOL TV e Famosos. 6 de dezembro de 2012. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  15. «Bozo volta ao ar com fórmula tradicional». JC. 15 de fevereiro de 2013. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  16. Sacchitiello, Bárbara (6 de maio de 2013). «SBT desiste do Programa do Bozo». Meio e Mensagem. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  17. «Sem explicações, SBT dispensa Bozo mesmo com contrato vigente». F5. 20 de agosto de 2013. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  18. Globo.com (18 de setembro de 2018). «Bozo dos anos 80 ganha a vida com palestras e diz que se arrepende de vício em drogas: 'Queria voltar no tempo'». Consultado em 18 de setembro de 2018 
  19. a b c d e f Bourroul, Beatriz. «70 anos de TV: Silvio Santos em 50 momentos marcantes». Quem