Abrir menu principal

Samakh

antiga vila na margem sul do mar da Galileia
Disambig grey.svg Nota: Para a região censitária americana, veja Samak. Para a letra de vários alfabetos semíticos, veja Samekh.
Samakh

سمخ‎ • Samach

  aldeia abandonada  
Vista aérea de Samakh em 1931
Vista aérea de Samakh em 1931
Samakh está localizado em: Israel
Samakh
Localização de Samakh em Israel
Mapa dinâmico
Coordenadas 32° 42' 18" N 35° 35' 15" E
País atual de facto Israel
Área [1]
- Total 8,3 km²
Altitude -220 m
População (1945) [2][1]
 - Total 3 460
    • Densidade 416,9 hab./km²
Data do abandono 28 de abril de 1948[3]
Motivo do abandono Ataque de tropas Yishuv

Samakh ou Samach (em árabe: سمخ) é uma aldeia abandonada situada na margem sul do mar da Galileia, na Palestina (atualmente em Israel). Em 1945 tinha 3 460 habitantes árabes, dos quais 3 220 eram muçulmanos e 130 cristãos.[2] Grande parte da população fugiu quando tropas israelitas do Haganá conquistaram a aldeia, em 3 de março de 1948. Os restantes partiram na véspera de um assalto da Brigada Golani contra o exército sírio em 18 de abril de 1948. A maior parte dos antigos residentes tornaram-se refugiados internos na cidade árabe de Nazaré.[4]

Em 25 de setembro de 1918, durante a Primeira Guerra Mundial, travou-se em Samakh uma das batalhas que no seu conjunto constituíram a Batalha de Megido. Entre 1905 e 1948, a aldeia foi uma paragem importante na linha ferroviária do Vale de Jizreel, que por sua vez era parte da linha do Hejaz, que ligava Damasco a Medina. Durante o Mandato Britânico da Palestina, Samakh era a última paragem efetiva no território sob controlo britânico, pois Al-Hamma era geograficamente isolada. Atualmente os únicos sinais mais evidentes da povoação são a estação ferroviária e um depósito de água.[4] A zona industrial e Tzemah e uma parte do kibutz Ma'agan situam-se no local da antiga aldeia.

LocalizaçãoEditar

A aldeia situava-se em terreno plano, no vale do Jordão, na margem mais meridional do mar da Galileia, perto do local onde o rio Jordão sai do lago. Era a maior aldeia do sub-distrito de Tiberíades, tanto em população como em área, e era um ponto importante das ligações de transportes. Tinha uma estação ferroviária na linha do Hejaz e por ela passava uma estrada que percorria a margem do lago até à cidade de Tiberíades, a noroeste. Havia também ligações de barco entre Samakh e Tiberíades.[5]

HistóriaEditar

Período otomanoEditar

No seu mapa de 1799, o geógrafo francês Pierre Jacotin chamou à aldeia Semak.[6] A maior parte das casas eram de adobe, havendo algumas de basalto negro, uma pedra abundante na área de Golã vizinha de Samakh.[5] O explorador suíço Johann Ludwig Burckhardt visitou a aldeia, a que chamou Szammagh, em 1812, e descreveu-a como sendo um conjunto de 30 ou 40 casas de barro junto a casas mais ricas de pedra negra. Escreveu também que em volta da aldeia havia cerca de cem feddans (entre 23 e 34 hectares) de terrenos cultivados.[7] Em 1838, Edward Robinson fez uma descrição semehante da aldeia.[8]

Em 1875, Victor Guérin encontrou a aldeia dividida em duas partes, com casas de adobe e de pedra vulcânica.[9] Em 1881, o Survey of Western Palestine ("Levantamento da Plaestina Ocidental") do Fundo de Exploração da Palestina descrevia Samakh como uma aldeia com 200 habitantes que cultivavam a planície em volta.[10]

A aldeia e a sua estação ferroviária forma o local da Batalha de Samakh, travada em 25 de setembro de 1918 entre tropas do Corpo Montado do Deserto britânico-australiano e tropas do Grupo de Exércitos Yıldırım otomano-alemão. O confronto terminou com a vitória dos Aliados e abriu o caminho para Damasco às tropas do general Allenby. O marechal Archibald Wavell descreveu a batalha como a mais mais feroz e cruel batalha do teatro de operações da Palestina.[11]

Mandato Britânico da PalestinaEditar

Segundo o censo de 1922 da Palestina, realizado pela administração do Mandato Britânico da Palestina Samakh e Al-Hamma tinham, em conjunto, 976 habitantes. Destes, 922 eram muçulmanos, 28 judeus, 25 cristãos e 1 bahá'í.[12] Entre os cristãos, havia 11 arménios, 6 ortodoxos, 5 anglicanos, 2 melquitas e 1 católico.[13] No censo de 1931, havia 480 casas e a população tinha aumentado para 1 900: 1 780 muçulmanos, 76 cristãos, 40 judeus e 4 drusos.[14]

Em 1923 foi criado um conselho local para administrar a aldeia, que ainda funcionava em 1945. O orçamento do conselho cresceu de forma constante de 310 libras em 1929 para 1 100 libras em 1944.[15] Em 1944/1945, havia 3 460 habitantes: 3 320 muçulmanos, 130 cristãos e 10 seguidores de outras religiões.[2] A maioria da população pertencia às tribos beduínas 'Arab al-Suqur and 'Arab al-Bashatiwa. Na aldeia havia duas escolas, uma para rapazes e outra para raparigas. As principais colheitas eram bananas e cereais.[5][16] A área construída era 239 dunans (aprox. 21,5 hectares).[17]

1948–presenteEditar

A aldeia foi tomada por tropas israelitas Haganá em 3 de março de 1948, durante a guerra civil no Mandato da Palestina, juntamente com um posto de fronteira britânico vizinho e mudou de mãos duas vezes nas batalhas do vale de Kinarot (15–21 de maio de 1948), entre o Haganá e o exército sírio. Em 21 de maio, após a retirada dos sírios, o Haganá instalou uma posição em Samakh.[18]

Em 1992, as únicas estruturas que restavam de Samakh eram as ruínas da estação e um depósito de água. No local onde existiu a aldeia há atualmente um parque público, um posto de abastecimento de combustíveis e a zona industrial de Tzemah, construídos pelos membros do kibutz Degania Alef.[19] O Colégio Kinneret, associado à Universidade Bar-Ilan, também se situa na área da antiga aldeia. Os kibbutzim Ma'agan e Tel Katzir foram criados em 1949 em terrenos da aldeia. Os kibbutzim Masada e Sha'ar HaGolan foram fundados a sudeste da aldeia em 1937 e desde então expandiram as suas terras para áreas que anteriormente estavam sob a jurisdição de Samakh. Os kibbutzim Degania Alef e Degania Bet também se situam perto da antiga aldeia, mas não ocupam terras que pertenciam a Samakh.[19]

Nas imediações há um pequeno parque aquático e um restaurante da cadeia Burgeranch.

Notas e referênciasEditar

  1. a b «Village Statistics» (em inglês). Governo da Palestina. Department of Statistics. Abril de 1945. p. 72. Consultado em 1 de março de 2018. Arquivado do original em 12 de agosto de 2017 
  2. a b c «Village Statistics» (em inglês). Governo da Palestina. Department of Statistics. Abril de 1945. p. 12. Consultado em 1 de março de 2018 
  3. Morris 2004, pp. xvii; 186.
  4. a b «Welcome to Samakh» (em inglês). Palestine Remembered. www.palestineremembered.com. Consultado em 1 de março de 2018. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2010 
  5. a b c Khalidi 1992, p. 537.
  6. Karmon 1960, p. 167.
  7. Burckhardt 1822, p. 275.
  8. Robinson & Smith 1841, pp. 262, 264.
  9. Guérin 1880, p. 309.
  10. Conder & Kitchener 1881, p. 361.
  11. Ben Rehav 1989
  12. Barron 1923, Tab. XI, Sub-district of Tiberias, p. 39.
  13. Barron 1923, Tab. XVI, p. 51.
  14. Mills 1932, p. 84.
  15. Survey of Palestine (1945) 1:138-39. Citado em Khalidi 1992, p. 537
  16. Village Statistics 1945, p. 123
  17. Village Statistics 1945, p. 173
  18. Atlas de Israel 1978, pp. 14–15
  19. a b Khalidi 1992, p. 538.

BibliografiaEditar