Tempo Presente (revista)

Tempo Presente, revista portuguesa de cultura, surge no final da década de 50, publicada em Lisboa, com uma tiragem quinzenal, datando o primeiro número de Maio de 1959, e o último, o 27, de 1961. Foi seu director Fernando Guedes e José Maria Alves seu editor e proprietário.[1]

Era secretariada por João Manuel Pedra Soares, e tinha como conselho de redacção António José de Brito, António Manuel Couto Viana, Caetano de Melo Beirão e Goulart Nogueira.[1]

Além deles, como colaboradores literários, estavam Augusto de Campos, Haroldo dos Santos, J. Monteiro Grilo, Edwin Markham, Luís Forjaz Trigueiros, Ester de Lemos,[2] Sellés Paes, Manuel Gama.[1]

Colaboram ainda nomes que tinham estado ligados às revistas Távola Redonda e Graal, como Fernando de Paços, Maria Manuela Couto Viana, Fernanda Botelho, Luiz de Macedo, João Cabral do Nascimento, Tomás Kim,[3] José Blanc de Portugal, José António Ribeiro, Nuno de Tomás Sampayo, António Salvado, Eduíno de Jesus, Natércia Freire.[4] ou João Bigotte Chorão[5].

A colaboração plástica era essencialmente assegurada por José de Almada Negreiros, Fernando Lanhas e Mário Saa.[1]

Incluia rubricas como "Ensaios e Poesia" e "Teatro".[1]

Justificando a sua designação, Tempo Presente apostou literariamente numa estética de modernidade, consagrando autores modernistas e futuristas portugueses como Ângelo de Lima, Almada-Negreiros, Raul Leal, Armando Côrtes-Rodrigues, Mário Saa. Assim como divulgando textos de Ezra Pound, T. S. Eliot, D. H. Lawrence, Hilda Doolittle, James Joyce, Ionesco, Samuel Beckett ou difundindo a experiência concretista brasileira.[4]

Relativamente ao seu ideário político há quem a possa classificá-la com neofascista, pois colocava-se politicamente à direita do regime e bastante crítica da decrepitude ideológica e política dos dirigentes do Estado Novo. Nas suas páginas, assumiam-se como “(…) universalistas, hierarquizadores, totalitariamente compreendentes, intolerantes para o erro, ultrapassantes e dinâmicos”.[1]

Tinha como referência fundamental o fascismo intelectual dos anos 30, onde Robert Brasillach e Gottfried Benn, por exemplo, são abundantemente citados.[1]

Posicionamento que depois, no final dos anos 60, início dos anos 70, vai ser retomado pelo jornal Política.[1]

Notas

Referências

  1. a b c d e f g h MATOS, Álvaro Costa de. «Revistas Políticas no Estado Novo: uma primeira aproximação histórica ao problema», in Media & Jornalismo, (9) 2006, p. 47]
  2. «Biografia de Ester de Lemos» (PDF). Assembleia da República 
  3. «Biografia de Tomás Kim». Infopedia (em linha) 
  4. a b Tempo Presente in Infopédia (em linha). Porto: Porto Editora, 2003-2020. (consult. 2020-08-02 05:42:09).]
  5. João Bigote Chorão (1933-), Guarda Digital (consulta em 11.05.2022)

Ligações externas editar


  Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.