Abrir menu principal

The Comedians

filme de 1967 dirigido por Peter Glenville
The Comedians
Os comediantes (PRT)
Os farsantes (BRA)
 Estados Unidos
1967 •  cor •  147 min 
Direção Peter Glenville
Produção Peter Glenville
Roteiro Graham Greene
Baseado em Graham Greene (livro)
Elenco Richard Burton
Elizabeth Taylor
Alec Guinness
Gênero Drama
Política
Música Laurence Rosenthal
Distribuição Metro-Goldwyn-Mayer
Lançamento 1967
Idioma inglês

The Comedians (br:Os farsantes / pt.: Os comediantes) é um filme de drama estadunidense de 1967 produzido e dirigido por Peter Glenville para a MGM. O roteiro é de Graham Greene que adaptou livro próprio homônimo para o cinema. A história se passa no Haiti durante o governo ditatorial de Papa Doc Duvalier mas as filmagens foram na República do Daomé.

Este é o sétimo de 11 filmes em que Richard Burton e Elizabeth Taylor trabalham juntos. Os demais foram Cleópatra (1963), Gente Muito Importante (1963), Adeus às Ilusões (1965), Quem Tem Medo de Virginia Woolf? (1966), A Megera Domada (1967), Dr. Faustus (1967), O Homem que Veio de Longe (1968), Ana dos Mil Dias (1969), Unidos pelo Mal (1972) e Divórcio Dele, Divórcio Dela (1973).

O papel de Elizabeth Taylor foi originalmente oferecido a Sophia Loren.[1]

Índice

ElencoEditar

SinopseEditar

  Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Um navio chega a Porto Príncipe, Haiti, transportando quatro passageiros: Major H. O. Jones, um empresário britânico com um convite do governo; o casal de anciões norte-americanos Senhor e Senhora Smith que pretendem investir num complexo educacional e nutricionista vegetariano para os nativos, e o cínico hoteleiro Brown, que retorna dos Estados Unidos após fracassar em vender seu hotel que recebera de herança materna. Na chegada, o Major Jones é feito prisioneiro pelo Capitão Concasseur, brutal comandante dos Tonton Macoute, pois a autoridade com quem o negociante iria se encontrar fora deposta e aprisionada. Logo após a chegada, Brown vai para um encontro clandestino com a amante alemã Martha Pineda, esposa do embaixador uruguaio Manuel. Brown e o Senhor Smith vão visitar o major na prisão e logo depois ele é solto, descobrindo-se que oferecera armas para o novo governo de Papa Doc. Na embaixada, o hoteleiro encontra o médico Dr. Magiot e o pintor Henri Philipot, ambos haitianos e que conspiram para uma revolução armada contra o governo. Eles querem que Brown convença o major a liderar os rebeldes na guerrilha mas este avisa que o militar inglês estava em negócios com o governo do ditador. O sócio de Jones o trai e o major se torna foragido, então Brown o encontra e lhe fala sobre o plano dos rebeldes.

ProduçãoEditar

Devido as condições políticas do Haiti, as filmagens no local da história eram impossíveis. Então as locações foram realizadas no Daomé (atual Benim) e ao longo da Côte d'Azur na França. Um curta-metragem promocional com o título de The Comedians in Africa foi lançado em 1967 e conta as dificuldades enfrentadas no trabalho pela equipe técnica e elenco. O filme apresentou um grupo de atores afro-americanos que ficariam conhecidos na década seguinte: Raymond St. Jacques, James Earl Jones e Cicely Tyson. Tyson e Jones receberiam indicações ao Óscar na sequência das carreiras. Outros afro-americanos são Zakes Mokae, Roscoe Lee Browne, Gloria Foster e Georg Stanford Brown.

Foi o último filme de Glenville, que três anos antes dirigira o astro Burton no premiado Becket.

PremiaçõesEditar

Globo de OuroEditar

National Board of Review of Motion PicturesEditar

  • Paul Ford venceu como "Melhor Ator Coadjuvante"

Kansas City Film Critics Circle AwardEditar

Ligações externasEditar

  • Parish, James Robert; Mank, Gregory W.; Stanke, Don E. (1978), The Hollywood Beauties, ISBN 0-87000-412-3, New Rochelle, New York: Arlington House Publishers, p. 344 
  • a b «The Comedians, Award Wins and Nominations». IMDb. Consultado em 9 de março de 2012