Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Tool (desambiguação).
Tool
Tool roskilde festival 2006.jpg
Tool se apresentando no Rosklide Festival, em 2006.
Informação geral
Origem Los Angeles,  Califórnia
País  Estados Unidos
Gênero(s)
Período em atividade 1990 - atualmente
Gravadora(s)
  • Zoo Entertainment
  • Volcano
  • Tool Dissectional
Afiliação(ões)
Integrantes Danny Carey
Adam Jones
Maynard James Keenan
Justin Chancellor
Ex-integrantes Paul D'Amour
Página oficial toolband.com

Tool é uma banda de rock norte-americana formada em 1990 em Los Angeles, Califórnia. A banda é constituída pelo baterista Danny Carey, o guitarrista Adam Jones, o vocalista Maynard James Keenan e o baixista Justin Chancellor.

A banda surgiu com um som influenciado pelo heavy metal em seu primeiro álbum, e mais tarde aderiram ao metal alternativo com o lançamento do segundo álbum, Ænima, em 1996. Os seus esforços para unificar a experimentação musical, artes visuais e uma mensagem de evolução pessoal continuou com Lateralus (2001) e 10,000 Days (2006), oferecendo à banda aclamação e sucesso a nível mundial.

Devido à incorporação de artes visuais e álbuns relativamente longos e complexos, a banda é geralmente descrita como um grupo com um estilo transcendente, usando de elementos do rock progressivo, rock psicodélico e do art rock. A relação entre a banda e a indústria musical é ambivalente, por vezes marcada por censura pela insistência dos membros da banda em ter privacidade.

Índice

HistóriaEditar

Primeiros anos, EPs e primeiro álbum (1988-1995)Editar

Durante os anos 1980, os membros da futura banda se mudaram para Los Angeles. Adam Jones trabalhou como escultor e designer de efeitos especiais, na qual ele aprendeu a técnica de stop motion, que foi mais tarde usada nos videoclipes da banda. Maynard James Keenan serviu por três anos ao Exército, porém deixou-o para estudar arte, o que depois o levou a fazer design em pet shops. Danny Carrey já fez parte da banda Green Jello e Pygmy Love Circus.[1] Paul D'Amour tentou trabalhar na indústria cinematográfica.[2]

Em 1989, Keenan e Jones se conheceram por um amigo em comum. Depois que Keenan tocou uma gravação de sua antiga banda, Jones ficou tão impressionado com sua voz que eventualmente o chamou para formar sua própria banda.[3] Eles começaram a tocar juntos e estavam procurando um baterista e um baixista. Danny foi apresentado a Adam por Tom Morello, com quem Adam havia tocado baixo em uma banda chamada Electric Sheep.[4][5] Danny Carey se ofereceu para tocar bateria com Maynard e Adam, pois "sentia pena" dos dois, já que outros músicos que foram convidados não apareciam.[6] A formação da banda foi definida quando um amigo de Jones os apresentou ao baixista D'Amour.[7]

Depois de quase se chamarem Toolshed,[6] eles escolheram simplesmente Tool, pelo fato de quererem que sua música fosse uma "ferramenta" para a compreensão da lacrimologia, a "ciência do choro" como terapia, que consiste em evoluir explorando sua dor física e emocional.[6][8][9]

Depois de quase dois anos tocando na área Los Angeles, a banda foi chamada por algumas gravadores, e eventualmente assinaram com a Zoo Entertainment.[7] Opiate foi lançado em 10 de março de 1992. O EP foi descrito pela banda como "slam and bang".[6] Em 1994, Jones disse a Guitar School que as músicas mais pesadas deles foram escolhidas para fazerem parte do EP.[10] O single "Hush" ganhou um videoclipe dirigido por Ken Andrews, da banda Failure,[6][11] onde todos da banda aparecem amordaçados e nus, com uma placa escrita: "Parental Advisory: Explicit Parts" cobrindo suas nádegas.[12][13] O videoclipe causou forte polêmica na época, trazendo opiniões contrários ao clipe pela Parents Music Resource Center. Após certo tempo, eles começam a abrir shows para Rollins Band, Rage Against the Machine, Fishbone, White Zombie[14] e Corrosion of Conformity.[12][15] A faixa Sweat foi adicionada à trilha sonora do filme Fuga de Los Angeles.[6][16]

Em 6 de abril de 1993, a banda lança o primeiro álbum de estúdio, Undertow. O álbum foi lançado em uma cena musical onde o grunge estava no auge e o pop punk estava começando a se populizar.[17] A banda começou uma nova turnê, como foi planejado. Eles estavam programados para tocar no Garden Pavilion in Hollywood, mas depois descobriram que o local pertencia à Igreja da Cientologia, que foi um choque com a "ética da banda sobre como uma pessoa não deve seguir um sistema de crenças que restringe seu desenvolvimento como ser humano".[12] Keenan passou o show inteiro como "uma ovelha na platéia".[18] O Tool depois tocou em vários concertos, incluindo o Lollapalooza, e depois foram movidos do segundo estágio para o palco principal pelo co-fundador do evento Ted Gardner.[19] No último show do Lollapalooza em Los Angeles, o comediante Bill Hicks apresentou a banda.[20] Na apresentação, ele brincou com a platéia pedindo para ajudá-lo a achar sua lente de contato perdida.[21] A popularidade da banda começou a aumentar com esses concertos, com o álbum ganhando disco de ouro em setembro do mesmo ano e platina em 1995.[22]

Algumas distribuidoras (como a Walmart) censuraram a capa original, que foi trocada por um código de barras gigante.[23][24] O single "Sober" teve sucesso e ganhou o "Best Video by a New Artist" da Billboard, acompanhado de seu vídeo em stop motion.[10] "Prison Sex" foi lançada como single também, e fez a banda se tornar novamente alvo de censura, com sua letra e clipe que abordam pedofilia. O vídeo foi feito pelo guitarrista Adam Jones, que viu como sua "interpretação surreal" sobre o assunto.[25] O canal de televisão Much considerou o videoclipe obsceno,[12] e depois de um tempo a MTV parou de passar o clipe.[26] Por outro lado, alguns jornalistas elogiam o vídeo e descrevem a letra como "metafórica".[13]

Em setembro de 1995, a banda começou a escrever e gravar o próximo álbum. No mesmo ano, eles sofreram sua única mudança de formação até o momento, com a saída do baixista Paul D'Amour, que decidiu sair da banda para trabalhar em outros projetos, e também porque preferia tocar guitarra do que baixo.[27] Justin Chancellor, membro de uma banda chamada Peach, foi escolhido para substituí-lo entre outros concorrentes, como Scott Reeder do Kyuss, Frank Cavanagh do Filter e Shepherd Stevenson do Pigmy Love Circus.[28][29]

Ænima (1996-1997)Editar

O segundo álbum da banda, Ænima, foi lançado em 17 de setembro de 1996. Seu título é a junção das palavras "Anima" (termo criado por Carl Jung) e "Enema" (inimigo).[6] O álbum foi certificado como platina triplo em 4 de março de 2003.[30] A banda teve ajuda do produtor David Bottrill (que já tinha produzido alguns álbuns do King Crimson),[31] enquanto Jones criou a capa junto com Cam de Leon.[6]

O álbum contém uma capa alternativa dedicada ao comediante Bill Hicks, que tinha morrido dois anos antes do álbum ser lançado.[12] A banda pretendia conscientizar sobre as ideias de Hicks, já que achavam que tinham ideias e conceitos em comum.[32] O refrão da faixa título "Ænema" faz referência a um esboço do álbum Arizona Bay, de Hicks, na qual ele imagina "um dia em que cultura americana seria purificada por um terremoto com a Califórnia caindo no mar".[33]

O primeiro single foi "Stinkfist", e causou polêmica por causa de seu título e sua letra, que fala sobre a prática fisting de uma forma metafórica,[1] tanto que a MTV renomeou a faixa para "Track #1".[34] Em 1997, a faixa foi nomeada para o "Best Music Video" no Grammy Awards.[35]

Uma turnê foi iniciada em 16 outubro de 1996 em Pomona, Califórnia.[36] Em 1997, a banda seguiu para a Europa e para a Austrália.[37] No mesmo ano, foi feita a primeira de muitas "pegadinhas de 1 de abril" relacionadas à banda. Kabir Akhtar, dono da fanpage semi-oficial da banda, "The Tool Page", escreveu que "pelo menos três membros da banda estavam em estado crítico depois de um acidente de ônibus em uma rodovia. A notícia falsa teve repercussão na época, tanto que algumas rádios e até a MTV publicaram sobre isso. Mais tarde, Akhtar postou um pedido de desculpas dizendo que a "página não postará mais essas brincadeiras futuramente".[38]

Eventualmente, a banda voltou aos Estados Unidos e apareceu no Lollapalooza do mesmo ano[39] (onde foram uma das principais atrações do festival, junto com o Korn),[40] na qual foram elogiados pelo The New York Times.[41]

Ænima estreou em segundo lugar na Billboard em outubro de 1997.[42] O álbum foi nomeado para "Best Recording Package" do Grammy Awards.[35] A faixa "Ænema" ganhou o "Best Metal Performance".[43] O álbum aparece em várias listas como um dos melhores de 1996.[44][45]

Brigas, projetos, Salival e Lateralus (1997-2005)Editar

No final de 1997, a gravadora Volcano entrou com uma ação contra o Tool, alegando que a banda tinha violado o contrato ao buscar e aceitar ofertas de outras gravadoras. Em resposta, a banda alegou que a gravadora não tinha dado a opção de renovação, e que eles estavam livres para procurar outras gravadoras. Em dezembro de 1998, a banda e a gravadora concordaram em fazer um novo contrato.[6][46] Em 2000, a banda foi processada pelo seu ex-empresário Ted Gardner, alegando não ter recebido sua comissão de 20%, que terminou com Gardner demitido.[47]

Nesta época, Keenan se juntou à banda A Perfect Circle, que foi fundada pelo técnico de guitarra do Tool, Billy Howerdel, Jones se juntou ao vocalista da banda Melvins, Buzz Osborne, em uma banda chamada Noise Arcade, e Carey tocou bateria com o vocalista da banda Dead Kennedys, Jello Biafra, em projetos paralelos.[48] Quando Keenan se juntou ao A Perfect Circle, houveram boatos de que o Tool estava se separando,[49] mas os outros membros ainda estavam trabalhando em um material novo enquanto esperavam Keenan voltar.[50]

Em 2000, o Tool lança o box set Salival, colocando fim nos boatos de que a banda iria terminar.[40] Salival contém duas faixas inéditas ("Merkaba" e "L.A.M.C."), um cover de "No Quarter", do Led Zeppelin, um cover ao vivo da música "You Lied", da banda Peach, e versões ao vivo e alternativas de músicas antigas da banda.[51] As versões de DVD e VHS contêm videoclipes, e a versão de DVD tem um clipe bônus para a música "Hush". Nenhum single foi lançado para o álbum, porém a faixa escondida da música "L.A.M.C.", "Maynard's Dick", tocou nas rádios, e eventualmente seu nome foi trocado para "Maynard's Dead".[6]

Em janeiro de 2001, uma notícia falsa foi lançada dizendo que o Tool iria lançar um álbum chamado Systema Encéphale, que conteria 12 faixas. As notícias falsas foram espalhadas em sites como o Napster.[52] O site foi fortemente criticado pela banda na época, com Keenan dizendo que esses serviços "destroem a cena musical, junto com as gravadoras, artistas e compositores".[53] Um mês depois, a banda revelou (junto com sua lista de faixas) que o nome do novo álbum seria Lateralus.[54]

Em 15 de maio de 2001, o terceiro álbum de estúdio do Tool, Lateralus, é lançado. O álbum marca uma forte mudança musical na banda, saindo das raízes que tinham no metal alternativo e incorporando elementos de art rock[55] e de rock progressivo.[55][56][57] O jornal The A.V. Club descreveu Lateralus como um álbum com composições complexas e longas, usando elementos da música do Extremo Oriente e do rock industrial.[58] O álbum foi descrito pela revista Rolling Stone como "uma mistura de Jane's Addiction com o álbum Larks' Tongues in Aspic, do King Crimson".[59]

O álbum se tornou um sucesso mundial, chegando ao primeiro lugar na Billboard 200.[60] "Schism" foi a única canção da banda que alcançou a Billboard Hot 100, ficando na 67ª posição.[61] A canção ganhou a "Melhor Performance de Metal" do Grammy Awards.[62][63] "Lateralus" foi nomeada como a "melhor canção de metal do século XXI" pela revista Louwdire.[64] Durante a cerimônia do Grammy, o baterista Danny Carey brincou dizendo: "Obrigado aos meus pais por me aturarem, e eu gostaria de agradecer a Satanás", e o baixista Justin Chancellor disse: "Eu gostaria de agradecer ao meu pai por ter feito a minha mãe".[65]

Em agosto de 2001, o Tool fez uma pequena turnê com o King Crimson, uma das maiores influências para a banda. Keenan depois comentou sobre a turnê: "Para mim, estar no palco com King Crimson é como Lenny Kravitz tocando com Led Zeppelin, ou Britney Spears no palco junto com Debbie Gibson".[55] As turnês do álbum terminaram em novembro de 2002.[66]

Em 2005, mais uma "pegadinha de 1 de abril" relacionada à banda foi feita, dizendo que Keenan havia "encontrado Jesus" e que estaria deixando a banda.[67] Kurt Loder, da MTV, chegou a contatar Keenan por e-mail para perguntar sobre o rumor, na qual ele confirmou ser verdade. Mais tarde, Loder o contatou novamente, e Keenan respondeu simplesmente com "heh heh".[68] Em 7 de abril, a banda anunciou em seu site oficial de que a notícia era falsa e de que eles estavam gravando um novo material.[69]

10,000 Days e o quinto álbum de estúdio (2006-presente)Editar

 
Banda apresentando-se em Barcelona, em 2006.

Detalhes sobre o próximo álbum começaram a surgir, como a influência das bandas Fantômas e Meshuggah, com quem fizeram turnê. Em uma entrevista ao canal MTV, o baterista Danny Carey disse que o novo álbum seria mais "pesado e intenso" que o anterior, Lateralus.[70] Especulações sobre o título do novo álbum foram feitas, porém foram descartadas quando a banda anunciou que o título será 10,000 Days. Ainda assim, algumas especulações continuaram, alegando que 10,000 Days era apenas um álbum para enganar o público.[71] Os rumores acabaram quando uma cópia do álbum foi vazada na internet uma semana antes de seu lançamento oficial.[72]

O primeiro single, "Vicarious", chegou ao segundo lugar da tabela Alternative Songs.[73] 10,000 Days vendeu por volta de 564,000 unidades na primeira semana nos Estados Unidos,[74] e também chegou ao primeiro lugar na Billboard 200.[60] Contudo, o álbum foi menos bem recebido pela crítica em comparação com o anterior, Lateralus.[75][76]

Ainda em 2006, o Tool fez turnês para promover o álbum, junto com as bandas Isis e Mastodon.[77] Em 15 de junho de 2007, a banda apareceu como atração principal no Bonnaroo Music Festival, com participação especial do guitarrista Tom Morello, da banda Rage Against the Machine, na performance da canção "Lateralus".[78] A faixa "Vicarious" foi nomeada para o "Best Hard Rock Performance" do Grammy Awards.[79] Em 2008, a faixa "The Pot" foi nomeada para a mesma categoria.[80] O álbum venceu o "Best Recording Package".[81]

Em maio de 2007, o baixista Justin Chancellor declarou que a banda provavelmente iria continuar a turnê até o começo de 2008, e que, depois disso, tirariam uma folga.[82]

Até uma ideia de um filme "surreal" sobre a banda foi cogitada pelos membros, porém, a ideia foi abandonada, com o guitarrista Adam Jones declarando que a ideia era "apenas conversa agora".[83]

Em 18 de julho de 2009, o Tool começou sua "turnê de verão", com seu primeiro show no Mile High Music Festival, em Commerce City, Colorado. A banda também fez uma apresentação no Lollapalooza em 8 de agosto em Chicago, e sua turnê terminou no Epicenter Festival, em Pomona, Califórnia, no dia 22 de agosto.[84][85] Em janeiro e fevereiro de 2012, a banda fez sua "turnê de inverno" nos Estados Unidos e no Canadá. Ainda no mesmo ano, no dia 23 de junho, eles fizeram uma apresentação no Rivers Edge Festival, em Saint Paul, Minnesota.[86] Em 12 de maio de 2013, a banda se apresentou no Ozzfest do Japão.[87] Enquanto isso, Keenan fez turnês com sua banda Puscifer, que ele descreve como ideias musicais que ele não conseguiu explorar com o Tool ou com A Perfect Circle.[88]

Ainda em 2013, Carey disse a uma rádio da Nova Zelândia que o novo álbum poderia ser lançado em algum momento do ano, apesar de Keenan ter dito a uma rádio do Chile que o álbum não viria em 2013.[89] Mais tarde, Carey disse que seria mais provável que o álbum fosse lançado no começo de 2014.[90] Em 6 de março de 2014, Jones disse que o álbum estava completo e que deveria ser lançado no mesmo ano.[91] No dia seguinte, a banda desmentiu a declaração de Jones, dizendo que sua "piada de improviso foi tirada de contexto".[92]

Em 15 de julho de 2014, Carey e Jones disseram à revista Rolling Stone que o principal motivo para o atraso do quinto álbum é um processo em andamento. Carey disse que uma faixa de quase 10 minutos ainda sem título já está pronta, e Jones a descreveu como "muito bem feita".[93]

Em fevereiro de 2015, Jones postou um curta-metragem em sua página no Facebook, em que o baterista do Motörhead, Mikkey Dee, entra em um estúdio onde ambas as bandas estão trabalhando e pergunta a Jones o que ele está fazendo. Jones então responde que o Tool está trabalhando em "algumas músicas". Em março do mesmo ano, ele declarou que a banda ganhou o processo e que eles estão "mais inspirados" para criar do que antes.[94]

Em janeiro de 2016, eles fizeram uma turnê nos Estados Unidos.[95]

Em 2017, foi relatado que Keenan tinha começado a gravar os vocais para o próximo álbum,[96] e mais tarde foi dito que o álbum não seria lançado em 2017.[97][98] Em março, a banda anunciou uma turnê na América do Norte.[99] Em junho, Chancellor disse que o álbum estava "por volta de 90%",[100] enquanto Carey disse em dezembro que o álbum "definitivamente" seria lançado em 2018.[101][102]

Em fevereiro de 2018, Jones revelou que Keenan estava trabalhando nas letras do álbum, e que a banda iria começar a gravar em março.[103] Em junho, durante seu discurso de aceitação do prêmio "Icon Award" no Metal Hammer Golden Gods Awards, Keenan disse: "Muito trabalho está sendo feito, muito trabalho já foi feito. Vou deixar registrado agora dizendo que vocês verão músicas novas no ano que vem".[104] Em setembro do mesmo ano, Keenan anunciou em seu Twitter que a produção do novo álbum estava progredindo.[105] Em janeiro de 2019, Keenan disse que havia terminado a gravação de seus vocais para o álbum "há meses atrás".[106] Enquanto isso, Carey disse que o objetivo é lançar o álbum em meados de abril, e, mais tarde, Keenan disse que o álbum provavelmente será lançado entre maio e julho.[107] Em 5 de maio de 2019, a banda estreou duas novas músicas chamadas "Descending" e "Invincible" no festival Welcome to Rockville, em Jacksonville, Flórida.[108] Dois dias depois, a banda confirmou que o álbum será lançado no dia 30 de agosto de 2019.[109]

Estilo musical e influênciasEditar

Stephen Thomas Erlewine do site AllMusic descreve a banda como uma mistura de um metal obscuro com a ambição do art rock, usando elementos musicais de bandas como Jane's Addiction e de gêneros como grindcore, death metal, thrash metal, rock progressivo e até pós-punk.[40] Patrick Donovan do jornal The Age descreve o Tool como "a banda de metal da pessoa que pensa. Cerebrais e viscerais, macios e pesados, melódicos e abrasivos, delicados e brutais, familiares e estranhos, ocidentais e orientais, bonitos e feios, tenso, porém amplo e épico, são um emaranhado de contradições".[71] O jornal The New York Times aponta semelhanças da banda com o Led Zeppelin nos riffs de guitarra e nos modos do Oriente Médio.[110] O álbum de 2001 Lateralus foi comparado ao álbum Meddle, do Pink Floyd.[56]

Tool é categorizado como uma banda de metal progressivo,[8][31][111][112][113] metal alternativo,[113][114][115][116] art rock,[40] rock progressivo,[117][118] art metal,[54][55][119][120] avant-garde metal[121][122] e post-metal.[123]

MúsicaEditar

O Tool usa de diversos ritmos de tempo incomuns. Por exemplo, o baixista Justin Chancellor descreve o tempo de "Schism" como "seis" e "seis e meio" e que depois entra em "todos os tipos de tempos". A revista Bass Player descreve seu estilo de baixo como tendo "um tom de mid-range, técnicas no estilo de guitarra e versatilidade elástica". Como exemplo, a revista citou o efeito wah "martelado" usado na música "The Patient".[124]

O baterista Danny Carey usa de técnicas de polirritmia e de tabla, e teve influência de bateristas como John Bonham, Ringo Starr, Stewart Copeland, Bill Bruford, Carl Palmer, Terry Bozzio, Billy Cobham, Louie Bellson, entre outros bateristas do rock, jazz e jazz fusion.[125][126][127]

O vocalista Maynard James Keenan já foi comparada com a do vocalista Layne Staley, da banda Alice in Chains, sendo considerado pelo jornal Seattle Post-Intelligencer como o "mais natural para substituir Staley".[128] O jornal The New York Times cita sua capacidade de "dignificar emoções como luxúria, raiva e desgosto, o mel em sua voz adicionando um toque de profundidade".[129]

Segundo a revista Guitar Player, o guitarrista Adam Jones não é focado em nenhum gênero musical, porém usa elementos de música pop, jazz, avant-garde e blues.[130] Além disso, a banda faz uso de forte experimentação instrumental, como, por exemplo, o uso do talkbox na música "Jambi' e do chamado "‘pipe bomb microphone".[131]

A banda coloca ênfase na sonoridade de suas músicas e tenta diminuir o efeito que as letras podem ter na percepção das mesmas.[1] Por exemplo, o uso da sequência de Fibonacci no número de sílabas por linha na letra de "Lateralus"[132] e o uso do métrico iâmbico em "Jambi".[133] Keenan quis explorar letras mais pessoais no álbum 10,000 Days,[134] como o próprio nome do álbum e sua faixa título, que fazem referência ao tempo em que sua mãe ficou paralisada por conta de um derrame, em 1976, até sua morte, em 2003.[135][136][137]

InfluênciasEditar

A banda britânica de rock progressivo King Crimson é citada como uma das maiores influências para o Tool. A banda também cita o letrista Peter Sinfield como uma influência.[138] O guitarrista Robert Fripp disse ser um fã da banda, e acrescentou: "Os membros do Tool têm sido generosos o suficiente para sugerir que o [King] Crimson foi uma influência neles. Adam Jones me perguntou se eu poderia detectá-lo em sua música, e eu disse que não podia. Eu posso detectar mais influência do Tool no King Crimson, do que eu posso ouvir King Crimson no Tool".[139] Bandas como Rush,[140] Helmet,[141] Jane's Addiction,[40] the Melvins,[19] Depeche Mode, Joni Mitchell, e a música country também são citadas como influência pelos membros da banda.[27]

Sean Richardson do jornal The Boston Phoenix vê influência do álbum Undertow em bandas como Deftones, System of a Down e Korn, assim como a influência da própria banda no "novo metal".[142] O estilo de vocal de Keenan tem influenciado vocalistas como Pete Loeffler da banda Chevelle,[143] Benjamin Burnley do Breaking Benjamin[144] e Fred Durst do Limp Bizkit.[145]

Artes visuaisEditar

Tool também se destaca por suas artes em seus videoclipes e capas de álbuns. O guitarrista Adam Jones é o diretor de arte e dos videoclipes da banda.[146]

VideoclipesEditar

A banda possui oito videoclipes oficiais, porém os membros raramente aparecem neles. Keenan diz que o motivo disso é porque "as pessoas se prendem às personalidades envolvidas, em vez de ouvir a música".[13] Em grande maioria, os clipes são feitos na técnica stop-motion.[11] Além de Adam Jones, muitas vezes os vídeos são feitos em colaborações com outros artistas, como Chet Zar, Alex Grey, Meats Meier e Matt Santoro.[147]

Em 1994, a revista Guitar School comentou sobre videoclipe de "Sober": "Uma peça perturbadora de animação stop-motion e um gênio frio. 'Sober' centra-se em uma dor e um Messias confuso, tentando lidar com um ciclo de raiva, solidão e depressão. Pelo menos é o que achamos que é".[10]

Jones disse que o clipe de "Prison Sex" é "sobre alguém que é sexualmente molestado quando criança e, consequentemente, fica traumatizado. Quando ele fica mais velho, ele libera esse trauma oculto por ele mesmo molestar uma criança. O vídeo é uma interpretação surrealista do círculo involuntário de causa de retribuição por molestamento".[25]

O clipe do single "Vicarious" foi feito usando a tecnologia CGI.[11]

Capas de álbunsEditar

Adam Jones é responsável pela maioria das capas dos álbuns. A capa do álbum Undertow representa uma caixa torácica esculpida por Jones.[25] Capas dos próximos álbuns foram feitas em colaboração com outros artistas: Ænima foi feita em colaboração com Cam de Leon;[6] Lateralus e 10,000 Days com colaboração de Alex Grey.[146][148][149]

ShowsEditar

Tool já apareceu em shows com diversos artistas, como The Melvins e o grupo de artes experimentais Osseus Labyrint, na turnê do álbum Lateralus;[150] entre vários outros em outras turnês. Eles já fizeram covers em shows de músicas de bandas como Led Zeppelin, Kyuss, Peach, Ted Nugent e Ramones.[6][151]

Shows ao vivo do Tool incluem artes visuais e até performances de atores no palco, e normalmente são feitos em palcos com pouca iluminação, fazendo com que a banda não seja o foco principal do show.[152] Keenan faz sua performance ao lado de Carey em uma plataforma, enquanto Jones e Chancellor ficam na frente do palco.[153] Na maioria das vezes, Keenan não olha para o público nos shows.[120][154] O designer de vídeos ao vivo da banda, Breckinridge Haggerty, explica que "os espaços escuros são principalmente para Maynard. Muitas das músicas são uma jornada pessoal para ele e ele tem dificuldades com o brilho das luzes quando está tentando reproduzir essas emoções para o público. Ele precisa de um pouco de espaço pessoal e se sente mais confortável nas sombras". Ele também explica que a banda não faz uso de câmeras ao vivo ou de followspot, e que "todo o vídeo é reproduzido. São todos os clipes em loop que não são acompanhados por uma música como um videoclipe. A banda nunca usou nenhum tipo de timecode. Eles sempre garantiram que o vídeo pudesse mudar rapidamente, de uma maneira que pudesse ser improvisada. Essa é uma parte importante da produção. O show nunca é o mesmo duas vezes". Durante os anos, a biblioteca de vídeos acumulados pela banda foi por volta de 6 horas de material, a maior parte dos vídeos foram criados por Adam Jones, sua esposa Camella Grace, Chet Zar, Meats Meier e Breckinridge Haggerty.[155] Parte do material criado por Zar foi lançado em seu DVD Disturb the Normal.[156]

IntegrantesEditar

Membros atuaisEditar

Ex-membrosEditar

  • Paul D'Amour - baixo (1990-1995)

DiscografiaEditar

 Ver artigo principal: Discografia de Tool

Prêmios e nomeaçõesEditar

Ano Trabalho nomeado Prêmio Resultado
1997 "Ænema" Best Metal Performance Venceu
Ænima Best Recording Package Nomeado
"Stinkfist" Best Music Video, Short Form Nomeado
2002 "Schism" Best Metal Performance Venceu
2007 10,000 Days Best Recording Package Venceu
"Vicarious" Best Hard Rock Performance Nomeado
2008 "The Pot" Best Hard Rock Performance Nomeado

Referências

  1. a b c Gennaro, Loraine (1997). «Angry Jung Men!». Livewire Magazine. 7 (3). Consultado em 8 de abril de 2007 
  2. «Paul D'Amour». toolshed.down.net (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  3. Kitts, Jeff; Tolinski, Brad (2002). Guitar World Presents Nu-metal (em inglês). [S.l.]: Hal Leonard Corporation. p. 3. ISBN 9780634032875 
  4. Mclver, Joel (7 de março de 2012). Unleashed: The Story of TOOL (em inglês). [S.l.]: Omnibus Press. p. 15. ISBN 9780857127709 
  5. Newquist, Harvey P.; Maloof, Rich (2004). The New Metal Masters (em inglês). [S.l.]: Hal Leonard Corporation. p. 11–15. ISBN 9780879308049 
  6. a b c d e f g h i j k l Akhtar, Kabir (3 de setembro de 2012). «The Tool FAQ». The Tool Page. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  7. a b Turman, Katherine (31 de maio de 1994). «A Sober Look At Tool». Circus. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  8. a b Blake, Blair MacKenzie. «Let Not My Tears Fall Unnoticed: Being the Secret Joys of a Lachrymist». Tool Army. Consultado em 16 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 12 de outubro de 2016 
  9. Zappa, Moon Unit (Abril de 1994). «Tool Rules». Ray Gun. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  10. a b c Gennaro, Loraine (Março de 1994). «Tool Guitarist Adam Jones is a Master of Many Trades». Guitar School. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  11. a b c Ford, Chris (14 de outubro de 2013). «10 Best Tool Videos». Noisecreep (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  12. a b c d e Sokal, Roman (23 de maio de 2001). «Tool - Stepping Out From the Shadows». Exclaim!. Consultado em 16 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 19 de abril de 2018 
  13. a b c Roncon, Theresa (Fevereiro de 1997). «Tool Muchmusic spotlight». Muchmusic. Consultado em 30 de janeiro de 2019 
  14. «White Zombie Tour Dates». metallipromo.com. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  15. «Corrosion of Conformity Tour Dates». metallipromo.com. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  16. Ankeny, Jason. «Escape from L.A. - Original Soundtrack | Songs, Reviews, Credits». AllMusic (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  17. Theakston, Rob. «Undertow - Tool | Songs, Reviews, Credits | AllMusic». AllMusic. Consultado em 3 de novembro de 2018 
  18. Dolan, Jon (Agosto de 2006). «33 things you should know about Tool». Blender. Consultado em 31 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 26 de setembro de 2016 
  19. a b Pettigrew, Jason (Março de 1997). «Nobody's Tool». Alternative Press. Consultado em 31 de janeiro de 2019 
  20. Garza, Janiss (Abril de 1997). «Hard rockers hail comic genius Bill Hicks». High Times. Consultado em 31 de janeiro de 2019 
  21. «Interviews - Bill Hicks». Fade to Black. Consultado em 31 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 17 de outubro de 2006 
  22. «Tool fact kit». Circus. Janeiro de 1997. Consultado em 31 de janeiro de 2019 
  23. Hasted, Nick; Lewry, Fraser (16 de janeiro de 2019). «20 banned album sleeves: when rock falls foul of the censors». Classic Rock Magazine (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  24. Griffin, J.R. (1994). «Tool on Videos, Censorship, Art, And Why You Should Never Let A G». Axcess. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  25. a b c Jenison, David (Dezembro de 1994). «Tool». HYPNO. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  26. «A Tool for the Truly Cool. Big hit of Lollapalooza tour gears up for second album». San Francisco Chronicle. 10 de novembro de 1994. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  27. a b Epstein, Dan (6 de abril de 2018). «Tool's 'Undertow': 10 Things You Didn't Know». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  28. Fiend, Rob (Outubro de 1996). «Sink or Swim - A Conversation With Tool's Justin Chancellor». Gavin Magazine. Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  29. Wiederhorn, Jon (17 de setembro de 2018). «Tool's 'Aenima': 10 Things You Didn't Know About Band's Watershed Second Album». Revolver (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  30. Theiner, Manny (28 de setembro de 2006). «Concert Review: Tool's prog pleases populace - Pittsburgh Post-Gazette». Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 9 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 14 de outubro de 2013 
  31. a b Pradhan, Karan (3 de outubro de 2016). «As Tool's Ænima turns 20 years old, producer David Bottrill talks to us about aging, rumours and more». Firstpost. Consultado em 9 de fevereiro de 2019 
  32. Langer, Andy (Maio de 1997). «Another Dead Hero». The Austin Chronicle. Consultado em 10 de fevereiro de 2019 
  33. Zwick, John (25 de fevereiro de 2004). «Dead 10 years, Hicks still makes us laugh». Universidade do Colorado. Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2007 
  34. «Track #1 Fiasco». Consultado em 13 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 26 de maio de 2013 
  35. a b «Adam Jones». Grammy Award (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2019 
  36. «the fall 1996 tour». toolshed.down.net. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  37. «the spring 1997 tour». toolshed.down.net. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  38. Akhtar, Kabir. «Tool News: April Fools 1997». toolshed.down.net. Consultado em 16 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 26 de maio de 2013 
  39. «the summer 1997 tour: lollapalooza». toolshed.down.net. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  40. a b c d e Erlewine, Stephen Thomas. «Tool Biography». AllMusic. Consultado em 28 de abril de 2006 
  41. Pareles, Jon (14 de julho de 1997). «Lollapalooza's Recycled Hormones: Rebellion by the Numbers». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  42. Fruchtman, Edward (Agosto de 1997). «Never wanted to be Rock Starts but they Are». Circus. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  43. «40th Annual Grammy Awards». Rock On The Net. 25 de fevereiro de 1998. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  44. «Kerrang! Albums Of The Year 1996». Rocklist.net. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  45. «Terrorizer Albums Of The Year 1996». Rocklist.net. Consultado em 21 de fevereiro de 2019 
  46. «Tool Ends Legal Battle, Plans New Album». MTV News (em inglês). 7 de dezembro de 1998. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  47. Borzillo-Vrenna, Carrie (25 de novembro de 2000). «Tool Gets Sued By Manager For $5 Million». CDNow / Allstar. Consultado em 23 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 26 de maio de 2013 
  48. Slater, Rosanna (Agosto de 2001). «Home Improvement». Classic Rock. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  49. Kline, Scott (17 de outubro de 2002). «Breslin hosts heavier sound». The State News. Consultado em 25 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2008. Rumors of a breakup surfaced when Maynard joined former Tool guitar tech Billy Howderdel as a part of A Perfect Circle. 
  50. Stout, Alan K. (Outubro de 2001). «Egos play second fiddle to Tool's music». Miami Herald. Consultado em 25 de fevereiro de 2019 
  51. Kot, Greg (15 de fevereiro de 2001). «Salival». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2019 
  52. Akhtar, Kabir (Janeiro–março de 2001). «Old News». toolshed.down.net. Consultado em 26 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 26 de maio de 2013 
  53. Gabriella (Setembro de 2000). «Interview with Maynard James Keenan of A Perfect Circle». NY Rock. Consultado em 27 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 10 de março de 2016 
  54. a b D'Angelo, Joe (15 de fevereiro de 2001). «Tool Tinker With Album Title, Set Track List». MTV News (em inglês). Consultado em 2 de março de 2019 
  55. a b c d Bond, Laura (6 de agosto de 2001). «Tool Stretch Out And Slow Down In Show With King Crimson - Rhapsody Music Downloads». VH1. Consultado em 2 de março de 2019. Arquivado do original em 4 de junho de 2011 
  56. a b Theakston, Rob. «Lateralus - Tool | Songs, Reviews, Credits». AllMusic (em inglês). Consultado em 2 de março de 2019 
  57. «50 Greatest Prog Rock Albums of All Time». Rolling Stone (em inglês). 17 de junho de 2015. Consultado em 22 de março de 2019 
  58. Klein, Joshua (15 de maio de 2001). «Tool: Lateralus». The A.V. Club (em inglês). Consultado em 2 de março de 2019 
  59. Fricke, David (14 de maio de 2001). «Lateralus». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 2 de março de 2019 
  60. a b «Tool Chart History — Billboard 200». Billboard. Consultado em 2 de março de 2019 
  61. «Tool Chart History — Hot 100». Billboard. Consultado em 2 de março de 2019 
  62. «44th Annual Grammy Awards - 2002». Rock On The Net. 27 de fevereiro de 2002. Consultado em 2 de março de 2019 
  63. «Tool | Awards». AllMusic (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2019 
  64. Hartmann, Graham (4 de setembro de 2012). «No. 1: Tool, 'Lateralus' – Top 21st Century Metal Songs». Loudwire (em inglês). Consultado em 16 de março de 2019 
  65. D'Angelo, Joe (27 de fevereiro de 2002). «Alicia Keys Takes Five, 'O Brother' Gets Most At 44th Grammy Awards». MTV News (em inglês). Consultado em 2 de março de 2019 
  66. «fall 2002». toolshed.down.net. Consultado em 6 de março de 2019 
  67. Hay, Travis (2 de maio de 2006). «Tool mesmerizes crowd». Seattle Post-Intelligencer. Consultado em 6 de março de 2019 
  68. Harris, Chris (5 de abril de 2005). «Maynard And Jesus Split: The Conclusion». MTV News. Consultado em 6 de março de 2019 
  69. Blake, Blair MacKenzie (7 de abril de 2005). «Tool: News». Tool. Consultado em 6 de março de 2019. Arquivado do original em 24 de outubro de 2005 
  70. Wiederhorn, Jon (7 de abril de 2004). «Tool Hammer Away At New Album». MTV News (em inglês). Consultado em 7 de março de 2019 
  71. a b Donovan, Patrick (5 de maio de 2006). «Is anyone listening?». The Age (em inglês). Consultado em 7 de março de 2019 
  72. Harris, Chris (11 de maio de 2006). «Tool Planning Summer Tour Around Keenan's Wine Harvest». MTV News (em inglês). Consultado em 7 de março de 2019 
  73. «Tool Chart History — Alternative Songs». Billboard. Consultado em 16 de março de 2019 
  74. Harris, Chris (10 de maio de 2006). «Tool, Pearl Jam Claim Billboard Chart In The Name Of Rock». MTV News (em inglês). Consultado em 16 de março de 2019 
  75. Metacritic avaliou 10,000 Days com 68 pontos, enquanto Lateralus ganhou 75 pontos. «Tool: 10,000 Days (2006)». Metacritic. Consultado em 16 de março de 2019 
  76. «Tool: Lateralus (2001)». Metacritic. Consultado em 16 de março de 2019 
  77. «fall 2006». toolshed.down.net. Consultado em 16 de março de 2019 
  78. Cohen, Jonathan (16 de junho de 2007). «Tool, All-Star Zeppelin Jam Highlight Bonnaroo Day One». Billboard. Consultado em 22 de março de 2019 
  79. «49th Annual Grammy Awards - 2007». Rock On The Net. 11 de fevereiro de 2007. Consultado em 22 de março de 2019 
  80. «50th Annual Grammy Awards - 2008». Rock On The Net. 10 de fevereiro de 2008. Consultado em 22 de março de 2019 
  81. Harris, Chris (13 de fevereiro de 2008). «Maynard James Keenan Hearts Foo Fighters; Says Tool Will Start Writing LP 'Right Away'». MTV News (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2019 
  82. Pulsifer, Eric (15 de maio de 2007). «Tool returns to Bossier on Thursday». nwlanews.com. Consultado em 27 de março de 2019. Arquivado do original em 18 de junho de 2008 
  83. Benson, John (12 de junho de 2007). «Tool Tossing Around Ideas For 'Surreal' Movie». Billboard. Consultado em 27 de março de 2019 
  84. «summer 2009». toolshed.down.net. Consultado em 27 de março de 2019 
  85. «Tool Expands Summer Tour». Blabbermouth. 29 de maio de 2009. Consultado em 27 de março de 2019. Arquivado do original em 11 de junho de 2009 
  86. «2012 Winter Tour – Summer 2012». toolshed.down.net. Consultado em 27 de março de 2019 
  87. «Tool, Deftones, Slash, Stone Sour confirmed for Ozzfest Japan». Blabbermouth. 24 de novembro de 2012. Consultado em 27 de março de 2019 
  88. Kinski, Klaus (22 de janeiro de 2010). «Puscifer (Maynard James Keenan) – 2010 Tour Dates including their first NYC shows ever (presale)». BrooklynVegan (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  89. «Tool Drummer Hopeful New Album Will Drop This Year». Blabbermouth. 7 de fevereiro de 2013. Consultado em 30 de março de 2019 
  90. Hartmann, Graham (15 de julho de 2013). «Drummer Danny Carey Says New Tool Album Most Likely to Surface in Early 2014». Loudwire (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  91. Firecloud, Johnny (6 de março de 2014). «Exclusive: New Tool Album Reportedly Finished, Set For 2014 Release». CraveOnline. Consultado em 30 de março de 2019. Arquivado do original em 11 de março de 2014 
  92. Grow, Kory (7 de março de 2014). «Tool Refute False Reports of Album Completion». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  93. Grow, Kory (15 de julho de 2014). «Why Tool Haven't Put Out a New LP». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  94. Wiederhorn, Jon (14 de março de 2015). «Exclusive: With Legal Obstacles Out of the Way Tool Are Again Hard at Work». Yahoo! (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  95. Young, Alex (13 de novembro de 2015). «Tool announce 2016 tour, and the first show is only two months away». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  96. Hartmann, Graham (17 de fevereiro de 2017). «Maynard James Keenan Begins Vocal Work on New Tool Album». Loudwire (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  97. Wicks, Amanda (8 de maio de 2017). «Tool and A Perfect Circle Won't Release Albums in 2017». Pitchfork (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  98. Young, Alex (8 de maio de 2017). «Apparently neither Tool nor A Perfect Circle will be releasing albums in 2017». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  99. Payne, Chris (13 de março de 2017). «Tool Announces 2017 North American Shows to Go Alongside Summer Fest Gigs». Billboard. Consultado em 30 de março de 2019 
  100. Hartmann, Graham (26 de junho de 2017). «Tool's Justin Chancellor: New Album is 'About 90-Percent There'». Loudwire (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  101. DiVita, Joe (8 de dezembro de 2017). «Danny Carey: New Tool Album Will 'Definitely' Be Out in 2018». Loudwire (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  102. Pasbani, Robert (8 de dezembro de 2017). «Danny Carey Gives Official Timetable For New Tool Album Release». Metal Injection. Consultado em 30 de março de 2019 
  103. Childers, Chad (19 de fevereiro de 2018). «Tool's Adam Jones Reveals March Recording Start for New Album». Loudwire (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  104. Kaye, Ben (13 de junho de 2018). «Maynard James Keenan promises Tool will release "new music next year"». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 30 de março de 2019 
  105. Daly, Rhian (11 de setembro de 2018). «Here's a promising update on that new Tool album». NME (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2019 
  106. Burks, Tosten (4 de janeiro de 2019). «Maynard James Keenan Says Vocals for Tool's Next Album Are Done». Spin. Consultado em 20 de abril de 2019 
  107. Kaufman, Spencer (8 de fevereiro de 2019). «Maynard James Keenan: New Tool album to arrive between May and July». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2019 
  108. Hahne, Stephanie (6 de maio de 2019). «Aconteceu! TOOL toca música inédita durante show; assista aos vídeos». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 23 de junho de 2019 
  109. «TOOL's New Album Gets Official Release Date». Blabbermouth. 8 de maio de 2019. Consultado em 23 de junho de 2019 
  110. Pareles, Jon (14 de julho de 1997). «Lollapalooza's Recycled Hormones: Rebellion by the Numbers». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 28 de abril de 2019 
  111. Ziemba, Christine N. (4 de dezembro de 2008). «Tool & Wine: Alt-rock Frontman Uncorks New Career». Paste (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  112. Raymer, Miles (9 de agosto de 2007). «Sharp Darts: Liquid Metal». Chicago Reader (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2019 
  113. a b Chapstick, Kelsey (4 de janeiro de 2019). «Maynard James Keenan: Final Vocals for New Tool Album Tracked Months Ago». Revolver (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  114. «Tool Add Artist Profiles To Music Streaming Services». Kerrang!. 2 de maio de 2019. Consultado em 12 de maio de 2019 
  115. «Entenda porque o tão aguardado próximo álbum do Tool não é o novo Chinese Democracy». Rolling Stone Brasil. UOL. 20 de fevereiro de 2018. Consultado em 20 de janeiro de 2019 
  116. Grierson, Tim. «Top 10 Essential Alt-Metal Songs». About.com. Consultado em 27 de maio de 2019. Arquivado do original em 3 de março de 2016. Alt-metal heroes Tool... 
  117. «Tool». Loudwire (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  118. Haid, Mike (Agosto de 2005). «Danny Carey». Modern Drummer. Consultado em 12 de maio de 2019. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2011 
  119. Grierson, Tim. «Tool Biography and Profile». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  120. a b Dentler, Matt (29 de julho de 2002). «Tool in need of some repair». The Daily Texan. Consultado em 20 de junho de 2019. Arquivado do original em 16 de julho de 2008 
  121. Butler, Blake. «Sober - Tool | Song Info». AllMusic (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  122. Rivadavia, Eduardo (6 de junho de 2018). «The Roots of Progressive Metal in 11 Songs». Loudwire (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  123. Augusto, Troy J. (21 de outubro de 1996). «Concert Review: Tool - Concerts & Live Music Shows». Variety. Consultado em 12 de maio de 2019. Arquivado do original em 25 de agosto de 2010 
  124. Shiraki, Scott; Bradman, E.E. (Maio de 2001). «Handy Man, HOw Justin Chancellor Frames Tool's Metal Madness». Bass Player. Consultado em 11 de maio de 2019 
  125. Hartmann, Graham (18 de março de 2019). «10 Times Danny Carey Was the Best Drummer on Earth». Loudwire (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2019 
  126. Blashill, Pat (4 de outubro de 2001). Tool (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC. p. 38 
  127. Lackowski, Rich (2008). On the Beaten Path, Progressive Rock: The Drummer's Guide to the Genre and the Legends Who Defined It (em inglês). [S.l.]: Alfred Music Publishing. p. 26. ISBN 9780739056714 
  128. Hay, Travis (20 de fevereiro de 2005). «Alice in Chains owns stage in tsunami-relief show full of surprises». Seattle Post-Intelligencer. Consultado em 12 de maio de 2019 
  129. Powers, Ann (22 de agosto de 2000). «ROCK REVIEW; Nearly Naked Guy Cloaked in Self-Confidence, and a Tattoo». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de maio de 2019 
  130. Wiederhorn, Jon (Junho de 2001). «Mysterious Ways». Guitar Player. Consultado em 12 de maio de 2019. Arquivado do original em 26 de maio de 2013 
  131. Forlenza, Jeff (1 de julho de 2006). «The Making of Tool's "10,000 Days"». Mixonline (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2019. Cópia arquivada em 27 de março de 2018 
  132. diCarlo, Christopher (31 de outubro de 2001). «Interview with Maynard James Keenan». cdicarlo.com. Consultado em 18 de maio de 2019. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2016 
  133. Blake, Blair MacKenzie (Julho de 2006). «Tool: Newsletter». Tool. Consultado em 18 de maio de 2019. Arquivado do original em 11 de março de 2017 
  134. «Tool: New Album Title Revealed?». Blabbermouth. 3 de março de 2006. Consultado em 18 de maio de 2019 
  135. Serpick, Evan (7 de junho de 2006). «10,000 Days». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2019 
  136. Hartmann, Graham (17 de abril de 2013). «10 Best Tool Songs». Loudwire (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2019 
  137. Gatta, John Patrick (28 de fevereiro de 2019). «Top 10 Tool Songs». Ultimate Classic Rock (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2019 
  138. «Augustember». Tool. 2001. Consultado em 27 de maio de 2019. Arquivado do original em 11 de março de 2017 
  139. Barry, Cleveland (Junho de 2003). «Eyes Wide Open». Guitar Player. Consultado em 27 de maio de 2019. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2009 
  140. Ives, Brian (24 de abril de 2013). «Geddy Lee On How Rush Finally Made It Into The Rock And Roll Hall Of Fame». Radio.com. Consultado em 27 de maio de 2019. Arquivado do original em 12 de agosto de 2017 
  141. Nixon, Chris (6 de julho de 2006). «Helmet heir». The San Diego Union-Tribune. Consultado em 27 de maio de 2019. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2015 
  142. Richardson, Sean (Maio de 2001). «Perfect Circles Tool connect on Lateralus». The Boston Phoenix. Consultado em 2 de junho de 2019 
  143. Rich, Robert (9 de maio de 2007). «Chevelle to play in Austin, remains unique despite criticism - Life & Arts». The Daily Texan. Consultado em 2 de junho de 2019. Arquivado do original em 12 de junho de 2008 
  144. Klosterman, Chuck (30 de agosto de 2004). «Saliva – Survival of the Sickest ; Breaking Benjamin – We Are Not Alone». Spin. Consultado em 2 de junho de 2019 
  145. Madden, Emma (7 de janeiro de 2019). «The Guide to Getting Into Tool, Rock's Most Lovable Pseudo-Intellectuals». Vice (em inglês). Noisey. Consultado em 2 de junho de 2019 
  146. a b Drew, Jonathan (11 de maio de 2006). «Name the band Tool's fave artist». Associated Press. Consultado em 8 de junho de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2011 
  147. Sandberg, Marian (1 de novembro de 2006). «Tool- Adam Jones-10,000 Days». Live Design. Consultado em 8 de junho de 2019. Arquivado do original em 7 de março de 2012 
  148. Stephens, Michael (8 de maio de 2002). «High Art: Alex Grey and the Chapel of Sacred Mirrors». PopMatters. Consultado em 15 de junho de 2019. Arquivado do original em 13 de março de 2009 
  149. Grosso, Chris (12 de fevereiro de 2019). «Visionary Art, Psychedelics, Tool: The Mystical Life of Alex and Allyson Grey». Revolver (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2019 
  150. Truong, Kev (2002). «Tool, The Melvins, Osseus Labyrint - April 24th, 2002 - Sydney, Australia @ Sydney Entertainment Centre». Blistering. Consultado em 20 de junho de 2019. Arquivado do original em 13 de março de 2016 
  151. Rothman, Robin A. (14 de agosto de 2002). «Tool Take Radio City». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2019 
  152. McManus, Keith P. (2001). «Tool thrills audience». The Flat Hat. Consultado em 20 de junho de 2019. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2009 
  153. Pareles, Jon (6 de outubro de 2001). «POP REVIEW; Flailing Wildly to Escape the Darkness». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 20 de junho de 2019 
  154. «Tool». Rolling Stone. 21 de novembro de 1996. Consultado em 20 de junho de 2019. Arquivado do original em 30 de abril de 2009 
  155. «700 Clips for 10,000 Days». Projection, Light and Staging News. 16 de outubro de 2006. Consultado em 20 de junho de 2019. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2013 
  156. Zar, Chet. «What is it?». Consultado em 23 de junho de 2019. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2010 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tool