Abrir menu principal

Wikipédia β

Zona Euro

(Redirecionado de Zona euro)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
  Países da Zona Euro
  Países da ERM II
  Outros países da UE
  Estados que usam o euro em função de tratados com a UE
  Estados/territórios fora da UE que adotaram unilateralmente o euro

A Zona Euro[1][2] ou oficialmente Área do Euro[3][4], e também chamada Eurozona refere-se a uma união monetária dentro da União Europeia, na qual alguns Estados-membros adotaram oficialmente o euro como moeda comum.

A entidade máxima que regula toda a política monetária é o Banco Central Europeu, sediado em Frankfurt, Alemanha.

A Zona Euro é a segunda maior economia do mundo, segundo estimativas da Agência Central de Inteligência (CIA) para 2013.[5]

Índice

MembrosEditar

Em 1998, onze Estados-membros da União Europeia estabeleceram um conjunto de critérios de convergência para a adoção do euro, tendo sido oficialmente criada a Zona Euro, a 1 de Janeiro de 1999 com a introdução da moeda. Naquela data, as notas e peças metálicas começaram a ser fabricadas em 11 países (Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos e Portugal). A nova moeda passou a circular desde 1 de Janeiro de 2002.[6][7]

A Grécia ingressou na Zona Euro a 1 de janeiro de 2001; a Eslovénia, a 1 de janeiro de 2007; Chipre e Malta, a 1 de janeiro de 2008; a Eslováquia, a 1 de janeiro de 2009; a Estónia a 1 de janeiro de 2011, a Letónia em 1 de janeiro de 2014, e a Lituânia em 1 de janeiro de 2015. Atualmente, dos 28 Estados-membros da União Europeia, 19 adotam o euro como a moeda oficial. A população total da Zona Euro supera os 323 milhões de habitantes.

 
Cédulas de euro, moeda comum dos 19 países da União Monetária Europeia.
Estado Data de Adoção População Exceções
  Alemanha 1 de janeiro de 1999 82 314 906
  Áustria 1 de janeiro de 1999 8 316 487
  Bélgica 1 de janeiro de 1999 10 403 951
  Chipre 1 de janeiro de 2008 766 400   República Turca de Chipre do Norte[8]
  Eslováquia 1 de janeiro de 2009 5 389 180
  Eslovénia 1 de janeiro de 2007 2 013 597
  Espanha 1 de janeiro de 1999 45 116 894
  Estónia 1 de janeiro de 2011 1 342 409
  Finlândia 1 de janeiro de 1999 5 289 128
  França 1 de janeiro de 1999 63 392 140   Nova Caledônia[9]
  Polinésia Francesa[9]
  Wallis e Futuna[9]
  Grécia 1 de janeiro de 2001 11 125 179
  República da Irlanda 1 de janeiro de 1999 4 239 848
  Itália 1 de janeiro de 1999 59 131 287   Campione d'Italia
  Letónia 1 de janeiro de 2014 2 008 700
  Lituânia 1 de janeiro de 2015 3 369 300
  Luxemburgo 1 de janeiro de 1999 476 200
  Malta 1 de janeiro de 2008 404 962
  Países Baixos 1 de janeiro de 1999 16 372 715   Aruba[10]
  Bonaire
  Curaçao
  Saba
  Santo Eustáquio
  São Martinho
  Portugal 1 de janeiro de 1999 10 599 095
  Zona Euro 326 549 089

Ampliação da Zona EuroEditar

 Ver artigo principal: Alargamento da zona euro

Nove países da UE não adotaram o Euro como moeda oficial: Bulgária, Croácia, Dinamarca, Hungria, Polónia, Roménia, Reino Unido, República Checa e Suécia.

A Dinamarca e o Reino Unido obtiveram casos excecionais no tratado original de Maastricht. Ambos estão isentos de se juntar à Zona Euro a não ser que um voto parlamentar ou referendo decida o contrário. A Dinamarca planeia realizar um referendo popular após realizados trâmites legais relacionados com o Tratado de Lisboa.[11]

A Suécia obteve a exceção de facto devido a uma lacuna legal. O país não possui os critérios necessários para a adoção da moeda única. O povo sueco rejeitou o euro através de referendo.

Antes que um Estado possa se juntar à Zona Euro deve passar dois anos no MTC II (Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio). A 1 de Janeiro de 2008 cinco bancos nacionais participaram no mecanismo. Os restantes deveriam juntar-se nos anos seguintes.

Os próximos países a aderirem à zona monetária são:

País Ano de Adesão
  Bulgária Sem data anunciada
  Polónia Sem data anunciada
  Roménia Sem data anunciada
  Hungria Sem data anunciada
  Croácia Sem data anunciada
  República Checa Sem data anunciada

Países Fora da União EuropeiaEditar

A Suíça e o principado de Liechtenstein, que ficam entre a Áustria, Itália, França e Alemanha, ficaram fora da União Europeia e também não adotaram o euro como a moeda local, permanecendo com o franco suíço.

A Noruega (Reino da Noruega) também não está na União Europeia, proposta rejeitada em dois referendos.

Com Acordo FormalEditar

Alguns países fora da União Europeia aderiram ao Euro. Para uma adoção formal, que implica a possibilidade de fabricar as suas próprias moedas, foi necessário atingir um acordo. O Mónaco, São Marino e o Vaticano chegaram a acordo com a União. Antes da adesão, o Mónaco tinha como moeda o franco monegasco e em São Marino e no Vaticano, a moeda oficial era a lira italiana.[12]

Os acordos foram também concluídos com os territórios ultramarinos da França: Saint-Pierre-et-Miquelon, na costa do Canadá. Estes territórios foram autorizados a utilizar o euro mas não ao cunho nacional.

Estado/Território Adoção Acordo População
  Andorra 1 de janeiro de 1999 Acordo com a UE 82 000
  Mónaco 1 de janeiro de 1999 31 de dezembro de 1998 32 671
  São Marino 1 de janeiro de 1999 31 de dezembro de 1998 29 615
  Saint Pierre et Miquelon 1 de janeiro de 1999 31 de dezembro de 1998 6 125
  Cidade do Vaticano 1 de janeiro de 1999 31 de dezembro de 1998 800

Sem Acordo FormalEditar

Andorra não tem uma moeda oficial nem moedas europeias, tendo adotado antes o Franco francês e a peseta espanhola como moedas de facto oficiais e nunca teve acordos formais com a Espanha ou com a França. Porém, Andorra está em negociações com a UE para uma futura adoção da moeda única por parte do principado sem, no entanto, aderir à União Europeia.[13]

Montenegro e o Kosovo usam o euro desde o seu lançamento, tendo anteriormente adotado o marco alemão ao invés do dinar sérvio. O euro tem ajudado na estabilização das economias daqueles países.

Outros países estão interessados em aderir ao euro mas sem serem membros efetivos da UE, tal como a Islândia, onde, segundo uma sondagem, 53% dos inquiridos apoiam a adoção do euro como moeda oficial.[14]

Há ainda o caso do Zimbabwe, que suspendeu a circulação da sua própria moeda, e entre as várias divisas que substituíram o dólar zimbabuano encontra-se o euro.

Estado/Território Adoção Interesse População
  Bases Britânicas Soberanas 1 de janeiro de 2008 n/d 14 500
  Linha Verde 1 de janeiro de 2008 n/d 0
  Kosovo 1 de janeiro de 2001 Membro da UE 2 100 000
  Montenegro 1 de janeiro de 2002 Membro da UE 684 736
  São Bartolomeu 1 de janeiro de 1999 n/d 8450
  Zimbabwe 2009[15] n/d 12 619 000

Moedas externas à UE indexadas ao euroEditar

  • Cabo Verde tinha a moeda indexada ao escudo português tendo transferido a indexação para o euro.
  • A Bósnia e Herzegovina alterou a indexação da sua moeda do marco alemão para o euro.
  • As moedas usadas em algumas nas antigas colónias francesas estavam indexadas ao franco francês e agora ao euro.

Números e FactosEditar

Categoria População Países e Territórios
Países-membro da Zona Euro 331 milhões   Alemanha,   Áustria,   Bélgica,   Chipre,   Eslováquia,   Eslovénia,   Espanha,   Estónia,   Finlândia,   França,   Grécia,   Irlanda,   Itália,   Letónia,   Lituânia,   Luxemburgo,   Malta,   Países Baixos,   Portugal.
Países e territórios fora da UE, sem moeda oficial, utilizando o Euro 3 milhões
(15 milhões se se incluir o Zimbabwe)
  Bases Britânicas Soberanas,   Linha Verde   Andorra,   Kosovo,   Montenegro,   Mónaco,   San Marino e   Vaticano
  Zimbabwe
Territórios fora da UE e fora da Europa 207 mil   Ilha de Clipperton,   Terras Austrais e Antárticas Francesas,   São Bartolomeu,   Saint-Pierre e Miquelon e   Guiana Francesa
Países da UE com moedas indexadas ao euro 15 milhões   Bulgária e   Dinamarca
Países fora da UE com moeda indexada ao euro 69 biliões   Bósnia e Herzegovina,   Cabo Verde, Comores e   São Tomé e Príncipe
Franco CFP :   Nova Caledônia ,   Polinésia Francesa e   Wallis e Futuna
Franco CFA : Camarões, Costa do Marfim, Burkina Faso, Gabão, Benim, Congo, Mali, República Centro-Africana, Togo, Níger, Chade e Senegal, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial

Taxa de inflaçãoEditar

  • 1999: 1,0%
  • 2000: 2,0%
  • 2001: 2,8%
  • 2002: 1,9%
  • 2003: 1,9%
  • 2004: 2,5% (Maio)
  • 2005: 1,9% (Maio)
  • 2006: 2,5%
  • 2007: 2,5%
  • 2008: 2,6%
  • 2009: 1,2%
  • 2010: 1,4%
  • 2011: 1,4%

[carece de fontes?]

Política fiscalEditar

Os membros da Zona Euro têm de respeitar o Pacto de Estabilidade e Crescimento e manter o seu défice público abaixo de 3% do produto interno bruto (PIB). Se não o fizerem ficarão sujeitos ao pagamento de multas. O pacto de estabilidade e crescimento também proíbe uma dívida pública superior a 60% do PIB.

Efeitos da crise de 2008Editar

A crise financeira de 2008-2009 foi a justificação para a Dinamarca, a Polónia e a Islândia mostrarem interesse em aderir ao espaço monetário.[16]

Por outro lado, uma vez que a Letónia pediu ajuda ao FMI, é possível que esta instituição "obrigue" o país a desistir da sua moeda como condição inicial.

A Roménia tem um dos maiores prazos, devendo a adopção acontecer para lá de 2013. O primeiro-ministro húngaro Péter Medgyessy anunciou, em 2003, que a Hungria iria se juntar à Zona Euro em 2008. No entanto, em 2004, o prazo dilatou-se para 2010. Quando a Hungria adoptou o programa financeiro de conversão em 2006, sofreu vários problemas financeiros.[17]

A Estónia encontrou problemas relacionados com a inflação que levaram a adiar a adopção do euro de 2007 para 2011. Recentes análises afirmaram que a Bulgária não estará pronta a juntar-se ao euro antes de 2015 devido também aos problemas de inflação mas também devido aos impactos da Crise Financeira Global de 2008.[18]

Crise da dívida pública na Zona EuroEditar

No início de 2010, temores com relação a uma crise da dívida soberana de vários países da Zona Euro, como Grécia, Espanha, Irlanda, Portugal e Itália[19] levaram a uma crise de confiança e ao consequente aumento dos spreads dos títulos e do seguro para cobertura de risco dos swaps de "credit default" para esses países.

Referências

  1. «Designação adoptada no Tratado de Nice – Declaração respeitante ao artigo 111.º do Tratado que institui a Comunidade Europeia» (PDF) 
  2. «De acordo com o sítio da Comissão Europeia para os Assuntos Económicos e Financeiros, Por "zona euro", entende-se o grupo dos Estados-membros da União Europeia que adotaram o euro como moeda.» 
  3. «De Acordo com o sítio da União Europeia, A expressão «Área do euro» designa o conjunto dos países que possuem a moeda única. O termo «Eurolândia» ou qualquer outro termo não deve ser utilizado em português.» 
  4. «Mapa da área do euro 1999 – 2009» 
  5. «World Factbook of CIA» (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2014 
  6. « Les pays membres de la zone euro » sur touteleurope.fr
  7. Le passage à l'Euro sur sceco.univ-poitiers.fr
  8. A auto-declarada República Turca de Chipre do Norte não é reconhecida oficialmente pela União Europeia e tem como moeda oficial a mesma da Turquia.
  9. a b c Os territórios franceses no Pacífico usam o Franco
  10. Aruba usa o florim arubiano. Faz parte do Reino dos Países Baixos, mas não da UE.
  11. «Dinamarca planeia realizar referendo» 
  12. «Agreements on monetary relations (Monaco, San Marino, the Vatican and Andorra)». European Communities. 30 de setembro de 2004. Consultado em 12 de setembro de 2006 
  13. «Euro em Andorra não a qualquer preço» 
  14. «Sondagem na Islândia sobre a adoção do euro» 
  15. No Zimbabwe está suspensa a própria moeda, tendo sido substituída por várias moedas africanas (Rand Sul-Africano, Pula do Botswana) e internacionais (Dólar dos Estados Unidos e Euro)
  16. «Crise financeira de 2008 obriga países a rever as suas políticas monetárias» 
  17. «A Hungria e o Euro» 
  18. «A Bulgária e o Euro» 
  19. Brian Blackstone, Tom Lauricella, and Neil Shah (5 de fevereiro de 2010). «Global Markets Shudder: Doubts About U.S. Economy and a Debt Crunch in Europe Jolt Hopes for a Recovery». The Wall Street Journal 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar