Óscar Carmona

11º presidente português (1926-1951)

António Óscar de Fragoso Carmona ComCComAGCAComSE (Lisboa, Pena, 24 de Novembro de 1869Lisboa, Lumiar, 18 de Abril de 1951) foi um militar e governante português, como presidente do Ministério e presidente da República Portuguesa (terceiro da Ditadura e primeiro do Estado Novo). É primo do chefe da Junta Militar de 1930 do Brasil, Augusto Tasso Fragoso.

Óscar Carmona
Fotografia oficial do Presidente da República Óscar Carmona
11Presidente da República Portuguesa
Período 29 de novembro de 1926
a 18 de abril de 1951
Primeiro-ministro José Vicente de Freitas
Artur Ivens Ferraz
Domingos Oliveira
António de Oliveira Salazar
Antecessor(a) Manuel Gomes da Costa
Sucessor(a) Francisco Craveiro Lopes
Presidente do Ministério de Portugal
Período 9 de julho de 1926
a 18 de abril de 1928
Antecessor(a) Manuel Gomes da Costa
Sucessor(a) José Vicente de Freitas
Ministro dos Negócios Estrangeiros
Período 4 de setembro de 1926
a 24 de setembro de 1926
Antecessor(a) António Maria de Bettencourt Rodrigues
Sucessor(a) António Maria de Bettencourt Rodrigues
Período 3 de junho de 1926
a 6 de julho de 1926
Antecessor(a) Armando da Gama Ochoa
Sucessor(a) Martinho Nobre de Melo
Ministério da Guerra
Período 9 de julho de 1926
a 16 de novembro de 1926
Antecessor(a) Manuel Gomes da Costa
Sucessor(a) Abílio Passos e Sousa
Período 15 de novembro de 1923
a 18 de dezembro de 1923
Antecessor(a) António Maria da Silva
Sucessor(a) António Ribeiro de Carvalho
Dados pessoais
Nome completo António Óscar de Fragoso Carmona
Nascimento 24 de novembro de 1869
Lisboa, Portugal
Morte 18 de abril de 1951 (81 anos)
Lisboa
Primeira-dama Maria do Carmo Ferreira da Silva Carmona
Filhos Cesaltina Amélia
António Adérito
Maria Inês
Partido União Nacional (1932-1951)
Profissão Militar
Serviço militar
Lealdade Portugal
Serviço/ramo Exército Português
Anos de serviço 1889–1951
Graduação 23 - Marechal.svg Marechal do Exército
Comandos 4ª Divisão do Exército Português (1922-1925)

BiografiaEditar

Nasceu a 24 de Novembro de 1869, na freguesia da Pena em Lisboa, filho de Inácio Maria Machado de Morais Carmona e de sua mulher, Maria Inês de Fragoso Corte-Real.[1]

Estudou no Colégio Militar em Lisboa entre 1882 e 1888 e na Escola do Exército entre 1889 e 1892, de onde saiu como oficial de Cavalaria.

Republicano, iniciado na Maçonaria,[2] foi nomeado pelo governo revolucionário republicano, a 15 de Outubro de 1910, membro da Comissão de Reestruturação do Exército.

Foi instrutor da Escola Central de Oficiais (1913–1914); Director da Escola Prática de Cavalaria de Torres Novas (1918–1922); Comandante da IVª Divisão situada em Évora (1922–1925); ministro da Guerra no governo de Ginestal Machado entre 15 de Novembro e 18 de Dezembro de 1923 e e participa como promotor de Justiça em vários julgamentos militares resultantes das múltiplas revoltas que ocorrem na fase final da I República (assim acontece no caso dos implicados na "Noite Sangrenta", de 19 de Outubro de 1921, e com os participantes na Revolta Outubrista).[3]

 
Retrato oficial do Presidente Óscar Carmona (1933), por Henrique Medina. Museu da Presidência da República.

Um dos líderes do golpe militar de 28 de Maio de 1926, seria Ministro da Guerra entre 9 de Julho e 29 de Novembro, ministro dos Negócios Estrangeiros entre 3 de Junho a 6 de Julho de 1926, pasta que acumulou com a de presidente do Ministério — após o derrube do general Gomes da Costa — a partir de 9 de julho de 1926. Foi nomeado presidente da República interino em 26 de Novembro de 1926. Eleito em 1928, ainda durante a Ditadura Militar, dando início ao período denominado Ditadura Nacional e, já na vigência da Constituição de 1933, em 1935, 1942 e 1949, não concluindo o último mandato por ter falecido no decurso do mesmo. Tendo atingido o posto de General em 1922, foi-lhe atribuído o título honorífico de marechal do exército em 1947.

A 25 de Abril de 1930 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem dos Santos Maurício e Lázaro de Itália.[4]

Faleceu a 18 de abril de 1951,na sua residência no Lumiar, pelas 11 horas e 43 minutos, vitima de broncopneumonia[1] [5], tendo ficado sepultado no Mosteiro dos Jerónimos. Em 1966 o seu corpo fora solenemente trasladado da Sala do Capítulo do Mosteiro dos Jerónimos para o Panteão Nacional da Igreja de Santa Engrácia, Lisboa, por ocasião da sua inauguração.[6] A cerimónia ocorreu no dia 5 de dezembro, conjuntamente com a trasladação de outras ilustres figuras portuguesas.

Foram impressas uma nota de 5 angolares e uma série de notas de 20$, 50$, 100$, 500$ e 1.000$ de Angola, bem como selos, com a sua imagem.

Condecorações nacionaisEditar

Notas

  1. a b Lisboa, 3ª Conservatória do Registo Civil de (18 de abril de 1951), Português: Registo de óbito de António Óscar de Fragoso Carmona, consultado em 9 de abril de 2022 
  2. Foi iniciado no triângulo N.º 1, de Chaves, entre 1894 e 1906, não tendo ultrapassado o grau de aprendiz. Abandonou a maçonaria, tendo, em 1935, assinado a lei que a ilegalizou em Portugal. Cf. MARQUES, A. H. de Oliveira.Dicionário de Maçonaria Portuguesa. Lisboa: Editorial Delta, 1986, vol I, col. 272-273.
  3. «Presidentes - Estado novo - Óscar Carmona (Biografia)» (em por). Sítio do Museu da Presidência da República. Consultado em 24 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2018. e participa como promotor de Justiça em vários julgamentos militares resultantes das múltiplas revoltas que ocorrem na fase final da I República. Assim acontece no caso dos implicados na "Noite Sangrenta", de 19 de Outubro de 1921, e com os participantes na Revolta Outubrista. 
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "António Óscar Fragoso Carmona". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 20 de março de 2016 
  5. «06332.053.12808». casacomum.org. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  6. Óscar Carmona (em inglês) no Find a Grave
  7. a b c d e «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Óscar Fragoso Carmona". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 20 de março de 2016 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Óscar Carmona

Precedido por
Manuel Gomes da Costa
Presidente do Ministério de Portugal
1926 — 1928
Sucedido por
José Vicente de Freitas
Precedido por
Manuel Gomes da Costa
 
11.º Presidente da República Portuguesa

1926 — 1951
Sucedido por
Francisco Craveiro Lopes