Aritana

telenovela brasileira produzida e exibida pela extinta Rede Tupi
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a telenovela. Para o líder indígena do Alto Xingu, veja Aritana Yawalapiti.

Aritana é uma telenovela brasileira produzida pela extinta Rede Tupi e exibida de 13 de novembro de 1978 a 30 de abril de 1979 em 146 capítulos, às 20 horas.[1]

Aritana
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 45 minutos aprox.
Criador(es) Ivani Ribeiro
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es)
Elenco
Tema de abertura "Kraho", Marlui Miranda
Exibição
Emissora original Rede Tupi
Transmissão original 13 de novembro de 1978 - 30 de abril de 1979
Episódios 146
Cronologia
Roda de Fogo
Como Salvar Meu Casamento

Foi escrita por Ivani Ribeiro e dirigida por Luiz Gallon, Álvaro Fugulin e Atílio Riccó.

Contou com as atuações de Carlos Alberto Riccelli, Bruna Lombardi, Jaime Barcelos, Tony Correia, John Herbert, Geórgia Gomide, Carlos Vereza e Jorge Dória.

SinopseEditar

Aritana é filho de uma índia e um homem branco que vive no Xingu. Tem um tio que chama de pai, um rico fazendeiro que não quer dividir com ele a herança e pretende negociar as terras onde vivem os indígenas com um grupo norte-americano. Para defender os interesses dos índios, Aritana vem para a cidade, onde conhece a médica veterinária Estela Bezerra, por quem se apaixona. Conta também a história de Lígia, uma ex-miss que é infeliz no casamento e que abandona a família para acompanhar o marginal Julião.

ProduçãoEditar

Aritana foi a última novela que Ivani Ribeiro escreveu para a TV Tupi. A autora ousou ao abordar as diferenças que separam a sociedade indígena e a civilizada ao mostrar um romance entre um índio e uma veterinária[2].

O personagem Aritana foi inspirado no índio brasileiro de mesmo nome, que ficou internacionalmente conhecido por defender as terras do seu povo, no Alto do Xingu, no Mato Grosso. A projeção midiática em cima dele fez com que Ivani Ribeiro se interessasse em escrever uma novela com temática indígena[3].

Para escrever a novela, Ivani contou com a ajuda dos Irmãos Villas-Bôas (Cláudio, Leonardo e Orlando), notórios sertanistas brasileiros de relevante atuação na defesa dos povos indígenas do país; anteriormente eles já haviam se engajado na causa indígena, sendo inclusive responsáveis pela criação do Parque Indígena do Xingu.[4]

Devido ao seu bom desempenho em Éramos Seis, o ator Carlos Alberto Riccelli foi escolhido para ser o índio protagonista, a pedido da própria Ivani Ribeiro[2]. Bruna Lombardi, que havia estreado na televisão em Sem Lenço, Sem Documento foi a grande aposta da novela no papel de protagonista[2].

Para se incorporar ao personagem Carlos Alberto Riccelli precisou ser instalado no posto de apoio da Funai no Xingu e começou a conhecer a rotina dos índios da região, inclusive participando dos rituais que eles faziam[4]

ElencoEditar

Trilha sonoraEditar

Referências

  1. «Aritana». Teledramaturgia. Consultado em 23 de abril de 2016 
  2. a b c «A novela que saiu em defesa do indígena brasileiro, no horário nobre da TV Tupi». Cartão de Visita. 15 de agosto de 2017. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  3. Jeff Benício (6 de agosto de 2020). «Índio morto por covid inspirou personagem de novela polêmica». Terra. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  4. a b Duh Secco (13 de novembro de 2020). «Há 43 anos, estreava polêmica novela que uniu casal junto até hoje». TV História. Consultado em 2 de novembro de 2021 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.