Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Arquidiocese de Cracóvia
Archidiœcesis Cracoviensis
Catedral de Wawel
Localização
País Polônia
Dioceses sufragâneas Diocese de Bielsko–Żywiec
Diocese de Kielce
Diocese de Tarnów
Estatísticas
Área 5 730 km²
Informação
Rito romano
Criação da diocese século X
Elevação a arquidiocese 28 de outubro de 1925
Governo da arquidiocese
Arcebispo Marek Jędraszewski
Arcebispo emérito Stanisław Dziwisz
Jurisdição Metropolitana
Contatos
Página oficial www.diecezja.pl

A Arquidiocese de Cracóvia (Archidiœcesis Cracoviensis, Archidiecezja krakowska) é uma arquidiocese da Igreja Católica situada em Cracóvia, na Polônia.[1] É fruto da elevação da Diocese de Cracóvia. Seu atual arcebispo é Marek Jędraszewski.[1] Sua é a Catedral Basílica dos Santos Estanislau e Venceslau.

Possui 447 paróquias servidas por mais de 2 mil padres, contando com 1,5 milhão de habitantes batizados, 97,4% da população.[1]

Índice

HistóriaEditar

A diocese de Cracóvia foi eregida no século X, pouco antes de 1000, talvez pelo rei Miecislau U no ano 984. A invasão da Boêmia de 1039 levou à destruição de arquivos eclesiásticos, por isso as origens da diocese e os nomes dos três primeiros bispos permanecem incertos ou lendários. Era originalmente um sufragânea da Arquidiocese de Gniezno.

A primeira cronologia foi compilada em 1266, a segunda em 1347. Originalmente, a diocese incluiu a cidade de Sandomir e Lublin, e toda a Pequena Polônia. De 1443 a 1791, os bispos de Cracóvia também foram Duques de Siewierz.

Em 1772, a diocese perdeu território ao sul do rio Vístula. Em 1790, ele perdeu a cidade de Lublin (agora Arquidiocese) e Kielce, onde duas novas dioceses foram erguidas.

No início do século XX, havia 850.000 católicos, 4.000 protestantes e 60.000 judeus em 197 paróquias da diocese. O imperador da Áustria tinha o privilégio de nomear o príncipe-bispo, após consulta com os bispos da Galícia.

Em 19 de agosto de 1807, devido à bula papal Quoniam carissimus do Papa Pio VII tornou-se parte da província eclesiástica de Lviv. Em 1818 tornou-se uma sufragânea da Arquidiocese de Varsóvia e em 1880, imediatamente sujeita à Santa Sé.

Foi elevada à categoria de arquidiocese metropolitana em 28 de outubro de 1925 pelo Papa Pio XI com a bula Vixdum Poloniae unitas, sendo atribuídas como Dioceses sufragâneas Tarnów, Kielce, Częstochowa e Katowice.

De 1964 a 1978 foi governado por Karol Józef Wojtyla, eleito Papa com o nome de Papa João Paulo II. Cracóvia é a primeira diocese não-italiana que teve seu ordinário eleito papa após 486 anos, pois o último foi Tortosa cujo arcebispo foi eleito papa sob o nome de Papa Adriano VI em 1522.

Em 8 de dezembro de 1981, o motto proprio Beata Hedvigis de João Paulo II instituiu a Pontifícia Academia de Teologia de Cracóvia, agora a Pontifícia Universidade Papa João Paulo II, que se origina da Faculdade de Teologia da Universidade Jaguelônica, fundada em 1397 pelo Papa Bonifácio IX.

Em 25 de março de 1992, a diocese perdeu uma parte de seu território, para o benefício da construção da nova diocese de Bielsko–Żywiec.

PreladosEditar

Bispos[1]Editar

ArcebisposEditar

Referências

  1. a b c d Cheney, David M. (2019). «Diocese of Kraków {Cracow}». The Hierarchy of the Catholic Church. Consultado em 16 de julho de 2019. Cópia arquivada em 6 de abril de 2019 

Ligações externasEditar