Abrir menu principal
Atrapalhando a Suate
Atrapalhando a Suate.jpg
 Brasil
1983 •  cor •  80 min 
Direção Victor Lustosa
Dedé Santana
Argumento Dedé Santana
Roteiro Victor Lustosa
Gilvan Pereira
Emanoel Rodrigues
Elenco Dedé Santana
Mussum
Zacarias
Lucinha Lins
Oswaldo Loureiro
Dino Santana
Gênero Comédia
Idioma Português
Cronologia
O Cangaceiro Trapalhão (1983)
O Trapalhão na Arca de Noé (1983)
Página no IMDb (em inglês)

Atrapalhando a Suate é um filme brasileiro de 1983 estrelado por Dedé, Mussum e Zacarias, membros do grupo Os Trapalhões e com as participações especiais de Lucinha Lins e Oswaldo Loureiro.

O filme foi uma produção da Demuza e da J. B. Tanko Filmes Ltda e foi filmado durante o período de separação dos Trapalhões.

Índice

SinopseEditar

Uma sátira à série policial de televisão SWAT, na qual um batalhão especial de polícia era destacado para missões perigosas. Os atrapalhados amigos Dedé, Mussum e Zacarias integram o grupo tático e só aprontam confusões na corporação.

Até que cansado das confusões causadas pelos três, o comandante (Oswaldo Loureiro) decide lhes dar uma última missão: proteger uma valiosa caixa nuclear de cair nas mãos de perigosos terroristas e leva-lá em segurança para um laboratório. Detalhe: uma vez, que a caixa exploda, pode causar um estrago muito grande, pior que a famosa Explosão de Hiroshima.

Nessa aventura, os trapalhões são auxiliados pela destemida Tenente Vera (Lucinha Lins), que em meio a missão acaba seqüestrada pelos bandidos. Agora, expulsos da corporação, os amigos agora nas ruas decidem agir por conta própria e salvar o dia. Para tal feito, eles contam com a ajuda de Juca (João Bourbonnais), chefe dos escoteiros e, namorado de Vera.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

Didi não participou dessa produção porque em 1983 Os Trapalhões se separaram.[1] Interesses à parte, Dedé, Mussum e Zacarias criaram a DeMuZa Produções, para gerir os negócios dos três humoristas. Como ambos os filmes não fizeram o sucesso desejado, a separação dos humoristas durou apenas seis meses e houve o retorno do quarteto no ano seguinte.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Rodrigo de Oliveira (29 de março de 2016). «Os Trapalhões e o Mágico de Oróz - Papo de Cinema». www.papodecinema.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  A Wikipédia tem o


  Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.