Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Aulo Cecina.
Aulo Cecina Peto
Cônsul do Império Romano
"Árria e Peto" (1690), de Pierre Lepautre, no Louvre.
Consulado 37 d.C.
Morte 42 d.C.

Aulo Cecina Peto (em latim: Aulus Caecina Paetus; m. 42) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto em 37 com Caio Canínio Rébilo[1].

Índice

CarreiraEditar

Em 42, Peto participou da conspiração de Lúcio Arrúncio Camilo Escriboniano contra o imperador Cláudio e acabou sentenciado à morte[2]. Sem coragem para suicidar, Árria Maior, sua esposa, lhe arrancou das mãos a adaga, apunhalou-se e, em seguida, devolveu-a ao marido dizendo que não doeu ("Paete, Non dolet")[2][3][4][5]. Sua história foi registrada nas cartas de Plínio, o Jovem, que obteve sua informação da neta de Árria, Fânia.

FamíliaEditar

Peto se casou com Árria Maior e os dois tiveram um filho que morreu antes dele[6], um outro, Caio Lecânio Basso Cecina Peto, foi adotado por Caio Lecânio Basso, cônsul em 64, e foi cônsul sufecto em 70, e uma filha, Árria Menor, que se casou com Públio Clódio Trásea Peto, cônsul sufecto em 56.

Referências

  1. CIL XIV, 00245
  2. a b Plínio, o Jovem, Epistolae 3, 16, 6.
  3. Dião Cássio, História Romana [LX, 16
  4. Tácito, Anais XVI, 34
  5. Marcial, Epigramas 1, 13.
  6. Plínio, o Jovem, Epistolae 3, 16, 3.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar