Carlos Augusto Strazzer

Carlos Augusto Strazzer
Nascimento 4 de agosto de 1946
São Caetano do Sul, SP
Nacionalidade brasileiro
Morte 19 de fevereiro de 1993 (46 anos)
Petrópolis, RJ
Ocupação ator, cantor e diretor de teatro

Carlos Augusto Strazzer (São Caetano do Sul, 4 de agosto de 1946Petrópolis, em 19 de fevereiro de 1993) foi um ator, cantor e diretor de teatro brasileiro.[1]

BiografiaEditar

Participou de diversas peças teatrais, entre elas Cemitério de Automóveis, de Fernando Arrabal; O Balcão, de Jean Genet, dirigidos por Victor Garcia e produzidos por Ruth Escobar; A Moratória, de Jorge Andrade; o musical Evita, um dos maiores sucessos da cena carioca dos anos 80;[1] e As Ligações Perigosas, de Choderlos de Laclos, outro êxito do final daquela década.

Ficou mais conhecido por sua participação na televisão, em muitas telenovelas e algumas minisséries, na Rede Globo, na TV Tupi, na Rede Manchete, na TV Bandeirantes e na TV Record.[1] Era conhecido por interpretar vilões ou personagens misteriosos e místicos, aos quais impregnava de elegância e ambiguidade.

Fez alguns filmes, como Gaijin – os caminhos da liberdade (1980), de Tizuka Yamasaki; Eles não usam black-tie (1981), de Leon Hirszman; Com licença, eu vou à luta (1986), de Lui Farias e Mistério no Colégio Brasil (1988), de José Frazão; além de participações especiais na produção internacional Moon Over Parador (1987), dirigida por Paul Mazursky; e no documentário Interprete mais, ganhe mais, dirigido por Andrea Tonacci, que trata do cotidiano do grupo teatral de Ruth Escobar e que ficou embargado na justiça por vinte anos.

Faleceu vítima de complicações respiratórias em decorrência da AIDS em 1993, aos 46 anos.[1]

Um de seus filhos, Fábio Strazzer, atualmente faz parte da equipe de diretores da Rede Globo de Televisão.

Trabalhos na televisãoEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m «Carlos Augusto Strazzer inicia carreira em peça censurada pela ditadura em 1967». Jornal O Globo. 9 de fevereiro de 2018. Consultado em 12 de junho de 2020 
  2. Costa, Fábio (2018). «Éramos Seis: relembre todas as versões desse clássico da TV». Observatório da TV. Consultado em 12 de junho de 2020 

Ligações externasEditar