São Caetano do Sul

município brasileiro do estado de São Paulo, na mesorregião Metropolitana de São Paulo e microrregião de São Paulo

São Caetano do Sul é um município brasileiro do estado de São Paulo, na mesorregião Metropolitana de São Paulo e microrregião de São Paulo. Está localizado na Zona Sudeste da Grande São Paulo, em conformidade com a lei estadual nº 1.139, de 16 de junho de 2011[6] e, consequentemente, com o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo (PDUI).[7]

São Caetano do Sul
  Município do Brasil  
São Caetano do Sul - tecidos urbanos.JPG
Símbolos
Bandeira de São Caetano do Sul
Bandeira
Brasão de armas de São Caetano do Sul
[[Brasão|Brasão de armas]]
Hino
Apelido(s) "Sanca"
"SCS"
Gentílico sul-caetanense[1]
Localização
Localização de São Caetano do Sul em São Paulo
Localização de São Caetano do Sul em São Paulo
Mapa de São Caetano do Sul
Coordenadas 23° 37' 23" S 46° 33' 04" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[2] São Paulo
Região imediata[2] São Paulo
Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes Santo André, São Bernardo do Campo e São Paulo.
Distância até a capital 13 km
História
Fundação 28 de julho de 1877 (143 anos)
Emancipação 24 de outubro de 1948 (71 anos)
Administração
Distritos
Prefeito(a) José Auricchio Júnior (PSDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total IBGE/2010[1] 15,331 km²
População total (estimativa IBGE/2019[1]) 161 127 hab.
 • Posição SP:51º
Densidade 10 509,9 hab./km²
Clima subtropical (Cwa)
Altitude 760 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,862 muito alto
 • Posição BR: 1º
PIB (IBGE/2011 [5]) R$ 11 762 744 mil
 • Posição BR: 48º
PIB per capita (IBGE/2010 [1]) R$ 82 119,69
Sítio Site oficial (Prefeitura)

É a cidade com o melhor IDH do Brasil (PNUD/2010), e também com o 48º maior PIB brasileiro. A população aferida no Censo de 2010 foi de 149.263 habitantes. A estimativa de população, calculada pelo IBGE com data de referência 1 de julho de 2019, foi de 161 127 habitantes. A área total da cidade é de 15,331 km², o que resulta numa densidade demográfica de 9.736,03 hab/km² (Censo de 2010).[1]

É intensamente conurbada com São Paulo, Santo André e São Bernardo do Campo, fazendo com que se percam os limites físicos entre as cidades. São Caetano do Sul, juntamente com Ferraz de Vasconcelos, é uma das duas cidades do estado de São Paulo que não são atravessadas por nenhuma rodovia estadual ou federal.[8]

A história da cidade liga-se ao descobrimento do Brasil. Após o encerramento da vila de Santo André da Borda do Campo, já no ano de 1631, o capitão Duarte Machado doou aos padres beneditinos o sítio que possuía no Tijucuçu. Anos mais tarde, em 1671, o bandeirante Fernão Dias Paes Leme arrematou em leilão outro sítio vizinho e também o doou aos padres. Assim, formaram a Fazenda São Caetano, onde, além de pequenas plantações, mantinham uma olaria para fazer os tijolos, lajotas e telhas de que necessitavam para a construção do Mosteiro de São Bento, no centro de São Paulo.

As terras da antiga Fazenda São Caetano foram adquiridas pelo Governo Imperial com a intenção de formar Núcleos Coloniais para incentivar a imigração européia, sendo este o primeiro a ser inaugurado. Em 29 de junho de 1877, algumas famílias de imigrantes italianos da região de Vittorio Veneto, no Nordeste da Itália, embarcavam no porto de Gênova com destino ao Brasil, iniciando-se o processo imigratório no município.[9]

No início do século XX, a cidade destacou-se pela produção cerâmica e química, tendo sido endereço da Louças Claudia e da Fábrica de Rayon Matarazzo, integrantes do núcleo Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo, além da Fábrica de Louças Adelinas, fundada pelo português Manoel de Barros Loureiro, e da Cerâmica São Caetano, fundada por Roberto Simonsen.[10] Um dos funcionários desta última, aliás, acabou se tornando o responsável pela popularização arquitetônica dos "pisos de caquinhos"[11], a pavimentação com mosaicos de cerâmica, em muitas casas no Grande ABC, e na Vila Mariana, na Capital Paulista.

Além do forte histórico na produção cerâmica e química, a cidade também é sede de outras empresas como, por exemplo: Casas Bahia (Via Varejo), fundada em 1952 por Samuel Klein no município, General Motors do Brasil, fábrica de brinquedos Gulliver, fábrica de Chocolate Pan, e da floricultura Giuliana Flores. [12]

Também possui uma das mais antigas instituições dedicadas à formação de artistas no estado de São Paulo, a Fundação das Artes de São Caetano do Sul, por onde já passaram atores como Cássia Kiss, Fábio Assunção, Marcos Frota, André Segati, Eugenio Kusnet e o diretor Ulysses Cruz. Além deles, os músicos Amílton Godoy, Nelson Aires, Roberto Sion e Adenílson Telles, ex-aluno que, desde abril de 2001, está na Orquestra Filarmônica de Berlim. A Fundarte foi criada pelo ator Milton Andrade, ganhador de diversos prêmios, entre eles o Governador do Estado como melhor ator em O Novo Othelo (1959) e o Concurso Literário da sociedade Brasileira de Cultura e Arte de São Paulo (1997). [13] [14]

Nos esportes, a Associação Desportiva São Caetano destaca-se com a chegada do clube na Copa Libertadores da América de 2002 e com o São Caetano Esporte Clube que conquistou o título de campeão na Liga Nacional de voleibol feminino de 1991-1992, reconhecido como um dos principais modelos na formação e revelação de jogadoras de voleibol, por onde passaram nomes como Ana Moser e Fofão. Além disso, a jogadora de basquete Hortência de Fátima Marcari, uma das maiores jogadores do basquete mundial, residiu na cidade e iniciou sua carreira vitoriosa, no início da década de 70, no time do São Caetano Esporte Clube e depois defendeu o CRE Fundação. [15] São Caetano do Sul foi a base da seleção brasileira de basquetebol feminino, entre o fim dos anos 60 e início dos anos 70. Dessa época de ouro, além de Hortência, participaram Delcy Ellender Marques, Elzinha Pacheco, Norminha, entre outras. O ginasta Arthur Zanetti, nascido no município, começou a treinar na SERC/Santa Maria, na região, aos 7 anos, e é outro nome que se destacou. [16]

Na educação, a cidade está entre as melhores do país, com 30,9 vagas em Universidades Públicas por mil habitantes em idade PEA; média no ENEM de 586 pontos; 98,8% de docentes no ensino médio com ensino superior; nota IDEB de 6,2 pontos; taxa de abandono de apenas 1,8%; média de alunos de 27,1 por turma; e despesa paga com educação de R$2.792 por habitante. É a primeira do Ranking Connected Smart Cities, elaborado pela Urban Systems, no recorte Educação e a quinta no ranking geral. [17] Entre as faculdades da região estão o Instituto Mauá de Tecnologia e a Universidade Municipal de São Caetano do Sul, considerada a melhor instituição de ensino superior municipal do Brasil e a 7ª entre as melhores universidades públicas de São Paulo pelo Guia do Estudante, em 2017. [18]

Em São Caetano do Sul também já foram realizados shows históricos. Em 1995, mais de 100 mil pessoas se reuniram no parque Espaço Verde Chico Mendes para ver AMIGOS, show protagonizado por Chitãozinho & Xororó, Leandro & Leonardo e Zezé Di Camargo & Luciano. As duplas trocavam de parceria e cantavam músicas uns dos outros. O evento foi gravado e televisionado para todo o Brasil. Além disso, em 1985 a cidade também foi palco de um show memorável na carreira do cantor Raul Seixas. Realizado no Estádio Lauro Gomes, a apresentação foi a última antes do hiato de 3 anos na carreira do cantor, que só voltaria aos palcos em 1988, ao lado de Marcelo Nova no Clube Atlético Aramaçan, em Santo André. [19] [20]

História

Segundo o sociólogo e historiador José de Souza Martins, da Universidade de São Paulo, a região em que hoje se situa o município de São Caetano do Sul é ocupada desde o século XVI, quando era conhecida como Tijucuçu. Foi área de fazendas de moradores do antigo povoado de Santo André da Borda do Campo, onde vivia João Ramalho e que depois, em 1553, se transformaria em vila pelo primeiro governador-geral do Brasil Tomé de Souza.[21] Sua população e seu predicamento de vila (município) foram transferidos para o povoado jesuítico de São Paulo de Piratininga em 1560 a mando de Mem de Sá.[21] A partir do começo do século XVII, fazendeiros e sitiantes da hoje região do ABC começaram a migrar para o Vale do Paraíba, onde surgiriam as vilas de Taubaté e de Santana das Cruzes de Mogi (Mogi das Cruzes). Dois desses fazendeiros e criadores de gado doaram suas terras para o Mosteiro de São Bento da vila de São Paulo, um onde viria a ser São Bernardo e outro onde viria a ser São Caetano. Nesta última região, o doador foi o capitão Duarte Machado, em 1631,[22] que participara da bandeira de Nicolau Barreto aos sertões dos índios temiminós, em 1602, para captura e escravização de indígenas. Foi ele também membro da Câmara da Vila de Piratininga, onde exerceu a função de almotacel.

Quarenta anos depois, em 1671, Fernão Dias Pais Leme arrematou em leilão o sítio do falecido capitão Manuel Temudo, também no Tijucuçu, e o doou ao mesmo Mosteiro de São Bento. Formou-se, assim, a Fazenda de São Caetano, utilizada pelos monges beneditinos para cultivo de feijão, arroz e mandioca.[23]

Em 1717, os monges começaram a erguer no lugar onde está hoje a Matriz Velha de São Caetano uma capela dedicada a São Caetano di Thiène, o santo patrono do pão e do trabalho. Passou a fazenda a chamar-se Fazenda de São Caetano do Tijucuçu, depois apenas Fazenda de São Caetano. Alguns anos depois, em 1730, os monges fundaram ali uma fábrica de telhas, tijolos, lajotas, louças e adornos cerâmicos para ornamento de casas e igrejas na cidade de São Paulo. Esse material era diariamente transportado, pelo Rio Tamanduateí, de um porto que havia na Fazenda para o Porto Geral de São Bento, onde é hoje a rua 25 de Março, pouco adiante do atual pé da Ladeira Porto Geral. Até o século XVIII, o trabalho da fazenda era realizado por índios administrados sujeitos a servidão, libertados em 1755 pelo Diretório dos Índios do Grão-Pará e Maranhão, cujos efeitos foram, em 1757, estendidos ao Estado do Brasil. A partir dessa época por escravos negros de origem africana. A fábrica funcionou até 1871, durante 141 anos. Dessa época, subsistem no centro do atual município os canais abertos pelos escravos no século XVIII para drenagem dos terrenos próximos aos rios Tamanduateí e Meninos.

Ao redor da Fazenda desenvolveu-se o bairro de São Caetano, no mesmo território da cidade de São Paulo. Foi recenseado pela primeira vez em 1765, quando o Morgado de Mateus determinou que se fizesse o censo da população da Capitania de São Paulo. Seus habitantes eram agricultores e tropeiros e recebiam os sacramentos na Capela de São Caetano. O bairro desenvolveu-se ao redor da Fazenda de São Caetano. Concentrou moradores entre os atuais rio dos Meninos e Córrego do Moinho Velho, entre o atual Córrego do Moinho antigo Ribeirão Muiguera e a divisa entre São Caetano e Santo André.

Em 16 de fevereiro de 1867 a São Paulo Railway inaugurou uma parada de trens na fazenda São Caetano e o governo da província refez o Caminho do Mar e o Caminho Velho de Santo André da Borda do Campo, que desde o século XVI atravessava a região, de modo a torná-lo tributário da ferrovia.[24]

Em 1871, no dia seguinte ao da Lei do Ventre Livre, a Ordem de São Bento decidiu, em seu Capítulo-Geral da Bahia, libertar todos os seus escravos, em todo o Brasil, mais de quatro mil, sem qualquer compensação. Privada de mão-de-obra, a Fazenda de São Caetano foi desapropriada pelo Governo Imperial para nela instalar o Núcleo Colonial de São Caetano em 28 de julho de 1877.[23] As terras da Fazenda foram divididas em lotes e vendidas a colonos italianos entre 1877 e 1892, quando entrou no Núcleo a última família de imigrantes. O primeiro grupo de famílias assentado no núcleo embarcara no porto de Gênova e chegara ao Brasil no navio italiano Europa. Procediam todas as famílias da comuna de Cappella Maggiore e arredores, província de Treviso, na região do Vêneto, norte da Itália.[24]

Originalmente, os colonos do Núcleo Colonial dedicaram-se à produção da batata inglesa, ou batatinha. Mas em seguida vários deles plantaram videiras e passaram a produzir vinho de mesa, o vinho "São Caetano", comercializado num estabelecimento de Emilio Rossi, colono de São Caetano, que havia no Largo do Tesouro, em São Paulo. As videiras de São Caetano foram contaminadas pela filoxera, a partir de parreiras do bairro da Mooca. Em dois anos a produção de uva e vinho caiu verticalmente. Essa praga destruiu parreirais no mundo todo. Emilio Rossi, que em 1887 e 1888 trocou ideias a respeito com o médico e cientista Luís Pereira Barreto, resolveu fazer enxertias com cepas da chamada uva americana, resistente à praga, que deram certo, mas era tarde. Muitos colonos empobrecidos começaram a vender seus lotes de terra e pela época da proclamação da República as primeiras indústrias começaram a instalar-se na região, em terras compradas aos colonos. O núcleo agrícola se transformava em bairro operário.

Nesse período os colonos que haviam recebido terras nas várzeas úmidas do rio Tamanduateí e do rio dos Meninos, remanescentes do antigo pântano do Tijucuçu, montaram olarias e começaram a produzir tijolos. Um desses colonos, Giuseppe Ferrari, foi um dos fornecedores de tijolos para construção do Museu do Ipiranga, a partir de 1895, de que se encarregara o italiano Luigi Pucci.

Pouco antes da proclamação da República foi criado o município de São Bernardo, desmembrado do de São Paulo, e a maior parte do Núcleo Colonial e do antigo bairro de São Caetano foi a ele anexada. Cerca de um quinto da antiga localidade de São Caetano permaneceu no território do município de São Paulo e constitui a área dos hoje bairros de Vila Carioca, Sacomã e Heliópolis. Nesse mesmo ano, um censo do Núcleo Colonial contou 322 habitantes, cujas famílias estavam distribuídas em 92 lotes de terra.

Em 1901, São Caetano era elevado a Distrito Fiscal.[23] A fixação das primeiras indústrias coincidiu com a elevação de São Caetano a Distrito de Paz, em 1916.[25] Em 1924, o arcebispo de São Paulo, Dom Duarte Leopoldo e Silva, dava ao núcleo a sua primeira paróquia e seu primeiro vigário, o padre José Tondin. A vila transformava-se em cidade.

A primeira manifestação de autonomia para o Distrito de São Caetano aconteceu em 1928, com a liderança do engenheiro Armando de Arruda Pereira, diretor da Cerâmica São Caetano, residente na localidade. Para divulgar a ideia emancipacionista, foi fundado o São Caetano Jornal que convocava a população para votar nos seus candidatos a vereador e Juiz de paz nas eleições municipais de 1928. Entretanto, os resultados não foram os esperados. Na década de 1940, o sonho da emancipação voltou a empolgar os caetanenses, com o segundo movimento emancipacionista.

Em 1947, em movimento liderado pelo Jornal de São Caetano, foi realizada uma lista com 5.197 assinaturas e enviada à Assembleia Legislativa do Estado, solicitando um plebiscito.[23] A consulta popular foi realizada em 24 de outubro de 1948; 8.463 pessoas votaram a favor da autonomia, e 1.020 votaram contra. A 24 de dezembro de 1948, o governador do estado de São Paulo, Ademar de Barros, ratificou a decisão e criou o "município de São Caetano do Sul", através da Lei Estadual n. 233, de 24/12/1948,[26] acrescentando-lhe o qualificativo do Sul, para distingui-lo de homônimo pernambucano.[23] [27] Em 30 de dezembro de 1953, foi criada a Comarca de São Caetano do Sul[28], instalada no dia 3 de abril de 1955.

Geografia

São Caetano do Sul situa-se a uma altitude média de 760 metros.[29] São Caetano do Sul apresenta os melhores indicadores sociais de todo o país, uma cidade considerada exemplar em vários aspectos do chamado IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da ONU, estando em 1º lugar na lista dos municípios brasileiros por IDH (0,862)[30]. Apesar de ser uma cidade rodeada de favelas, não há favelas dentro dos limites municipais de São Caetano do Sul.[4]

  • Principais nacionalidades de origem de imigrantes radicados em São Caetano: iniciou-se com a imigração italiana, em 1877. [31] Futuramente recebendo espanhola, árabe, africana, japonesa, portuguesa, alemã, ucraniana, lituana e húngara.[32][carece de fontes?]

A cidade possui ao todo 15 bairros: Barcelona, Boa Vista, Centro, Cerâmica, Fundação, Jardim São Caetano, Mauá, Nova Gerty, Olímpico, Oswaldo Cruz, Prosperidade, Santa Maria, Santa Paula, Santo Antônio e São José. Todos eles se conectam ao histórico de imigração e trabalho na região, sendo que o Jardim São Caetano (antigo terreno do Bank of London & South América Limited) é o único bairro residencial de alta classe na região do ABC, projetado nos mesmos moldes do Jardim América e Pacaembu, em São Paulo.

A cidade está a 12 km da capital paulista, 351 km do Rio de Janeiro, 851 km de Poro Alegre e 1458 km de Salvador. [33]

Cidades-Irmãs

 
Estátua São Caetano Di Thiene, no parque Espaço Verde Chico Mendes.

São Caetano do Sul tem como cidades irmãs:


As três cidades-irmãs do município ficam localizadas na Itália, sendo Caetano de Thiene, sacerdote católico italiano, o padroeiro oficial da cidade. É conhecido como Santo da Providência, patrono do pão e do trabalho, sendo padroeiro dos gestores administrativos, assim como das pessoas que buscam trabalho e dos desempregados. [34]

Hidrografia

 
Rio Tamanduateí no limite com São Paulo. À direita, a capital paulista, e à esquerda, São Caetano do Sul.

Na cidade estão os seguintes rios e córregos[35]:


Clima

O clima da cidade, como em toda a Região Metropolitana de São Paulo, é o Subtropical. Verão pouco quente e chuvoso. Inverno ameno e subseco. A média de temperatura anual gira em torno dos 18 °C, sendo o mês mais frio julho (média de 15 °C) e o mais quente Fevereiro (média de 21 °C). O índice pluviométrico anual fica em torno de 1 360 mm.[36]

Dados climatológicos para São Caetano do Sul
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 25,7 25,7 24,9 23,2 21,3 20,4 20 20,9 21,9 22,6 23,8 24,7 22,9
Temperatura média (°C) 21,1 21,2 20,4 18,6 16,4 15,2 14,7 15,6 16,8 17,9 19,2 20,2 18,1
Temperatura mínima média (°C) 16,6 16,8 16 14 11,6 10,1 9,5 10,4 11,8 13,3 14,7 15,7 13,4
Precipitação (mm) 223 213 168 74 53 49 35 40 71 127 121 187 1 361
Fonte: Climate-Data.org[36]

Demografia

 
Com poucos quilômetros de extensão, hoje ocorre, sobretudo, o crescimento vertical da cidade.

Dados do Censo - 2010

População total estimada em (2019): 161.127 habitantes. População residente (2010).[37]

Por região:

  • urbana: 149.263; rural: 0 (não há zona rural no município)

Por sexo:

  • homens: 68.853; mulheres: 80.410

Densidade demográfica: 9.736,03 hab./km² [1]

Mortalidade infantil: 6,54 óbitos por mil nascidos vivos.

Expectativa de vida: 79 anos.[38]

Taxa de fecundidade: 1,56 filhos por mulher

IDH-M

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,862 - muito alto (ocupa atualmente a primeira posição de IDH-M no Brasil)[39]

  • IDH-M Renda: 0,891[40]
  • IDH-M Longevidade: 0,887[40]
  • IDH-M Educação:0,811[40]

Posse de bens e serviços domésticos

  • Telefone celular : 71,7% da população
  • Telefone fixo : 98,3 % da população
  • Automóvel : 73,3% da população
  • Microcomputador : 63,1% da população
  • TV em cores : 100% da população
  • Geladeira : 100% da população

Total de empresas estabelecidas (por categoria econômica)

Dados socioeconômicos

  • Salário médio mensal dos trabalhadores formais (2017): 3,6 salários mínimos.[1]
  • Produto interno bruto municipal : R$ 11 762 744 mil (2011) [5]
  • Potencial de consumo/2001 : US$ 657 milhões
  • Renda per capita : R$ 78 438,17 (2011) [5]

Classificação socioeconômica da população

  • Classe A : 21,1%
  • Classe B : 45,2%
  • Classe C : 32,2%
  • Classe D : 1,5%

Dados eleitorais (2019)[41]

  • Número de eleitores: 136.187 votantes.

Etnias (2010)[42]

Etnia População Porcentagem
Branca 127.570 85,46%
Parda 15.313 10,26%
Negra 3.617 2,42%
Amarela 2.705 1,81%
Indígena 58 0,05%


Mobilidade urbana e acessibilidade

Transporte público - Trens (2020)

O município é servido pelos trens da Linha 10–Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).[43]

 
Ciclovia e veículos em São Caetano do Sul.

Ciclovia (2019)

O município possui uma malha cicloviária de 16,5 quilômetros.[44]

Frota de veículos (2018)[45]

  • Automóveis: 101.335
  • Caminhões: 2.774
  • Caminhonete: 9.087
  • Camioneta: 8.479
  • Motocicleta: 11.645
  • Motoneta: 3.019
  • Reboque: 1.122
  • Semi-Reboque: 943
  • Ônibus: 577
  • Micro-ônibus: 493
  • Utilitários: 2.288
  • Caminhão/trator: 695
  • Trator de rodas: 55
  • Triciclo: 49
  • Quadriciclo: 1
  • Ciclomotor: 85
  • Outros: 11
  • Total:142.658

Educação

A taxa de escolarização de seis a catorze anos de idade é de 97,4% dados de 2010. Os dados de 2017 sobre o IDEB - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica de São Caetano do Sul consiste em 7,5 para os anos iniciais do ensino fundamental e 6,2 para os anos finais do ensino fundamental. Números de 2018 registram 7.054 alunos matriculados no ensino infantil, 21.032 alunos matriculados no ensino fundamental e 7.672 alunos matriculados no ensino médio, com 505 docentes no ensino infantil, 1.326 docentes no ensino fundamental e 647 docentes no ensino médio.[46]

1ª no Ranking Connected Smart Cities 2020, no eixo educação

Pela segunda vez, São Caetano foi eleita a cidade com a melhor educação do Brasil no ranking Connected Smart Cities, resultado de estudo elaborado pela consultoria Urban Systems. [47] A cidade obteve as seguintes pontuações:

  • IDEB (anos finais rede pública): 6,5;
  • Taxa de Abandono (ens. Médio público):1,8%;
  • Média ENEM: 566;
  • Formação superior dos docentes do ensino médico público: 99,8%
  • Média de alunos por turma (9º ano rede pública): 27,6
  • Despesas pagas com Educação (por habitante): R$ 2.850

Ensino Superior

O município oferece uma Universidade Municipal, a USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul (antigo IMES), que possui quatro campi, sendo três deles na cidade e outro no bairro Bela Vista, na capital paulista.[48]

Além disso, possui campus do Instituto Mauá de Tecnologia, Strong FGV, entre outras.

Economia

São Caetano do Sul pertence à região do ABC Paulista, a qual foi marcada pelo desenvolvimento industrial e automobilístico. Alguns exemplos são as indústrias localizadas na divisa com São Paulo, e a sede da General Motors no Brasil, na avenida Goiás, o principal centro financeiro da cidade. Atualmente, na avenida, encontram-se instaladas matrizes e filiais de várias empresas.[8]

Pessoas de várias regiões da metrópole vão a cidade a trabalho, vindas principalmente da região do próprio ABC e dos distritos das zonas sul e leste paulistanas que fazem divisa com a cidade.

O comércio é também um forte alvo econômico da cidade, que abriga a matriz da rede de lojas Casas Bahia, fundada em 1952 pelo imigrante polonês Samuel Klein.[49]

Após anos do fechamento do antigo Shopping São Caetano, em 2011, a rede Multiplan inaugurou na cidade o Park Shopping São Caetano, no Espaço Cerâmica, um bairro planejado no terreno de 300 mil m² da antiga Cerâmica São Caetano.[50] O bairro tem a intenção de absorver o crescimento comercial e de serviços de São Caetano, embora também conte com projetos residenciais.

 
Edifício comercial na Avenida Goiás.

Entre as principais empresas já sediadas ou que mantém matrizes no município estão:

  • General Motors do Brasil: sede da montadora no Brasil - em atividade
  • Casas Bahia (Via Varejo): sede da matriz da empresa - em atividade
  • Chocolates Pan: sede da fábrica de chocolate e balas paulistinha - em atividade
  • Gulliver: sede da fábrica de brinquedos - em atividade
  • Giuliana Flores: sede da floricultura - em atividade
  • Sam's Club: primeira loja da rede inaugurada no Brasil - em atividade
  • Cerâmica São Caetano: criou padrão nacional na qualidade de fabricação de azulejos - extinta
  • Indústria Química Matarazzo S.A (do grupo IRFM): núcleo Matarazzo focado na produção química e têxtil - extinta
  • Villares Metals S.A: metalúrgica conhecida como "Aços Villares" - sede transferida para Sumaré (SP)

Lazer e turismo

 
Parque Chico Mendes, um dos parques mais conhecidos no ABC Paulista.

São Caetano do Sul, assim como toda a região metropolitana de São Paulo, é beneficiada pelo fluxo turístico da capital paulista, recebendo visitantes de várias localidades.

A cidade se baseia no turismo de negócios, cultural e de lazer, contando com diversos hotéis, dentre eles, o Mercure, teatros, anfiteatros e diversos auditórios, sete parques municipais: Espaço Verde Chico Mendes, Parque Botânico e Escola Municipal de Ecologia Jânio da Silva Quadros, Parque Catarina Scarparo D’Agostini, Parque Santa Maria, Cidade das Crianças, Parque Municipal São José (Bosque do Povo) e Espaço de Lazer e Recreação José Agostinho Leal. São Caetano também recebe diversos eventos. Em novembro de 2011, foi inaugurado o ParkShopping São Caetano, dentro do complexo Espaço Cerâmica.[51]

Carnaval

O Carnaval da cidade é formado pelas escolas de samba Acadêmicos de Vila Gerti, Ébanos, Imperatriz de Nova Gerty, União da Ilha Prosperidade e Tradição da Ponte.[52] Que desfilam na Avenida Guido Aliberti, sendo filiadas a Liga Independente das Escolas de Samba de São Caetano do Sul.

Comunicações

 
Teatro Municipal Paulo Machado de Carvalho.

Imprensa

A Imprensa regional do Grande ABC possui diversos veículos de comunicação que cobrem os acontecimentos locais. Nas mídias impressas existe o jornal Diário do Grande ABC, sediado em Santo André, o Diário Regional; Tribuna do ABCD; Jornal da Região, Imprensa do ABC; Repórter Diário. Na mídia online, há diversos blogs e sites das prefeituras.

Telefonia

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica da Borda do Campo (CTBC)[53] até 1998, quando esta empresa foi privatizada e vendida juntamente com a Telecomunicações de São Paulo (TELESP) para a Telefônica[54], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[55] para suas operações de telefonia fixa.

Esportes

Voleibol

 
Ginásio Milton Feijão

O município de São Caetano do Sul sempre foi um celeiro da modalidade esportiva, principalmente do voleibol feminino, desde a época que o São Caetano Esporte Clube era o grande reconhecido como um dos principais modelos na formação e revelação de jogadoras de voleibol. O auge da modalidade em São Caetano do Sul se deu na década de 90 com Ana Moser, Fofão e outras.[56] Quando conquistou o título de campeão na Liga Nacional de voleibol feminino de 1991-1992.[57] São mais de três décadas, em competições nacionais, estaduais e regionais com grandes jogadoras.[58] O trabalho com as equipes de base também consegue destaque nesse cenário esportivo.[59] A equipe principal há mais de uma década é patrocinada pelo Grupo São Cristóvão Saúde, que dentro do possível também patrocina as equipes de base.[60] A equipe principal feminina é denominada como São Cristóvão Saúde/São Caetano e há dez anos se mantém na Superliga Feminina, Campeonato Paulista Feminino e outras competições.[61] Manda seus jogos no Complexo Poliesportivo Lauro Gomes de Almeida, no Ginásio Milton Feijão com capacidade para 5.000 espectadores.[62]

 
Estádio Anacleto Campanella.

Futebol

O município conta com a Associação Desportiva São Caetano como equipe de futebol da cidade. Manda seus jogos no Estádio Municipal Anacleto Campanella.[63] Um dos maiores feitos do clube é ter chegado à final da Copa Libertadores da América de 2002,[64] perdendo a decisão para o Olímpia do Paraguai e a dois vices consecutivos do Campeonato Brasileiro (2000 e 2001). O São Caetano possui um título do Campeonato Paulista de Futebol de 2004.[65]

Filhos ilustres

Entre as pessoas naturais de São Caetano do Sul estão:

Ver também

Bibliografia

Referências

  1. a b c d e f g *IBGE Cidades. «População». Consultado em 18 de abril de 2020 
  2. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  3. IBGE. «Formação administrativa do município». Consultado em 9 de janeiro de 2019 
  4. a b *G1-Globo. «'Não queremos novos moradores', diz prefeito de cidade nº 1 no IDH no país». 29 de julho de 2013. Consultado em 18 de abril de 2020 
  5. a b c «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2011». IBGE. Consultado em 14 de janeiro de 2014 
  6. «Lei Complementar nº 1.139, de 16 de junho de 2011». Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  7. «Região Metropolitana de São Paulo». Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2017 
  8. a b *ACIGABC. «CIDADES DO GRANDE ABC - São Caetano do Sul». 9 de outubro de 2014. Consultado em 19 de abril de 2020 
  9. ABC, Portal do ABC do. «São Caetano do Sul ‹ Conheça a história de São Caetano do Sul». www.abcdoabc.com.br. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  10. «Index - Fundação Pró-Memória | São Caetano do Sul». www.fpm.org.br. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  11. «A curiosa história dos pisos de caquinhos de cerâmica». ArchDaily Brasil. 14 de novembro de 2017. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  12. «Dinheirama Entrevista: Clóvis Souza fundador da Giuliana Flores». Dinheirama. 18 de abril de 2019. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  13. «Grande ABC faz parte da história da Globo - Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: cultura & lazer». www.dgabc.com.br. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  14. «Fundação das Artes de São Caetano do Sul». São Caetano Digital. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  15. «Você Sabia?! Hortência morou e iniciou a carreira em São Caetano». São Caetano Digital. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  16. «Arthur Zanetti recebe título de Cidadão Emérito de São Caetano do Sul | Arthur Zanetti». www.arthurzanetti.com.br. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  17. «SÃO CAETANO DO SUL LIDERA RANKING EM EDUCAÇÃO | Portal - Connected Smart Cities». Consultado em 19 de setembro de 2020 
  18. «Pós-graduação USCS - USCS está entre as dez melhores universidades de São Paulo». www.posuscs.com.br. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  19. «Construtora Lorenzini - Você sabia? 5 curiosidades sobre São Caetano do Sul.». www.lorenzini.com.br. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  20. «Vida longa ao rock - Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: clube atlético aramaçan,deep purple,ramones,primavera do rock,dia mundial do rock,97 fm». Jornal Diário do Grande ABC. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  21. a b *Portal da Câmara Municipal de São Paulo. «O 'bárbaro' que salvou São Paulo». 2015. Consultado em 18 de abril de 2020 
  22. *IBGE. «História». 2009. Consultado em 18 de abril de 2020 
  23. a b c d e *São Caetano Digital. «História de São Caetano do Sul». 2015. Consultado em 18 de abril de 2020 
  24. a b *Câmara Municipal de São Caetano do Sul. «História». 15 de maio de 2017. Consultado em 18 de abril de 2020 
  25. *Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. «Lei n° 1.512, de 04/12/1916 (Lei 1512/1916)». Consultado em 18 de abril de 2020 
  26. «Lei n° 233, de 24/12/1948 ( Lei 233/1948 )». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 15 de fevereiro de 2018 
  27. IBGE. «Histórico» (PDF) 
  28. «Lei n° 2.456, de 30/12/1953 ( Lei 2456/1953 )». www.al.sp.gov.br. Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 15 de fevereiro de 2018 
  29. Cidade Brasil. «MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL». 2 de maio de 2019. Consultado em 18 de abril de 2020 
  30. «Por que São Caetano do Sul é a nº1 do Brasil em IDH». Exame. 30 de julho de 2013. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  31. «São Caetano, 127 anos: tudo começou com os imigrantes italianos - Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: setecidades». Jornal Diário do Grande ABC. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  32. «Index - Fundação Pró-Memória | São Caetano do Sul». www.fpm.org.br. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  33. «São Caetano do Sul - Informações sobres o município e a prefeitura». www.cidade-brasil.com.br. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  34. «Estátua São Caetano Di Thiene». São Caetano Digital. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  35. * Consórcio ABC. «São Caetano do Sul». Consultado em 19 de abril de 2020 
  36. a b *Climate-Data.org. «CLIMA: SÃO CAETANO DO SUL». Consultado em 18 de abril de 2020 
  37. *IBGE Cidades. «População Residente - Sexo». 2010. Consultado em 19 de abril de 2020 
  38. *Exame. «Por que São Caetano do Sul é a nº1 do Brasil em IDH» (PDF). 30 de julho de 2013. Consultado em 19 de abril de 2020 
  39. *IBGE Cidades. «Índice de Desenvolvimento Humano». 2010. Consultado em 18 de abril de 2020 
  40. a b c *Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. «Ranking 2010 - Municípios». 2013. Consultado em 19 de abril de 2020 
  41. *ABC Repórter. «São Caetano do Sul tem 160 mil moradores e 136 mil eleitores». 28 de maio de 2019. Consultado em 18 de abril de 2020 
  42. *IBGE Cidades. «População Residente - Cor ou Raça». 2010. Consultado em 19 de abril de 2020 
  43. *CPTM. «Expresso Educação Linha 10 inicia operações e beneficia passageiros do ABC». 7 de fevereiro de 2020. Consultado em 19 de abril de 2020 
  44. *Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul. «PREFEITURA ENTREGA CICLOFAIXA E ANUNCIA PROJETO PARA COMPARTILHAMENTO DE BIKE». 8 de abril de 2019. Consultado em 19 de abril de 2020 
  45. *IBGE Cidades. «Frota de veículos». 2018. Consultado em 18 de abril de 2020 
  46. *IBGE Cidades. «Censo escolar - sinopse». 2018. Consultado em 18 de abril de 2020 
  47. «São Caetano lidera ranking nacional sobre Educação - Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: são caetano,educação,ranking,nacional». Jornal Diário do Grande ABC. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  48. *USCS. «Universidade Municipal de São Caetano do Sul». Consultado em 19 de abril de 2020 
  49. *Brasil Econômico IG. «Conheça a história de superação de Samuel klein fundador da Casas Bahia». 13 de janeiro de 2012. Consultado em 19 de abril de 2020 
  50. «Espaço Cerâmica». www.sobloco.com.br. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  51. *MTB Brasília. «Parkshopping São Caetano inaugura bicicletário com passeio ciclístico movimento pedale». 17 de setembro de 2018. Consultado em 19 de abril de 2020 
  52. *ABC do ABC. «União da Ilha da Prosperidade vence o Carnaval de São Caetano pela terceira vez». 22 de fevereiro de 2012. Consultado em 19 de abril de 2020 
  53. «História da CTBC». Companhia Telefônica da Borda do Campo 
  54. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  55. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  56. *ABC do ABC. «São Cristóvão Saúde/São Caetano estreia no Campeonato Paulista de Vôlei». 29 de agosto de 2019. Consultado em 16 de abril de 2020 
  57. *Globo Esporte. «Confira a lista com todas as equipes campeãs da Superliga de vôlei feminino». 31 de outubro de 2019. Consultado em 16 de abril de 2020 
  58. *UOL. «São Caetano monta elenco com cautela para evitar nova decepção». 4 de junho de 2009. Consultado em 16 de abril de 2020 
  59. *Imprensa ABC. «São Caetano conquista campeonato Metropolitano de voleibol sub 13». 17 de novembro de 2012. Consultado em 16 de abril de 2020 
  60. *Portal Hospitais Brasil. «Grupo São Cristóvão Saúde fecha patrocínio para o time São Caetano de vôlei feminino». 8 de novembro de 2012. Consultado em 16 de abril de 2020 
  61. *Diário Regional. «São Cristóvão Saúde/São Caetano estreia no Paulista de vôlei feminino». 29 de agosto de 2019. Consultado em 16 de abril de 2020 
  62. *Superliga CBV. «SÃO CRISTOVÃO SAÚDE/SÃO CAETANO». 2016/2017. Consultado em 16 de abril de 2020 
  63. *AD São Caetano. «Associação Desportiva São Caetano». Consultado em 19 de abril de 2020 
  64. *Folha UOL. «São Caetano e Olimpia fazem final da Libertadores "fora do eixo"». 31 de julho de 2002. Consultado em 19 de abril de 2020 
  65. *Torcedores.com. «Há 15 anos, São Caetano se sagrava campeão paulista; relembre a conquista». 18 de abril de 2019. Consultado em 19 de abril de 2020 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons
  Guia turístico no Wikivoyage