Abrir menu principal
Chiquinho Brandão
Nome completo Francisco de Paula Brandão Bisneto
Nascimento 20 de abril de 1952
Jaú
Nacionalidade brasileiro
Morte 4 de junho de 1991 (39 anos)
Rio de Janeiro
IMDb: (inglês)

Francisco de Paula Brandão Bisneto, ou Chiquinho Brandão (Jaú, 20 de abril de 1952 - Rio de Janeiro, 4 de junho de 1991), foi um ator e músico brasileiro[1].

Índice

CarreiraEditar

Na adolescência, mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro e por vários anos participou do programa infantil Bambalalão da TV Cultura de São Paulo onde fazia o papel do cientista louco chamado Professor Parapopó. Também manipulava e dublava os bonecos João Balão e Bambaleão, este último, no programa Bambaleão e Silvana.

Em 1980, participou da turnê "Saudades do Brasil", de Elis Regina, como flautista, e entre 1982 e 1984 participou do Grupo Ornitorrinco, sob a direção de Cacá Rosset, período no qual trabalhou na montagem de Mahagonny Songspiel, de Bertold Brecht e Kurt Weil. Também trabalhou em O Amigo da Onça, dirigido por Paulo Betti, em 1988.

No cinema, trabalhou com vários diretores, entre eles os cineastas Walter Rogério, André Klotzel, Aloysio Raulino e Alain Fresnot. Ganhou o prêmio de melhor ator no Festival de Brasília em 1990, pelo filme "Beijo 2348/72" dirigido por Walter Rogério.

Atuou em novelas como "Bebê a Bordo" e "Top Model", nas minisséries "Riacho Doce" e "O Sorriso do Lagarto".

MorteEditar

O ator faleceu em um acidente automobilístico na Lagoa Rodrigo de Freitas ao retornar das gravações da minissérie O Sorriso do Lagarto. Na trama, ele era o personagem Chico Bagre, e foi substituído por seu primo Stephan Nercessian.

Em sua homenagem, o Teatro Casa da Gávea possui a "Sala Chiquinho Brandão".

VideografiaEditar

No cinemaEditar

Na televisãoEditar

Ligações externasEditar

Referências