Abrir menu principal

Lista de condes de Barcelona

artigo de lista da Wikimedia
(Redirecionado de Condes de Barcelona)

Conde de Barcelona é um título nobiliárquico utilizado pelos soberanos do Condado de Barcelona e mais tarde pelo Principado da Catalunha. Passou a ser também utilizado pelos monarcas da dinastia de Bourbon do Reino de Espanha aquando da vitória sobre a Catalunha nos eventos do cerco de Barcelona em 1714.

O Condado de Barcelona foi um condado criado por Carlos Magno com territórios conquistados a norte do rio Ebro.

Condes de BarcelonaEditar

Condes FrancosEditar

Em 801, é criado o Condado de Barcelona, como parte da Marca Hispânica fundada por Carlos Magno.


Governo Nome Nascido a Falecido a Observações
desde até
801
820
Bera


820
826
Rampo


826
832
Bernardo de Septimânia

1ª vez
832
835
Berengário de Tolosa


835
844
Bernardo de Septimânia

2ª vez
844
848
Sunifredo I



848
850
Guilherme de Septimânia



850
852
Alerán e Isembardo


852
858
Odalrico


858
864
Hunifredo


865
878
Bernardo de Gótia



Casa de BarcelonaEditar

 Ver artigo principal: Casa de Barcelona
Nome e Cognomes Nascimento Início do reinado Fim do reinado Morte Consorte(s) Notas
Vifredo I
O Cabeludo
  840
Prades
Filho de Sunifredo I de Barcelona-Narbona e Ermesinda
878 11 de agosto de 897 11 de agosto de 897
Solsonès
56-57 anos
Gunilda de Ampúrias
877
dez filhos
Unificou grande parte dos Condados catalães, governando também em Osona, Girona, Urgel, Cerdanha e Conflent. Com ele inicia-se o sistema hereditário de sucessão, porém a dependência para com o Reino de França continua.
Vifredo II Borel I   874
1ºFilho de Vifredo I e Gunilda de Ampúrias
11 de agosto de 897 26 de abril de 911 26 de abril de 911
Barcelona
36-37 anos
Garsenda de Tolosa
898
um filho
Governa somente em Barcelona, Osona e Girona, tendo os outros condados sido divididos pelos seus irmãos Sunifredo II de Urgel e Mirão II de Cerdanha. Não teve descendência masculina.
Suniário I   890
2ºFilho de Vifredo I e Gunilda de Ampúrias
26 de abril de 911 947 15 de outubro de 950
Lagrasse
59-60 anos
Aimilda
914
um filho
Irmão de Vifredo II, Sunifredo de Urgel e Mirão de Cerdanha. Abdica de Osona para o filho primogénito Ermengol, mas perante a morte prematura deste em 943, o condado retorna a Barcelona. Abdica em 947 para os seus filhos, e retira-se para o Mosteiro de Sant Pere de Rodes, onde falece três anos depois.
Riquilda de Tolosa
925
cinco filhos
Mirão I   926
Barcelona
1ºFilho de Suniário I e Riquilda de Tolosa
947 26 de abril de 911 31 de outubro de 966
Barcelona
39-40 anos
Não casou Governa conjuntamente com o irmão, Borel II. Não teve descendência.
Borel II 100px 927
Barcelona
2ºFilho de Suniário I e Riquilda de Tolosa
30 de setembro de 993 30 de setembro de 993
Barcelona
64-65 anos
Luitegarda de Tolosa
968
quatro filhos
Governa conjuntamente com o irmão, Mirão. Não renovou a vassalagem ao Reino de França, que passava na altura por uma mudança de dinastia, passando Borel a governar como conde independente de facto. Ao contrário do do pai, o seu governo teve um caráter mais diplomático. A partir de 988, governa com o seu filho primogénito, Raimundo Borel. O seu segundo filho, Ermengol, deu origem a um ramo da família no Condado de Urgel, que governaria até 1231.
Aimeruda de Auvergne
980
sem filhos
Raimundo Borel III
(ou Raimundo Borel I)
100px 972
Barcelona
Filho de Borel II e Luitegarda de Tolosa
988 8 de setembro de 1017[1] ou 25 de fevereiro de 1018 [[8 de setembro de 1017 ou 25 de fevereiro de 1018
Barcelona
39-40 anos
Ermesinda de Carcassonne
990
três filhos
  Governa conjuntamente com o pai até à morte deste. Quando subiu ao poder, associou a esposa ao governo do condado.
Ermesinda de Carcassonne   972
Carcassonne
Filha de Rogério I de Carcassonne e Adelaide de Rouergue
30 de setembro de 993 1 de março de 1058
Sant Quirze de Besora
85-86 anos
Raimundo Borel III
990
três filhos
100px Segundo o historiador Martin Aurell, que lhe dedicou diversos trabalhos, esta mulher foi «sem dúvida a personagem política mais importante do século XI catalão».[2]. Primeiramente associada ao marido, tomou a regência durante a menoridade do filho e, perante a sua morte, também durante a menoridade do neto.
8 de setembro de 1017 ou 25 de fevereiro de 1018 1021
31 de março de 1035 1039
Berengário Raimundo I
O Corcunda
  1004
Barcelona
Filho de Raimundo Borel e Ermesinda de Carcassonne
1021 31 de março de 1035 31 de março de 1035
Barcelona
30-31 anos
Sancha de Castela
1021
dois filhos
Filho de Raimundo Borel e Ermesinda de Carcassonne. Dá-se a desintegração do poder condal com a divisão do condado entre os seus filhos, Raimundo Berengário (Barcelona), Guilherme (Osona) e Sancho (Olèrdola). Era avô materno do conde Henrique de Borgonha.
Gisela de Lluçá
1027
três filhos
Raimundo Berengário I
O Velho
  1023
Barcelona
Filho de Berengário Raimundo I e Sancha de Castela
1039 26 de maio de 1076 26 de maio de 1076
Barcelona
52-53 anos
Isabel de Nîmes
1039
três filhos
  Reúne os domínios dos irmãos ao seu, reunificando o condado. Obtém o condado de Carcassonne em 1067. Governa em conjunto com a esposa, Almodis de La Marche, entre 1052 e 1071. Juntamente com Almodis, é apontado nas Cortes de 1064 como o primeiro aa usar o título de Príncipe da Catalunha.
Branca de Narbona
1051
anulado em 1052
sem filhos
Almodis de La Marche
1052
quatro filhos
 
Almodis de La Marche   1020
Tolosa
Filha de Bernardo I de La Marche e Amélia de Rasés
1052 16 de outubro de 1071 16 de outubro de 1071
Barcelona
50-51 anos
Hugo V de Lusignan
1038
(anulado em c.1040 por consanguinidade)
três filhos
Governa conjuntamente com o esposo, Raimundo Berengário.[3]. Em 1071, é assassinada pelo enteado, Pedro Raimundo, que receava ser afastado da sucessão.
Pôncio III de Tolosa
1045
(anulado em 1052, devido a rapto)
quatro filhos
Raimundo Berengário I
1052
quatro filhos
 
Raimundo Berengário II
O Cabeça de Estopa
  1053
1ºFilho de Raimundo Berengário I e Almodis de La Marche
26 de maio de 1076 5 de dezembro de 1082 5 de dezembro de 1082
Sant Feliu de Buixalleu
28-29 anos
Mafalda da Apúlia-Calábria
1078
três filhos
Governa com o irmão gémeo, Berengário Raimundo II. Foi assassinado durante uma caçada. Com a sua morte, Barcelona perde o Condado de Carcassonne.
Berengário Raimundo II
O Fratricida
1053
2ºFilho de Raimundo Berengário I e Almodis de La Marche
1097 1097
Jerusalém
43-44 anos
Não casou Governa com o irmão gémeo, Raimundo Berengário II. Sendo o principal suspeito do assassinato do irmão, foi cognominado O Fratricida e foi-lhe associado ao governo o sobrinho, Raimundo Berengário, em 1086. Quando este atinge a maioridade, Berengário Raimundo abandona o governo e vai cumprir penitência a Jerusalém, onde falece.
Raimundo Berengário III
O Grande
  11 de novembro de 1082
Rodez
Filho de Raimundo Berengário II e Mafalda da Apúlia-Calábria
1086 23 de janeiro de 1131 23 de janeiro de 1131
Barcelona
48 anos
María Díaz de Vívar
1103
dois filhos
Filho de Raimundo Berengário II. É associado ao poder a partir de 1086. Anexa vários condados catalães e ainda o Condado da Provença, ao Condado de Barcelona. Cria, desta forma, um novo ramo da dinastia neste último condado, que perdurará até 1267.
Dulce I da Provença
3 de fevereiro de 1112
Arles
sete filhos
Raimundo Berengário IV
O Santo
  1113
1113
Filho de Raimundo Berengário III e Dulce I da Provença
23 de janeiro de 1131 6 de agosto de 1162 6 de agosto de 1162
San Dalmazio de Turim
48-49 anos
Petronila I de Aragão
agosto de 1150
Lérida
cinco filhos
  O seu casamento com Petronila origina a formação de uma união dinástica entre o Condado e o Reino de Aragão, na pessoa de Afonso II de Aragão, filho de ambos.

A partir de 1162, o título passou para a Coroa de Aragão, sendo o primeiro rei a ostentá-lo Afonso II.

O título passou por vários detentores durante a Guerra Civil Catalã de 1462-1472, incluindo Pedro de Coimbra, Condestável de Portugal.

Com nova união dinástica no séc. XV, passa a ser usado pelos Reis Católicos e, desde Carlos I, passa a pertencer à Casa de Habsburgo.

No período entre 1641 e 1652 durante a Guerra dos Segadores na Catalunha, é titular Luís XIII de França, Conde de Barcelona, sendo herdado pelo seu filho Luís XIV da França, voltando para a Casa de Habsburgo com o Tratado dos Pirenéus em 1659.

Com a Guerra da Sucessão Espanhola o título é ostentado por Carlos VI, mas passa à Dinastia de Bourbon, pela vitória do monarca Filipe V em 1714.

O herdeiro do trono espanhol, Dom Juan de Bourbon, que estava exilado em Portugal, usou este título durante o governo ditatorial de Francisco Franco, auto-proclamando-se. Só em 1987 seria validado por Real Decreto. Parece ter sido o título sempre de grande importância.

Depois da restauração monárquica em 1975, seguindo as negociações levadas a cabo pelo ditador Francisco Franco, Dom Juan de Bourbon não foi nomeado Rei, mas sim o seu filho Juan Carlos I da Espanha, que é o atual titular, e presidente da fundação privada "Conde de Barcelona".[4]

Referências

  1. Gil (2004:81 i 84)
  2. Aurell, Martin (1991). «Jalons pour une enquête sur les stratégies matrimoniales des comtes catalans (IXe-XIe s.)». Symposium internacional sobre els origens de Catalunya (Segles VIII-XI). 1. 316 páginas .
  3. Dames, reines, abadesses, 18 personalitats femenines a la Catalunya medieval. [S.l.]: Albertí Editor. 2007. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 8 de novembro de 2014  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  4. «Fundación Conde de Barcelona – Grupo Godó» (em espanhol). Consultado em 1 de março de 2019 

Ver tambémEditar