Confrontos entre Armênia e Azerbaijão em setembro de 2022

escalada na fronteira armênio-azerbaijana

Os confrontos entre Armênia e Azerbaijão em setembro de 2022 foram uma série de combates que eclodiram entre as tropas armênias e do Azerbaijão em 12 de setembro de 2022, ao longo da fronteira Armênia-Azerbaijão,[11][12] resultando em quase 300 mortes e dezenas de feridos de ambos os lados no terceiro dia do conflito.[13][14][15][16][17] Ambos os lados culparam um ao outro pela escalada.[18][19][20] O Ministério da Defesa da Armênia disse que o Azerbaijão atacou posições armênias perto das cidades de Vardenis, Goris, Sotk e Jermuk com artilharia e armas pesadas e que ocupou certas áreas de seu território,[19][20][21] o que mais tarde foi confirmado por imagens de satélite da NASA.[22] O Ministério da Defesa do Azerbaijão disse que a Armênia realizou "provocações em grande escala" perto das regiões de Dashkasan, Kalbajar e Lachin e que capturou várias alturas estratégicas na região fronteiriça dentro da Armênia.[4][20][23][24][25]

Confrontos entre Armênia e Azerbaijão em setembro de 2022
Parte de Crise fronteiriça entre Armênia e Azerbaijão em 2021–2022
2022 Armenian–Azerbaijani clashes.png
Locais das escaramuças marcados com quadrados vermelhos.
Data 12 de setembro de 202216 de setembro de 2022 (4 dias)
Local Fronteira Arménia-Azerbaijão
Situação Cessar-fogo[1]
Mudanças territoriais
  • De acordo com a Armênia: O Azerbaijão ocupou 10 km² do território armênio, e avançou 7,5 km de profundidade em território armênio em direção a Jermuk[2][3]
  • De acordo com o Azerbaijão: O Azerbaijão capturou pontos estratégicos ao longo da fronteira[4]
Beligerantes
 Azerbaijão  Armênia
Comandantes
Azerbaijão Ilham Aliyev
(Presidente, Comandante em Chefe)
Azerbaijão Zakir Hasanov
(Ministro da Defesa)
Arménia Nikol Pashinyan (Primeiro-ministro, Comandante em Chefe)
Arménia Suren Papikyan (Ministro da Defesa)
Unidades
Forças Armadas do Azerbaijão Forças Armadas da Armênia
Baixas
De acordo com o Azerbaijão:
80 soldados mortos[5]
281 soldados feridos[5]
2 civis feridos[6]
De acordo com a Armênia:
135 soldados mortos[7]
+10 soldados capturados[8]
7 civis feridos[9]

O Azerbaijão afirma que são:

  • 150–200 soldados mortos[10]
  • 2 lançadores S-300 destruídos[4]

Os confrontos ao longo da fronteira não demarcada decorrem principalmente do conflito do Alto Carabaque. A Rússia disse, em 13 de setembro, que havia negociado um cessar-fogo, mas ambos os lados confirmaram que foi quebrado minutos depois de entrar em vigor.[26][27][28] Pelo menos 135 militares armênios foram mortos, de acordo com um relatório do primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan.[29][30] O Azerbaijão reconheceu 80 mortes entre suas forças.[31][32] Em 14 de setembro, a Armênia e o Azerbaijão negociaram um cessar-fogo.[33][34]

O conflito eclodiu quando os militares russos recuaram durante a contra-ofensiva ucraniana de Kharkiv, enfraquecendo sua projeção de força na região.[35][36] Os esforços da União Europeia para garantir mais gás do Azerbaijão para compensar a perda de importações da Rússia também enfraqueceram sua capacidade de mediar os confrontos.[37][38][39]

AntecedentesEditar

Em 12 de maio de 2021, soldados do Azerbaijão atravessaram vários quilômetros para a Armênia nas províncias de Syunik e Gegharkunik e ocuparam cerca de 41 km2 do território armênio.[40][41][42][43] O Parlamento Europeu, Estados Unidos e França – dois dos três copresidentes do Grupo OSCE Minsk, pediram ao Azerbaijão que retire suas tropas do território armênio internacionalmente reconhecido.[44][45]

Outros confrontos ocorreram em julho de 2021 e em novembro de 2021, com vítimas sendo relatadas de ambos os lados. Em uma declaração conjunta em 17 de novembro de 2021, os relatores da UE chamaram a operação militar lançada pelo Azerbaijão em 16 de novembro de 2021 a pior violação até o momento do acordo de cessar-fogo de Nagorno-Karabakh de 2020.[46]

CronologiaEditar

12 a 13 de setembroEditar

Na noite de 12 de setembro, o Ministério da Defesa da Armênia informou que unidades das Forças Armadas do Azerbaijão começaram a disparar intensamente com artilharia e armas pesadas na direção de posições armênias e áreas civis em Goris, Artanish, Sotk, Jermuk, Kapan e Ishkhanasar. O MoD armênio também mencionou que o lado do Azerbaijão havia usado UAVs e estava realizando operações de avanço posicional em algumas direções.[47] O Ministério da Defesa do Azerbaijão disse que a Armênia realizou "provocações em larga escala" perto das regiões de Dashkasan, Kalbajar e Lachin e colocou minas ao longo das estradas de abastecimento do exército. O MoD do Azerbaijão informou que estava tomando medidas para "suprimir os pontos de tiro das forças armadas armênias e impedir a expansão da escala do confronto".[48]

A Rússia anunciou em 13 de setembro que havia negociado um cessar-fogo, mas ambos os lados confirmaram que foi quebrado minutos depois de entrar em vigor.[26][27][28]

Em 13 de setembro às 14h00, horário local, o Ministério da Defesa armênio anunciou que a situação em algumas partes da fronteira armênio-azerbaijana continua extremamente tensa, pois o Azerbaijão continua tentando avanços posicionais, particularmente na direção de Nerkin Hand, Verin Shorzha, Artanish e Sotk. O MFA armênio também afirmou que, como resultado do bombardeio do Azerbaijão, muitas casas residenciais foram danificadas na aldeia de Kut, enquanto mulheres e crianças foram evacuadas.[49] O Ministério da Saúde da Armênia afirmou que três civis ficaram feridos como resultado do bombardeio do Azerbaijão em áreas civis no primeiro dia do ataque.[50] De acordo com o canal de mídia armênio Infoteka 24, mísseis do Azerbaijão atingiram um escritório russo do FSB na província de Gegharkunik.[51] De acordo com o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan, pelo menos 135 militares armênios foram mortos. O MoD do Azerbaijão anunciou a morte de 50 de seus militares, 42 dos quais eram membros do Exército do Azerbaijão, enquanto 8 eram do Serviço de Fronteiras do Estado.[52]

14 a 16 de setembroEditar

Na manhã de 14 de setembro, o MoD do Azerbaijão informou que as Forças Armadas Armênias dispararam morteiros e artilharia contra unidades do exército do Azerbaijão estacionadas nas direções Kelbajar e Lachin durante a noite e que o exército estava tomando "medidas de retaliação adequadas".[53] O Ministério da Defesa armênio chamou isso de "outra desinformação" que "serve como base de informações para realizar agressões militares contra o território soberano da República da Armênia".[54] O Ministério da Defesa armênio também informou que o Azerbaijão estava bombardeando Jermuk e Verin Shorzha, usando artilharia, morteiros e armas pequenas de grande calibre.[55] Às 11 horas, horário local, o Ministério da Defesa do Azerbaijão e o Gabinete do Procurador-Geral emitiram uma declaração conjunta alegando que dois civis do Azerbaijão foram feridos como resultado do bombardeio das Forças Armadas Armênias.[6]

Nikol Pashinyan disse que o Azerbaijão assumiu o controle de certas áreas do território armênio. Pashinyan acrescentou que a Armênia se candidatou ao artigo de defesa coletiva da CSTO pela primeira vez na história do país.[21]

Nesse mesmo dia, um oficial de segurança armênio disse que eles concordaram em fazer um cessar-fogo entre a Armênia e o Azerbaijão.[33][34]

De acordo com o The Moscow Times, Putin rejeitou o pedido de assistência militar do primeiro-ministro armênio Pashinyan: a Armênia é parte da Organização do Tratado de Segurança Coletiva liderada pela Rússia, cujos membros assumiram a obrigação de ajudar uns aos outros em caso de agressão militar.[56]

Em 16 de setembro, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, disse a Putin que a escalada foi estabilizada.[57] De acordo com um parlamentar armênio, a Armênia recuperou o controle sobre seis posições anteriormente perdidas na fronteira.[58]

Suposta má condutaEditar

O Azerbaijão mantém pelo menos 7 prisioneiros de guerra armênios, mas evidências em vídeo sugerem que o número é maior.[59]

As imagens que circulam no Telegram mostram uma soldada da Armênia que foi mutilada pelas forças do Azerbaijão. O vídeo mostra a mulher nua, com palavras escritas nos seios e na barriga. Uma pedra foi inserida em sua órbita ocular e um dedo decepado foi colocado em sua boca.[60] O Estado-Maior Geral das Forças Armadas da Armênia afirma que "as forças armadas do Azerbaijão cometeram atrocidades depois de se infiltrar no território da Armênia; eles desmembraram uma mulher membro do serviço, cortaram suas pernas, dedos e a despiram".[61]

ConsequênciasEditar

Eventos canceladosEditar

No Azerbaijão, em conexão com a morte de militares das Forças Armadas do Azerbaijão, eventos solenes dedicados ao "Dia do Conhecimento" e "Dia Nacional da Música" foram cancelados,[62][63] o Campeonato de Halterofilismo do Azerbaijão entre jovens foi adiado.[64] O cantor ucraniano Max Barskih cancelou seu próximo show na capital do Azerbaijão, Bacu, afirmando que "qualquer país que lance agressão contra outro país não é lugar para meus concertos".[65]

Protestos na ArmêniaEditar

Em 14 de setembro, protestos eclodiram na capital da Armênia, Yerevan, e no Alto Carabaque pedindo a renúncia de Nikol Pashinyan por suas declarações sobre um possível acordo de paz com o Azerbaijão, acrescentando que o acordo faria com que eles fossem "criticados, amaldiçoados, chamados de traidores".[66] Uma líder da oposição, Karin Tonoyan, pediu aos manifestantes que começassem a bloquear prédios do governo e também fizessem um apelo para uma greve nacional.[67] Os manifestantes gritaram "Nikol, o traidor".[68]

Os manifestantes tentaram derrubar a barreira de proteção e acessar o prédio do parlamento, mas foram impedidos pelas autoridades, que decidiram soldar o portão. Manifestantes perto do prédio do parlamento de Yerevan pediram aos deputados que viessem aos seus escritórios e impusessem Pashinyan. O ex-ministro da Defesa da Armênia, Seyran Ohanyan, informou que 35 parlamentares da oposição assinaram um documento para iniciar o processo de impeachment contra Pashinyan. Na noite de 15 de setembro, os deputados da oposição dirigiram-se ao edifício do parlamento para iniciar o processo de impeachment contra Pashinyan, aos quais se juntaram os manifestantes.[69] Os protestos também foram realizados na segunda maior cidade da Armênia, Guiumri, porém foram muito menores e mais silenciosos.[66]

EsportesEditar

Em 15 de setembro, o Qarabağ FK solicitou à UEFA que um minuto de silêncio fosse observado em homenagem aos soldados do Azerbaijão caídos durante a partida da fase de grupos da Liga Europa contra o FC Nantes em Bacu.[70] O chefe do serviço de imprensa do clube, Gunduz Abbaszadeh, afirmou que tal movimento não foi permitido pela UEFA. Em seguida, a maior torcida organizada do clube, İmarət Tayfa, publicou uma declaração pedindo a todos que observassem um minuto de silêncio após o apito inicial para respeitar as memórias dos soldados falecidos do Azerbaijão.[71] Foi rapidamente distribuído para um grande número de usuários na rede social. Apesar da decisão da UEFA, aproximadamente 30000 espectadores[71] ligaram as lanternas de seus telefones e observaram um minuto de silêncio após o apito inicial.[72]

Danos à infraestruturaEditar

De acordo com dados preliminares, como resultado do bombardeio do Azerbaijão, 192 casas residenciais foram danificadas nas províncias armênias de Siunique, Gegharkunik e Vayots Dzor, com 60 delas completamente danificadas.[73] O Defensor dos Direitos Humanos da Armênia afirmou que mais de 2 570 pessoas foram deslocadas de suas casas.[74] Um incêndio começou nas florestas de Jermuk como resultado dos tiros disparados pelo Azerbaijão.[75] Em 14 de setembro, foi relatado que mísseis do Azerbaijão também atingiram um escritório russo do FSB na província de Gegharkunik.[76]

Os bombardeios do Azerbaijão também causaram incêndios florestais em Jermuk.[77] Em uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o representante permanente da Armênia, Mher Margaryan, condenou o ataque do Azerbaijão a Jermuk dizendo: "O bombardeio da cidade turística de Jermuk, que não tem absolutamente nenhum alvo militar, é nada menos que um crime de guerra, assim como os ataques contra o reservatório de água de Kechut, com impacto humano e ambiental potencialmente catastrófico".[78] Em 16 de setembro, os chefes das missões diplomáticas e organizações internacionais credenciadas na Armênia chegaram a Jermuk para conhecer as consequências dos bombardeios.[79]

AnáliseEditar

MotivoEditar

Asbarez, um jornal armênio-americano, informou que o objetivo do Azerbaijão era estabelecer um corredor terrestre para o enclave da República Autônoma do Naquichevão e a vizinha Turquia, efetivamente assumindo a Fronteira Arménia-Irã. O Irã alertou os líderes da Rússia e da Turquia de que se oporia a qualquer ação desse tipo para mudar sua fronteira com a Armênia.[80]

ReaçõesEditar

  • O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, expressou preocupação com os confrontos e exortou ambas as nações a encerrarem "imediatamente qualquer hostilidade militar", seguido por um telefonema com Ilham Aliyev para expressar preocupação "sobre a ação militar ao longo da fronteira Armênia-Azerbaijão, incluindo bombardeios em Armênia" e "exortou o presidente Aliyev a cessar as hostilidades".[81]
  • O porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Ned Price, afirmou que os EUA estavam analisando evidências de bombardeios do Azerbaijão dentro da Armênia, que causaram "danos significativos à infraestrutura armênia", e enfatizou a necessidade de ambas as partes encerrarem as hostilidades e concordarem com um desescalada mais ampla.[82]
 
Nancy Pelosi durante uma reunião com o Ministério da Defesa da Armênia, em 18 de setembro.
  • Durante os confrontos, a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, visitou Yerevan, em 17 de setembro, encontrando Nikol Pashinyan e outros altos funcionários da Armênia. Ela anunciou uma visita à capital armênia de Yerevan como uma demonstração de apoio ao país.[83] Além disso, o governo armênio declarou que o último cessar-fogo foi alcançado em grande parte graças à intervenção dos Estados Unidos.[84] Em entrevista à televisão, o presidente do parlamento da Armênia ressaltou a importância do papel dos EUA na estabilização da situação.[85]
  • O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, acusou a Armênia de iniciar os combates e os conflitos, e expressou apoio a novas negociações.[86]
  • O Ministério das Relações Exteriores da Rússia pediu a ambas as partes que aderissem ao cessar-fogo mediado pela Rússia de 13 de setembro. Absteve-se de dizer quem a Rússia considerava responsável pela escalada. Também afirmou que a disputa entre a Armênia e o Azerbaijão deve ser resolvida por meios puramente políticos e diplomáticos.[87]
  • O Ministério das Relações Exteriores de Chipre condenou o "ataque desencadeado pelo Azerbaijão contra posições dentro do território da armênio".[92]
  • O Ministério das Relações Exteriores da Índia convocou "o lado agressor a cessar imediatamente as hostilidades e os conflitos".[93]
  • O ministro das Relações Exteriores do Cazaquistão, Mukhtar Tleuberdi, divulgou um comunicado dizendo: "Devemos partir do fato de que a fronteira entre o Azerbaijão e a Armênia não é delimitada, por isso é difícil falar sobre qualquer violação da fronteira".[94][95]
  • O Representante Permanente da China na ONU, Zhang Jun, pediu moderação no conflito e pediu uma resolução da questão do Alto Carabaque com base no diálogo mútuo.[96]
  • O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, disse a um representante do Azerbaijão que a fronteira entre o Irã e a Armênia deve permanecer inalterada e pediu a ambos os lados que mostrem moderação.[97]
  • O secretário-geral da Organização dos Estados turcos expressou preocupação e condenou a "provocação militar das Forças Armadas Armênias". Exortou também a Arménia a cumprir os acordos alcançados entre os dois países.[98]
  • O Presidente da Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com o Sul do Cáucaso (DSCA) emitiu uma declaração sobre a "agressão militar do Azerbaijão contra a República da Arménia", condenando veementemente o "ataque militar em larga escala do Azerbaijão contra múltiplos alvos no território da República da Armênia."[99] Uma declaração conjunta dos principais eurodeputados condenou "os confrontos militares em larga escala" e instou "o Azerbaijão a interromper imediatamente sua ofensiva, a devolver suas tropas às suas posições iniciais e a respeitar plenamente a integridade territorial da Armênia".[100]
  • O membro associado do programa Rússia e Eurásia do Chatham House, Laurence Broers, disse que o Azerbaijão foi o agressor, observando: "Acho que há um sentimento no Azerbaijão de que agora é a hora de implantar seu poder, sua vantagem militar e extrair o máximo que pode obter. Acho que o risco é o estabelecimento de novas zonas de amortecimento, zonas de segurança, uma espécie de fragmentação de pelo menos a parte sul da Armênia e uma impotência entre os atores externos para impedir que isso aconteça".[101][102]
  • A Freedom House pediu ao Azerbaijão que "cessem seus ataques mortais ao território armênio" e que retornem às negociações de paz, afirmando que "os ataques militares a nações soberanas não têm lugar na ordem internacional baseada em regras".[103]
  • Nos dias 14 e 15 de setembro, pessoas na Armênia (Yerevan e Gyumri) saíram às ruas para exigir a renúncia do primeiro-ministro. Os manifestantes tentaram invadir o prédio do parlamento, mas foram impedidos. Os deputados da oposição pretendem destituir Pashinyan.[104]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Demourian, Avet (15 Setembro 2022). «Armenia, Azerbaijan agree on cease-fire to end fighting». Associated Press News. Consultado em 19 Setembro 2022 
  2. «Armenia Asks Russia to Help as 105 Killed in Azerbaijan Fighting». www.bloomberg.com. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  3. «Azerbaijani forces deployed 4.5 km away from Jermuk, says Armenian army chief». www.panorama.am. Consultado em 18 de setembro de 2022 
  4. a b c «Azerbaijan secures control of strategic heights». aze.media. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  5. a b «Azerbaijan's casualties in tensions on Armenian border rise to 80 — ministry». tass.com. 17 Setembro 2022. Consultado em 19 Setembro 2022 
  6. a b «Joint Statement of the Azerbaijan Ministry of Defense and the Prosecutor General's Office». Ministério da Defesa (em inglês). 14 Setembro 2022. Consultado em 16 Setembro 2022 
  7. «Armenia says 135 soldiers killed in clashes with Azerbaijan this week». Reuters. 16 Setembro 2022. Consultado em 19 Setembro 2022 
  8. More than 10 Armenian servicemen taken captive by Azerbaijan (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2022
  9. «Ադրբեջանական հրետակոծության հետեւանքով վիրավորված քաղաքացիական անձանց թիվը հասել է 7–ի, 1–ի վիճակը ծայրահեղ ծանր է. ԱՆ». news.am. Consultado em 16 Setembro 2022 
  10. «Armenian provocation against Azerbaijan backfires as bodies piling up». Trend. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Cópia arquivada em 13 Setembro 2022 
  11. «Armenia, Azerbaijan report deadly border clashes». Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  12. «Fresh clashes erupt between Azerbaijan, Armenia». Reuters. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  13. More than 200 killed in Armenia-Azerbaijan border clashes - officials (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2022
  14. «Ceasefire holds on Armenia-Azerbaijan border following deadly clashes». France 24 (em inglês). 15 de setembro de 2022. Consultado em 19 de setembro de 2022 
  15. «Conflict returns to Armenia-Azerbaijan border». Le Monde.fr (em inglês). 14 de setembro de 2022. Consultado em 19 de setembro de 2022 
  16. «About 100 troops killed in clashes between Armenia and Azerbaijan». the Guardian (em inglês). 13 de setembro de 2022. Consultado em 19 de setembro de 2022 
  17. Welle (www.dw.com), Deutsche, Armenia-Azerbaijan clashes: Almost 100 killed along border near Nagorno-Karabakh | DW | 13.09.2022 (em inglês), consultado em 19 de setembro de 2022 
  18. «Fresh clashes erupt between Azerbaijan and Armenia». 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  19. a b «Armenia, Azerbaijan report deadly border clashes». 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  20. a b c «Clashes break out on Azerbaijani-Armenian border – report». Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  21. a b «Ադրբեջանը որոշակի տարածքի նկատմամբ հսկողություն է սահմանել, Հայաստանը ՀԱՊԿ–ին դիմել է 4–րդ հոդվածով. Փաշինյան». news.am. 14 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022 
  22. Gall, Carlotta; Stevis-Gridneff, Matina (14 de setembro de 2022). «Armenia and Azerbaijan clash raises fears of broader conflict». The Japan Times (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022 
  23. Nechepurenko, Ivan; Engelbrecht, Cora (13 Setembro 2022). «Clashes Erupt Between Armenia and Azerbaijan, Raising Fears of Another War». The New York Times. Consultado em 14 Setembro 2022. Arquivado do original em 14 Setembro 2022 
  24. «Armenia, Russia agree 'joint steps to stabilise' border». www.aljazeera.com. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  25. «Armenia, Azerbaijan report deadly border clashes». 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  26. a b CNN, Philip Wang, Ellie Kaufman, Anna Chernova and Tara Subramaniam. «Russia claims ceasefire reached between Armenia and Azerbaijan after fighting erupts along border». CNN. Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  27. a b Reuters (13 de setembro de 2022). «Azerbaijan and Armenia ceasefire fails within minutes – media». Reuters (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  28. a b «Armenia's PM says 49 soldiers died in clashes with Azerbaijan». Reuters. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  29. «Զոհերի թիվը 105 է. Նիկոլ Փաշինյան». news.am. 14 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022 
  30. «Armenia claims at least 49 killed in clashes along border with Azerbaijan». the Guardian (em inglês). 13 de setembro de 2022. Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  31. «Armenia says 135 soldiers killed in clashes with Azerbaijan this week». Reuters. 16 Setembro 2022. Consultado em 16 Setembro 2022 
  32. «Deadly clashes erupt in disputed territory between Azerbaijan and Armenia». TheGuardian.com. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  33. a b «Armenian security official says that Armenia and Azerbaijan have agreed on a cease-fire to end two days of fighting». AP NEWS (em inglês). 14 de setembro de 2022. Consultado em 16 de setembro de 2022 
  34. a b «Armenia, Azerbaijan agree on cease-fire to end fighting». AP NEWS (em inglês). 14 de setembro de 2022. Consultado em 16 de setembro de 2022 
  35. «Azerbaijan has used Russia's weakness in Ukraine, expert says». Deutsche Welle. 14 Setembro 2022. Consultado em 15 Setembro 2022 
  36. «Member of Dutch Parliament: Now that Russia is weak, Azerbaijan sees its chance». news.am. 13 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022. Cópia arquivada em 13 Setembro 2022 
  37. Gavin, Gabriel (13 Setembro 2022). «Azerbaijan and Armenia plunge back into war, complicating EU hunt for energy». POLITICO Europe. Consultado em 14 Setembro 2022. Armenia and Azerbaijan’s decades-old conflict turned bloody Tuesday, but the EU’s ability to mediate is hampered by the perception that it can’t be even-handed because of its growing energy alliance with oil- and gas-rich Azerbaijan. 
  38. Agayev, Zulfugar; Khojoyan, Sara (14 Setembro 2022). «Azerbaijan-Armenia Fighting Resumes as US, France Urge Truce». Bloomberg News. Consultado em 14 Setembro 2022 
  39. Gall, Carlotta; Stevis-Gridneff, Matina. «Armenia and Azerbaijan Clash Raises Fears of Broader Conflict». The New York Times. Consultado em 14 Setembro 2022. Cópia arquivada em 13 Setembro 2022 
  40. «As Azerbaijan pushes advantage against Armenia, Russia's role again under scrutiny | Eurasianet». eurasianet.org. Consultado em 17 Novembro 2021. Arquivado do original em 17 Novembro 2021 
  41. Joshua Kucera (14 Maio 2021). «Armenia and Azerbaijan in new border crisis». Eurasianet. Consultado em 14 Maio 2021. Arquivado do original em 14 Maio 2021 
  42. «European Parliament resolution on prisoners of war in the aftermath of the most recent conflict between Armenia and Azerbaijan (2021/2693(RSP))» (Nota de imprensa). European Parliament. 19 Maio 2021. Consultado em 26 Maio 2021. Cópia arquivada em 26 Maio 2021 
  43. «Macron: Azerbaijani armed forces have crossed into Armenian territory. They must withdraw immediately. I say again to the Armenian people: France stands with you in solidarity and will continue to do so». Consultado em 14 Maio 2021. Arquivado do original em 24 Maio 2021 
  44. «Department Press Briefing – Maio 14, 2021». Consultado em 22 Maio 2021. Arquivado do original em 25 Maio 2021 
  45. «Macron: Azerbaijani armed forces have crossed into Armenian territory. They must withdraw immediately. I say again to the Armenian people: France stands with you in solidarity and will continue to do so.». Consultado em 14 Maio 2021. Arquivado do original em 24 Maio 2021 
  46. «Joint statement on the escalation on the border between Armenia and Azerbaijan and the Nagorno-Karabakh conflict | Communiqués | Documents | DSCA | Delegations | European Parliament». www.europarl.europa.eu. Consultado em 17 Novembro 2021. Arquivado do original em 17 Novembro 2021 
  47. «ՀՀ ՊՆ․ Որոշ ուղղություններում հակառակորդը շարունակում է դիրքային առաջխաղացման փորձերը». PanArmenian. Setembro 13, 2022. Consultado em Setembro 13, 2022. Arquivado do original em 14 Setembro 2022 
  48. «Armenian armed forces committed large-scale provocations in Dashkasan, Kalbajar and Lachin directions». Ministério da Defesa do Azerbaijão (em inglês). 13 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022 
  49. «Ադրբեջանցիների հրետակոծության հետևանքով Կութում վնասվել են մեծ թվով բնակելի տներ, կանայք ու երեխաները գյուղից տարհանվել են. Ավագյան». Aysor. Setembro 13, 2022. Consultado em Setembro 13, 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  50. Three civilians injured in Azerbaijani shelling, Armenia’s Health Ministry says
  51. Manning, Joshua (14 de setembro de 2022). «Armenia claims Azerbaijan issued missile strike on Russian FSB post in Gegharkunik». Euro Weekly News (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2022 
  52. «Azerbaijani servicemen became Shehids as a result of Armenia's large-scale provocation». Ministério da Defesa do Azerbaijão (em inglês). 13 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022 
  53. «Azerbaijan Army Units were subjected to artillery fire in the Kalbajar and Lachin directions». Ministério da Defesa do Azerbaijão (em inglês). 14 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022 
  54. «Երևանը հերթական ապատեղեկատվություն է որակում ադրբեջանական դիրքերը հրետակոծելու Բաքվի պնդումները». Azatutyun. Setembro 14, 2022. Consultado em Setembro 14, 2022 
  55. «ՀՀ ՊՆ․ Ժամը 08։00-ից հակառակորդը կրկին նախահարձակ է եղել, Ջերմուկի ուղղությամբ հարվածային ԱԹՍ-ներ կիրառել». PanArmenian. Setembro 14, 2022. Consultado em Setembro 14, 2022. Arquivado do original em 14 Setembro 2022 
  56. Путин отказал Армении в военной помощи (em armênio). Consultado em 16 de setembro de 2022
  57. Agencies, Daily Sabah with (16 de setembro de 2022). «Azerbaijan-Armenia violence stabilized, Aliyev tells Putin». Daily Sabah (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2022 
  58. «Armenian forces recaptured six positons, senior MP says». Panorama (em inglês). 16 de setembro de 2022. Consultado em 18 de setembro de 2022 
  59. «Armenia's Permanent Representative to UN: Azerbaijan captures at least 7 Armenian POWs, but there may be more». news.am (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022 
  60. «Footage appears to show desecration of female Armenian soldier». 16 Setembro 2022 
  61. «They cut off legs, fingers of female soldier: Armenian Army chief presents Azerbaijani atrocities to foreign diplomats». armenpress.am (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022 
  62. Bilik Günü ilə bağlı təntənəli tədbirlər ləğv olundu (em azeri). Consultado em 16 de setembro de 2022
  63. Минкультуры отложило проведение торжественных мероприятий, посвященных Дню национальной музыки (em azeri). Consultado em 16 de setembro de 2022
  64. Ağır atletika üzrə Azərbaycan birinciliyi təxirə salındı (em azeri). Consultado em 16 de setembro de 2022
  65. Ukrainian singer cancels concert in Baku over Azeri attack on Armenia (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022
  66. a b Protests break out in Armenia and Nagorno-Karabakh (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022
  67. Cease-fire holds between Armenia and Azerbaijan (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022
  68. Citizens block Baghramyan Avenue: They demand Pashinyan's resignation (live) (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022
  69. Армения и Азербайджан договорились о перемирии. В Ереване вспыхнули протесты
  70. «UEFA "Qarabağ"ın 1 dəqiqəlik sükutla bağlı müraciətinə "yox" dedi». sportinfo.az (em azerbaijano). 15 Setembro 2022. Consultado em 15 Setembro 2022 
  71. a b «UEFA-nın futbol siyasəti və "Qarabağ"a 1 dəqiqəlik sükut qadağası». sportinfo.az (em azerbaijano). 15 Setembro 2022. Consultado em 16 Setembro 2022 
  72. «"Qarabağ" – "Nant" oyununda bir dəqiqəlik sükut olub». İki sahil (em azerbaijano). 15 Setembro 2022. Consultado em 16 Setembro 2022 
  73. «PanARMENIAN.Net - Mobile». panarmenian.net 
  74. «Ադրբեջանական հարձակման հետևանքով առնվազն 2570 անձ տեղահանվել է. ՄԻՊ». www.1lurer.am 
  75. «Fire breaks out in forests of Armenia's Jermuk as a result of Azerbaijani shooting» 
  76. Manning, Joshua (14 de setembro de 2022). «Armenia claims Azerbaijan issued missile strike on Russian FSB post in Gegharkunik». Euro Weekly News (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2022 
  77. «Fire breaks out in forests of Armenia's Jermuk as a result of Azerbaijani shooting». Consultado em 15 de setembro de 2022 
  78. At least 7 identified PoWs captured by Azerbaijan in flagrant violation of Geneva Conventions (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2022
  79. Embaixadores acreditados na Armênia visitaram Jermuk (em armênio). Consultado em 16 de setembro de 2022
  80. «Tehran Vows 'Strong Resistance' Against Effort to Damage Iran-Armenia Border' – Asbarez.com». Asbarez. 13 Setembro 2022. Consultado em 16 Setembro 2022 
  81. «Secretary Blinken's Call with Azerbaijani President Aliyev». United States Department of State (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  82. «Department Press Briefing – Setembro 13, 2022». United States Department of State. 13 Setembro 2022. Consultado em 14 Setembro 2022. Arquivado do original em 14 Setembro 2022 
  83. «Pelosi going to Armenia amid renewed clashes with Azerbaijan». www.politico.com. Consultado em 19 de setembro de 2022 
  84. «Footage appears to show desecration of female Armenian soldier». www.oc-media.org. 16 Setembro 2022. Consultado em 19 de setembro de 2022 
  85. Армения отвела США главную роль в остановке конфликта с Азербайджаном (em russo). Consultado em 19 de setembro de 2022
  86. «At Least 49 Armenian Soldiers Killed In Fresh Fighting With Azerbaijan». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  87. «Russia tells Armenia and Azerbaijan: cease hostilities». Reuters (em inglês). 13 Setembro 2022. Consultado em 16 Setembro 2022 
  88. LIBERATION; AFP. «Azerbaïdjan-Arménie: Macron demande à Bakou de «revenir au respect du cessez-le-feu»». Libération (em francês). Consultado em 14 de setembro de 2022 
  89. «Entretien téléphonique avec le Premier ministre d'Arménie, Nikol PACHINIAN.». elysee.fr (em francês). 13 de setembro de 2022. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  90. «Entretien téléphonique avec le Président de la République d'Azerbaïdjan, Ilham ALIEV.». elysee.fr (em francês). 13 de setembro de 2022. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  91. «France to raise Armenia, Azerbaijan clashes at UN Security Council». Reuters. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  92. «13 Setembro 2022 – Foreign Ministry Statement – MFA». mfa.gov.cy. Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  93. «Official Spokesperson's response to media queries regarding reports of attacks along the Armenia-Azerbaijan border». mea.gov.in (em english). Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  94. «MFA: Kazakhstan not considering sending peacekeepers to Armenia». Consultado em 16 Setembro 2022 
  95. «Kazakh FM: Hard to speak about violations on border since there is no delimitation between Azerbaijan and Armenia». Consultado em 16 Setembro 2022 
  96. «China's Permanent Representative to UN: Normalization of Armenia-Azerbaijan relations is inseparable from Karabakh issue». Consultado em 16 Setembro 2022 
  97. «Iranian Foreign Minister: Iran-Armenia border must remain unchanged». Consultado em 16 Setembro 2022 
  98. «Statement of the Secretary General of the Organization of Turkic States on the Recent Clashes in the Azerbaijani-Armenian Border». Türk Devletleri Teşkilatı. 13 Setembro 2022. Consultado em 13 Setembro 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  99. «Communiqués | Documents | DSCA | Delegations | European Parliament». www.europarl.europa.eu (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 1 Agosto 2022 
  100. «MEPs call Armenia and Azerbaijan to respect the ceasefire agreement | News | European Parliament». www.europarl.europa.eu (em inglês). 13 de setembro de 2022. Consultado em 13 de setembro de 2022. Arquivado do original em 13 Setembro 2022 
  101. Seariac, Hanna (13 Setembro 2022). «Azerbaijan attacks Armenia: Is there another war on the horizon?». Deseret News. Consultado em 14 Setembro 2022. Arquivado do original em 14 Setembro 2022 
  102. Tétrault-Farber, Gabrielle (13 Setembro 2022). «Analysis: Why are Armenia and Azerbaijan fighting again, and why does it matter?». Reuters. Consultado em 14 Setembro 2022. Arquivado do original em 14 Setembro 2022 
  103. «Freedom House Condemns Azerbaijani Attacks on Armenia, Calls for Diplomacy». Freedom House (em inglês). Consultado em 14 de setembro de 2022 
  104. Армения и Азербайджан договорились о перемирии. В Ереване вспыхнули протесты (em russo). Consultado em 16 de setembro de 2022