Abrir menu principal
Dodô da Portela
Desfile de 2009 da Portela 02.jpg
Dona Dodô no desfile de 2009 da Portela.
Informações pessoais
Nome completo Maria das Dores Alves Rodrigues
Data de nasc. 3 de janeiro de 1920
Local de nasc. Barra Mansa, RJ,  Brasil
Falecido em 6 de janeiro de 2015 (95 anos)
Local da morte Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escolas de samba

Maria das Dores Alves Rodrigues, mais conhecida como Dodô da Portela (Barra Mansa, 3 de janeiro de 1920Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 2015) foi uma porta-bandeira de escola de samba brasileira.[1][2] Participou de 21 campeonatos da Portela, sendo onze como primeira porta-bandeira da agremiação.[3] É vencedora de dois Estandartes de Ouro, considerado o "Óscar do carnaval".[4]

Nascida e criada no Vale do Paraíba, mudou-se para o Rio aos quatro anos de idade, indo morar no Morro da Providência. Trabalhando como empacotadora numa fábrica de embalagens de papelão, conheceu Dora, rainha da Portela, que lhe indicou para ser porta-bandeira da agremiação. Estreou no cargo aos quinze anos, no carnaval de 1935, quando a Portela conquistou seu primeiro título. Venceu onze campeonatos até deixar o primeiro posto em 1957, sendo substituída por Vilma Nascimento. Passou a desfilar como segunda e terceira porta-bandeira até se "aposentar" da função em 1966.[5]

Também foi presidente da Ala das Damas e desfilou na Portela até o final da vida, participando de outros dez títulos da escola. A baluarte morreu aos 95 anos, após ficar internada por alguns dias com quadro grave de desidratação e desnutrição.[3][6]

Dodô não teve filhos, mas foi casada com Aloísio, um estivador mangueirense que ela conheceu num baile em Irajá.[7]

Índice

BiografiaEditar

 
Morro da Providência, na Zona Central do Rio, onde Dodô morou a maior parte de sua vida.

InfânciaEditar

Maria das Dores Alves Rodrigues nasceu no dia 3 de janeiro de 1920, em Barra Mansa, no sul do estado do Rio de Janeiro. Aos quatro anos de idade, migrou com a mãe, Otília, e os irmãos para a cidade do Rio de Janeiro, fugindo da miséria que assolava o Vale do Paraíba, que vivia a decadência da cultura cafeeira. Seu pai ficou na região com os outros filhos. Dodô foi morar no Morro da Providência, na Zona Central do Rio. A família se instalou numa casa ampla, no final da Ladeira do Faria, junto à Ladeira do Barroso, bem no alto da encosta. Pouco antes de completar quatorze anos, conseguiu um emprego de empacotadora numa fábrica situada na Rua Visconde de Gávea, no início do Morro da Providência, e que produzia embalagens de papelão para a Casa Granado. No trabalho, Dodô conheceu Doralice Borges da Silva, conhecida como Dora. Moradora do bairro de Oswaldo Cruz, Dora era rainha da Portela (na época, chamada Vai Como Pode), cargo conquistado através do livro de ouro, onde a escola leiloava cargos para aumentar o faturamento e bancar o desfile. No intervalo do trabalho, Dodô, Dora e as outras amigas sambavam e cantavam sambas da Portela.[8]

"Minha mãe tinha seis filhos, e ainda mais três que o meu pai levou para ela criar. Eles ficaram rapazes lá e a cidade era pequena e não tinha emprego. Foi por isso que nós viemos para cá (Rio de Janeiro). Mamãe veio, papai ficou."

— Dodô sobre sua transferência para o Rio.[2]

Carreira na PortelaEditar

 
Dodô carregando a bandeira da Portela no desfile campeão de 1941.

Cada vez mais interessada pela escola de samba e, especialmente, pela dança de porta-bandeira, Dodô pediu que sua mãe a levasse para o ensaio da Portela. Chegando lá, Dora lhe apresentou a Paulo da Portela e lhe recomendou como porta-bandeira ao sambista. Paulo achou Dodô muito nova, mas pediu que o mestre-sala da escola, Antônio, lhe avaliasse. Antônio deu algumas dicas à Dodô e lhe ensinou como uma porta-bandeira deve se portar. Após a avaliação, Antônio e Paulo aprovaram Dodô, que foi efetivada como primeira porta-bandeira. Em sua estreia no posto, Dodô foi campeã do carnaval de 1935, sendo este também, o primeiro título da Portela. Como primeira porta-bandeira da agremiação, participou de outros dez títulos da escola. Para o carnaval de 1957, com o consentimento de Dodô, o então presidente da agremiação, Natal da Portela, conduziu Vilma Nascimento ao posto de primeira porta-bandeira. Dodô passou a desfilar como segunda porta-bandeira. Nesse período, a Portela conquistou mais sete título (1957-1960; 1962; 1964; 1966). Após as comemorações do título de 1966, Dodô anunciou à escola que estaria deixando de exercer a função de porta-bandeira. Em 1972, ganhou do então presidente da Portela, Carlinhos Maracanã, uma loja situada dentro do Portelão, a quadra da escola em Madureira.[9] Em 1986, recebeu o Estandarte de Ouro, do jornal O Globo, de Destaque Feminino.[4] Consolidada como baluarte da agremiação, passou a exercer a função de presidente da Ala das Damas, vencedora dos Estandartes de Ouro de 1991 e 2014. No carnaval de 2000, foi um dos destaques do desfile da Portela, se apresentando com o pavilhão da escola, como nos tempos de porta-bandeira. Em 2003, Dodô foi homenageada no Centro Cultural Carioca.[10] No carnaval de 2004, desfilou como madrinha da bateria da Portela. No mesmo ano, recebeu seu segundo Estandarte de Ouro, considerado o "Óscar do carnaval". Em 2009, foi homenageada, com outras personalidades do samba, no documentário Velhas Guardas, de Joatan Berbel.[11] Em 2013, foi lançado o livro "Onze Mulheres Incríveis do Carnaval Carioca", do jornalista Aydano André Motta, onde a história de Dodô foi contada no capítulo 1, com o título de "Dodô, a pioneira".[12]

 
No Sambódromo da Marquês de Sapucaí, Dodô participa do ensaio técnico da Portela para o desfile do carnaval de 2011.

Morte e repercussãoEditar

No dia 22 de dezembro de 2014, Dodô foi internada Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, em Acari, no subúrbio do Rio, com quadro grave de desidratação e desnutrição.[13] Dodô morreu no dia 6 de janeiro de 2015, três dias após completar 95 anos, no mesmo hospital onde estava internada desde o mês anterior. O velório e o enterro foram realizados no dia seguinte, no Cemitério de São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio. A própria Dodô expressou, diversas vezes, o pedido para que seu corpo não fosse velado na quadra da Portela, que ela julgava ser um local de alegria permanente.[3][14]

A morte da ex porta-bandeira repercutiu entre as personalidades ligadas ao carnaval. Presidente de honra da Portela, Monarco lembrou que a amiga era a pastora mais antiga e sócia número um da escola. Vice-presidente da Portela, Marcos Falcon disse que Dodô "acompanhou a transformação da Portela em uma das maiores potências do carnaval, e que ela transmitia uma imagem de alegria e esperança". O então secretário de Turismo do Rio de Janeiro, Antonio Pedro Figueira de Mello, declarou que Dodô era "uma grande dama do samba e parte importante da história da cidade". Lucinha Nobre lembrou que Dodô abençoou sua entrada na Portela e sempre foi muito amiga com ela. Squel Jorgea disse que Dodô "sempre foi uma mulher muito alegre e viveu a vida de uma forma intensa". Rute Alves lembrou que enquanto esteve na Portela, Dodô cuidava de seu filho durante os ensaios. Presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (LIESA), Jorge Castanheira ressaltou que Dodô foi "uma pessoa que se doou, tinha uma identidade com a Portela, mas era respeitada por todo o mundo do samba". O então prefeito do Rio, Eduardo Paes, também homenageou a ex porta-bandeira em suas redes sociais.[6]

"Fica o legado da dedicação que sempre teve ao samba, em especial à arte de uma porta-bandeira. Viveu e ultrapassou várias fases do samba. Sobreviveu às perseguições, dificuldades e transformações. Fez a passagem como uma verdadeira dama."

— Selminha Sorriso, em 2015, sobre a morte de Dodô.[6]

CarnavaisEditar

Abaixo, a lista de carnavais de Dodô como primeira porta-bandeira e o resultado da escola de samba em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã
Ano Divisão Escola de Samba Classificação Mestre-Sala Ref.
1935 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [15]
1936 Desfile Oficial Portela 3.º lugar Manoel Bam-Bam-Bam [16]
1937 Desfile Oficial Portela Vice-campeã Manoel Bam-Bam-Bam [17]
1938 Desfile Oficial Portela Resultado não registrado [nota 1] Manoel Bam-Bam-Bam [18]
1939 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [19]
1940 Desfile Oficial Portela 5.º lugar Manoel Bam-Bam-Bam [20]
1941 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [21]
1942 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [22]
1943 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [23]
1944 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [24]
1945 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [25]
1946 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [26]
1947 Desfile Oficial Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [27]
1949 UGESB Portela Vice-campeã Manoel Bam-Bam-Bam [28]
1950 UCES Portela Vice-campeã Manoel Bam-Bam-Bam [29]
1951 UGESB Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [30]
1952 Supercampeonato Portela Resultado não divulgado [nota 2] Manoel Bam-Bam-Bam [31]
1953 Supercampeonato Portela Campeã Manoel Bam-Bam-Bam [32]
1955 Supercampeonato Portela 3.º lugar Manoel Bam-Bam-Bam [33]
1956 Supercampeonato Portela Vice-campeã Manoel Bam-Bam-Bam [34]

Títulos e estatísticasEditar

Dodô participou da conquista de onze campeonatos como primeira porta-bandeira da Portela. Após deixar o posto, continuou desfilando pela escola, no período em que a Portela foi campeã mais dez vezes.

Divisão  
Campeonato
Ano  
Vice
Ano  
Terceiro lugar
Ano
 
Grupo Especial
11 1935, 1939, 1941, 1942, 1943, 1944, 1945, 1946, 1947, 1951 e 1953 4 1937, 1949, 1950 e 1956 2 1936 e 1955

PremiaçõesEditar

Abaixo, a lista de prêmios recebidos por Dodô em sua carreira no carnaval.

Individual

1986 - Destaque Feminino [4]

2004 - Personalidade [4]

Coletivo

1991 - Ala das Damas (Portela) [4]

2014 - Ala das Damas (Portela) [35]

Notas

  1. Não houve julgamento por causa de uma forte chuva que impediu a chegada da comissão julgadora ao local dos desfiles.
  2. Uma forte chuva fez com que a comissão julgadora abandonasse o palanque onde estavam, deixando de julgar algumas escolas. O resultado das escolas avaliadas não foi divulgado.

Referências

  1. «Assembleia Legislativa do RJ». ALERJ. 6 de abril de 2005. Consultado em 2 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2012 
  2. a b «Memória do Samba do Rio: entrevistando Dodô da Portela». SRzd. 18 de setembro de 2011. Consultado em 12 de maio de 2019. Cópia arquivada em 12 de maio de 2019 
  3. a b c «Dona Dodô da Portela morre no Rio». G1. 6 de janeiro de 2015. Consultado em 6 de janeiro de 2015 
  4. a b c d e «Lista de premiados: 1972–2013». Site Apoteose.com. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  5. Motta 2013, pp. 41-51.
  6. a b c «Morre Tia Dodô, eterna porta-bandeira da Portela». Site Carnavalesco. 6 de janeiro de 2015. Consultado em 12 de maio de 2019. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2017 
  7. Motta 2013, p. 47.
  8. Motta 2013, pp. 41-45.
  9. Motta 2013, pp. 45-50.
  10. «CCC homenageia mestres-sala e porta-bandeiras». Consultado em 2 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2011 
  11. «Velhas Guardas no AdoroCinema». Consultado em 2 de dezembro de 2009 
  12. «Livro traça perfis das porta-bandeiras, as bailarinas do pas-de-deux momesco». O Globo. 23 de novembro de 2013. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  13. «Dona Dodô da Portela está internada em estado grave, no Rio». G1. 24 de dezembro de 2014. Consultado em 12 de maio de 2019 
  14. «O último adeus: homenagens e emoção marcam sepultamento de Tia Dodô da Portela». SRZD | Sidney Rezende. 7 de janeiro de 2015. Consultado em 12 de maio de 2019 
  15. «Carnaval de 1935 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  16. «Carnaval de 1936 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  17. «Carnaval de 1937 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  18. «Carnaval de 1938 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  19. «Carnaval de 1939 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  20. «Carnaval de 1940 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  21. «Carnaval de 1941 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  22. «Carnaval de 1942 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  23. «Carnaval de 1943 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  24. «Carnaval de 1944 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  25. «Carnaval de 1945 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  26. «Carnaval de 1946 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  27. «Carnaval de 1947 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  28. «Carnaval de 1949 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  29. «Carnaval de 1950 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  30. «Carnaval de 1951 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  31. «Carnaval de 1952 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  32. «Carnaval de 1953 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  33. «Carnaval de 1955 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  34. «Carnaval de 1956 - Portela». Galeria do Samba. Consultado em 12 de maio de 2019 
  35. «Estandarte de Ouro 2014». Site do Jornal O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 

BibliografiaEditar

  • Bastos, João (2010). Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou 1.ª ed. Rio de Janeiro: Folha Seca. 248 páginas. ISBN 978-85-87199-17-1 
  • Cabral, Sérgio (2011). Escolas de Samba do Rio de Janeiro 3.ª ed. São Paulo: Lazuli; Companhia Editora Nacional. 495 páginas. ISBN 978-85-7865-039-1 
  • Gomyde Brasil, Pérsio (2015). Da Candelária à Apoteose - Quatro décadas de paixão 3.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. 501 páginas. ISBN 978-85-7961-102-5 
  • Motta, Aydano André (2013). Onze mulheres incríveis do carnaval carioca - Histórias de Porta-bandeiras 1.ª ed. Rio de Janeiro, Brasil: Verso Brasil Editora. 229 páginas. ISBN 978-85-62767-10-4 

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar