Abrir menu principal
Duarte e Companhia
Informação geral
Formato Série
Gênero policial-cómico
Duração ± 50 min. (1ª,2ª,3ª e 5ª temp.)
30 min. (4ª temp.)
Estado Terminada
Criador(es) Miguel Paulino
Rogério Ceitil
País de origem Portugal Portugal
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Rogério Ceitil
Produtor(es) Rogério Ceitil
Distribuída por RTP1
Roteirista(s) José Jorge Letria (letra da música)
José Luís Tinoco (genérico musical)
Elenco Rui Mendes
António Assunção
Paula Mora
Canto e Castro
Guilherme Filipe
Alberto Quaresma
Frederico Cheong
Luís Vicente
António Rocha
Constantino Guimarães
Ema Paúl
Fernanda Coimbra
Luís Alberto
Tema de abertura "Nós somos Duarte & Cª"... (1987 e 1988)
Compositor da música-tema Carlos Alberto Moniz
Exibição
Emissora de televisão original RTP
Formato de exibição 4:3
Transmissão original 6 de dezembro de 19851989
N.º de temporadas 5
N.º de episódios 39
Cronologia
Programas relacionados O Anel Mágico

Duarte e Companhia (no original Duarte e C.ª [1]) foi uma série portuguesa de comédia policial da autoria de Rogério Ceitil, transmitida originalmente na RTP nos anos 80.

Índice

DVDEditar

Em 2005, a RTP editou em DVD os seis episódios correspondentes à primeira temporada. Em Junho de 2006 foi a vez da segunda e terceira temporadas, acrescentando 15 episódios aos editados anteriormente totalizando assim 20 episódios totalmente reeditados. Esperam-se novos lançamentos para o Natal de 2006.

Em 2007 foi divulgado que a Editora e Produtora Castello Lopes Multimédia que ia gravar e relançar a Quarta e Quinta Séries não tinham restaurado nem reeditado nenhum dos episódios seguintes destas duas ultimas temporadas em formato DVD tal como as Séries anteriores foram, por dificuldades de modo que a firma faliu pouco tempo depois e nenhum novo DVD foi lançado.

Primeiras transmissões de "Duarte e Companhia" nos anos 80 (1985 - 1989)Editar

A série estreou originalmente no dia 6 de dezembro de 1985 na RTP1, com transmissão semanal à sexta-feira.

ReposiçõesEditar

1990Editar

Durante o início dos anos 90 esta série foi transmitida na rubrica "Sem Legendas", nas tardes semanais da RTP1.

2016Editar

A série foi reposta originalmente com inicio no Episódio 1 desde 16 de abril de 2016 aos Sábados e Domingos pontualmente pelas 8h30 com repetição às 22h00, a série terminou em 31 de julho de 2016 pelas 22h50.

2017Editar

A série foi reposta duas vezes. A primeira foi semanal entre 15 de maio de 2017 e 27 de junho de 2017 às 20h00, a segunda reposição está atualmente em exibição às 11h00 da manhã e começou no dia 10 de julho de 2017, com previsão de fim para meados de agosto de 2017 às 11h50 da manhã.

SinopseEditar

A acção centra-se nas aventuras e trapalhices de uma tripla de detectives, Duarte (Rui Mendes), Tó (António Assunção) e Joaninha (Paula Mora) que da polícia têm como veículo um Citroën 2CV vermelho

Esta série mostra Duarte, Tó e Joaninha a trabalharem numa agência de detetives chamada "Duarte & Cª".

Duarte é o chefe arrogante e mulherengo (mesmo sendo casado), Tó, o subordinado pachorrento e calmo e Joaninha, a secretária de Duarte e prima de Tó com um trauma com os homens. com uma força de ferro.

A dupla de detetives Duarte e Tó e a secretária Joaninha tentam resolver os casos e investigações, porém, tudo o que fazem dá falhanço por qualquer motivo, razão pela qual Duarte, Tó e Joaninha são trabalhadores com falta de dinheiro...ou será porque Duarte é forreta?

Nesta excelente série policial-cómica ainda temos, vilões de máfia, Lúcifer (Guilherme Filipe), Albertini (Alberto Quaresma), um Japonês (Frederico Cheong), Átila (Luís Vicente), Rocha (António Rocha) e Tino (Constantino Guimarães) e ainda um detetive rival chamado Luís (Luís Alberto), o detetive emplastro e atrapalhado que faz de tudo para roubar os clientes de Duarte e Companhia.

Receita da sérieEditar

Apesar da série ser violenta, a violência não é fotorrealística. Para fazer esta série, Rogério Ceitil focou-se em filmes clássicos que a RTP passava na época, como O Justiceiro, Soldados da Fortuna e animações do Leste. Ceitil estudou as técnicas da banda desenhada e fez de Duarte & Cª, uma comédia de Banda Desenhada à Portuguesa. Para além disso, as personagens também nunca morriam na série. Rogério queria que isso ficasse no tom mais leve e a fingir do que pesado e fotorrealístico.

Inicialmente, quando a série estreou em 1985, os atores que interpretavam os personagens fumavam nas gravações, havendo também algum racismo, mas o sucesso nas crianças foi tão grande que Rogério Ceitil decidiu tornar a série politicamente correta, já em 1986. A única coisa que mantinha sempre era a violência, já que a série era também de humor físico.

Entrada da série na RTPEditar

Como se sabe e bem, nem sempre a RTP pode aceitar séries de produções externas. Duarte e Companhia não foi produzido pela RTP, e era para ser uma série para ficar apenas no cinema, mas Rogério Ceitil, queria que fosse mais que uma série no cinema, queria que fosse também uma série de televisão. Rogério Ceitil convenceu a RTP a aceitar a transmissão da série, mas antes do lançamento televisivo, os técnicos da RTP consideravam que a série não iria ter grande êxito devido à forma que era gravado e devido à imagem (já havia naquela altura programas com melhor imagem), mas colocou, e as audiências foram um sucesso extrondoso e Rogério Ceitil devido a esse êxito fez mais episódios para à RTP, e cada vez mais era êxito português em televisão. Estas transmissões por parte da RTP também dependiam da boa vontade dos técnicos para a transmitirem.

Falta de dinheiro e meiosEditar

Tal como foi com Zé Gato, a série não tinha meios de produção (nem da RTP), e o produtor da série também exercia realização. Os fatos para os atores eram alugados e alguns eram mesmo dos próprios, até para fazerem a série tinham de arrendar escritórios e casas.

Afirmações em fontes.

Ficha técnicaEditar

  • Produção: Rogério Ceitil
  • Producção: José Miguel
  • Assistente de producção: Fernando Pineza
  • Autoria: João Miguel Paulino
  • Director de fotografia: José Luís Carvalhosa
  • Assistente: Carlos Oliveira
  • Director de som: João Diogo
  • Guarda-roupa: Charles Martin
  • Música do genérico: José Luís Tinoco
  • Argumento e diálogos: João Miguel Paulino
  • Realização e montagem: Rogério Ceitil
  • Músicas: Carlos Alberto Moniz
  • Letras: José Jorge Letria

ElencoEditar

Elenco principalEditar

Elenco principal
Nome do ator Nome da personagem Anos de aparição
Rui Mendes Duarte 1985 - 1989
António Assunção
Paula Mora Joana (Joaninha)
Luís Vicente Átila
António Rocha Rocha 1985 - 1988
Constantino Guimarães Tino
Guilherme Filipe Lúcio (Lúcifer)
Frederico Cheong Japonês 1985 - 1989
Alberto Quaresma Albertini
Canto e Castro Professor Fernando Ventura
Ema Paúl Ema 1985 - 1988
Fernanda Coimbra Teresa 1986 - 1989

- Ator falecido (já morreu)

Elenco secundárioEditar

  • Henriqueta Maia
  • Isabel de Castro
  • Ruy de Carvalho como padrinho americano de Charlie
  • João de Carvalho
  • Teresa Faria
  • Fernando Mendes como os Gémeos Cantores na Série de 1989
  • José Pedro Gomes
  • Luis Alberto como Luís
  • Miguel Ângelo como Miguel Ferreira
  • Manuel Coelho como o Gangster Charlie enviado da América
  • Baptista Fernandes como Mentor
  • Maria Adelaide Ferreira como Melita
  • Mila Ferreira como uma cliente que pretende serviços de segurança
  • Almeno Gonçalves como Guarda-costas do Mafioso Adriano na Série de 1988
  • Helena Isabel como Cantora
  • João Lagarto como Irmão do mafioso Adriano
  • Adriano Luz como O outro Guarda-costas do Mafioso Adriano na Série de 1988
  • Nuno Melo como um dos 3 outros vilões inimigos do gang do Átila e do gang do Lucifer
  • Mário Pereira
  • Antonino Solmer como Vilão vestido de branco tambem lider do grupo de Mafiosos que enfreta Duarte, Joaninha e o To.
  • Lídia Franco
  • Luzia Paramés como a Fada Madrinha que vive com o Lucifer desde o Episódio 14
  • Diogo Vasconcelos como Casimiro (creditado como Diogo Vasconcelos e Sá)
  • Isabel Medina
  • Carlos Pimenta
  • Alexandre Melo como Assistente do Professor Fernando Ventura (actor convidado no episódio #1.1)
  • Fernando Loureiro como o Vilão O Zarolho
  • Antonio Cordeiro como O Medico Psiquiatra
  • Paulo Lages como o Carlos o afilhado de Lucifer
  • Luis Lucas como o Mata Hari no Episódio 13
  • José Ribeiro como o vilão do Terrível Zarolho
  • Dora A Cantora como a Cantora no Episódio 13
  • Solange Vieira como a vilã Princesa Marlene
  • Alfredo Sobreira como o vilão ajudante da Marlene e do Terrível Zarolho
  • Luis Beirão como o Pintor que trabalha no gabinete do Duarte
  • Bernardino Nascimento como Giannini o Chefe da Máfia de Nova Iorque
  • Amílcar Botica como Giancarlo o mafioso fiel de Giannini que chega a Lisboa no Episódio 14
  • Jorge Nery como Rafaelo o Mafioso Americano que chega a Lisboa desde o Episódio 14
  • Cristina Buero como a segunda Fada Madrinha que controla a suposta namorada do Lucifer
  • Claudia Ferreira
  • Luisa Cruz
  • José Martins
  • João Jorge Loureiro
  • Victor Gonçalves
  • António Mota
  • Teresa Sobral
  • Isabel Ganilho
  • Maria Beatriz Gomes
  • Vicente Galfo
  • Miguel Menezes
  • António Carvalho
  • João Miguel Paulino
  • Carlos Gonçalves
  • Luz Franco
  • Teresa Gafeira
  • Isabel Ribas como a Agente especial enviada da CIA para Portugal nos episodio 20 e 21 em A Espada Do Samurai e A Batalha decisiva
  • Soraya Arrais
  • Carlos Paulo
  • João Grosso
  • Bruno Rossi
  • Luis Mata
  • Carlos Alberto Moniz como o Cantor que aparece no Episódio de 1987
  • Rita Salema como a Fada Madrinha que quer o Mafioso Miguel a cantar na Série de 1988
  • Natália Luisa
  • Manuel Castro e Silva
  • Francisco Costa
  • Jorge Estreia
  • Leandro Marques
  • Teresa Esteves
  • Paula Vieira
  • Isabel Leitão
  • Cássia Kis Magro
  • Fernando Louro
  • Mário Pereira
  • José Veloso
  • Alexandre Melo
  • Paulo Gracindo
  • Luis Pinhão
  • Filomena Gonçalves
  • João Loureiro
  • Sérgio Silva
  • Rosa Cardoso
  • Mário Timóteo
  • Maria Arriaga
  • José Carlos Garçés
  • Luis Rizo
  • João Azevedo
  • Fernando Guerreiro
  • Carlos Sebastião
  • Ana Nave
  • Mónica Lapa
  • Diogo Vasconcelos
  • António Marques como um dos membros da Mafia portuguesa vestido de preto que aparece na quarta e quinta series
  • Eduardo Coelho

- Ator Falecido (já morreu)

EpisódiosEditar

A Série teve 5 temporadas. A 1ª, 2ª e 3ª temporada (1985 - 1987) são da 1ªsérie, a 3ª,4ª e 5ª temporada (1988 - 1989) são da 2ªsérie.

1ªSérie (1985 - 1987)
Episódio (série) Episódio (temporada) Título Transmição RTP1 (1985 - 1987) Transmição RTP Memória (2016)
Temporada 1 (1985)
01 O Roubo dos planos da pólvora 6 de dezembro de 1985 16 de abril de 2016
02 A Vingança de Lúcifer 13 de dezembro de 1985 17 de abril de 2016
03 O Artista do Crime 20 de dezembro de 1985 23 de abril de 2016
04 O Novo invento do professor Ventura 27 de dezembro de 1985 24 de abril de 2016
05 Lisboa não é Hollywood (1ªparte) 3 de janeiro de 1986 30 de abril de 2016
06 Lisboa não é Hollywood (2ªparte) 10 de janeiro de 1986 1 de maio de 2016
Temporada 2 (1986)
07 01 A Paixão de Tó 1986 7 de maio de 2016
08 02 A Maldição da Múmia 8 de maio de 2016
09 03 O Caso da Serpente Venenosa 14 de maio de 2016
10 04 A Cadeira do Poder 15 de maio de 2016
11 05 A Rainha de Sábá 21 de maio de 2016
12 06 A Revolta dos escravos 22 de maio de 2016
Temporada 3 (1987)
13 01 O Terrível Zarolho 1987 28 de maio de 2016
14 02 O Zarolho volta a atacar 29 de maio de 2016
15 03 O Poder Conquista-se pelas armas 4 de junho de 2016
16 04 A Prensa da Morte 5 de junho de 2016
17 05 A Morte espera no Jardim 11 de junho de 2016
18 06 O Filho Americano 12 de junho de 2016
19 07 O Ritual Ecológico 18 de junho de 2016
20 08 A Espada do Samurai 19 de junho de 2016
21 09 A Batalha Decisiva (Último episódio da 1ªsérie) 25 de junho de 2016
2ªsérie (1988 - 1989)
Temporada 4 (1988)
Episódio (a contar com a 1ªsérie) Episódio (2ªsérie) Episódio (temporada) Título Transmição RTP1 (1988 - 1989) Transmição

RTP Memória

(2016)

22 01 Não tem título 1988 26 de junho de 2016
23 02
24 03 2 de julho de 2016
25 04
26 05 3 de julho de 2016
27 06
28 07 9 de julho de 2016
29 08
30 09 10 de julho de 2016
31 10
32 11 16 de julho de 2016
33 12
34 13 17 de julho de 2016
35 14
36 15 23 de julho de 2016
Temporada 5 (1989)
37 16 01 O Festival da Canção 1989 24 de julho de 2016
38 17 02 Domingo de Páscoa 30 de julho de 2016
39 18 03 Vamos ao Porto (Último Episódio da 2ªsérie) (episódio final) 31 de julho de 2016
Nota: Os episódios da temporada 4 (1988) foram 15 de 30 minutos, mas não tiveram qualquer título.

CuriosidadesEditar

  • A série Zé Gato (também da realização e produção de Rogério Ceitil) foi a semente da série, mas com toques de comédia.
  • O nome verdadeiro de Lúcifer era Lúcio, Lúcifer era a sua alcunha.
  • Houve pessoas no elenco que trabalhavam na RTP e que tiveram oportunidade de entrar na série, tais como António Rocha (Rocha) e Frederico Cheong (Japonês).
  • Rogério Ceitil nunca deu entrevistas e nunca foi à televisão.
  • No episódio Vamos ao Porto de 1989 (último episódio da série), o Rogério Ceitil chamou outra vez o ator Manuel Coelho, para no início desse episódio dizer por Rogério Ceitil que a série ia terminar, disfarçando-se com barba postiça e óculos de sol e isso nota-se pela voz e pela aparência que fez nas outras temporadas da série, que faz com que facilmente se consiga imaginar que não é o verdadeiro autor e realizador (Rogério Ceitil) que está ali e que está a falar.
  • No último episódio, numa altura em que, ironicamente, o programa não está a gravar, Frederico Cheong revela que é mesmo japonês.
  • O último episódio de Duarte & Cª terminou com uma musica de fundo do Porto.
  • A série de 1989 trouxe os visuais de 1986 e 1987 de volta.
  • A música de genérico "Nós somos Duarte & Cª" só foi lançada em 1987.
  • Foram usados vários carros Citroén 2CV, no episódio "A batalha decisiva",coube mais que uma dezena de pessoas.
  • Rogério Ceitil realizou duas cenas cómicas com o citroén 2CV, curioso também, é o facto do carro ter sido uma peça de salvamento de vida para a dupla de detetives, uma cena foi com a Joaninha lá dentro escondida a guiar o carro, e a outra foi na 2ªsérie, desta vez movendo-se sozinho sem ninguém lá dentro e ainda a abrir as portas.
  • Algumas personagens fictícias usaram os nomes de ator.
  • Rogério Ceitil tirava os efeitos sonoros dos filmes de cowboys que alguava.
  • A série teve a curiosidade de estrear no dia de 6 de dezembro, que também o mesmo mês e dia que a série Zé Gato (também do Rogério Ceitil) estreou na RTP2.
  • Em 2016, os atores Rui Mendes, Luís Vicente, Paula Mora e Guilherme Filipe foram entrevistados em direto no programa Agora Nós da RTP1 para falarem da série e das técnicas que Rogério Ceitil usava para fazer a série.

Armas usadas em "Duarte e companhia" e "Zé Gato"Editar

Em Fevereiro de 2013, a PSP de Vila Franca de Xira apreendeu em casa de Rogério Ceitil na freguesia de Alhandra, um revólver de calibre .32 e uma espingarda de cano liso ('shotgun') de calibre 12 utilizadas nas filmagens das séries "Duarte e Companhia" e "Zé Gato", entregues voluntariamente pelo produtor.

O produtor manifestou a vontade de as armas ficarem expostas em algum local, tendo em conta o seu valor histórico[2]

Referências

Ligações externasEditar

' não reconhecido!))

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Duarte & C.a