Abrir menu principal
Elisabete Matos
Elisabete Matos na estreia no Metropolitan Opera (2010)
Informação geral
Nome completo Maria Elisabete da Silva Duarte Matos
Também conhecido(a) como Elizabete Matos
Maria Elizabete da Silva Duarte Matos
Nascimento 1970 (49 anos)
Local de nascimento Caldas das Taipas, Caldelas, Guimarães, distrito de Braga
Portugal Portugal
Nacionalidade portuguesa
Género(s) música clássica
Ocupação(ões) cantora de ópera
Instrumento(s) vocal
Extensão vocal soprano
Período em atividade 1988-presente
Afiliação(ões) Plácido Domingo
Prémios CNC Luísa Todi (1991) 1.º prémio
Prémio Bordalo (1999) Música Erudita
Medalha de Mérito Cultural (2015)
Página oficial http://www.elisabete-matos.com

Elisabete Matos GOIH (Caldas das Taipas, 1970) é uma cantora de ópera portuguesa. Radicada em Madrid, Espanha, é considerada a mais internacionalmente reconhecida soprano lusa da atualidade.

Índice

BiografiaEditar

Maria Elisabete da Silva Duarte Matos[1] nasceu em 1970[2][3][nota 1] em Caldas das Taipas, freguesia de Caldelas, concelho de Guimarães, distrito de Braga[5][6][nota 2]

Nascida numa família com bases de formação musical ligada à Banda Musical de Caldas das Taipas, enveredou pelos estudos musicais no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga, onde estudou violino e canto, tendo entre os docentes Palmira Troufa.[15][9]

A estreia de Elisabete Matos deu-se em 1988,[16] com apenas 18 anos, no Coliseu do Porto no papel de "Frasquita", uma personagem da ópera Carmen (Bizet).[17]

Segue com 18 anos para Madrid, Espanha,[9][17] para prosseguir os seus estudos após ganhar uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian,[9][18] vivendo na capital espanhola desde 1988.[19]

Elisabete Matos licenciou-se em "Música-Canto" na Escuela Superior de Canto de Madrid,[9][1] combinando os estudos com incursões profissionais.[20]

 
Elisabete Matos a receber o 1.º prémio do Concurso Nacional de Canto Luísa Todi (1991)

Em 1991 Elisabete Matos venceu o Concurso Nacional de Canto Luísa Todi, a única prova de canto lírico existente em Portugal, organizado Câmara Municipal de Setúbal.[21][22]

Com o patrocínio da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, no âmbito do "V Centenário do Tratado de Tordesilhas 1494-1994", é lançado em 1994 Depois de Tordesilhas..., trabalho dicográfico que reúne as sopranos Elisabete Matos, Elsa Saque e Helena Afonso com o pianista Nuno Vieira de Almeida para interpretar composições de nomes como José Francisco Leal, Francisco de Lacerda, Luís de Freitas Branco, Enrique Granados ou Heitor Villa-Lobos.[23]

Ao conquistar, em 1995, o segundo lugar no en:International Hans Gabor Belvedere Singing Competition (Concurso Internacional de Canto Hans Gabor Belvedere) Elisabete Matos começou a destacar-se para além da esfera ibérica.[24] A sua carreira internacional ficou definitivamente lançada, em junho de 1997,[carece de fontes?] na de:Hamburgische Staatsoper (Ópera Estatal de Hamburgo) com os papéis de "Donna Elvira" em Don Giovanni (Mozart)[18] e "Alice Ford" da ópera Falstaff (Verdi).[18]

Em outubro de 1997, Elisabete Matos faz uma estreia triunfal na reabertura do madrileno Teatro Real na estreia mundial da ópera Divinas Palabras, por Antón García Abril, ao lado de Plácido Domingo, interpretando o papel principal de "Mari-Galia" em alternância com Inmaculada Egido.[25][26] Reconhecendo as qualidades da soprano, o tenor e maestro convidou-a então para cantar com ele na Le Cid (Massenet) no papel de "Chimène", que viria a ser apresentada em 1999, em maio no es:Teatro de la Maestranza de Sevilha[27] e em novembro pela Ópera Nacional de Washington no John F. Kennedy Center for the Performing Arts.[28] No entanto, antes destes espectáculos, ambos ainda se cruzaram no concerto que Plácido Domingo deu no Estádio do Restelo, em Lisboa, por alturas da EXPO'98,[15][29] seguindo-se outro convite para Elisabete participar pela companhia Ópera Nacional de Washington, de que Domingo era director artístico, como "Dolly" em Sly (Ermanno Wolf-Ferrari) ao lado de José Carreras, em março de 1999, também no Kennedy Center.[15][30]

Em 1999, é editado o álbum La Dolores (ópera de Tomás Bretón) em que Elisabete Matos se apresenta no papel de "Dolores" ao lado de Plácido Domingo ("Lázaro"), acompanhados pelo Coro do Grande Teatro do Liceu e pela Orquestra Sinfónica de Barcelona e Nacional da Catalunha com maestro Antoni Ros Marbá.[31] Este trabalho recebeu o Grammy Latino (2000) para "Melhor Álbum de Música Clássica" (Best Classical Album), logo na primeira edição deste prémio, tornado-se assim a primeira portuguesa a receber este galardão.[32][33]

Em 2001, participa na abertura oficial do Porto 2001 (Capital Europeia da Cultura), actuando com a Orquestra Nacional do Porto, com direcção do maestro Marc Tardue, no Coliseu do Porto, dia 13 de janeiro.[34][35] Já em março de 2001, participa na Gala Verdi, espectáculo no Teatro Palacassa, em Parma, inserido nas comemorações do centenário da morte de Giuseppe Verdi, sob a direcção musical de Zubin Mehta, ao lado das maiores estrelas da ópera da altura.[36][37] Ainda em Itália, participa em julho no Macerata Opera Festival estreando-se no papel de "Floria Tosca" em Tosca (Puccini) com a direcção de Renato Palumbo.[38][39]

Em fevereiro de 2004 Elisabete Matos estreia-se no Teatro alla Scala de Milão no papel de "Lidoine" em Dialogues des Carmélites (Poulenc) com o maestro Riccardo Muti.[40][41][42]

Em 2005 actua na inauguração da Casa da Música, no Porto, a 15 de abril, no segundo dia do festival de abertura[9][43][44] e representa Portugal no es:Festival Internacional de Teatro Clásico de Mérida (Espanha) com a soprano a interpretar o papel de "Norma", na ópera Norma (Bellini) com direcção cénica de Gustavo Tambascio, numa estreia no Teatro Romano a 7 de julho.[45]

No início de 2010, aquando do arranque das comemorações do Centenário da Implantação da República Portuguesa, no Porto, foi apresentado um CD com as novas versões do Hino Nacional de Portugal que incluía, entre outras, a interpretação de Elisabete Matos. Este disco, uma iniciativa foi desenvolvida pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, pelo Teatro Nacional de São Carlos e pela RTP, em colaboração com o Ministério da Cultura e o INATEL, foi editado para distribuição às orquestras sinfónicas, bandas filarmónicas, escolas, academias de música e embaixadas portuguesas no estrangeiro, com o objectivo é homogeneizar a interpretação, passando a ser a versão oficial.[46][47] Na sessão de encerramento das comemorações, a 21 de outubro de 2011 Elisabete Matos interpretou, na sua versão integral, "A Portuguesa" acompanhada da Banda da Guarda Nacional Republicana e do Coro do Teatro Nacional de São Carlos, em pleno hemiciclo da Assembleia da República.[48]

 
Elisabete Matos na estreia no Metropolitan Opera (2010)

Em Dezembro de 2010, Elisabete Matos estreou-se no Metropolitan de Nova Iorque, interpretando "Minnie", o papel principal da ópera de Puccini, La Fanciulla del West, um papel também interpretado por Deborah Voigt nesta produção.[49][50][51]

Desde 2012, Elisabete Matos é professora adjunta convidada como especialista nas áreas de Performance Musical e Canto da Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco.[1][52][53]

Em 2013 Elisabete Matos assinalou os seus 25 anos de carreira, com o lançamento de uma fotobiografia e um recital no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, a 12 de janeiro de 2013.[16][54][55][56] O ano mostrou-se recheado de homenagens destacando-se a atribuição da Medalha de Mérito Cultural.[57]

Em 2015 candidatou-se à direção artística do Teatro Nacional de São Carlos no concurso internacional para preencher um lugar vago desde 2013.[58] A escolha acabou por recair em 2016 sobre Patrick Dickie, anterior consultor artístico e programador convidado desta casa de ópera.[59]

Elisabete Matos participou na sessão solene de encerramento as celebrações do Centenário das Aparições de Fátima, a 13 de outubro de 2017, integrando um concerto com a Orquestra e pelo Coro Gulbenkian, dirigidos pela maestrina Joana Carneiro, que incluiu, entre outras, obras encomendadas aos compositores James MacMillan e Eurico Carrapatoso.[60][61]

RepertórioEditar

Esta secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Sendo um soprano Lírico-spinto, Elisabete Matos é dona de uma voz capaz de uma grande intensidade dramática com um timbre de pura beleza. Os seus compositores mais executados são Puccini e Wagner, mas conta com mais de cinquenta papéis no seu repertório.

Papéis em óperaEditar

Personagem Obra Autoria Ref.
Norma Norma Bellini [45]
Micaela Carmen Bizet
Dolores La Dolores Bretón [31]
Margarita Margarita la Tornera Chapí
Salud La Vida Breve Falla
Mari-Galia Divinas Palabras García Abril [25]
Iphigénie Iphigénie en Tauride Gluck
Rosa Gaudí Joan Guinjoán
La del Alba Don Quijote Halffeter
Kátja Kátja Kabanowá Janácek
Zazà Zazà Leoncavallo
Santuzza Cavalleria Rusticana Mascagni
Chimène Le Cid Massenet [27]
Donna Elvira Don Giovanni Mozart [18]
Contessa Le Nozze di Figaro Mozart
Ermissende Els Pirineus Pedrell
Mimi La Bohème Puccini
Minnie La Fanciulla del West Puccini [50]
Suor Angelica Suor Angelica Puccini
Tosca Tosca Puccini [38]
Principessa Turandot Turandot Puccini [17]
Gioconda La Gioconda Ponchelli
Mme Lidoine Dialogues des Carmélites Poulanc [18][40]
Contessa Capriccio Strauss
Amelia Ballo in maschera Verdi
Elisabetta Don Carlo Verdi
Alice Ford Falstaff Verdi [18]
Amelia Gustavo III Verdi
Leonora Il Trovatore Verdi
Lisa La Battaglia di Legnano Verdi
Abigaille Nabucco Verdi
Amelia Simón Boccanegra Verdi
Freia Das Rheingold Wagner
Senta Der Fliegende Holländer Wagner [11]
Sieglinde Die Walküre Wagner [62]
Elsa Lohengrin Wagner
Gutrune und Dritte Norn Götterdämmerung Wagner
Elisabeth Tannhäuser Wagner
Dolly Sly Wolf-Ferrari [15]

DiscografiaEditar

FilmografiaEditar

  • Le Cid (Jules Massenet) (2005, DVD, House of Opera, Duluth, Georgia)
    com Plácido Domingo (O Cid) ; Elisabète Matos (Chimène); Angela Turner Wilson (Infanta); Coro da Ópera de Washington e Kennedy Center Opera House Orchestra com maestro Emmanuel Villaume
    [68]

Prémios e homenagensEditar

Notas e referências

Notas

  1. Existe a informação contestada de "1964" como ano de nascimento.[4] Assunto abordado na página de discussão do artigo.
  2. Existem várias referências de fontes independentes que indicam/indicaram "Caldas das Taipas" como local de nascimento.[7][8][9][10] Também existem referências de fontes independentes que indicam/indicaram "Braga" como local de nascimento.[4][11][12] A página oficial da biografada indica/indicou "Braga" desde, pelo menos, 2008.[13][14] Assunto abordado na página de discussão do artigo.

Referências

  1. a b c «Maria Elisabete da Silva Duarte Matos». Instituto Politécnico de Castelo Branco. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  2. Catarina Carvalho (19 de Janeiro de 2012). ««Temos de aprender a valorizar o que é nosso»». Diário de Notícias. Presumido "1970" após cálculo. Consultado em 4 de setembro de 2015. Arquivado do original em 4 de setembro de 2015  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  3. Raquel Carrilho (6 de março de 2015). «Elisabete Matos: 'A minha profissão é como um sacerdócio'». Sol. Presumido "1970" após cálculo. Consultado em 4 de setembro de 2015. Arquivado do original em 4 de setembro de 2015  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  4. a b «Artigos de apoio : Elisabete Matos». Indica "1964" e "Braga" como ano e local de nascimento. Infopédia. Consultado em 24 de abril de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  5. Fátima Lopes (29 de junho de 2010). «Entrevista : Elisabete Matos (Programa Vida Nova. Indica "Caldas das Taipas" aos 3:22. SIC (Via Sapo). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  6. Conceição Lino (9 de janeiro de 2013). «Uma voz Portuguesa pelo mundo (Programa Boa Tarde. Introdução e entrevista aquando dos 25 anos de carreira. Indica "Caldas das Taipas" ao 0:54. Aos 6:46 volta o assunto. Indica "Conservatório" aos 1:05. SIC (Via Sapo). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  7. «Sociedade : Vereação camarária aprova medalhados do 24 de Junho». Guimarães Digital. 5 de junho de 2003. Consultado em 9 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 11 de julho de 2011  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  8. a b «Sociedade : Guimarães assinala hoje Batalha de S. Mamede». Guimarães Digital. 24 de junho de 2003. Consultado em 9 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 11 de julho de 2011  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  9. a b c d e f Pedro Vila-Chã (22 de Fevereiro de 2005). «"Carreira é como sacerdócio"». Jornal de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  10. Costa Guimarães (10 de janeiro de 2010). «Crónica: Escrita em Dia : De Braga para encantar o Mundo». Correio do Minho. Braga. Consultado em 23 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 6 de maio de 2014  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  11. a b Agência Lusa (10 de janeiro de 2010). «Elisabete Matos regressa ao Teatro Real de Madrid». Jornal de Notícias. Consultado em 23 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 9 de julho de 2012  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  12. Gema Pajares (11 de janeiro de 2010). «Soprano : Elisabeta Matos: «La voz no admite photoshop»». La Razón (em espanhol). Madrid. Consultado em 23 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2010  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  13. «Biografia» (em espanhol). Página Oficial. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2008  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  14. «Biografia». Página Oficial. Consultado em 23 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 28 de julho de 2012  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  15. a b c d Pedro Ribeiro (17 de março de 1999). «A soprano que Domingo convidou». Público. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2018 
  16. a b Agência Lusa (11 de janeiro de 2013). «Soprano Elisabete Matos celebra 25 anos de carreira». Diário de Notícias. Implica estreia em 1988. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  17. a b c Sara Otto Coelho (5 de outubro de 2017). «33 anos depois, Teatro São Carlos aceita levar ópera ao Coliseu do Porto». Observador. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  18. a b c d e f LM (Agência Lusa) (3 de janeiro de 2008). «Elisabete Matos canta os reis no Theatro Circo de Braga». Indica "Braga" como local de nascimento. RTP. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  19. EO (Agência Lusa) (6 de maio de 2008). «Elisabete Matos, uma cantora apaixonada como "Tosca"». Resultado de "2008"-"20"=1988. RTP. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  20. Carolina Díaz (4 de dezembro de 1993). «La joya ocuIta de la ópera de Madrid». El País (em espanhol). Madrid. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  21. a b Agência Lusa (7 de setembro de 2012). «Soprano Elizabete Matos inaugura requalificado Fórum Luísa Todi». Sol. Referida como "Elizabete Matos". Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  22. a b Leonor Figueiredo (7 de setembro de 2012). «Canto lírico». Diário de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  23. a b c «Catálogo - Detalhes do registo de "Depois de Tordesilhas..."». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  24. «Belvedere Singing Competition : Winners» (em inglês). Viena: Belvedere Competition. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  25. a b «"Divinas Palabras", estreno mundial en el Teatro Real». ABC (em espanhol). Madrid. 19 de outubro de 1997. p. 149. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  26. «La Reina, el Príncipe de Asturias y la Infanta Doña Cristina asistieron a la función de "Divinas Palabras"». ABC (em espanhol). Madrid. 31 de outubro de 1997. p. 135. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  27. a b Ramón María Serrera (6 de maio de 1999). «Crítica de ópera : Histórica recuperación de "El Cid"». ABC (em espanhol). Sevilha. p. 62. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  28. Kozinn (1 de novembro de 1999). «Opera review : A Long-Absent Spanish Warrior Resurfaces at Last». New York Times (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  29. Luciana Leiderfarb (11 de julho de 1998). «A arte de Domingo». Expresso. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2018 
  30. James R. Oestreich (12 de março de 1999). «Opera review : Unlucky in Life and Love: A Fatally Rude Awakening». New York Times (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  31. a b Susana Gavina (14 de dezembro de 1999). «Plácido Domingo: "Esta es una semana feliz para la música española"». ABC (em espanhol). Madrid. p. 55. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  32. Agência Lusa (15 de novembro de 2014). «Carlos do Carmo deseja que Grammy Latino seja "uma alegria" para os portugueses». RTP. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  33. «Resultado da busca "La Dolores" em "Title".» (em inglês). Latin Grammy (The Recording Academy). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  34. JN (23 de dezembro de 2000). «"Carreira é como sacerdócio"». Jornal de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 7 de setembro de 2001 
  35. «Concerto de Abertura Porto 2001». RTP. 2001. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  36. OCLC 56623627. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  37. «Gala Verdi (Verdi 100. RTP. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  38. a b Mauro Mariani (28 de julho de 2001). «Lo Scarpia di Raimondi vale il viaggio allo Sferisterio». Il Giornale della Musica (EDT srl) (em italiano). Indica erradamente "Renato Palombo" como director. Torino. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  39. G. Pugliaro (2001). «Opera 2001» (em italiano). Resultado da busca de "Elisabete Matos + Tosca". EDT srl. p. 132, 133. ISBN 9788870635768. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  40. a b Ugo Malasoma (2004). «Milano - Teatro alla Scala: Dialogues des Carmélites» (em italiano). Milão: Opera Click. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  41. «Opera 2004. Annuario dell'opera lirica in Italia» (em italiano). Resultado da busca de "Elisabete Matos + Dialogues des Carmélites". EDT srl. 2004. p. 135. ISBN 9788870637762. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  42. «L'Archivio Storico : Risultato : Ricerca» [Arquivo Histórico : Resultado : Procura] (em italiano). Resultado da busca de "Elisabete Matos". Milão: Teatro alla Scala. 2004. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  43. PF (Agência Lusa) (15 de abril de 2005). «Música: Rock duro de Lou Reed "inaugurou" Casa da Música». Referida como "Elizabete Matos". Agência Lusa. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 15 de abril de 2005  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  44. José Atalaya (17 de Abril de 2005). «Crítica de música : O sucesso que todos esperavam». Jornal de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 18 de abril de 2005 
  45. a b EO (Agência Lusa) (6 de maio de 2008). «Soprano representa Portugal no Festival Clássico de Mérida». RTP. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  46. Agência Lusa (30 de janeiro de 2010). «Novas versões do Hino Nacional serão distribuídas». Correio da Manhã. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  47. «Relatorio de atividades 2010 : 4.4 Ações de grande envolvimento nacional - AGEN» (PDF). Direcção-Geral das Artes. p. 30, 31. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  48. DAR (21 de outubro de 2011). «Reunião Plenária de 20 de outubro de 2011» (PDF). Diário da Assembleia da República I Série n.º 033. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  49. Marie-Laure de Bello-Portu (2010). «Musique & Opéra autour du Monde 2010-2011» (em francês). Resultado da busca de "Elisabete Matos + La Fanciulla del West". Musique & Opéra. p. 141. ISBN 2911894405. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  50. a b Carol Vogel (3 de janeiro de 2011). «Elisabete Matos to Replace Deborah Voigt at the Metropolitan Opera Tonight» (em inglês). Nova Iorque: ArtsBeat (New York Times Blog). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  51. «[Met Performance] CID:353700» (em inglês). Nova Iorque: Arquivo (Met Opera Family). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  52. «Lista Definitiva de Pessoal Docente do Ensino Superior (31/12/2012)». Referida como "Maria Elisabete da Silva Duarte Matos". Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. 31 de dezembro de 2012. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  53. a b «Elisabete Matos professora da classe de canto do IPCB - ESART agraciada com o prémio Maria Isabel Barreno». Instituto Politécnico de Castelo Branco. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  54. Agência Lusa (12 de janeiro de 2013). «Soprano Elisabete Matos celebra 25 anos de carreira em Lisboa». Público. Implica estreia em 1988. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 25 de dezembro de 2018  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  55. «Programação : Concertos : Gala Elisabete Matos 25 Anos». Teatro Nacional de São Carlos. 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  56. «Cartaz Elisabete Matos : 25 Anos de Carreira». Biblioteca Nacional de Portugal. 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  57. Cf. secção "Prémios e homenagens"
  58. Isabel Salema (6 de janeiro de 2016). «Ministro da Cultura vai receber shortlist com nomes para o São Carlos». Público. Consultado em 6 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 5 de junho de 2016 
  59. Agência Lusa (17 de maio de 2016). «Patrick Dickie é o novo diretor artístico do Teatro Nacional de São Carlos». Diário de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  60. Agência Lusa (24 de agosto de 2017). «Fátima : Centenário das Aparições encerra com concerto a 13 de outubro». Jornal de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  61. «Fátima. Siga em directo o concerto de encerramento do centenário das aparições». Rádio Renascença. 13 de outubro de 2017. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  62. «Elisabete Matos : "La carrera operística tiene ahora la velocidad del AVE"». ABC (em espanhol). Sevilha. 9 de dezembro de 2002. p. 56. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  63. OCLC 253719154. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  64. OCLC 715850441. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  65. OCLC 1025257386. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  66. OCLC 936624666. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  67. OCLC 76937891. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  68. OCLC 63682336. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  69. A.F.-C. (6 de novembro de 1992). «Elisabete Matos galadornada con el Guerrero de canto». ABC (em espanhol). Madrid. p. 99. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  70. «Concurso de Canto Jacinto Guerrero : Presentación y premiados» (em espanhol). Madrid: Fundación Guerrero. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  71. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria Elizabete da Silva Duarte Matos". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  72. «Prémios Bordalo». Em 1962 denominado "Óscar da Imprensa", depois denominado de "Prémio da Imprensa" e mais tarde "Prémio Bordalo". Sindicato dos Jornalistas. 22 de janeiro de 2002. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  73. «Condecorações 24 Junho : 2003». Clicar em "2003 ". Deliberação de 2003-06-05. Não refere grau. Câmara Municipal de Guimarães. 14 de agosto de 2015. p. 23039. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  74. Paulo Dumas (7 de março de 2013). «Duas taipenses distinguidas com o Prémio Femina 2013». Reflexo. Caldas das Taipas. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  75. «Prémio Femina 2013 : Notáveis Mulheres Portuguesas». Portugal Protocolo. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 14 de abril de 2013 
  76. «No Dia da Voz participe no rastreio gratuito». Rádio Renascença. 10 de abril de 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  77. Paulo Dumas (16 de abril de 2013). «Prémio Voz 2013 para Elisabete Matos». Reflexo. Caldas das Taipas. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  78. «Dia Mundial da Voz 2013». Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  79. «Dia Mundial da Voz 2013». Dia Mundial da Voz. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 9 de setembro de 2013 
  80. Agência Lusa; Sol (8 de junho de 2015). «Elisabete Matos recebe Medalha de Mérito Cultural». Sol. Consultado em 9 de junho de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  81. Presidência da República - Chancelaria das Ordens Honoríficas Portuguesas (22 de julho de 2013). «Alvará (extrato) n.º 8/2013». Referida como "Maria Elizabete da Silva Duarte Matos". Diário da República n.º 139/2013, Série II. p. 22959. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  82. «Atualidade : Condecorações atribuídas pelo Presidente da República na Sessão Solene comemorativa do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, em Elvas». Referida como "Maria Elizabete da Silva Duarte Matos". Presidência da República Portuguesa. 7 de junho de 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2016  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  83. Agência Lusa; Sol (8 de junho de 2015). «Elisabete Matos recebe Medalha de Mérito Cultural». Sol. Consultado em 9 de junho de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  84. Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Secretário de Estado da Cultura (14 de agosto de 2015). «Despacho n.º 9122/2015». Referida como "Elisabete Matos". Diário da República n.º 158/2015, Série II. p. 23039. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  85. Paulo Dumas (16 de junho de 2016). «Elisabete Matos receberá Medalha de Honra da freguesia de Caldelas em sessão solene». Reflexo. Caldas das Taipas. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  86. «Região : Elisabete Matos - medalha de honra». O Conquistador. Guimarães. 23 de junho de 2016. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  87. Agência Lusa (10 de outubro de 2017). «Prémio Maria Isabel Barreno distingue cinco mulheres da cultura portuguesa». Diário de Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Elisabete Matos