Abrir menu principal

Especiaria

semente seca, fruta, raiz, casca ou substância vegetal utilizada para temperar, colorir ou conservar alimentos
(Redirecionado de Especiarias)
Especiarias num mercado de Goa, Índia.
Loja de especiarias em Marrocos.

O termo especiaria ou espécie (do latim species[1]), a partir dos séculos XIV e XV na Europa Ocidental, designou diversos produtos de origem vegetal (flor, fruto, semente, casca, caule, raiz), de aroma ou sabor acentuados.[2] Isto deve-se à presença de óleos essenciais. O seu uso distingue-as das ervas aromáticas, das quais são utilizadas principalmente as folhas.

Além de utilizadas na culinária, com fins de tempero e de conservação de alimentos, as especiarias são utilizadas em farmácia, na preparação de óleos, unguentos, cosméticos, incensos e medicamentos. Historicamente, esses múltiplos usos deram lugar a disputas entre as corporações - notadamente entre os especieiros e os boticários. [3]

Índice

HistóriasEditar

Embora cada região do planeta possua as suas próprias especiarias, na Europa Ocidental, a partir das Cruzadas, desenvolveu-se o consumo das variedades oriundas do Oriente. Para atender a essa demanda, ampliou-se o comércio entre o Ocidente e o Oriente, através de várias rotas terrestres e marítimas, que uniam não apenas a Europa internamente (pontilhando-a de feiras), mas esta, a China (rota da seda) e a Índia (rota das especiarias). A dinâmica dessas rotas variou ao sabor das guerras e conflitos ao longo dos séculos. A partir da criação do Império Mongol, entre os séculos XIII e XIV, com a instauração da pax mongolica, o comércio entre a Europa e o Oriente conheceu um período de prosperidade. Utilizadas não só para conservar os alimentos e melhorar seu sabor, mas também como medicamentos, afrodisíacos, perfumes, incensos etc., as especiarias, eram compradas secas e dessa forma utilizadas. Sua grande durabilidade, resistência a mofos e pragas nos longos tempos de estocagem, tornara possível e próspero seu comércio: suportavam por meses e até anos as travessias por mar ou terra sem perder as qualidades aromáticas e medicinais. As mais procuradas, no século XV, eram a pimenta-do-reino, o cravo, a canela e a noz-moscada. Nativas da Ásia, eram difíceis de obter e, portanto, extremamente caras. Eram usadas até mesmo como moeda e, segundo Nepomuceno, constituíam "dotes, heranças, reservas de capital e divisas de um reino. Pagavam serviços, impostos, dívidas, acordos e obrigações religiosas".[4] Também era costume presentear (ou subornar) os magistrados com especiarias.[3] Em 29 de Maio de 1453, a tomada de Constantinopla pelos otomanos dificultou ainda mais o acesso a esses produtos, pois as rotas de comércio dos principais condimentos passaram ao controle turco, ficando, assim, bloqueadas as atividades dos mercadores cristãos.

Na tentativa de contornar o problema, Portugal e Espanha organizaram expedições para a exploração de rotas alternativas - um caminho marítimo para o Oriente. O projeto português previa um ciclo oriental, contornando a África, enquanto que o projeto espanhol apostou no ciclo ocidental, que culminou no descobrimento da América. O estabelecimento de nova rota com o caminho descoberto por Vasco da Gama reduziu de imediato os preços das especiarias - os venezianos começaram a comprar pimenta em Lisboa pela metade do preço do que custava em Alexandria, oferecida pelos árabes.[5]

Com o estabelecimento de colônias no continente americano, as nações europeias introduziram nelas o plantio das especiarias asiáticas, barateando os custos e tornando-as mais acessíveis para o mercado. Essa divulgação teve como consequência levar as próprias colônias a adotar essas especiarias, em detrimento das espécies nativas que tinham efeitos similares. [carece de fontes?]

Principais especiariasEditar

algumas especiarias abaixo

Referências

  1. " Espécie" tem também o sentido de droga ou mistura de substâncias vegetais secas, dotadas das mesmas propriedades terapêuticas; ou, ainda, de mercadoria ou gênero alimentício dado como pagamento de algo (ver Dicionário Priberam. Verbete: espécie). De fato, as especiarias também foram utilizadas como meio de pagamento, na Europa.
  2. Gastronomias.com - Especiarias
  3. a b PEL, Jean-Marie. «Especiarias e ervas aromáticas: história, botânica e culinária»  Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
  4. NEPOMUCENO, Rosa, O Brasil na rota das especiarias: o leva-e-traz de cheiros, as surpresas da nova terra. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005, p. 25, apud A História sob o Olhar da Química: As Especiarias e sua Importância na Alimentação Humana, por Ronaldo da Silva Rodrigues e Roberto Ribeiro da Silva. Química Nova Interativa (originalmente publicado em Química Nova na Escola, v. 32, n. 5, 2010).
  5. FURTADO,Celso - Formação Econômica do Brasil - 2000 - Empresa Folha da Manhã sob licença da Companhia Editora Nacional - Pgs. 34-35 - ISBN 85-7402-200-4

BibliografiaEditar

  • Corn, Charles. Scents of Eden: A History of the Spice Trade. New York: Kodansha, 1999.
  • Czarra, Fred (2009). Spices: A Global History. [S.l.]: Reaktion Books. 128 páginas. ISBN 9781861894267 [1]
  • Dalby, Andrew. Dangerous Tastes: The Story of Spices. Berkeley: University of California Press, 2002.
  • Freedman, Paul. Out of the East: Spices and the Medieval Imagination. New Haven: Yale UP, 2008.
  • Keay, John. The Spice Route: A History. Berkeley: U of California P, 2006.
  • "Spice trade". Encyclopædia Britannica, 2002.
  • Donkin, Robin A. (August 2003). Between East and West: The Moluccas and the Traffic in Spices Up to the Arrival of Europeans. Diane Publishing Company. ISBN 0-87169-248-1.
  • Corn, Charles; Glasserman, Debbie (March 1999). The Scents of Eden: A History of the Spice Trade. Kodansha America. ISBN 1-56836-249-8.
  • Collingham, Lizzie (December 2005). Curry: A Tale of Cooks and Conquerors. Oxford University Press. ISBN 0-19-517241-8.

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Especiaria


  Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.