Abrir menu principal

Estação Ferroviária de Chaves

estação ferroviária em Portugal
Chaves
Inauguração Julho de 1922
Encerramento 1990
Linha(s) Linha do Corgo
(PK 96,167)
Coordenadas 41° 44′ 44,89″ N, 7° 28′ 09,43″ O
Concelho Chaves
Serviços Ferroviários
Horários em tempo real

A Estação Ferroviária de Chaves é uma interface desactivada da Linha do Corgo, que servia a localidade de Chaves, no Distrito de Vila Real, em Portugal.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Linha do Corgo

AntecedentesEditar

Na transição para o Século XX, Chaves ainda não tinha acesso ao comboio, contando apenas com as estradas reais, onde circulava a mala-posta.[1]

 
Plano da Rede Ferroviária Complementar ao Norte do Mondego, decretado em 15 de Fevereiro de 1900. Uma dos projectos era a Linha do Corgo, da Régua até à fronteira Espanhola, passando por Vidago e Chaves.

Planeamento e inauguraçãoEditar

Em 24 de Maio de 1902, foram publicadas as bases da autorização, por parte do governo, para abrir o concurso para a construção da Linha do Corgo; ficou estabelecido que a quarta secção ligaria Estação de Vidago a Chaves, e que o troço seguinte seria a partir deste ponto até à fronteira.[2] Um dos principais motivos para a ligação a Chaves era o facto desta povoação oferecer uma estância termal.[3] Em 27 de Dezembro de 1904, foi noticiado que o troço da Régua a Chaves tinha sido dotado de 400 contos de Réis por influência do deputado Eduardo José Coelho, e que as obras iriam começar em breve.[1] Assim, o caminho de ferro chegou a Vila Real em 1906, a Vidago em 1910, e finalmente a Fonte Nova em 28 de Agosto de 1921, onde foi instalada a estação provisória para servir a localidade de Chaves.[1]

A estação definitiva de Chaves só foi instalada durante as festas da Vila de Chaves, entre 8 e 9 de Julho de 1922.[4]

Em 11 de Julho de 1926, deu-se uma tentativa de golpe a partir de Chaves, contra o regime instaurado pela Revolução de 28 de Maio de 1926; durante este evento, as comunicações rodoviárias e ferroviárias em Chaves estiveram sob uma apertada vigilância militar.[5]

Em 1928, a Linha do Corgo passou a ser explorada pela Companhia Nacional de Caminhos de Ferro.[6][7]

Continuação projectada até EspanhaEditar

A ligação entre Chaves e Espanha, mais especificamente até à região de Verín, foi novamente referida no relatório de 1 de Abril de 1929, de uma comissão formada para estudar a revisão dos planos ferroviários portugueses.[8]

Expansão da estaçãoEditar

Em 1934, a Companhia Nacional instalou um dormitório para o pessoal de trem e de máquinas nesta estação.[9]

Décadas de 1980 e 1990Editar

Na primeira metade da Década de 1980, a operadora Caminhos de Ferro Portugueses iniciou um programa de aproveitamento das cocheiras das estações para a criação de núcleos museológicos, incluindo em Chaves.[10]

O troço entre Chaves e Vila Real foi encerrado em 1990.[11]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c MACHADO, 2000:360
  2. «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (348). 16 de Junho de 1902. p. 181-182. Consultado em 30 de Março de 2013 
  3. «Há Quarenta Anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1159). 1 de Abril de 1936. p. 200-201. Consultado em 30 de Março de 2013 
  4. MACHADO, 2000:409
  5. MACHADO, 2000:411
  6. TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 30 de Março de 2013 
  7. REIS et al, p. 62
  8. SOUSA, José Fernando de (16 de Março de 1936). «Ligações ferroviárias com a Espanha: A Linha de Zafra a Villa Nueva» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1158). p. 165-167. Consultado em 30 de Março de 2013 
  9. «O que se fez nos caminhos de ferro em Portugal, em 1934» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1129). 1 de Janeiro de 1935. p. 27-29. Consultado em 30 de Março de 2013 
  10. MARTINS, 1996:47
  11. CARDOSO, José António (27 de Dezembro de 2010). «Linha do Corgo parada e sem obras vítima da crise». Diário de Notícias. Consultado em 12 de Maio de 2017 

BibliografiaEditar

  • MACHADO, Júlio (2000). Crónica da Vila Velha de Chaves. Chaves: Câmara Municipal de Chaves. 448 páginas 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Ligações externasEditar