Fortaleza de São Vicente

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com a Fortaleza de Sagres, situada nas imediações.
Fortaleza de São Vicente
Leuchtturm - Sagres 20060422.JPG
Vista aérea da fortaleza e do farol de São Vicente, em 2006.
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção D. João III (Século XVI)
Estilo Abaluartado
Conservação Bom
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 44 075 de 5 de Dezembro de 1961)
Aberto ao público Sim
Site IHRU, SIPA2891
Site IGESPAR73329

A Fortaleza de São Vicente é um monumento militar em Sagres, na região do Algarve, em Portugal. Consiste nos vestígios de uma fortificação, com um farol no seu interior.[1] Foi construída no século XVI para proteger a faixa costeira e um convento já existente no local.[1] Em 1587 foi destruída pelo corsário britânico Francis Drake, e reconstruída em 1606.[2] Em meados do século XIX foi construído um farol no local, que foi substituído por um novo nos princípios do século XX.[3] Em meados da década de 2000, o cabo de São Vicente foi encerrado ao público para a execução de obras.[4]

Entrada da fortaleza, vendo-se à direita as antigas muralhas, com uma porta lateral.

DescriçãoEditar

A fortaleza situa-se no Cabo de São Vicente, o ponto mais a Sudoeste da faixa costeira portuguesa, que era considerado vital para a defesa do Algarve.[5] Apresenta uma planta de forma poligonal, com um baluarte na fachada virada para terra, e duas entradas para a praça forte, uma principal na muralha, e outra que se abre lateralmente, de menores dimensões.[5] A porta principal tem um arco de volta perfeita e é rematada pelo escudo de Portugal.[5] Tinha originalmente uma ponte levadiça.[1] No interior ainda sobreviveram alguns compartimentos pertencentes à fortaleza, com abóbada de berço e rematados por terraços.[5]

Por seu turno, as antigas instalações do convento foram substituídas por edifícios de apoio ao farol.[5] Porém, no interior do complexo encontra-se um espaço aberto, rodeado parcialmente por paredes abertas em oito arcos, que poderá ter sido o antigo claustro.[3] Também existem vestígios de algumas cisternas.[3] Os edifícios da fortaleza apresentam uma arquitectura maneirista.[3] Junto à entrada existe uma lápide comemorativa da construção do farol em 1846.[6]

No interior da fortaleza situa-se o Farol de São Vicente, que é considerado um dos de maior alcance na Europa, possuindo clarões rotativos com um feixe luminoso que pode ser visível a cerca de 43 milhas, estando igualmente equipado com um sinal sonoro.[7]

 
Entrada da fortaleza.

HistóriaEditar

AntecedentesEditar

A ocupação humana no Cabo de São Vicente remonta à pré-história, tendo sido recolhidos materiais líticos de tipologia musteriense e mirense no local, cronologicamente integrados nos períodos do Paleolítico e Mesolítico,[8] peças em pedra polida do Neolítico, e um espeto em bronze da Idade do Ferro.[9] Vários autors clássicos, como Éforo, Artemidoro e Estrabão referem, provavelmente baseados no Périplo massaliota, que no cabo existiam monólitos de função religiosa, que eram rodeados pelos visitantes, e depois utilizados em libações.[9] Em 1639 foi descoberta uma sepultura de inumação na extremidade do cabo virada a poente, com uma lápide epigrafada, que provavelmente remontava ao período romano.[10]

O promontório tornou-se um local de peregrinação cristã, por ser o local do túmulo lendário de São Vicente,[5] que foi martirizado pelos romanos no século IV.[11] O historiador quinhentista Duarte Nunes de Leão, na sua obra Descrição do Reino de Portugal, refere que os restos mortais do santo foram transportados de barco em conjunto com um grupo de cristãos, que tinham fugido de Valência devido às perseguições dos mouros, tendo sido sempre seguidos por um corvo.[12] Segundo a lenda, o barco chegou ao cabo, tendo os cristãos construído ali uma pequena ermida para guardar o corpo do santo, e algumas casas para sua habitação, que continuaram a ser ocupadas pelos seus descendentes.[12] O geógrafo árabe Al Idrissi mencionou que no local existia o Templo do Corvo, em cujo telhado viviam dez aves, que nunca abandonavam aquele local.[13] O templo em que alegadamente se situava o túmulo do santo foi demolido pelas forças muçulmanas no século XII.[5] Segundo a tradição, alguns membros da comunidade foram mortos, enquanto que outros foram levados como cativos.[12] Dois destes cristãos terão sido libertados pelo rei D. Afonso Henriques após uma batalha contra o rei mouro Ismar, tendo informado o monarca que São Vicente estava enterrado no cabo.[12] D. Afonso Henriques terá então ido pessoalmente a Sagres à procura dos restos mortais do santo, mas sem sucesso.[12] Só vários anos após a Conquista de Lisboa é que os cristãos puderam voltar com segurança ao Cabo de São Vicente, tendo o cadáver sido desenterrado e enviado para Lisboa de barco, onde chegou em 1175[11] ou 1176.[12] Segundo a lenda, o barco foi sempre acompanhado por um corvo, que terá vivido durante vários anos na Sé de Lisboa, onde foi depositado o santo.[12] São Vicente passou a ser o padroeiro de Lisboa,[14] e o barco e os corvos tornaram-se símbolos da cidade.[12] Um dente terá sido transportado para Abrantes, motivo pelo qual estão representados vários corvos no brasão de armas daquela localidade, como símbolos de São Vicente.[15]

 
Detalhe de um mapa de 1797, onde está assinalado o convento no Cabo de São Vicente.

Construção do convento e da fortalezaEditar

Por volta de 1260, o rei D. Afonso III terá determinado a construção de um hospital ou albergaria, a ser utilizado pelos peregrinos que iam visitar o túmulo de São Vicente.[3] Um outro motivo para a instalação desta casa seria a manutenção de uma comunidade permanente neste ponto, que devido à sua localização geográfica estava constantemente sobre ameaça dos inimigos.[16] Durante o reinado de D. Dinis, entre 1279 e 1325,[3] O complexo da igreja foi ampliado, tornando-se num cenóbio, conhecido como Convento do Corvo.[5] Durante o reinado de D. Fernando, entre 1367 e 1383, este concedeu ao seu capelão-mor, Vasco Lourenço, as rendas, os direitos e ofertas que pertenciam à capela e ermida de São Vicente do Cabo.[3] Em 29 de Janeiro de 1387, o rei D. João I fez uma doação semelhante, ao seu capelão-mor, Martim Gonçalves.[3] Segundo a tradição, o Infante D. Pedro ordenou a construção de uma ermida no local onde esteve sepultado o santo.[17]

O principal impulsionador da instalação do convento foi D. Fernando Coutinho, Bispo de Silves, que ordenou a construção de várias casas junto à ermida, onde passava parte do ano.[17] Determinou depois a instalação de um convento naquele local para os monges da Ordem de São Jerónimo,[17] que já em 1476 tinham sido autorizados a fundar uma casa na Diocese de Silves pelo Papa Sisto IV.[17] D. Fernando Coutinho entregou o convento aos frades com a condição de que manteriam em funcionamento um farol numa torre, cuja construção ele também terá ordenado.[17] Este farol tinha como função evitar os naufrágios, que sucediam com frequência naquela área.[17] O Cabo de São Vicente era considerado ideal para os membros da Ordem, devido à sua origem eremítica procuravam pontos isolados e junto ao oceano.[18] O bispo também faz grandes doações aos monges, que consistiam no chamado Assento de Santo Antonio, composto por forro e isento situado na Serra de Monchique, com vinhas, pomares, oliveiras e terrenos de semear; uma quinta em Vila Nova de Portimão, que nos princípios do século XX ainda era conhecida como Quinta do Bispo; os telheiros e moinhos naquele concelho; uma outra quinta em Messejana, no concelho de Ourique; o chamado Casal do Cabo, com terrenos em que ele tinha adquirido ao cabido; uma quinta em frente da cidade de Lisboa, e um pomar em Aljezur.[17] Estas doações, conhecidas como herdamentos, foram confirmadas pelo rei D. Manuel por um documento de 5 de Março de 1514.[3] O Convento de São Vicente foi uma das várias casas monásticas construídas por iniciativa de D. Fernando Coutinho, incluindo os Conventos de São Francisco em Lagos e no concelho de Silves, e o Convento de Santa Clara em Tavira, entre outros.[17]

Esta foi a única casa dos frades jerónimos na região do Algarve.[19] Porém, a sua ocupação do Convento do Corvo foi muito breve, existindo registos da sua presença apenas após 1514, e logo em 1516 abandonaram as instalações.[18] Devido à sua localização, o convento dos jerónimos era considerado como uma casa rural, tendo sido um dos dois edifícios no Algarve a terem esta tipologia, sendo o outro o Eremitério dos Pegos Verdes, situado na zona serrana.[20] Assim, D. Fernando Coutinho convidou os frades frades capuchos da Custódia da Piedade para ocuparem o convento,[21] tendo garantido as mesmas doações e a mesma obrigação de manter em funcionamento o farol.[17] O convento passou assim para os frades capuchos em 1516.[18] Este foi o primeiro núcleo desta ordem no Algarve, e o quarto em território nacional, tendo a sua instalação no Cabo de São Vicente sido feita no âmbito de um processo de ampliação para Sul, que tinha nascido no Alentejo.[22] Esta fase de ocupação do convento integrou-se num período de expansão da rede monástica no Algarve, que se iniciou nos princípios do século XVI e prolongou-se até meados do século XVII, motivada principalmente pelo crescimento da contra-reforma, que levou à reorganização e multiplicação das ordens religiosas.[23] Também por volta de 1516, D. Fernando Coutinho ordenou a construção de uma fortaleza,[3] para proteger o convento e o grande número de peregrinos que o visitavam,[7] e ao mesmo tempo defender a costa dos ataques dos piratas muçulmanos.[1] Construiu igualmente uma muralha entre a Fortaleza de Belixe e um ponto na costa a Norte, conhecido como Armação Nova, criando desta forma um espaço fechado onde se situava o convento.[17] Segundo alguns autores, o primeiro farol funcionou entre 1515 e 1520.[24] Em 21 de Junho de 1520, D. Fernando Coutinho concedeu novas propriedades ao convento, com casas e uma cerca, no sentido de lhe providenciar o sustento, devido à falta de terrenos aráveis nas proximidades.[3] Assim, a cerca do convento não estava situada nas imediações, como era normal neste género de edifícios, mas numa propriedade situada a cerca de quatro quilómetros de distância, num local posteriormente conhecido como Quinta do Vale Santo.[3]

Segundo a obra Aspecto do reino do Algarve nos séculos XVI e XVII. A descrição de Alexandre Massai (1621), do investigador Lívio da Costa Guedes, um documento de 1573 menciona que o rei estava interessado na instalação de um convento da Ordem de Cristo no promontório de São Vicente, de forma a defender a região dos assaltos dos turcos e mouros.[16] O forte e o convento foram destruídos pelo corsário britânico Francis Drake[3] em 1587, como parte de um ataque às defesas da região de Sagres, durante uma campanha militar ao longo da costa da Península Ibérica.[5] Os religiosos refugiaram-se nos conventos de Lagos e Portimão, e só regressaram em 1606, ano em que foi concluída a reconstrução da fortaleza,[3] por ordem do rei D. Filipe III de Espanha.[5]

 
Gravura de 1879 do Cabo de São Vicente.

Séculos XVIII e XIXEditar

O complexo foi depois danificado pelos sismos de 1719 e 1722, e sofreu graves danos pelo Terramoto de 1755, tendo as obras de restauro sido ordenadas pela rainha D. Maria.[3] O convento e a igreja foram abandonados na sequência do processo da extinção das ordens religiosas, em 1834.[3] Desde a destruição do farol primitivo pelas forças de Francis Drake, foram feitas várias tentativas para a sua reconstrução, mas o impulso definitivo só foi dado em 1846,[25] quando o governo de D. Maria II ordenou a construção de um farol no local.[3] A instalação desta estrutura inseriu-se numa fase de grande desenvolvimento da rede faroleira em território nacional, iniciada no século XVIII, e inspirada por medidas semelhantes levadas a cabo noutros países europeus.[26]

 
Fotografia do Cabo de São Vicente, na primeira metade do século XX.

Séculos XX e XXIEditar

Nos princípios do século XX foi construído um novo farol, levando ao desaparecimento dos restos do convento e da igreja, que foram substituídas por construções do Ministério da Marinha,[3] e de de apoio ao farol.[5] Do complexo original permaneceu apenas a fortaleza, em avançado estado de degradação.[3] A fortaleza foi classificada como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 4075, de 5 de Dezembro de 1961.[27] Em 1969, foi danificada por um sismo.[3]

O farol e as suas estruturas de apoio foram encerrados ao público em meados de 2005 para a realização de obras de beneficiação e manutenção, tendo-se mantido a traça original dos edifícios.[25] Os trabalhos foram terminados em Outubro de 2007, e envolveram um investimento superior a meio milhão de Euros.[25] Porém, devido à falta de fundos não foi feita a empreitada correspondente à instalação de um pólo museológico no edifício conhecido como casa da muralha, que se situava junto ao portão de entrada da fortaleza, motivo pelo qual o monumento permaneceu fechado aos visitantes.[25] Em Dezembro desse ano, já estava em fase de preparação o lançamento para a empreitada em falta, prevendo-se nessa altura que as obras iriam ter início durante o primeiro trimestre de 2008.[25] O museu iria funcionar como uma extensão do Museu de Marinha, e contaria igualmente com uma cafetaria.[25] Na altura, o então presidente da Região de Turismo do Algarve, António Pina, classificou a região do cabo de Sagres como «a jóia da nossa coroa», e previu que após o final das obras de recuperação da fortaleza iria aumentar a procura por parte dos turistas.[25]

 
Interior da fortaleza, vendo-se ao fundo o farol.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d «Fortaleza do Cabo de São Vicente». Visit Algarve. Região de Turismo do Algarve. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  2. FERNANDES e JANEIRO, 2005:38
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t NETO, João; XAVIER, António (1998) [1991]. «Fortaleza do Cabo de São Vicente / Convento do Corvo / Convento de São Vicente do Cabo / Farol de São Vicente». Sistema de Informação para o Património Arquitectónico. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  4. REVEZ, Idálio (2 de Março de 2008). «Forte do Belixe, em Sagres, tem os dias contados». Público. Consultado em 28 de Novembro de 2021 
  5. a b c d e f g h i j k OLIVEIRA, Catarina (2005). «Fortaleza do Cabo de São Vicente». Património Cultural. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  6. REIS, 2008:48
  7. a b «Forte de S. Vicente - Cabo de São Vicente, Sagres». Património Militar. Câmara Municipal de Vila do Bispo. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  8. «Cabo de São Vicente». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  9. a b «Cabo de São Vicente (Santuário)». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  10. «Cabo de São Vicente - Sepultura». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 26 de Outubro de 2021 
  11. a b CUNHA, Correia (Abril de 1954). «Comemoração vicentina dos «Amigos de Lisboa»» (PDF). Olisipo: Boletim Trimestral do grupo "Amigos de Lisboa". Lisboa. p. 82-84. Consultado em 31 de Outubro de 2021 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  12. a b c d e f g h DIAS, Jaime Lopes (Junho de 1985). «Brasão da cidade de Lisboa» (PDF). Destaque. Lisboa. p. 3-4. Consultado em 31 de Outubro de 2021 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  13. ROSÁRIO, António Simões do (16 de Abril de 1963). «Terras da nossa terra: Sagres» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Lisboa. p. 59-60. Consultado em 31 de Outubro de 2021 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  14. «O congresso Catholico» (PDF). O Occidente. Lisboa. 5 de Julho de 1895. p. 146. Consultado em 31 de Outubro de 2021 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  15. «A villa de Abrantes» (PDF). Archivo Historico. Lisboa. Setembro de 1889. p. 2. Consultado em 31 de Outubro de 2021 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  16. a b MARADO, 2011:18
  17. a b c d e f g h i j «Respingando na Historia» (PDF). O Algarve. Ano 7 (363). Faro. 7 de Fevereiro de 1915. p. 2. Consultado em 28 de Novembro de 2021 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  18. a b c MARADO, 2011:11
  19. MARADO, 2011:5
  20. MARADO, 2011:13
  21. MARADO, 2011:15
  22. MARADO, 2011:10
  23. MARADO, 2011:7
  24. REIS, 2008:46
  25. a b c d e f g «Três anos em obras». Correio da Manhã. 30 de Dezembro de 2007. Consultado em 28 de Novembro de 2021 
  26. REIS, 2008:52-53
  27. PORTUGAL. Decreto n.º 4075, de 5 de Dezembro de 1961. Ministério da Educação Nacional - Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas Artes. Publicado no Diário do Governo n.º 281, Série I, de 5 de Dezembro de 1961.
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a Fortaleza de São Vicente

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar