Abrir menu principal
Frente Popular
Líder Manuel Azaña
Fundação Janeiro de 1936
Dissolução 1939
Ideologia Progressismo
Republicanismo
Secularismo
Antifascismo
Fações Internas:
Comunismo
Socialismo
Liberalismo
Radicalismo liberal
Liberalismo social
Social-democracia
Anarco-sindicalismo
Espetro político Esquerda
Fações Internas:
Centro-esquerda e Extrema-esquerda
Cores Vermelho
Bandeira do partido
Flag of the Popular Front (Spain).svg
Política da Espanha

Partidos políticos

Eleições

A Frente Popular na Segunda República da Espanha foi uma coligação eleitoral e pacto assinado em Janeiro de 1936 por várias organizações políticas de esquerda, instigadas por Manuel Azaña com o propósito de participar nas eleições daquele ano. Na Catalunha e na Comunidade Valenciana de hoje, o nome da coligação era Front d'Esquerres (em catalão, que significa Frente da Esquerda).[1]

A Frente Popular incluía o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), o Partido Comunista de Espanha (PCE), o Partido Operário de Unificação Marxista (POUM, comunista independente) e os republicanos: a Esquerda Republicana (IR) (liderada por Azaña). e a União Republicana (UR), liderada por Diego Martínez Barrio. Este pacto foi apoiado pelos Galegos (PG) e Catalães (ERC), pela União Geral dos Trabalhadores (UGT) e pelo sindicato anarquista, a Confederación Nacional del Trabajo (CNT). Muitos anarquistas que mais tarde lutariam ao lado das forças da Frente Popular durante a Guerra Civil Espanhola não os apoiaram nas eleições, pedindo a abstenção em seu lugar.

O Comintern controlado por Estaline havia decidido em 1935 que, em resposta ao crescimento do Fascismo, eram recomendáveis ​​frentes populares que aliassem partidos Comunistas com outros partidos Antifascistas, incluindo partidos Socialistas e até burgueses. Na Espanha, era uma coligação entre republicanos de esquerda e organizações de trabalhadores para defender as reformas sociais do primeiro governo (1931-1933) da Segunda República Espanhola, e libertar os prisioneiros, presos políticos de acordo com a propaganda da frente, detidos desde a Revolução Asturiana de Outubro (1934).

A Frente Popular derrotou a Frente Nacional (uma coligação de partidos de direita) e venceu as eleições de 1936, formando o novo Governo Espanhol. Manuel Azaña foi eleito Presidente da República em Maio de 1936, mas o PSOE não se juntou ao governo por causa da oposição de Francisco Largo Caballero.

Em Julho de 1936, generais conservadores/monarquistas instigaram um golpe de estado que deu início à Guerra Civil Espanhola (1936-1939). O Governo dissolveu o Exército Republicano Espanhol no território leal e trouxe armas a grupos armados organizados pelos sindicatos (UGT e CNT) e partidos operários (PSOE, PCE, POUM) que tiveram sucesso inicial em derrotar as forças Franquistas em Madrid, Barcelona, Bilbao e Valência. Em Outubro do mesmo ano, o Exército Republicano Espanhol foi reorganizado. Após uma prolongada guerra de atrito, Franco derrotaria as forças republicanas e governaria a Espanha como uma ditadura até sua morte em 1975.

Índice

HistóriaEditar

Fundação e o manifesto da Frente PopularEditar

A Frente Popular foi formada em 1936 por uma coligação de partidos republicanos de esquerda. O manifesto fundador da Frente Popular condenou as ações do governo conservador, exigindo a libertação de presos políticos detidos após Novembro de 1933, a recontratação de funcionários do estado que foram suspensos, demitidos ou transferidos "sem o devido processo ou por razões de perseguição política ", propôs a criação de um sistema judiciário independente do controle do governo, a investigação e repressão de atos de violência injustificada pela polícia, e a revisão da Lei da Ordem Pública para proteger os direitos dos cidadãos contra o poder arbitrário.[2] O manifesto enfatizou a moderação política contra o radicalismo.[3]

O manifesto defendia uma política económica moderada de tendência esquerdista que rejeitava a idéia de nacionalização de terras e apoiava a provisão de assistência económica estatal à agricultura, uma nova lei progressiva de posse e a promoção de formas coletivas de produção.[2] Apoiou medidas protecionistas para defender a indústria nacional, encorajou a pesquisa estatal para ajudar a indústria nacional, prometeu a proteção de pequenas empresas, a grande expansão de obras públicas e a reforma tributária progressiva.[2] O manifesto declarou a oposição da Frente Popular à sociedade de classes, afirmando que "A República concebida pelos partidos Republicanos não é uma República dominada por interesses de classe social ou económica, mas um regime de liberdade democrática ..." mas prometeu a restauração de certas políticas económicas do governo Espanhol de 1931-33, incluindo o aumento dos salários dos trabalhadores rurais.[2] Mais tarde, em 1938, um sistema de abonos familiares foi introduzido.[4]

O manifesto prometia a restauração da legislação que garantia a autonomia regional que foi revogada pelo governo liderado pelos conservadores.[2]

MembrosEditar

Os Membros da coligação eram:

Também foi apoiado por:

Eleições de 1936 e consequências imediatasEditar

Nas Eleições espanholas de 1936, a Frente Popular venceu as eleições com o seu líder, Manuel Azaña, eleito Presidente da Espanha.[5] A Frente Popular recebeu 4.654.116 votos em comparação com o oponente combinado de votos de direita de 4.503.524 votos.[6] Elegeu 278 deputados - dos quais 99 pertenciam aos Socialistas (PSOE), enquanto a direita elegeu 124 deputados - 88 dos quais pertenciam ao CEDA.[6] Muitos dos membros eleitos da Frente Popular eram profissionais, muitos dos quais eram de origem rica.[5] Pessoas de várias origens políticas dentro da Frente Popular foram nomeadas para o gabinete do Presidente Azaña, como Amós Salvador, arquiteto e rico proprietário de terras, e José Alonso Mallol, um ex-Socialista Radical.[7] Após a eleição da Frente Popular, a Frente Popular realizou uma desfile de vitória em Madrid com mais de 250.000 apoiantes, com seus componentes do Partido Socialista e Comunista marchando uniformemente aos milhares.[7] A Frente Popular imediatamente cumpriu a sua promessa em seu manifesto de recontratar trabalhadores demitidos por motivos políticos sem o devido processo legal e de reembolsá-los com base em casos individuais de salários perdidos até um máximo de não menos de trinta e nove dias e não mais de seis meses.[8]

Azaña respondeu à recente onda de atos de violência, incêndio criminoso e vandalismo por parte de esquerdistas radicais contra partidos de direita e instituições da Igreja Católica, denunciando essas ações.[7] A violência política descontrolada continuou até Março, com a maior perturbação a ocorrer em Granada, onde um ato violento das forças políticas de direita provocou uma greve geral e um tumulto em massa das forças políticas de esquerda.[9] Em particular, a violência envolvendo Comunistas e Socialistas versus Falangistas resultou em múltiplos assassinatos.[10] Em Julho, houve 269 assassinatos políticos.[11]

Azaña acedeu às exigências dos movimentos de esquerda para punir o General López Ochea, o líder do exército da campanha Asturiana de 1934 contra os movimentos operários de lá.[10] O governo Republicano Espanhol também fez grandes mudanças no Exército Espanhol, comandantes pró-Republicanos ou neutros foram instalados em vários postos, enquanto comandantes com lealdades questionáveis ​​foram transferidos para posições menores ou remotas: por exemplo, o General Francisco Franco foi removido como chefe de gabinete do exército e mudou-se para uma posição nas Ilhas Canárias e o General Emilio Mola foi rebaixado de um comando principal no Marrocos espanhol para uma posição como comandante de uma brigada em Pamplona.[12]

O governo não ficou no poder por muito tempo, principalmente por causa do conflito de visões ideológicas de muitas das partes. O único fator que funcionou para o governo foi a unidade para a conquista do fascismo. Após a derrota Republicana na Guerra Civil Espanhola, a frente popular foi dissolvida e Francisco Franco liderou uma ditadura até 1975.[13]

Veja tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Pagès i Blanch, Pelai. War and Revolution in Catalonia, 1936-1939. Leiden, The Netherlands: Brill Books Vol. 58, Historical Materialism Book Series, 2013.
  2. a b c d e Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. p. 266.
  3. Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. p. 267.
  4. Hicks, Alexander. Social Democracy and Welfare Capitalism: A Century of Income Security Policies.
  5. a b Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. pag. 281.
  6. a b Romero Salvadó, Francisco J. Twentieth-century Spain: politics and society in Spain, 1898-1998. Hampshire, Inglaterra, RU; Nova Iorque, Nova Iorque, EUA: PALGRAVE, 1999. pag. 90.
  7. a b c Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. pag. 282.
  8. Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. pag. 283.
  9. Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. pag. 284.
  10. a b Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. pag. 285.
  11. Romero Salvadó, Francisco J. Twentieth-century Spain: politics and society in Spain, 1898-1998. Hampshire, Inglaterra, RU; Nova Iorque, Nova Iorque, EUA: PALGRAVE, 1999. pag. 91.
  12. Payne, Stanley. Spain's first democracy: the Second Republic, 1931-1936. Madison, Wisconsin, EUA: University of Wisconsin Press, 1993. pag. 289.
  13. Douglass, C. (1991). "The fiesta cycle of Spain." in Anthropological Quarterly, 64(3), pags. 126-141.