Abrir menu principal
Guilherme Melo
Guilherme Melo
Governador do Piauí
Período 1994-1995
Antecessor Freitas Neto
Sucessor Mão Santa
Vice-governador do Piauí
Período 1991-1994
Antecessor Lucídio Portela
Sucessor Osmar Araújo
Deputado estadual do Piauí
Período 1987-1991
Dados pessoais
Nascimento 25 de junho de 1952 (67 anos)
Teresina, PI
Primeira-dama divorciado à época
Partido MDB, PMDB, PDS, PPR, PPB, PDT, PMDB
Profissão advogado, administrador de empresas
Placa da denominação da Central de Artesanato Mestre Dezinho por decreto do governo G. Melo.

Guilherme Cavalcante de Melo (Teresina, 25 de junho de 1952) é um administrador de empresas, advogado e político brasileiro que em menos de uma década foi deputado estadual, vice-governador e a seguir governador do Piauí entre 1994 e 1995.

Dados biográficosEditar

Filho de João Mendes Olímpio de Melo e Luzia Cavalcante Melo. Formado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário de Brasília, atuou como empresário do ramo imobiliário cumprindo antes estágios no Banco do Brasil e no Banco Central do Brasil. Assessor da extinta Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMBRATER) e também da Câmara dos Deputados, atutou como membro do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (CRECI) no estado do Piauí, além de diretor de empresas como a Imobiliária Primavera e a NOVATERRA Reflorestamento e Agropecuária além de ter assessorado a CEPISA (Companhia Energética do Piauí S/A) e de ter sido um dos diretores da Associação Comercial do Piauí. Bacharelou-se em Direito pela Universidade Federal do Piauí em 1983 atuando como advogado.

PolíticaEditar

Membro do MDB e presidente do diretório municipal do PMDB em Teresina, ingressou depois no PDS e foi nomeado Chefe da Casa Civil no primeiro governo Hugo Napoleão deixando o cargo em solidariedade ao seu então sogro Lucídio Portela quando da cisão governista que resultaria na criação do PFL sendo eleito deputado estadual em 1986. Quatro anos mais tarde os referidos líderes recompuseram a aliança e em virtude de uma firme ligação política com Lucídio Portela foi escolhido candidato a vice-governador do Piauí na chapa de Freitas Neto colhendo a vitória no segundo turno das eleições de 1990. Sempre fiel às determinações partidárias, ingressou nas legendas que sucederam ao PDS sendo efetivado governador em 30 de março de 1994 quando o titular renunciou para concorrer ao Senado Federal estando então filiado ao PPR e meses depois ao PPB[1] e por esta legenda foi eleito primeiro suplente de deputado federal. No segundo governo Hugo Napoleão presidiu a COHAB/PI (Companhia de Habitação do Piauí S/A) exercendo o mandato de deputado federal por curto período ao final de 2002 quando Heráclito Fortes foi Secretário de Defesa Civil. Em 2006 foi candidato a deputado estadual pelo PDT sem lograr êxito.

Eleições de 1994Editar

Quatro candidatos disputaram a sucessão estadual: Átila Lira, Mão Santa, Nazareno Fonteles e Marciano Silveira. Guilherme apoiou Átila Lira (PFL), que saiu derrotado por Mão Santa (PMDB).

Referências

BibliografiaEditar

  • SANTOS, José Lopes dos. Novo Tempo Chegou. Brasília, Senado Federal, 1983.
  • SANTOS, José Lopes dos. Política e Políticos: Eleições 86. Vol. III. Teresina, Gráfica Mendes, 1988.
  • SANTOS, José Lopes dos. Política e Outros Temas. Vol. II. Teresina, Gráfica Mendes, 1991.
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.