Hidrolisato

Hidrolisato refere-se a qualquer produto de hidrólise. O hidrolisado de proteínas tem aplicação especial na medicina esportiva porque seu consumo permite que os aminoácidos sejam absorvidos pelo corpo mais rapidamente do que as proteínas intactas, maximizando assim a entrega de nutrientes aos tecidos musculares.[1] Também é usado na indústria de biotecnologia como um complemento para culturas celulares em processos de fermentação.[2]

Hidrolisatos de proteínas do trigoEditar

Os hidrolisatos de proteína do trigo são hidrolisados principalmente por processos enzimaticos ("pré-digeridos") e também apresentam vantagem de uma absorção mais rápida em comparação com a própria proteína do trigo. O custo mais alto do hidrolisato de proteína de trigo é aceito no mercado de suplementos alimentares pelos resultados em hipertrofia muscular pela redução da catabolia pós exercícios com o aumento da insulina em associação com carboidratos.[3] Os problemas de digestão de algumas pessoas (doença celíaca) com a proteína do trigo (glúten) podem ser minimizados com o consumo de hidrolisato protéico do trigo.[4]

Hidrolisato de colágenoEditar

O hidrolisato de colágeno possui aplicações em medicina, como agente terapêutico de potencial utilidade no tratamento da osteoartrite e osteoporose.[5]

Possui uma ampla gama de aplicações devido a suas propriedades de baixa viscosidade em soluções aquosas, odor neutro, ser incolor, ter transparência, permitir emulsificação e estabilização, formação de espuma, formação de filme, molhabilidade, solubilidade, dispersibilidade, compressibilidade do pó, ser transportador de substâncias de baixa alergenicidade, bem como atividade antioxidante e antimicrobiana. Para aplicações cosméticas, tem boas funções biológicas, como incremento da proliferação celular, capacidade de retenção de água, absorção de umidade, retenção e propicia ação de antienvelhecimento na pele. E amplamente utilizado como ingrediente funcional na indústria de alimentos por causa de suas propriedades para aumentar a retenção de água em produtos à base de carne, desenvolvimento sensorial e melhoria das propriedades físicas e químicas em bebidas e laticínios. Na indústria biomédica, a aplicação de hidrolisato de colágeno misturado com celulose ou quitosana para a formação de estruturas ajuda na promoção da síntese de colágeno, gerenciamento de distúrbios ósseos e articulares, no tratamento de feridas, com excelente biocompatibilidade e propriedades antimicrobianas.[6]

O hidrolisato de resíduos diversos contendo colágeno pode ser usado para produção de meios de cultura de bactérias, e entre os agentes de hidrólise, pode ser usada a peptona.[7] Mesmo proteínas de difícil digestibilidade, como os chifres de animais, como os carneiros, podem pela hidrólise ser usados para a produção de meios de cultura para bactérias.[8]

Valor para a indústria de alimentosEditar

Hidrolisato de proteína animal, como do fígado de galinhas, com hidrólise provida por pepsina, tem mostrado ser rico em ácido L-aspártico e os minerais necessários manganês e selênio.[9]

A qualidade nutricional da carne de peixes criados em cativeiro (piscicultura), como o dojô (Misgurnus anguillicaudatus), podem ser melhorada pelo acréscimo na ração de hidrolisato de proteínas, como outros subprodutos da indústria de pesca.[10]

Hidrolisatos vegetaisEditar

Hidrolisatos de vegetais que não são usados na alimentação humana diretamente, como a alfafa, podem se tornar fontes ricas de proteínas facilmente assimiláveis, fonte de minerais como cálcio, fósforo, ferro, magnésio, potássio, zinco, cobre, selênio, silício orgânico e manganês, das vitaminas B1, B2, B6, B12, C, D, E K, U, ácido fólico (vitamina B9), biotina, niacina, provitamina A (β-caroteno), assim como β-caroteno e diversos aminoácidos essenciais como alanina, lisina, arginina, histidina, cisteína, prolina, metionina e tirosina, e não essenciais como o ácido glutâmico. Serviriam ainda como fonte de fibras alimentares.[11]

Pesquisas similares demonstram o valor para a indústria de alimentos de hidrolisatos de outras variedades vegetais, tais como o fonio (Digitaria exilis), de plantas do gênero Pandiaka.[12][13]

Obtenção de substâncias específicasEditar

Determinadas substâncias, como os polissacarídeos fucanas sulfatadas, podem ser obtidas a partir de hidrolisatos de biomassa, como das algas pardas.[14]

Referências

  1. Manninen, Anssi H., "PROTEIN HYDROLYSATES IN SPORTS AND EXERCISE: A BRIEF REVIEW", Journal of Sports Science and Medicine, Vol 3, p 60-63, (2004)
  2. Ummadi, M. and Curic-Bawden, M. "Use of Protein Hydrolysates in Industrial Starter Culture Fermentations." PROTEIN HYDROLYSATES IN BIOTECHNOLOGY, 2010, p 91-114.
  3. van Loon LJ, Kruijshoop M, Verhagen H, Saris WH, Wagenmakers AJ. Ingestion of protein hydrolysate and amino acid-carbohydrate mixtures increases postexercise plasma insulin responses in men. J Nutr 130, 2508-2513.
  4. Greco, Luigi et al. Safety for Patients With Celiac Disease of Baked Goods Made of Wheat Flour Hydrolyzed During Food Processing; Clinical Gastroenterology and Hepatology, Volume 9, Issue 1, 24 - 29.
  5. Moskowitz RW. Role of collagen hydrolysate in bone and joint disease. Semin Arthritis Rheum. 2000 Oct; 30(2): 87-99.
  6. León-López, A., Morales-Peñaloza, A., Martínez-Juárez, V. M., Vargas-Torres, A., Zeugolis, D. I., & Aguirre-Álvarez, G. (2019). Hydrolyzed Collagen-Sources and Applications. Molecules (Basel, Switzerland), 24(22), 4031.
  7. Vasileva-Tonkova, E., Nustorova, M. & Gushterova, A. New Protein Hydrolysates from Collagen Wastes Used as Peptone for Bacterial Growth. Curr Microbiol 54, 54–57 (2007).
  8. Esabi Baflaran Kurbanoğlu, Ömer Faruk Algur;Use of Ram Horn Hydrolysate as Peptone for Bacterial Growth; Turk J Biol 26 (2002) 115-123.
  9. Chou, Chung-Hsi & Wang, Sheng-Yao & Lin, Yi-Tsen & Chen, Yi-Chen. (2013). Antioxidant activities of chicken liver hydrolysates by pepsin treatment. International Journal of Food Science & Technology. 49. 10.1111/ijfs.12471.
  10. Miao, J., Lin, H., Zhang, S., Huo, J., & Deng, S. (2020). Effect on amino acid and mineral content of the loach (Misgurnus anguillicaudatus) by adding Fe (II) chelating hairtail protein hydrolysates (Fe (II)-HPH) to the feed. Food science & nutrition, 8(3), 1575–1582.
  11. Apostol, Livia & Iorga, Sorin & Mosoiu, Claudia & Racovita, Radu & Niculae, Oana & Vlasceanu, Gabriela. (2017). ALFALFA CONCENTRATE – A RICH SOURCE OF NUTRIENTS FOR USE IN FOOD PRODUCTS. Agriculture & Food. 5. 66-73.
  12. Glew, R. H., Laabes, E. P., Presley, J. M., Schulze, J., Andrews, R., Wang, Y. C., Chang, Y. C., & Chuang, L. T. (2013). Fatty acid, amino acid, mineral and antioxidant contents of acha (Digitaria exilis) grown on the Jos Plateau, Nigeria. International journal of nutrition and metabolism, 5(1), 1–8.
  13. Ikewuchi, J. C., Ikewuchi, C. C., & Ifeanacho, M. O. (2019). Nutrient and bioactive compounds composition of the leaves and stems of Pandiaka heudelotii: A wild vegetable. Heliyon, 5(4), e01501.
  14. José Ariévilo Gurgel Rodrigues, Norma Maria Barros Benevides; ISOLAMENTO DE FUCANAS SULFATADAS DE UM HIDROLISATO ENZIMÁTICO DA ALGA MARINHA PARDA Spatoglossum shroederi (MERTENS) KÜTZING; Rev. Bras. Eng. Pesca 5(2): 64-77, 2010 PDF