Abrir menu principal

Historiografia sobre a Guerra do Paraguai

A Historiografia da Guerra do Paraguai sofreu mudanças profundas desde o desencadeamento do conflito. Durante e após a guerra, a historiografia dos países envolvidos, para muitos, limitou-se a explicar suas causas como devida apenas à ambição expansionista e desmedida de Solano López.

Entretanto, desde o início da guerra houve forte movimento apontando o conflito como responsabilidade do Império do Brasil e da da Argentina Mitrista. Nesta leitura, descaram-se intelectuais federalistas argentinos e uruguaios, como Juan Bautista Alberdi.[1] No Uruguai, destacou-se a crítica de Luis Alberto de Herrera.[2] Esta literatura foi comumente - e segue sendo - desconhecida no Brasil.

No Paraguai, foi também precoce e muito forte a resposta à historiografia de cunho liberal, que retomava as teses aliancistas sobre a guerra do Paraguai. Esta literatura se inseriu em contexto revisionista mais amplo sobre a história do país, com destaque para a valorização da ação do doutor José Gaspar de Francia como fundador do Paraguai independente. Entre os principais historiadores revisionistas destacam-se Cecílio Baez (1862-1941); Manuel Domínguez (1868-1935); Blas Garay (1873-1899) e, finalmente, Juan E. Leary (1879-1969), considerado como o iniciador da historiografia "lopizta positiva", ou seja, que explicava positivamente a guerra a partir da ação verdadeiramente prometeica de Francisco Solano López.[3] Também essa literatura foi e segue sendo fortemente ignorada no Brasil. Ela jamais abraçou a tese da Inglaterra como responsável pelo conflito.[4]

Nos anos 1950, na Argentina, surgiu importante literatura de influência marxista, populista e americanista revisionista sobre a guerra do Paraguai, com destaque para autores como José María Rosa; Enrique Rivera e Milcíades Peña; Adolfo Saldías, Raúl Scalabrini Ortiz, também pouco estudada e raramente referida no Brasil.

Não poucos entre esses autores negaramu radicalmente a tese da culpa inglesa no conflito, responsabilizando o Império e a Argentina mitrista, como no caso de Milcíades Peña e Enrique Rivera, em seu trabalho clássico. Milcíades Peña seria explícito: "“Ni la monarquía coronada brasileña ni la oligarquía mitrista hicieron la guerra del Paraguay por encargo de Inglaterra, [...].” [5] Paradoxalmente, também essa historiografia mantém-se desconhecida no Brasil. Atualmente, há esforço de leitura do conflito que supera as mitologias o lopizmo positivo e negativo.[6]

Há uma intepretação que propõe, sem conhecer a historiografia assinalada, que, a partir dos anos 1960, uma segunda corrente historiográfica, mais comprometida com a luta ideológica contemporânea desta década entre o capitalismo e o comunismo, e direita e esquerda, apresentou a versão de que o conflito bélico teria sido motivado pelos interesses do Império Britânico que buscava a qualquer custo impedir a ascensão de uma nação latino-americana poderosa militarmente e econômica. A partir dos anos 1980, novos estudos propuseram razões diferentes, revelando que as causas se deveram aos processos de construção dos Estados nacionais dos países envolvidos.

Historiografia tradicional (1864-1870)Editar

A historiografia tradicional,[7] também chamada de Oficial [8] e Ufanista,[9] surgiu imediatamente após o conflito e perdurou até o final da década de 1960. Tratava-se de uma visão simplista e exagerada [10] das causas da Guerra do Paraguai que teria ocorrido graças às ambições infinitas de um supostamente megalomaníaco e sanguinário Solano López que tinha por intenção criar o "Paraguai Maior" através da conquista de territórios dos países vizinhos. A reação dos Aliados teria ocorrido então numa tentativa desesperada de fazer prevalecer a "civilização" de países constitucionais e democráticos contra a "barbárie tirânica" do Paraguai governado por López.[9][11]

Sua grande duração foi justificada pela obstinação de Pedro II de ver López derrotado por desprezá-lo ao considerá-lo mais um caudilho latino-americano[11][12] e consequentemente, seria necessário lavar a honra do Brasil. Também se alegou que a irritação do Imperador teria ocorrido após uma proposta de López para casar-se com a princesa Isabel, mas isto nunca ocorreu e trata-se de uma invenção posterior de um autor norte-americano.[13] Mais tarde, surgiria o culto oficial dos heróis da guerra tais como o Duque de Caxias, Tamandaré, Osório e Mitre.[9][12] Enquanto que no Paraguai, do fim da guerra até meados da década de 1930, López era visto também como um megalomaníaco que destruiu o país numa guerra desnecessária e fútil.[14][15]

Historiografia revisionista (1968-1990)Editar

A chamada historiografia revisionista surgiu no final da década de 1960 e ganhou força durante a década de 1970-80. As origens remotas da mesma perduram do final do período monárquico do Brasil, quando os republicanos e militares insatisfeitos influenciados pelo Positivismo (como Benjamim Constant) realizaram ataques e críticas quanto a participação brasileira no conflito. Havia por detrás de tais acusações uma ideologia em comum entre os republicanos brasileiros, assim como argentinos e uruguaios, que tinham por objetivo desacreditar o regime monárquico ao considerá-lo o único culpado pelo desencadeamento da Guerra do Paraguai e das atrocidades cometidas.[15] Enquanto a partir da década de 1920, uma nova visão sobre a guerra surgiu no Paraguai graças aos esforços dos ditadores que buscavam uma legitimidade para seus governos autoritários ao apresentar um modelo anterior representados por Francia, Carlos López e Solano López.[14]

O revisionismo histórico da Guerra do Paraguai recebeu impulso de fato em 1968 a publicação da obra "A Guerra do Paraguai – Grande negócio!" do escritor Leon Pomer onde alegou que a guerra ocorreu por interesse único da Grã-Bretanha [7] (recentemente Pomer reconheceu que a Grã-Bretanha não teve participação alguma).[9] Na obra, em tantas outras publicadas no período, o Paraguai é apresentado como um país socialista e igualitário, além de extremamente moderno, rico e poderoso. Seu governante, Solano López, seria uma espécie de líder visionário, antiimperialista e socialista que buscava tornar seu país livre das influências imperialistas estrangeiras. A Grã-Bretanha, supostamente receosa deste modelo autônomo e temendo que pudesse vir a servir de exemplo para os países vizinhos, tratou de ordenar que o Brasil, Argentina e Uruguai, simples "marionetes", destruíssem o Paraguai, exterminando praticamente toda a população paraguaia conseqüentemente.[7][9][11][14][16][17]

Tal visão (também considerada simplista, além de apelativa por resumir-se ao denuncismo emocionado para esconder a falta de evidências empíricas) desencadeada por historiadores de "esquerda marxista" foi fruto das situações da época em que surgiu. Havia um desejo não só de transformar o Paraguai numa espécie de precursor de Cuba (que ao invés de ter combatido o imperialismo norte-americano, teria agido contra o imperialismo britânico), mas, também de prejudicar a imagem dos heróis da guerra cultuados pelos regimes ditatoriais militares de então que os perseguiam.[9][18] Tal visão propagada pela historiografia de esquerda, que ainda é ensinada na maior parte das escolas dos países latino-americanos, carece de qualquer tipo de provas concretas, dados ou evidências empíricas.[9][11][14][16][17]

Contudo, os efeitos da visão historiográfica revisionista do conflito foram impactantes, pois diversas gerações de latino-americanos (principalmente brasileiros, argentinos e uruguaios) vieram a observar seu passado de uma forma pessimista e a desprezarem os vultos históricos de seus países.[7] Tais efeitos foram ainda mais sentidos no Paraguai, onde a versão revisionista foi assumida como doutrina oficial de Estado, ainda mais depois da transformação de Solano López em herói sem defeitos.[9][14] O historiador Francisco Doratioto esclarece o tema:[19]

Historiografia moderna (1990-)Editar

 
Disputas territoriais na região platina (1864).

Em 1990, o historiador Ricardo Salles publicou a obra Guerra do Paraguai: Escravidão e Cidadania na Formação do Exército onde apresentou uma análise sobre a historiografia tradicional e revisionista: "Se os estudos tradicionais sobre a guerra pecam por um excesso de oficialismo e factualismo, por sua vez, as versões revisionistas da história do conflito tendem a simplificações nem sempre embasadas em investigações mais profundas".[20] Esta obra foi uma das primeiras de uma nova geração de historiadores que buscavam analisar a Guerra do Paraguai.[21][22]

Os estudos realizados por estes profissionais revelaram que as causas do conflito não foram em razão de influência externa ou por uma pura e simples ambição de um único homem. Mas sim, uma série de fatores relacionados a formação como Estados-nações dos países participantes e dos processos geopolíticos e econômicos da região, resultante de heranças históricas, políticas e geográficas de duas culturas diferentes: portuguesa e espanhola.[11][23][24][25][26] O historiador Francisco Doratioto apresenta de maneira concisa esta nova visão sobre as causas do conflito:

Esta última corrente historiográfica é a que está sendo levada em conta pelos livros e obras mais recentes que tratam do assunto. Tal fato é proveniente do fato de que ao contrário das duas correntes anteriores não se trata de um estudo baseado somente em ideologias ou patriotismo, mas de um trabalho científico.

BibliografiaEditar

Historiografia tradicionalEditar

  • CALMON, Pedro. História da Civilização Brasileira. Brasília: Senado Federal, 2002.
  • LIMA, Oliveira. O Império Brasileiro. São Paulo: Itatiaia, 1989.

Historiografia revisionistaEditar

Historiografia modernaEditar

  • DORATIOTO, Francisco. A Guerra do Paraguai. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991;
  • _______. Maldita guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2002;
  • BARMAN, Roderick. Citizen Emperor: Pedro II and the making of Brazil, 1825-91. Universidade de Stanford, 1999.
  • MAESTRI, Mário. A guerra no papel: história e historiografia da Guerra no Paraguai. (1844-1870). Porto Alegre : LCM Editora ; Passo Fundo, PPGH UPF, 2013. https://clubedeautores.com.br/book/144712--Guerra_no_Papel
  • PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004,
  • SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: escravidão e cidadania na formação do exército. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990
  • SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai - memórias e imagens. Editora Miguel de Cervantes, 2003.
  • SILVEIRA, Mauro César. A Adesão fatal: A participação portuguesa na Guerra do Paraguai. Porto Alegre: EdPuc, 2003.
  • SILVEIRA, Mauro César. A batalha de papel: a charge como arma de guerra contra o Paraguai. 2 ed. Santa Catarina: EdUFSC, 2009.
  • SCHWARCZ, Lilia Moritz. As Barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002
  • VAINFAS, Ronaldo. Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002

Notas

  1. ALBERDI, Juan Bautista [1810-1884]. Las disensiones de las Repúblicas del Plata y las maquinaciones del Brasil. Montevideo: Imprenta Tipografica a Vapor, 1865. 73 pp; ALBERDI, Juan Bautista [1810-1884]. Los intereses argentinos en la guerra del Paraguay con el Brasil. Paris: Impresión Privada [1865].
  2. HERRERA, Luis Alberto de. El drama del 65: la culpa mitrista. 2 ed. [s.l.]: [s.n.], 1927.
  3. O´LEARY, Juan Emiliano. [1879-1969] El Mariscal Solano López. 3 ed. Asunción: Paraguay, 1970. [1ª ed 1922; 2ed 1925, corrigida e aumentada].
  4. G1. «Após 150 anos, estopim da Guerra do Paraguai ainda gera controvérsia». Consultado em 13 de dezembro de 2014 
  5. RIVERA, Enrique. José Hernández y la Guerra del Paraguay. Buenos Aires:Colihue, 2007.; PEÑA, Milciades. La era de Mitre: de Caseros a la Guerra de la Triple Infamia. 3 ed. Buenos Aires: Fichas, 1975. p. 61.
  6. MAESTRI, Mário. A guerra no papel: história e historiografia da Guerra no Paraguai. (1844-1870). Porto Alegre : LCM Editora ; Passo Fundo, PPGH UPF, 2013. PP. 288-9. Guerra no Papel
  7. a b c d PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004, pg.16
  8. SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: Memórias & Imagens. Rio de Janeiro: Bibilioteca Nacional, 2003, pg.13
  9. a b c d e f g h Cf. Ricardo Bonalume Neto em: Novas lições do Paraguai. Consulted in september 15, 2008.
  10. PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004, pg.14
  11. a b c d e SCHWARCZ, Lilia Moritz. As Barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, pg.301
  12. a b VAINFAS, Ronaldo, Dicionário do Brasil Imperial, Objetiva, 2002, pg.122
  13. CARVALHO, José Murilo de. D. Pedro II. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, pg.116
  14. a b c d e DORATIOTO, Francisco, Maldita Guerra, Companhia das Letras, 2002
  15. a b PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004, pg.15
  16. a b SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: Memórias & Imagens. Rio de Janeiro: Bibilioteca Nacional, 2003, pg.14
  17. a b VAINFAS, Ronaldo, Dicionário do Brasil Imperial, Objetiva, 2002, pg.123
  18. PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004
  19. DORATIOTO, Francisco, Maldita Guerra, Companhia das Letras, 2002, pg.87 e 88
  20. PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004, pg.16 e 17
  21. PEDROSA, J. F. Maya.A Catástrofe dos Erros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2004, pg.18
  22. SCHWARCZ, Lilia Moritz. As Barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos''. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, pg.301
  23. DORATIOTO, Francisco, Maldita Guerra, Companhia das Letras, 2002
  24. VAINFAS, Ronaldo, Dicionário do Brasil Imperial, Objetiva, 2002, pg.123
  25. CARVALHO, José Murilo de. D. Pedro II. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, pg.106
  26. SODRÉ, Nelson Werneck. Panorama do Segundo Império. 2. ed. Rio de Janeiro: GRAPHIA, 2004, pg.188
  27. DORATIOTO, Francisco, Maldita Guerra, Companhia das Letras, 2002, pg.95 e 96