Igreja Cristã Maranata

A Igreja Cristã Maranata - Presbitério Espírito Santense (ICM), ou Igreja Cristã Maranata, com orientação Pentecostal ou Neopentecostal com sede na cidade de Vila Velha, Espírito Santo. Fundada em janeiro de 1968, a igreja contava em 2018, segundo a sua administração central, contar com mais de 1.000.000 de membros em todo o Brasil. Entretanto, o último número oficial referente ao Censo de 2010 reporta, porém, 356.021 pessoas[2].

Igreja Cristã Maranata
Presbitério Espírito-Santense
{{{imagealttext}}}
Classificação Protestante
Orientação Pentecostal
Área geográfica Internacional, com maior concentração de fiéis e templos nas Américas, Europa e Ásia. Presente em mais de 160 países.
Origem janeiro de 1968 (52 anos)
Vila Velha, Estado do Espírito Santo, Brasil
Congregações Mais de 6 mil templos (Brasil)
Membros 356.021 (Brasil)[1]
Site oficial www.igrejacristamaranata.org.br

HistóricoEditar

De acordo com o “Presbitério“ da Igreja Cristã Maranata, a igreja surgiu no seio da comunidade evangélica como "resultado de um acontecimento previsto para o tempo presente como está escrito no livro do profeta Joel 2:28" que diz: “E há de ser que nos últimos dias derramarei o meu Espírito sobre toda a carne. E vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões.[3] . O presbitério da igreja não dá ênfase em pessoas específicas e não determina um fundador oficial da organização Igreja Cristã Maranata, pois defende ter sido a pessoa do Senhor Jesus Cristo o motivo do início da obra, muito embora seja público e notório que a Igreja sempre foi dirigida por Gedelti Gueiros, diretamente ou por meio de prepostos, mesmo diante de investigações, denúncias do Ministério Público e afastamentos determinados pela Poder Judiciário.[4] [5]

O primeiro registro da igreja cristã Maranata (ainda chamada de Igreja Cristã Presbiteriana) foi no dia 31 de outubro de 1967 na casa da irmã Eurides Bagatelli no bairro Itacibá, em Cariacica; esse primeiro culto foi dirigido pelo reverendo Milton Leitão. Dito isso, o início da Igreja Cristã Maranata se dá, como instituição religiosa, em janeiro de 1968, no município de Vila Velha, Estado do Espírito Santo, Brasil, com o objetivo de adorar a Deus e pregar o evangelho conforme as escrituras do Velho e Novo Testamento como única regra de fé e prática, bem como conscientizar a formação espiritual e social do homem, a educação cristã, promover obras beneficentes e assistência moral e educacional, sem fins lucrativos em território nacional e exterior. Quando iniciaram-se as primeiras reuniões da igreja, tinha como seu primeiro nome "A toca", pois os fiéis se reuniam dentro de um apartamento no bairro Divino Espírito Santo, em Vila Velha (Espírito Santo).[6] Antes de adotar seu nome atual, denominava-se Igreja Cristã Presbiteriana.

Alguns dos fatos históricos e motivações da fundação da Igreja Cristã Maranata, como instituição religiosa, são descritos no livro de Joel Ribeiro Brinco: "Igreja Presbiteriana de Vila Velha - 50 anos de história"[7]. A intenção do autor, que conviveu com a família precursora da Igreja Cristã Maranta, os Gueiros, desde os 7 anos, foi a de contar a história de sua igreja – a Presbiteriana – em Vila Velha, uma história que está ligada à criação da Maranata. Registra-se em sua obra, que a sua fundação está relacionada a uma cisma (divisão) na Igreja Presbiteriana de Vila Velha em que a família Gueiros era influente, fatos estes baseados em atas e afins, conforme expresso no livro de Joel Ribeiro Brinco. O livro conta que "Gedelti e seu pai, Abílio, comandavam uma rebelião no seio da Igreja, contra o Rev. Sebastião, chegado a exercer sua má influência sobre quase metade dos membros. Tentavam introduzir doutrinas alheias ao presbiterianismo, dando ênfase a revelações, profecias e dons de línguas, deturpando a mensagem bíblica."

Na versão contada pelos fundadores da Igreja Cristã Maranata, porém, ocorreu que vários membros da então Igreja Presbiteriana de Vila Velha passaram a reunir-se regularmente, em um lugar ermo para orar a Deus. "Estando no meio dessas orações, um novo pentecostes ocorreu, testemunhado por todos: o Espírito Santo começou a se manifestar no meio dos irmãos" – palavras do pastor Alexandre Gueiros - '' as pessoas começaram a falar línguas estranhas, como ocorrera na igreja primitiva". Segundo o que diz Gedelti Gueiros, atual presidente da instituição, isso foi tomado como um chamamento do Espírito Santo para o início de uma nova obra, que foi o movimento Maranata.

Em 1968 formalizou-se a igreja em Itacibá, na vizinha Cariacica. De forma paralela, residentes de Caratinga e Juiz de Fora passaram a frequentar a igreja. Mais tarde, em janeiro de 1980, por revelação do Senhor Jesus, a Obra passou a chamar-se Igreja Cristã Maranata, mostrando que ela seria conhecida no mundo todo pela mensagem que estaria pregando. “Maranata, o Senhor Jesus vem”.[8]

A igreja expandiu-se muito por todo o Brasil e pelo mundo, principalmente no Estado do Espírito Santo e no Estado de Minas Gerais nas gestões de seus presidentes Manoel dos Passos Barros (1968-1986), Edward Hemming Dodd (1986-2007) e Gedelti Victalino Teixeira Gueiros (2007- atualmente).[2]

Credo e doutrinaEditar

A doutrina da Igreja Cristã Maranata é, de forma geral, de caráter reacionário, dando maior ênfase à negação de ensinos cristãos históricos do que à defesa de pontos e interpretações de textos bíblicos e teológicos históricos. Em razão disso, e de seus posicionamentos teológicos extremamente isolados e historicamente inéditos, recebem muitas críticas no meio teológico e a denominação é considerada uma seita por algumas outras denominações religiosas. Em seus seminários e encontros, os fiéis são orientados a deixar a teologia de lado e dar mais ênfase às experiências vividas dentro da própria Igreja, pois acreditam que o Senhor ainda se revela aos homens do mesmo modo como se revelou ao tempo da formação do cânon bíblico.

A Igreja Maranata ensina que as igrejas reformadas não creem na doutrina do Batismo com o Espírito Santo e nos dons espirituais, citados pelo Apóstolo Paulo, no capítulo 12 da primeira carta aos Coríntios (I Coríntios 12:). Entretanto, o que os protestantes históricos não creem é que haja nos dias atuais a 'contemporaneidade dos dons' apostólicos, ou seja, que este dons se manifestem hoje na igreja contemporânea da mesma forma que se manifestaram na Igreja Primitiva. Por isso, os cristãos reformados tradicionais são chamados Cessacionistas.[9] Os cristãos tradicionais não creem que alguém fale em “línguas estranhas“, como descrito no capítulo 12 de I Coríntios, pois a palavra “glossas”, em grego koiné, traduzida no texto bíblico como “línguas estranhas“, significa apenas e literalmente "idiomas", como o grego e o latim, tendo em vista que os apóstolos e discípulos eram hebreus e pregavam o Evangelho a estrangeiros de inúmeras línguas diferentes, incluindo gregos, romanos, assírios, etc. Isto é o que se vê em Atos dos Apóstolos, 2:5-8, como segue: "Havia em Jerusalém judeus, devotos a Deus, vindos de todas as nações do mundo. Ouvindo-se o som, ajuntou-se uma multidão que ficou perplexa, pois cada um os ouvia falar em sua própria língua. Atônitos e maravilhados, eles perguntavam: 'Acaso não são galileus todos estes homens que estão falando? Então, como os ouvimos, cada um de nós, em nossa própria língua materna?'

No verso 4 de Atos 2 diz que os discípulos começaram a falar em OUTRAS LÍNGUAS. Não há nenhuma referência a língua ESTRANHA como algo semelhando como hoje é praticado, que são emissões de sons sem qualquer sentido. No grego original do texto bíblico, a expressão é héterais glôssais. Esse adjetivo héterais, plural de héteros significa outras, “destacando a diferença em categoria ou qualidade“.[10]

A igreja Cristã Maranata, todavia, acredita que as línguas estranhas são línguas indecifráveis, constituídas por palavras com fonemas repetitivos (como "", "", "Nái", "Xi" e "Rái"), e que Deus usa esses meios para falar com seu povo, através de um tradutor simultâneo que inventa, ou melhor: traduz o significado. Em geral, essas "revelações" não se referem um ensino acerca da doutrina de Cristo, mas sim à vida pessoal de algum membro da igreja ou do fim dos tempos, por meio de uma alegoria envolvendo as palavras "fermento", "trigo", "farinha", "fogo", "candeeiro", "terra", "obra", e outros elementos típicos de textos religiosos antigos, dando aspecto veterotestamentário ou apocalíptico à narrativa.

A ICM argumenta que o próprio apóstolo Paulo afirma que: "Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes." (I Cor. 12:1) e ainda: "Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar." (I Cor. 14:1), muito embora estes dois versículos sejam distantes entre si, estejam isolados e fora de seu contexto.

A Igreja Maranata entende que, na época dos apóstolos, os dons eram usados, sobretudo para revelar a vontade de Deus sobre Sua Obra. Dão como exemplos de dons espirituais o fato de que o Senhor revelou a Cornélio que deveria chamar Pedro a sua casa (At. 10:3-6), orientou Filipe a pregar ao eunuco etíope (At. 8:26, 29), orientou Ananias a visitar Paulo e orar por ele (At. 9:10-16), revelou a Pedro para não hesitar, mas pregar o Evangelho aos gentios na casa desse centurião (At.10:9-16 e 19-20), revelou a Paulo que não deveria pregar o evangelho na Ásia nem na Bitínia, mas na Macedônia (Atos 16:6-10), revelou à Igreja que estatutos no Velho Testamento deveriam ser observados pelos gentios que se convertiam (Atos 15:28,29), Paulo foi orientado a subir a Jerusalém para submeter seu ensino aos apóstolos (Gál. 2:1-2), o Senhor revelou que havia escolhido Timóteo para o ministério da Palavra (II Tim 4:14), etc. A Igreja Cristã Maranta entende que, através da mesma forma, o Senhor Jesus, por meio da Sua Palavra escrita e da doutrina revelada, voltou a atuar para as orientações necessárias para a edificação da igreja, não sendo as pregações baseadas na exposição do texto bíblico, mas sim em supostas novas orientações específicas dadas por Deus aos dirigentes dos cultos. Sítio oficial (em português)

AtuaçãoEditar

A Igreja Cristã Maranata, através de sua missão internacional, denominada Missão Internacional Cristã Maranata, atua em diversos países das Américas, Europa, Ásia e África, onde são transmitidos cultos e aulas via satélite. Ademais, mantém relações de comunhão e cooperação com igrejas no Oriente Médio, Europa Oriental e Ásia Central, além do subcontinente Indiano.

OrganizaçãoEditar

A Igreja Cristã Maranata é autodenominada pelos membros como uma “igreja sem fins lucrativos“ (o que, embora pudesse soar redundante, na verdade soa irônico, diante do noticiário policial em que os seus dirigentes se envolveram). O Presbitério Espírito-Santense, localizado na cidade de Vila Velha, estado do Espírito Santo, é responsável pela gestão das igrejas filiadas.

O Presbitério Espírito-Santense da Igreja Cristã Maranata mantém centros denominados "Maanains" (Sig. "Acampamento de anjos"), para retiros, confraternizações e doutrinação de seus fiéis. O que atrai os fiéis para estes locais são as aulas ministradas pelos pastores, estudos da Bíblia e louvores.

MaanainsEditar

 
Photo taken in a Maranatha Christian Church space called Maanaim, located in Domingos Martins.

A Igreja Cristã Maranata tem um espaço com o objetivo de transmitir o ensino da doutrina revelada pelo Senhor. São os maanains, que funcionam em todo o território nacional e no exterior.

Atualmente são 60 unidades sendo que o primeiro deles, o Maanaim de Domingos Martins, fundado na década de 70, está localizado em um sítio no meio da mata atlântica, na região de Domingos Martins, a 40 quilômetros de Vitória, capital do Espírito Santo, estado de origem da ICM.

Com infraestrutura e “método próprio“ de administração, o local é chamado também de “Cidade Maanaim”, onde há divulgação da dita “doutrina da Obra que o Espírito Santo de Deus tem realizado no meio da Igreja”. Seu espaço tem ampla estrutura de monitoramento por Circuito Fechado de Televisão (CFTV), coleta seletiva de resíduos e controle automatizado de sua planta, com uma ampla rede de comunicações por handie talkie. Os maanains também são destinados à realização de eventos da Igreja Cristã Maranata. São lugares aprazíveis, com toda a condição para que os membros possam absorver o aprendizado e o conhecimento do que o Senhor Deus tem operado no meio da Igreja.

TemplosEditar

 
Templo construído no início da década de 1980 no Rio de Janeiro, este foi o primeiro padrão de construção.
 
Templo no padrão atual em Campo Grande, Rio de Janeiro.

Os templos podem ser facilmente localizados pelo padrão institucional de construção com estilo colonial, com edificações parecidas com o formato de chalés, tendo em vista que essa construção gera um custo menor no valor final da obra. Em geral, são compostos pela sala principal – em que os cultos são realizados – salas anexas banheiros e, na área externa, varandas e jardins. Em alguns, há ainda, os jardins de inverno localizados numa das laterais do templo e/ou ao lado do púlpito. Há templos instalados nas mais diversas regiões do país, existem também alguns que são denominados de "Trabalho", que são bairros onde ainda não possuem o templo fixo, sendo assim, o trabalho é feito dentro de pequenos salões onde os irmãos se reúnem para os cultos diários. A Igreja Cristã Maranata realiza cultos diariamente, com exceção das sextas-feiras, quando os membros se reúnem em família, em seus lares.

Administração financeira dos recursos arrecadadosEditar

A administração financeira dos recursos arrecadados pela igreja é realizada de forma centralizada, de forma que todas as igrejas locais remetem as contribuições [depois de pagas despesas básicas como energia elétrica, água, aluguel (se for o caso) e pequenas despesas de manutenção] ao Presbitério localizado na cidade de Vila Velha. Investimentos fora do pagamento de despesas básicas precisam de autorização do Presbitério para serem executadas.

As contribuições de dízimos arrecadados nas igrejas locais não são destinadas ao auxílio de membros locais em dificuldades. O Presbitério, responsável pela administração financeira da organização, também não divulga os montantes arrecadados bem como os valores investidos anualmente na aquisição, construção ou reformas de igrejas, gastos administrativos de pessoal do Presbitério, ações sociais, marketing, etc. Não há transparência de como os recursos que chegam ao caixa do Presbitério são utilizados e esta informação não está aberta aos membros das igrejas locais, mesmo após a ocorrência de inconformidades contábeis e fraudes registradas em 2013. [11]

Outras fontes de receita são os eventos realizados pela igreja conhecidos como seminários/maanains, em que há uma cobrança em torno de sessenta reais por pessoa, para custear inscrição e despesas como café da manhã e almoço. Os eventos voltados ao público externo porém são gratuitos.

O pastor Gedelti Gueiros, presidente e fundador da Igreja Cristã Maranata (ICM), foi preso na manhã do dia 24 de maio de 2013, em sua casa, na Praia da Costa, Vila Velha, Grande Vitória. De acordo com a polícia, ao todo, foram expedidos 10 mandados de prisão contra membros da igreja. Oito foram cumpridos e dois integrantes se apresentaram espontaneamente. De acordo com o promotor de Justiça Paulo Panaro, os membros continuavam participando da administração e praticando crimes como estelionato de forma indireta.[11]

Em maio, dezenove membros da Igreja Cristã Maranata, incluindo pastores, foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público Estadual (MPES) pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha e duplicata simulada. Eles teriam praticado desvio de dízimo da igreja, envolvendo uma movimentação financeira de R$ 24,8 milhões, segundo o próprio MPES. Antes, em março, Gedelti e outros três membros da ICM haviam sido presos por coagir e ameaçar testemunhas do inquérito que investiga a igreja, conforme áudio que se tornou público na internet.

Além de Gedelti, que foi detido em casa, na Praia da Costa, Vila Velha; Antônio Angelo Pereira dos Santos, Antonio Carlos Rodrigues de Oliveira, Antonio Carlos Peixoto, Amadeu Loureiro Lopes, Carlos Itamar Coelho Pimenta e Jarbas Duarte Filho foram levados para o DPJ, passaram por exames no Departamento Médico Legal (DML) e foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Viana. O pastor Arlínio de Oliveira Rocha teve prisão domiciliar decretada. Wallace Rozetti e Leonardo Meirelles de Alvarenga se apresentaram diretamente na delegacia, pela manhã.

Segundo o delegado Eduardo Chaddour, uma das prisões será domiciliar. Todos os detidos nesta manhã foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Viana, na Grande Vitória. O interventor da instituição, Júlio Cezar Costa, foi destituído. A sede do presbitério da Maranata, em Vila Velha, foi interditada pela polícia.

Após a prisão, Gedelti foi sucinto em suas palavras. "Falar o quê? Não tem muito o que falar, não sei o que está acontecendo, não sei por que estou sendo preso", disse o fundador da ICM ao G1.

Um dos presos, Carlos Itamar Coelho, disse se sentir 'destruído'. "Me sinto destruído, pela nossa imagem, fico constrangido. Mas, vamos acreditar na justiça", falou.

No DML de Vitória, onde foram submetidos a exame, os membros da Maranata ficaram sentados lado a lado enquanto esperavam pelo atendimento. Do lado de fora do prédio uma fiel da Maranata demonstrou apoio ao pastor Gedelti.

Júlio Cezar Costa, que havia sido nomeado interventor da ICM, disse que foi comunicado de sua destituição por ordem judicial. Entretanto, o Ministério Público defende que a Igreja continuava sob o mesmo comando de forma dissimulada, havendo grande intimidade entre o interventor e os investigados. [12]O novo interventor será Antônio Barroso Ribeiro.

A Igreja Cristã Maranata foi criada há 44 anos no estado e  já possui mais de 5,5 mil templos no Brasil e em outros países. A suspeita é de que R$ 21 milhões de reais podem ter sido desviados. Para justificar a saída do dinheiro, notas fiscais frias teriam sido usadas. Mais de R$ 900 mil reais foram gastos em uma papelaria, por exemplo, mas os produtos no local custam muito menos. [13]

A própria Maranata investigou e chegou a mover uma ação contra o vice-presidente e o contador. Eles foram afastados dos cargos. Mas, para o Ministério Público, toda a direção da igreja pode estar envolvida no desvio do dinheiro dos fiéis. Ainda segundo informações publicadas no jornal "A Gazeta", as investigações do MP-ES apontam para a prática de vários crimes, como: estelionato, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, ameaça e formação de quadrilha.

"A polícia ainda realizou busca e apreensão na casa dos acusados, escritórios e na Rádio Maanain, local onde acontecia as reuniões com as testemunhas. Além de documentos e computadores, a Polícia Federal apreendeu uma arma [de fogo]." [14]



MídiaEditar

Sistema de comunicação do Presbitério Espírito-Santense da Igreja Cristã MaranataEditar

Para estabelecer comunicação com seus fiéis, bem como com a sociedade em geral, a Igreja Cristã Maranata possui um sistema de comunicação administrado pelo Presbitério Espírito-Santense, sendo composto pelo sistema de transmissões via satélite, pelo sistema de vídeo conferência - TELECOM, pela Rádio e TV WEB Maanaim (http://www.radiomaanaim.com.br), pelo site da Central de Louvor (comissão responsável pela catalogação e proteção de louvores pertencentes a Igreja Cristã Maranata) e pelos diversos sites institucionais da Igreja Cristã Maranata.

Transmissões via satéliteEditar

Utilizado para levar a palavra para alguns locais onde não tem pastores, ungidos, diáconos ou obreiros para pregar todos os dias e também para dinamizar e unificar as práticas e doutrinas mantidas pela instituição, a Igreja Cristã Maranata possui um sistema via satélite, para transmissões simultâneas de reuniões e seminários. O sistema de transmissões via satélite tem alcance continental, possibilitando o recebimento das transmissões do norte do Canadá ao sul da Argentina, cobrindo quase todo o continente americano, como também cobrindo toda a Europa Ocidental e partes da Europa Oriental.[15] Para possibilitar a cobertura dos continentes africano, asiático, Europa Oriental (incluindo Rússia Europeia e sua parte oriental) e Oriente Médio, existem pontos de retransmissão de sinal em Portugal, Ucrânia e Bielorrússia. A maioria das Igrejas possui uma antena parabólica e um receptor, conectados a um projetor de imagens e ao sistema de áudio do templo, com o objetivo de transmitir um mesmo ensino a todas as Igrejas conectadas.[16]

Instituto Bíblico MaranataEditar

O Instituto Bíblico foi instituído em 25 de dezembro de 1972, ato assinado pelo então Presidente da Igreja Cristã Maranata, pastor Manoel dos Passos Barros. (Atualmente o presidente é o Gedelti Victalino Teixeira Gueiros).

Em seu objetivo inicial, o Instituto estava destinado a prover Curso Bíblico e explicações suplementares para os obreiros da Igreja, visando melhorar seus conhecimentos da Bíblia, a fim de prepará-los para o ministério na seara do Senhor Jesus.

Destacava-se ainda no Estatuto de sua instituição:

O Instituto promoverá igualmente, por todos os meios, o conhecimento do Evangelho, conforme as Escrituras do Velho e Novo Testamento, assim como Educação Cristã e obras de caridade.

Referências

  1. «Censo demográfico do IBGE, 2010» (PDF). Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  2. a b Alves, Leonardo Marcondes (2017). «Igreja Cristã Maranata». Cham: Springer International Publishing (em inglês): 1–5. ISBN 9783319089560. doi:10.1007/978-3-319-08956-0_218-1 
  3. Site oficial Igreja Cristã Maranata; https://www.igrejacristamaranata.org.br/quem-somos/
  4. Cristã Maranata, Igreja (2019). «Site oficial da Igreja Cristã Maranata». Sítio oficial da Igreja Cristã Maranta, aba "Quem somos". Consultado em 20 de novembro de 2019 
  5. ES, Mariana PerimDo G1 (24 de junho de 2013). «Pastores presos agiam na Maranata mesmo afastados, diz MP-ES». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  6. Brinco, Joel Ribeiro. "Igreja Presbiteriana de Vila Velha: 50 anos de história". Vila Velha: 2003
  7. Brinco, Joel Ribeiro (2012). Igreja Presbiteriana de Vila Velha: 50 anos de história. Vila Velha: [s.n.] 
  8. Chung Nin, Altamir; Batista, Dimas ; Bodart, Cristiano das Neves. Instituição Política: Igreja Cristã Maranata. Cachoeiro de Itapemirim/ES: São Camilo: Espírito Santo, 2000
  9. «Entrevista sobre Cessacionismo e Continuismo». O Tempora, O Mores. Consultado em 5 de setembro de 2016 
  10. ABBOT – SMITH, G. - A. Manual Grek Lexicon of New Testament, R. & Clark,. Edinburgh, Great Britain: [s.n.] p. 183 
  11. Le; Am, ro Nossa e; ES, a MonteiroDo G1 (24 de junho de 2013). «Fundador e pastores da Igreja Maranata são presos no ES». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  12. ES, Mariana PerimDo G1 (24 de junho de 2013). «Pastores presos agiam na Maranata mesmo afastados, diz MP-ES». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  13. ES, Do G1; Gazeta, com informações da TV (10 de março de 2012). «MP-ES abre inquérito para investigar desvio de dízimo na Igreja Maranata». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  14. Jornal "A Gazeta": 12/03/2013
  15. «Cobertura do satélite Intelsat 805». Consultado em 30 de janeiro de 2012 
  16. «O satélite». Consultado em 22 de janeiro de 2012 

Ligações externasEditar