Abrir menu principal

Infante

Infante
(Redirecionado de Infanta)
Coroa de Infante

Infante é um título de nobreza, que está abaixo de príncipe. Este título é atribuído a todos os filhos legítimos do rei ou rainha de Portugal ou de Espanha, que não são herdeiros da coroa. Infantes, quando soberanos, não podem conceder títulos de nobreza; se a monarquia for hereditária seu herdeiro não será nobre.

Classificação da Nobreza
Heraldic Royal Crown (Common).svg
Imperador e Imperatriz
Rei e Rainha
Príncipe e Princesa
Infante e Infanta
Arquiduque e Arquiduquesa
Grão-duque e Grã-duquesa
Duque e Duquesa
Marquês e Marquesa
Conde e Condessa
Visconde e Viscondessa
Barão e Baronesa
Senhor e Senhora
Baronete e Baronetesa
Cavaleiro e Dama
Escudeiro e Escudeira
Para ver todos os títulos clique aqui

Na Península Ibérica, o herdeiro da coroa é o único que recebe o título de Príncipe, sendo na Espanha, Príncipe das Astúrias, e em Portugal, Príncipe Real de Portugal.

Também os filhos do herdeiro da coroa espanhola (Príncipe das Astúrias) recebem o título de Infante, incluindo o herdeiro presuntivo.

Os filhos do herdeiro da coroa portuguesa (Príncipe Real de Portugal) recebem o título de Infante, salvo o herdeiro presuntivo que recebe o título de Príncipe da Beira.

O feminino de Infante é Infanta. Em Espanha, os infantes recebem o tratamento de Alteza Real (SAR)', sendo que em Portugal somente o de Alteza (SA).

Um infante português e os seus filhos (mas não os filhos de uma infanta), têm associado o tratamento de senhor e de Dom, se não forem eles mesmos criados Infantes. Por especial mercê do soberano português, e.g.: S. Excª o senhor D. João da Bemposta, filho de S.A. o infante D. Francisco de Bragança, Duque de Beja (1691-1742) e neto legítimo do Rei D. Pedro II.

O substantivo infante, com inicial minúscula imediatamente antes do nome próprio, é indicativo somente de cavaleiro de infantaria, ou seja, de oficial de guerra. [carece de fontes?]

No Brasil, tal título, apesar de continuar em uso após sua independência, foi gradualmente sendo substituído pelo de príncipe do Brasil, para indicar os filhos legítimos e não-herdeiros da Coroa Imperial, e o(a) filho(a) legítimo(a) e Herdeiro(a) da Coroa Imperial era o(a) único(a) que podia ostentar o título de Príncipe Imperial do Brasil.

Em Angola, na Academia militar do Exército, em alguns casos usa-se o termo infante, numa linguagem militar como diminuitivo da palavra infanteiro, (termo militar), que significa especialista em infantaria. São também chamados infantes ou infanteiros, os cadetes da especialidade de infantaria do curso de Licenciatura em Ciências Militares.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar