Karim Aïnouz

(Redirecionado de Karim Ainouz)

Karim Aïnouz (Fortaleza, 17 de janeiro de 1966) é um diretor de cinema, roteirista, e artista visual brasileiro, mais conhecido pelos filmes Madame Satã, O Céu de Suely, Praia do Futuro e A Vida Invisível.[1][2][3]

Karim Aïnouz
Karim Aïnouz
Nascimento 17 de janeiro de 1966 (58 anos)
Fortaleza, Ceará
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Diretor
Roteirista
Atividade 1992Atualmente

Carreira

editar

Karim Aïnouz iniciou sua carreira no cinema como co-roteirista de filmes nacionais, como Abril Despedaçado (2001) de Walter Salles, Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes, e Cidade Baixa (2005), de Sérgio Machado.

Depois de Madame Satã, seus longas seguintes foram O Céu de Suely e Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (co-dirigido com Marcelo Gomes) que estrearam no Festival de Veneza na Mostra Orizzonti em 2006 e 2009 respectivamente. Em 2011 o filme O Abismo Prateado teve sua estreia mundial no Festival de Cannes, na Quinzena dos Realizadores, e recebeu o prêmio de Melhor Diretor no Festival do Rio. Em 2014, Aïnouz lançou o filme Praia do Futuro.[4] Filmado no Brasil e na Alemanha, a produção estreou na Competição Oficial do 64° Festival de Berlim[5]. Ainda em 2014 ele participou como co-diretor de Cathedrals of Culture,[6] o filme tem como produtor executivo Wim Wenders e estreou no Festival de Berlim na seção Berlinale Special daquele ano.

Em 2010, o diretor foi homenageado na 13ª Mostra de Cinema de Tiradentes[7] e teve retrospectivas na Espanha, Suíça, França e Estados Unidos.

Em 2012, Aïnouz foi convidado a integrar o júri da Cinéfondation e da Competição de Curtas-metragens do 65° Festival de Cannes. No mesmo ano participou do projeto Destricted.br, — inspirado no projeto Destricted de Larry Clark — com Adriana Varejão, Janaína Tschäpe, Julião Sarmento, Lula Buarque de Hollanda, Marcos Chaves e Miguel Rio Branco. Ainda, foi convidado para compor o júri do Heiner Carow Award durante o 63° Festival de Berlim e em 2014 foi presidente do júri do Festival do Rio. Seu último trabalho de documentário experimental, Domingo,[8] é resultado da parceria com o artista dinamarquês Olafur Eliasson e foi apresentado durante o 17° Festival Videobrasil e teve sua estreia mundial no Festival do Rio 2014.

Na televisão, em 2008, Aïnouz escreveu e dirigiu a série de televisão Alice, em parceria com Sergio Machado, para a HBO América Latina. Seus curtas-metragens e instalações foram exibidos em inúmeras mostras e museus pelo mundo, incluindo no Whitney Museum of American Art, MoMa Nova York, Bienal de São Paulo, Bienal de Sharjah, Museu de Arte Contemporânea de Fortaleza[1] e Festival Videobrasil.

Desde 2017 Aïnouz é membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Em 2018, Aïnouz lançou o documentário Zentralflughafen THF (Aeroporto Central THF). O filme retrata a vida de refugiados em busca de asilo político na capital da Alemanha e teve sua estreia mundial na seção Panorama do 68º Festival Internacional de Filmes de Berlim onde ganhou o Prêmio Anistia Internacional. A produção, até então, já foi exibida em mais de 50 festivais. Em 2019, lançou o longa-metragem A Vida Invisível, uma adaptação do romance ''A Vida Invisível de Eurídice Gusmão" escrito por Martha Batalha. O filme ganhou o prêmio Un Certain Regard no Festival de Cannes de 2019, e foi o escolhido para representar o Brasil na disputa por uma vaga na categoria de Melhor Filme Internacional no "Oscar 2020''.

Filmografia

editar

Filmes

editar
Ano Título Creditado como Tipo
Direção Roteiro
1992 O Preso Sim Sim Vídeo
1993 Seams Sim Sim Curta-metragem
1994 Paixão Nacional Sim Sim Vídeo
1996 Hic Habits Felicitas Sim Sim Curta-metragem
1998 Les Ballons des Bairros Sim Sim Curta-metragem (documentário)
2000 Rifa-me Sim Sim Curta-metragem
2001 Abril Despedaçado Não Sim Longa-metragem
2002 Madame Satã Sim Sim
2005 Cidade Baixa Não Sim
Cinema, Aspirinas e Urubus Não Sim
2006 O Céu de Suely Sim Sim
2010 Desassossego Sim Sim
Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo Sim Sim
2011 Sonnenallee Sim Sim Curta-metragem (documentário)
Destricted.br Sim Sim Vídeo
O Abismo Prateado Sim Sim Longa-metragem
Sua Cidade Empática Sim Não Vídeo
2014 Cathedrals of Culture Sim Sim
Praia do Futuro Sim Sim Longa-metragem
Domingo Sim Sim Curta-metragem (documentário)
Terra Prometida Sim Sim Vídeo
Short Plays Sim Não
2015 Velázquez ou o Realismo Selvagem Sim Sim Longa-metragem (documentário)
2018 Zentralflughafen THF Sim Não
2019 A Vida Invisível Sim Sim Longa-metragem
2020 Nardjes A. Sim Não Longa-metragem (documentário)
Missão Perséfone Sim Não Curta-metragem
2021 Marinheiro das Montanhas Sim Sim Longa-metragem (documentário)
2023 Firebrand Sim Não Longa-metragem

Televisão

editar
Ano Título Creditado como Tipo
Direção Roteiro
2008 Alice Sim Sim Série de televisão

Prêmios

editar
  • Prêmio Un Certain Regard no Festival de Cannes por A Vida Invisível (2019)
  • Prêmio Anistia Internacional no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim por Zentralflughafen THF (2018)
  • Segundo Prêmio Coral no Festival de Havana por O Abismo Prateado (2011)
  • Prêmio de Melhor Diretor no Festival do Rio por O Abismo Prateado (2011)
  • Grand Prix Coup de Coeur, 22º Rencontres Cinémas d'Amérique Latin (Toulouse/France), por Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo (2010)
  • Prêmio de Melhor Fotografia no Festival do Rio por Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo (2009)
  • Prêmio de Melhor Diretor no Festival do Rio por Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo (2009)
  • Prêmio FIPRESCI no Festival de Havana por Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo (2009)
  • Terceiro Prêmio Coral no Festival de Havana por Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo (2009)
  • Prêmio FIPRESCI, 47º Thessaloniki International Film Festival, por O Céu de Suely [Love for Sale ](2009)
  • Grand Coral no Festival de Havana por O Céu de Suely (2009)
  • Prêmio de Melhor Filme no Festival do Rio por O Céu de Suely (2006)
  • Prêmio de Melhor Diretor no Festival do Rio por O Céu de Suely (2006)
  • Prêmio de Melhor Diretor na Associação Paulista de Críticos de Arte por Madame Satã (2002)
  • Prêmio de Melhor Direção no Festival de Biarritz por Madame Satã (2002);
  • Gold Hugo no Chicago International Film Festival por Madame Satã (2002);
  • Prêmio de Melhor Curta-metragem no Ann Arbor Film Festival, em Michigan, por Seams (1997);
  • Prêmio Vito Russo Award no New Festival, em Nova York, por Seams (1994)
  • Prêmio de Melhor Curta-metragem no Atlanta Film Festival por Seams (1994).

Ver também

editar

Referências

  1. a b Redação (11 de junho de 2014). «A sala da praia de Karim e Armando». Diário do Nordeste. Consultado em 1 de julho de 2017 
  2. Mischke, Inken Sarah (2014). «Tudo o que você precisa saber sobre Karim Aïnouz antes de assistir ao Praia do Futuro». Oba Oba. Consultado em 1 de julho de 2017 
  3. Campbell, Alexandre. «Quem é quem no cinema - Karim Aïnouz». Filme B. Consultado em 1 de julho de 2017 
  4. «Praia do futuro». Bernilale. 2014. Consultado em 1 de julho de 2017 
  5. Pécora, Luísa (19 de maio de 2014). «Cineasta Karim Aïnouz: "Por que uma pessoa beijar outra é algo polêmico?"». IG. Consultado em 1 de julho de 2017 
  6. «Cathedrals of Culture». Bernilale. 2014. Consultado em 1 de julho de 2017 
  7. «Karim Aïnouz, o homenageado desta edição da Mostra de Cinema de Tiradentes». Jornal O Tempo. 2010. Consultado em 1 de julho de 2017 
  8. «Domingo». Video Brasil. 2014. Consultado em 1 de julho de 2017 

Ligações externas

editar


  Este artigo sobre um(a) cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.