Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Julho de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marco Aurélio
Imperador Romano
Reinado 8 de março de 161
a 17 de março de 180
Predecessor Antonino Pio
Sucessor Cômodo
Co-monarcas Lúcio Vero (161–169)
Cômodo (177–180)
 
Esposa Faustina, a Jovem
Descendência Ânia Galéria Aurélia Faustina
Gêmelo Lucila
Lucila
Tito Élio Antonino
Tito Élio Aurélio
Adriano
Domitia Faustina
Fadila
Ânia Cornifícia Faustina
Tito Aurélio Fulvo Antonino
Cômodo
Marco Ânio Vero César
Víbia Aurélia Sabina
Dinastia Nerva-Antonina
Nome completo
Marco Ânio Vero
Marco Élio Aurélio Vero
César Marco Aurélio Antonino Augusto
Nascimento 26 de abril de 121
Roma, Itália, Império Romano
Morte 17 de março de 180 (58 anos)
Vindobona ou Sírmio, Panônia, Império Romano
Enterro Mausoléu de Adriano, Roma, Lácio, Itália
Pai Marco Ânio Vero
Antonino Pio (adotivo)
Mãe Domícia Lucila
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Marco Aurélio (desambiguação).

Marco Aurélio (em latim Marcus Aurelius; 26 de abril de 12117 de março de 180), foi imperador romano desde 161 até sua morte. Seu reinado foi marcado por guerras na parte oriental do Império Romano contra os partas, e na fronteira norte, contra os germanos. Foi o último dos cinco bons imperadores, e é lembrado como um governante bem-sucedido e culto; dedicou-se à filosofia, especialmente à corrente filosófica do estoicismo, e escreveu uma obra que até hoje é lida, Meditações.

Índice

BiografiaEditar

 
Jovem Marco Aurélio
Museus Capitolinos

O seu tio Antonino Pio designou-o como herdeiro em 25 de fevereiro de 138 (pouco depois de ele mesmo ter sucedido a Adriano). Marco Aurélio tinha, então, apenas dezessete anos de idade. Antonino, no entanto, também designou Lúcio Vero como sucessor. Quando Antonino faleceu, Marco Aurélio subiu ao trono em conjunto com Vero, na condição de serem ambos co-imperadores (augustos), ressalvando, no entanto, que a sua posição seria superior à de Vero. Os motivos que conduziram a esta divisão do poder são desconhecidos.

No entanto, esta sucessão conjunta pôde muito bem ter sido motivada pelas cada vez maiores exigências militares que o império atravessava. Durante o reinado de Marco Aurélio, as fronteiras do Império Romano foram constantemente atacadas por diversos povos: na Europa, germanos tentavam penetrar na Gália, e na Ásia, os partas renovaram os seus assaltos. Sendo necessária uma figura autoritária para guiar as tropas, e não podendo o mesmo imperador defender as duas fronteiras em simultâneo, nem tão-pouco nomear um lugar-tenente (que poderia, tal como haviam já feito Júlio César ou Vespasiano, usar o seu poder, após uma portentosa vitória, para derrubar o governo e instalar-se a si mesmo como imperador).

 
Marco Aurélio
Museu do Prado

Assim sendo, Marco Aurélio teria resolvido a questão enviando o co-imperador Vero como comandante das legiões situadas no oriente. Vero era suficientemente forte para comandar tropas e, ao mesmo tempo, já detinha parte do poder, o que certamente não o encorajava a querer derrubar Marco Aurélio. O plano deste último revelou-se um sucesso - Lúcio Vero permaneceu leal até sua morte, em campanha, no ano 169.

De certa forma, este exercício dual do poder no início do reinado de Marco Aurélio parece uma reminiscência do sistema político da República Romana, assente na colegialidade dos cargos e impedindo que uma única pessoa tomasse conta do poder supremo - como sucedia com os cônsules, sempre nomeados em número de dois. A colegialidade do poder supremo foi reavivada mais tarde por Diocleciano, quando este estabeleceu a tetrarquia imperial em finais do século III. Marco Aurélio casou-se com Faustina, a Jovem, filha de Antonino Pio e da imperatriz Faustina, a Velha, em 145. Durante os seus trinta anos de casamento, Faustina gerou 13 filhos, entre os quais Cómodo, que se tornaria imperador após Marco Aurélio, e Lucila, que se casou com Lúcio Vero para solidificar a sua aliança com Marco Aurélio.

Marco Aurélio faleceu em 17 de março de 180, durante uma expedição contra os marcomanos, que cercavam Vindobona (actual Viena, na Áustria). As suas cinzas foram trazidas para Roma e depositadas no mausoléu de Adriano.

Poucos anos antes de morrer, designou o seu filho Cómodo como herdeiro (o qual foi o primeiro imperador a suceder a outro por via consaguínea, e não por adopção, desde o final do século I), tendo-o, ainda, feito co-imperador em 177.

No entanto, Cómodo, para além de ser egocêntrico, não estava preparado para o exercício do poder. Por isso, muitos historiadores fazem coincidir o início do declínio de Roma com a morte de Marco Aurélio e a ascensão ao trono de Cómodo. Diz-se até que a sua morte foi o fim da Pax Romana, encerrando a era áurea do Império.

Casamento e filhosEditar

Em seus trinta anos de casamento, Faustina e Marco Aurélio tiveram treze filhos:

InfluênciaEditar

Na arteEditar

A estátua equestre de Marco Aurélio de bronze dourado), (hoje, nos Museus Capitolinos), erigida na praça em frente ao Palácio de Latrão, restaurada por Michelangelo e transferida para a Praça do Capitólio, em Roma, em 1538, tornou-se o protótipo de todas as estátuas equestres do Renascimento. Uma cópia da estátua de bronze está na Praça do Capitólio. Uma imagem dessa estátua figura na moeda de 50 cêntimos de Euro italiana, desenhada por Roberto Mauri.

Na literatura e no cinemaEditar

  • A Queda do Império Romano: filme de 1964, sendo o papel de Marco Aurélio desempenhado por sir Alec Guinness.
  • Household Gods, livro de 1999, da autoria de Judith Tarr e Harry Turtledove (ISBN 0-613-35147-9).
  • Gladiador, filme de 2000, com o papel de Marco Aurélio sendo desempenhado por Richard Harris.
  • Marco Aurélio, Diis Manibus, livro de 2003, da autoria de Mário Sousa Cunha. Lisboa, Ésquilo Ed. Multimédia.
  • Citado pelo personagem Hannibal Lecter em O Silêncio dos Inocentes, filme estadunidense de 1991
  • Citado em Roma - império de Sangue, de 2016 (série documental em 6 capítulos produzida pela Netflix).
  • Citado no filme Assassinos Múltiplos (Acts of Vengeance), de 2017, com o protagonismo de Antonio Banderas, cujo desenrolar da trama é pautado em reflexões do livro que orientam o personagem em sua busca por justiça.

Árvore genealógicaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Jona Lendering. «Marcus Aurelius». Livius.org. Consultado em 15 de junho de 2012. 

Ligações externasEditar