Abrir menu principal

Margarida Salomão

política brasileira
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde março de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Margarida Salomão
Deputada Margarida em 2016
Deputada federal por Minas Gerais
Período 3 de janeiro de 2013
até atualidade
Dados pessoais
Nome completo Maria Margarida Martins Salomão
Nascimento 10 de junho de 1950 (69 anos)
Juiz de Fora, MG
Nacionalidade brasileira
Partido PT (2002-atualidade)
Profissão Professora

Maria Margarida Martins Salomão, mais conhecida como Margarida Salomão (Juiz de Fora, 10 de junho de 1950), é uma pesquisadora, professora universitária, escritora e política brasileira. É graduada em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mestre em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e doutora também em Linguística pela Universidade de Berkeley (EUA).[1] No ano de 2007, concluiu Pós-Doutorado pela University of California.[2] Hoje, é Deputada Federal pelo Partido dos Trabalhadores do estado de Minas Gerais e presidente da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades.[3]

Margarida na UFJFEditar

Margarida Salomão, professora emérita da UFJF, soma em seu currículo 40 anos de dedicação à docência na instituição. O ingresso na Universidade deu-se em 1968, como aluna da primeira turma da Licenciatura em Letras. Entre 1994 e 1998 foi Pró-Reitora de Pesquisa iniciando o processo de expansão da pós-graduação na UFJF. Em 1998, Margarida se tornou primeira mulher a ocupar o cargo de reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), posição que manteve por dois mandatos consecutivos, entre os períodos de 1998 a 2002 e de 2002 a 2006, sendo que quando candidata a reeleição - em 2002 - fora candidata única por conta do grande apoio e aceitação de suas praticas na reitoria.[4]Seu mandato à frente da UFJF ficou popularmente conhecido por implementar cursos noturnos, sistemas de cotas e estreitar as relações entre a universidade e a comunidade.

Como reitora da UFJF, incentivou a participação popular e a inovação como pilares de sua administração. Liderou a criação do Centro Regional de Inovação e Transferência de Tecnologia (CRITT), com o objetivo de aproximar Universidade e Sociedade no campo do desenvolvimento, finalidade para a qual também militou na criação da Agência do Desenvolvimento de Juiz de Fora e Região.

Com o objetivo de fomentar alternativas na área de expansão do trabalho e da renda, implantou em 1998 na UFJF a INTECOOP, Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares, iniciativa que inaugura em Juiz de Fora o campo da Economia Solidária, importante inovação na área do desenvolvimento econômico e social. Em 1999, num período de grande restrição de recursos para as universidades federais, Margarida liderou o esforço para a criação dos novos cursos de Engenharia da Produção e Turismo, além de ter multiplicado multiplicar por quatro as vagas de curso noturnos, para garantir o acesso à UFJF da população trabalhadora.

Inaugurou em dezembro de 2001 a terceira Casa de Parto do Brasil, em convênio com o Ministério da Saúde, dedicada exclusivamente à prática do parto normal. Aproximadamente mil gestantes deram à luz no local, com absoluta segurança e de forma humanizada.

Em 2004, Margarida presidiu a decisão do Conselho Superior da UFJF de adotar o sistema de cotas sociais e raciais para o ingresso nos cursos da Universidade, com vistas à inclusão dos grupos historicamente excluídos do acesso às instituições públicas de ensino superior. A aprovação desta medida de justiça social pela UFJF antecede em oito anos a lei federal que estendeu esta decisão para todo o Brasil.

Ainda na área da saúde, Margarida construiu e inaugurou , em setembro de 2006, com a presença do Presidente Lula, o CAS, Centro de Atenção à Saúde do Hospital Universitário da UFJF. Na ocasião, o Presidente Luia declarou “Nenhuma cidade do Brasil tem um hospital desta qualidade”. Infelizmente, a gestão sucessora descontinuou a implantação do projeto e deu início a uma expansão inacabada do HU.

Antes de assumir o mandato parlamentar, ou seja, até o fim de 2012, Margarida Salomão atuava como professora associada na graduação em Letras e pós-graduação em Linguística na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora, onde liderava o projeto de pesquisa FrameNet Brasil (rede lexical do Português do Brasil segundo sua descrição pela semântica de frames).[5]

Vida Pública antes de 2008Editar

Além de reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) por dois mandatos consecutivos, Margarida foi Secretária Municipal de Administração e de Governo da Prefeitura de Juiz de Fora entre os anos de 1983 e 1988[2][6] na então gestão de Tarcísio Delgado como Prefeito do município mineiro.[7]

Ainda na década de 1980, a professora foi dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Juiz de Fora.[5][2]

Mais tarde, durante o período em que foi reitora da UFJF (1998 a 2006), Margarida foi dirigente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES).[2][6][8]

Disputas EleitoraisEditar

Margarida é filiada ao Partido dos Trabalhadores no ano de 2002 [2][6] e, alguns anos depois, tornou-se uma figura pública do partido na cidade mineira de Juiz de Fora.

Em 2008, disputou sua primeira eleição como candidata à prefeitura de Juiz de Fora, sendo a mais votada no primeiro turno. Se classificou para o segundo turno junto a Custodio Mattos, para quem perdeu a corrida eleitoral.[9]

Em 2010 candidatou-se a deputada federal por Minas Gerais, sendo eleita em posição de primeira suplente em sua chapa devido ao quociente eleitoral.[10] Na ocasião, Margarida obteve a maior votação que um candidato a deputado federal já obteve em Juiz de Fora.[11]

Em 2012 fora novamente candidata à Prefeitura de Juiz de Fora, onde era franca favorita a vitória. Ficou em 2° lugar no primeiro turno com 37,19% dos votos validos, atrás apenas de Bruno Siqueira que somou 40,26% dos votos. No segundo turno, porém, a vantagem de Bruno se ampliou nas pesquisas e acabou por se confirmar nas urnas, o que levou Margarida a uma nova derrota. Somou ao todo no segundo turno 42,84% dos votos, o que corresponde a 122.684 votos, enquanto seu adversário conseguiu 57,16% dos votos, correspondente a 163.686 votos válidos. [12]

Em 2014, Margarida candidata-se novamente ao cargo de Deputada Federal de Minas Gerais pelo PT, sendo reeleita para a cadeira na Câmara Federal, desta vez já como titular, tendo obtido 78.973 votos válidos[13] - sendo 53.485 votos oriundos de Juiz de Fora, tendo sido a mais votada para o cargo na cidade.[14]

Atuação na Câmara dos DeputadosEditar

Mesmo tendo perdido a eleição para a Prefeitura de Juiz de Fora em 2012, Margarida não abandona a carreira política: a partir de 2013 ela assume a cadeira deixada por Gilmar Alves Machado (que foi eleito prefeito de Uberlândia em 2012) na Câmara dos Deputados em Brasília. Ela assumiu seu mandato dia 3 de Janeiro de 2013.[15]

Como primeira mulher juiz-forana eleita deputada federal, Margarida já iniciou seu mandato exercendo grande destaque: no dia 12 de março de 2013 foi nomeada como Vice-Líder de bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara. Também assumiu as seguintes comissões parlamentares: suplente na Comissão de Educação - CE (05/03/2013), titular na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (05/03/2013), titular na Comissão Especial sobre Fator Previdenciário (26/02/2013), titular na Comissão Especial sobre a Reformulação do Ensino Médio (26/02/2013) e suplente na Comissão Especial sobre o PL 7420/06 - Lei de Responsabilidade Educacional (14/03/2013) e na Comissão Especial sobre o PL 2177/11 - Código Nacional de Ciência e Tecnologia (09/04/2013). Margarida também é membro dos seguintes conselhos: Titular do Centro de Estudos e Debates Estratégicos e suplente do RES 025/01 - Conselho de Ética da Câmara dos Deputados (27/3/2013).[16]

Atuando no campo da participação popular e cidadã, Margarida realizou, em 9 de março de 2013, uma plenária, na qual empossou um conselho de 20 pessoas, sendo propositalmente 10 homens e 10 mulheres, que terão a função de criticar e aconselhar seu mandato.[17]

No dia 10 de dezembro de 2013, a Câmara dos Deputados lança a Frente Parlamentar de Valorização das Universidades Federais, grupo que está, desde sua fundação, sob a presidência de Margarida Salomão.[18]

Reeleita em 2014 como Deputada Federal,[13] Margarida inicia a nova legislatura sendo indicada como suplente na Comissão Especial criada para discutir a PEC 352/2013 e diversos outros projetos sobre reforma política[19]

Em 2014, Margarida foi a responsável pela PEC 12/2014, a Emenda da Inovação, que visa estimular a criação de soluções tecnológicas para impulsionar o setor produtivo nacional e entrar em outro ciclo do desenvolvimento, fomentado pela economia do conhecimento. No início de 2015, é promulgada emenda que incentiva ciência, tecnologia e inovação.

Em 2018, Margarida é reeleita com 87.378 votos, sendo majoritária em diversas cidades da Zona da Mata e Campo das Vertentes.

Referências

Ligações externasEditar